Vaga para coordenador de conteúdo

BRZ busca coordenador de conteúdo

A BRZ está buscando um profissional que seja apaixonado por conteúdo de qualidade. Este profissional deve entender que uma boa estratégia de marketing de conteúdo deve ter planejamento, entregar valor, e disseminar ideias. Deverá conduzir, com responsabilidade e compromisso, a gestão das demandas de nossos clientes. Também acompanhará e supervisionará as elaboração de peças junto a equipe de criação. E realizará reuniões de apresentação de resultados e planejamento exclusivo para cada marca, a fim de garantir os melhores resultados.

Se ficou interessado e quer participar do processo seletivo, mande o seu currículo para o e-mail brzcontent@gmail.com.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Mídia programática e a exposição das marcas

“Na mídia programática, exposição indesejada da marca não é e nem nunca foi regra”

Durante algumas décadas em nosso país, quando uma empresa desejava comunicar os reais atributos de seus produtos ou serviços aos seus consumidores finais, os caminhos para fazer essa comunicação eram os mesmos. Além da TV aberta, meio de comunicação com mais de 90% de penetração junto aos brasileiros, as empresas e suas agências de publicidade encontravam, ainda, a mídia impressa e, claro, o forte e importante rádio.

Porém hoje, muitos anos mais tarde, ainda que com o máximo respeito aos veículos e aos profissionais que atuam nessas frentes, devemos entender que é tudo muito diferente de antes. As coisas mudaram e a possibilidade das marcas entenderem o que seus targets realmente querem, como eles querem e onde eles estão tornou-se absolutamente possível.

A exposição paga de marcas no ambiente online trouxe às empresas anunciantes características bastante vantajosas e nunca encontradas até então nas mídias tradicionais, como por exemplo a possibilidade de mensuração de resultados de campanha, a interatividade com seus públicos em real-time, além da importante e tão desejada segmentação de público.

Poderíamos aqui até tratar detalhadamente das questões de interatividade e da mensuração, enormemente importantes e que permitem às marcas serem mais assertivas, estabelecerem um diálogo com seus consumidores e, claro, atuar de forma mais otimizada e rentável. Porém, o que queremos aqui discutir é a característica da segmentação de público.

A mídia programática é uma das mais relevantes formas de atuação em mídia digital e tem atraído bastante a atenção de gestores de marketing não só no Brasil, mas em todo o mundo. É uma mídia inclusive bastante democrática e, por isso, tem levado empresas pequenas e médias a anunciar até pela primeira vez. O fato ainda de possibilitar às marcas anunciantes maior otimização na compra da mídia, na implementação e na mensuração dos resultados obtidos, a torna por consequência também mais assertiva, contribuindo rapidamente para os objetivos de negócio das empresas.

Mas talvez a maior das diferenças esteja no fato de que a mídia programática quebra uma lógica imposta por profissionais de propaganda e publicidade por muitos anos: o foco não está mais no veículo de comunicação e sim, no target. Desta forma, nesse tipo de mídia estuda-se o comportamento das pessoas no ambiente digital e então a marca aparecerá somente para aqueles que desejam e que tenham demonstrado interesse naquele conteúdo. A mensagem de marca surge então, de forma contextualizada, para quem deseja receber aquele conteúdo, no momento que deseja, na frequência ideal e onde esse público estiver. Pode ser num site de esportes, na mídia social preferida ou mesmo dentro de um aplicativo que utilize. Certeza de gol.

Ocorre que nas últimas semanas, acompanhamos pela mídia um verdadeiro massacre ao setor de mídia programática. O trabalho realizado pela chamada CPI das Fake News identificou e tornou público que o Governo Federal teria exibido ‘milhões de propagandas em sites maliciosos’ nos últimos meses e que isso ocorreu porque a veiculação se deu através de mídia programática.

“Na mídia programática, exposição indesejada de marca não é e nem nunca foi regra. O problema não está no uso da mídia programática. Está no uso inadequado da plataforma. Um planejamento bem feito cria filtros de brand safety, e a mensagem de marca aparece apenas em um ambiente seguro.”, diz Rodolfo Darakdjian, CEO da OPL Digital.

A OPL Digital é uma dessas empresas especializadas no tema. Com sede em São Paulo e também em Miami, nos Estados Unidos, a empresa investiu pesado na compra de tecnologia nos últimos anos, atua com uma DSP própria, e hoje tem como clientes governamentais, sendo alguns deles: Ministério da Saúde, Ministério do Turismo, Prefeitura de São Paulo, Eletrobrás, Caixa e Governo do Estado de São Paulo, além de clientes do setor privado como Schneider Electric, BRF, Seara, Unilever, Latam, Porsche, CCR, entre outras.

Para um anunciante que decida por comunicar seus produtos e serviços em mídia programática é extremamente importante que busque por empresas que sejam capacitadas e especializadas no tema. Prover cuidados básicos que impeçam as marcas de aparecerem em ambientes não seguros é essencial para quem trabalha com mídia programática.

Não se pode generalizar, e as recentes notícias que trataram das ações do Governo Federal não podem ‘carimbar’ ou marginalizar todo um mercado, que é composto por empresas e profissionais sérios e comprometidos com os resultados dos clientes. Uma ou duas empresas que tiveram tais equívocos não podem ser vistas como representantes de todo um setor. É importante ressaltar que mídia programática não financia o crime e nem patrocina e nem compactua com nenhum tipo de fake news. Atualmente existem políticas de brand safety que, inclusive, são atualizadas constantemente e que eliminam os sites impróprios ou maliciosos. As chamadas passlists, de uso bastante comum em mídia programática, possibilitam que a marca anunc iante es colha exatamente os sites e aplicativos em que serão exibidos os anúncios, evitando destinos indesejados. Segurança na rede é preocupação número um de qualquer marca que esteja na rede.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Vaga para atuar em social media

Vaga para Social Media com boas noções de copy

Agência busca um(a) profissional dinâmico(a), comprometido(a), com boa gestão de tempo e sempre antenado(a) às novidades.
Será responsável pela gestão diária das estratégias das contas da agência. É importante que o(a) profissional seja extremamente comunicativo para ser ponte diretamente com o cliente ao lado do atendimento, captar rapidamente ideias e sugerir novas ações constantemente. Assim como estar sempre em contato com a equipe de criação. Será a peça chave entre o atendimento e criação.

Photo by Andrew Neel on Unsplash

Requisitos
– Respostas rápidas a insights dados pelos clientes, elaborando e liderando ações e projetos com agilidade;
– Preparar briefing;
– Responsável pela entrega, qualidade e apresentação dos relatórios mensais dos clientes, peças e outros materiais;
– Comprometimento com o cliente e com os resultados obtidos;
– Supervisão de todas as contas e materiais, cuidando do dia a dia de cada cliente da carteira;
– Alinhar criativos junto a equipe de designers;
– Ser comprometido(a) e pró-ativo(a).

Desejável
– Experiência com planejamento de redes sociais;
– Heavy user de redes sociais;
– Conhecimento em marketing;
– Estar ligado(a) em novas tendências;
– Conhecimento em ferramentas de organização: Trello;
– Conhecimento em ferramentas de monitoramento.

Agencia Ninhu.com.br – Localizada na ZL SP

Interessados por favor, enviem email para:
mariogalhardo@ninhu.com.br

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Grupo de planejamento lança novo curso

Curso de Análise de Comunicação

Uma análise de comunicação bem feita revela os significados mais profundos das marcas. Esta é uma habilidade essencial para se planejar uma estratégia criativa e diferenciada.

O curso aborda os fundamentos de uma análise de comunicação que gere insights para estratégias criativas. O objetivo é ensinar a fazer uma boa análise de comunicação que vá além do básico, através de casos reais e exercícios práticos. Se o papel da comunicação é dar significado a produtos e marcas, uma análise bem feita revela como uma marca adquire significados, levanta hipóteses e pode direcionar o produto criativo.

O curso pode ajudar todos que queiram fazer uma boa análise de comunicação, sejam profissionais de agência (planejamento, atendimento, criação ou mídia) ou do cliente (profissionais de marketing, consumer insights, pesquisa). Pode ser de estagiário a gerente, pessoas que se interessem por entender como as marcas constroem significados, e queiram aprimorar suas técnicas de análise e percepção.

Quem:
Nelson Kuniyoshi

Nelson Kuniyoshi é consultor em estratégia de comunicação, com mais de 20 anos de experiência. Trabalhou em algumas das mais importantes agências do mundo (JWT, Y&R, BBDO-Japan, FCB ), na Ásia (Singapura e Tóquio) e no Brasil. Ele tem uma formação eclética: estudou Engenharia e Educação Física, antes de cursar o mestrado em Administração da FEA-USP. Também fez cursos de Planejamento na APG-Londres. Nelson é um dos fundadores do Grupo de Planejamento Brasil (GP) e desde 2002 dá aulas e palestras sobre Brief Criativo, Análise de Comunicação, e Potencial Criativo.

Quando:
21 de Julho de 2020 das 19h30 às 22h30

Quanto:
Sócio do Grupo de Planejamento R$ 99,00
Inscrição avulsa R$ 199,00 inscrição
COMBO (inscrição + Anuidade de sócio) R$ 299,00

Onde:
Os inscritos receberão link por e-mail.

Link para processo seletivo de bolsas:

https://forms.gle/WU34dmgQQxWXKM8LA

Link para inscrição:

https://www.sympla.com.br/curso-de-analise-de-comunicacao__890228

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Experiência de vida com isolamento social faz Geração Z resgatar valores das dimensões humanas, diz pesquisa

Levantamento da HSR Specialist Researchers comprova o nascimento de um novo olhar dos jovens sobre a vida familiar

As experiências de vida que a pandemia provocada pelo novo coronavírus está proporcionando aos jovens da Geração Z, têm possibilitado que vivenciem momentos significativos em relação ao convívio familiar. Esse cenário, até então inédito para alguns, tem se mostrado transformador pois tem estimulado uma maior valorização dos vínculos familiares, indicando um movimento de resgate das dimensões humana.Essa é uma das constatações do estudo “Zners – A Geração que Viveu a Quarentena”, realizado pela HSR Specialist Researchers. Essa expressão foi criada pela HSR para definir a Geração Z que vivencia a fase de isolamento no inédito.

A pesquisa aponta que os Zners estão descobrindo mais prazer e dando maior valor à proximidade e aos vínculos familiares. A interação com a família cresceu e o compartilhamento das refeições faz parte da rotina. Para 49% dos Zners há mais conversas com as pessoas de casa e 41% estão participando mais das refeições em família. Além disso, 30% também estão conversando mais com familiares que moram em outra casa.

O isolamento social está contribuindo para os jovens descobrirem novas formas de participar da vida em família, experimentando atividades das quais não faziam parte antes. Nesse sentido, 72% dos jovens entrevistados afirmam que estão participando do preparo das refeições e 80% deles estão lavando a louça. E o engajamento com as tarefas domésticas não para por aí. Entre os entrevistados, 80% limpam o próprio quarto, 75% arrumam a própria cama e 77% ajudam na limpeza da casa. Adicionalmente, 68% estão contribuindo para deixar os ambientes da casa mais arrumados.

O resultado desses novos hábitos é uma mudança no comportamento, pois os Zners que estão tendo mais contato com trabalhos domésticos passaram a valorizar os trabalhos de diaristas ou da própria mãe.

“Os aprendizados ocasionados pela quarentena estão sendo transformadores em várias dimensões, mas especificamente em relação ao convívio familiar, vimos que os Zners pretendem levar para a vida os comportamentos experienciados. Os dados mostram que 52% querem continuar a conversar e conviver mais com pais, mães, irmãos e outros familiares após o fim do isolamento social. Além disso, 50% deles querem permanecer participando das refeições em família”, ressalta Naira Maneo, diretora da HSR Specialist Researchers.

“Apesar das perdas e dificuldades geradas pela pandemia, vemos também uma oportunidade para que esses jovens saiam fortalecidos e mais maduros desse período. A maior convivência familiar e a cooperação deixam claro para esses jovens a importância de seu papel dentro da família”, comenta Karina Milaré, diretora da HSR.

Metodologia e dimensões – A pesquisa realizada na segunda semana de maio ouviu mais de 1,5 mil jovens, entre 16 e 24 anos, classes sociais A, B e C, das principais capitais brasileiras, tendo como base questionário estruturado a partir de levantamento qualitativo realizado em abril. O estudo foi estruturado em cinco dimensões para analisar de forma ampla os pensamentos e sentimentos dos jovens. Nesta primeira, se abordou o relacionamento familiar e os demais temas serão, na ordem: ‘Vivendo em um Mundo 100% Online’; ‘Alimentação e Saúde’; ‘Educação e EAD’; e ‘Valores Emergentes e Aprendizados da Pandemia’.

Fonte: LF Comunicação Corporativa – Marco Barone

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

Uma estratégia para um propósito ou um propósito para uma estratégia?

Sim, eu sei.. num primeiro momento isso lembra aquele famosíssimo slogan: “A Tostines vende mais porque tá sempre fresquinha ou tá sempre fresquinha porque vende mais?”.  Além de bom, esse slogan sempre me soou muito engraçado…

O papo aqui, entretanto, é sério. Muito sério!

Muita gente tem dado entrevista, falado em podcasts e em lives que as marcas que tiverem um propósito firme e verdadeiro se darão bem neste momento de crise. E eu concordo 100%. Super! Mas o que ninguém consegue dizer com clareza é que devemos buscar uma estratégia que gere um propósito ou se devemos ter um propósito que gere uma estratégia de marketing e comunicação?

Eu digo que fico com a segunda hipótese. E não estou apenas chutando ou dando palpite (o que também está muito em alta nos dias atuais). O que eu penso e verbalizo está apoiado (e muito bem apoiado) nas ideias de Cynthia A. Montgomery, professora da Harvard Business School e autora do ótimo livro “O Estrategista – Seja o líder de que sua empresa precisa”.

A “roda da estratégia”

Neste livro a Cynthia (desculpa a intimidade) defende que o propósito deva ser o ponto central de toda empresa de destaque em seu segmento de atuação. Ela propõe o que chama de “roda da estratégia”, um sistema de criação de valor pensado em torno do propósito e que direciona toda a estratégia da empresa. Incluindo marketing e comunicação.

Ela traz exemplos bastante práticos de empresas como Ikea, Nike, Gucci e outras, que
estabeleceram estratégias de mercado e comunicação a partir de uma forte compreensão de seu propósito.

O interessante da proposta da autora é que ela não fecha um modelo único da “roda da estratégia”. Ao contrário. Ela propõe que cada empresa e cada propósito demandem um sistema diferente de apoio e consecução da estratégia.

Então, acredito que devemos ter o propósito para depois ter uma estratégia de comunicação do mesmo. Ache seu propósito e crie sua estratégia em torno dele.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Comunicação assertiva e o novo normal

O novo normal corporativo e o investimento em comunicação assertiva

*por Vera Moreira

Somos agentes de uma mudança histórica na jornada humana. Estamos vivendo a disrupção econômica, social, digital e pessoal.

Image by Karolina Grabowska from Pixabay

Um analista de comunicação ilustra muito bem o atual momento: “Estamos numa tempestade em barcos diferentes. Não interessa se está num bote ou num iate porque todos precisamos nos salvar”. É isso!! A pandemia fechou os países e vai mudar a economia e a sociedade.

Você já sacou que não existe mais “voltar ao normal”? Não existe mais a rotina antes do lockdown. Não iremos voltar ao escritório, abraçar nossos amigos, apertar a mão do cliente ou fazer longas reuniões. O novo normal é assegurar a integridade de seus colaboradores, promover reuniões em aplicativos eficazes, implantar home office ou teletrabalho, mudar as métricas de produtividade, mudar o layout dos escritórios e adotar um protocolo que garanta saúde e bem estar na empresa, no deslocamento, nos intervalos e no atendimento eficaz ao cliente.

A comunicação nunca foi tão importante para a retomada dos negócios. Quebrar paradigmas de marketing e da equipe de vendas. A ordem é ser transparente, fazer as alterações com leveza, estratégia de sustentabilidade da cadeia e informar com qualidade e assertividade.

A digitalização não inclui a inteligência e a flexibilidade diante da nova realidade da economia, dos serviços e da demanda do cliente/consumidor. As habilidades para manter o cliente e expandir os negócios estão alicerçados em empatia, eficácia e qualidade.

Não sabemos o tempo necessário para manter nossa saúde e evitar mortes, mas vamos sobreviver com novas estratégias e o olhar mais holístico sobre os desafios que a pandemia nos impôs. E essa mudança tem que ser encarada como oportunidade de melhorar.

Como você quer ser lembrado nessa crise?

Empresários, profissionais liberais, entidades representativas, executivos, atletas, artistas, educadores, cientistas e empreendedores estão inovando e repensando formas sustentáveis de manter sua expertise e construir um “novo normal”.

Marcas e empresas devem valorizar o que podem solucionar, apresentar uma identidade e “vender” sua imagem com comunicação integrada e que atinja os objetivos em cada público de atuação.

Image by Gerd Altmann from Pixabay

A comunicação é decisiva nesse momento para ser relevante e impactar seu cliente. Ser inovador e valorizar a carga de experiência que conquistou, mas ser humilde para aprender e entender esse novo momento da jornada da humanidade.

A nova sociedade quer uma vida melhor, mais saudável, mais sustentável e mais honesta.

Mude, conecte-se e mantenha conexões com essa nova realidade.

A comunicação é o investimento prioritário no novo modelo de negócios. Esteja atento a esse movimento.

*Vera Moreira é jornalista, especialista em comunicação corporativa integrada, fundadora da Vera Moreira Comunicação e empreendedora da startup Organics News Brasil.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Posicionamento das marcas em tempos de COVID-19

COVID-19: como as marcas devem se posicionar em tempos de crise?

Crises despertam emoções humanas poderosas ao causar incerteza e medo. Nesse momento as pessoas buscam o suporte e um direcionamento vindo de líderes, governos e instituições, mas também das empresas. Saber como responder às necessidades dos consumidores é um grande desafio de marketing, já que é preciso gerar confiança, transmitindo integridade e os valores da marca.

Image by Gerd Altmann from Pixabay

“Ninguém é igual e não existe uma única resposta genérica em um momento como este. Por isso é importante entender qual comunicação terá o melhor efeito para o seu público”, afirma Karina Collenghi, gerente de contas e especialista na solução NeedScope. “Poucas pessoas testemunharam o fechamento de fronteiras, compras excessivas, fechamento em massa de empresas ou distanciamento social forçado. As marcas de algumas categorias enfrentam uma ameaça existencial. Outras marcas podem ver oportunidades.”

Para conseguir engajar seus consumidores da forma correta, muitas marcas utilizam o NeedScope, uma solução que usa modelos de arquétipos da psicologia analítica para ajudar a entender qual é a melhor forma de se conectar emocionalmente com consumidores. Isso é possível através de técnicas projetivas específicas e relacionadas aos arquétipos de Jung para poder desvendar a emoção por trás de uma marca.

Image by Coffee Bean from Pixabay

Ele agrupa as características dos arquétipos, divididos em cores – amarelo, laranja, marrom, azul, roxo, vermelho – sendo possível diagnosticar as simbologias dentro das peças de comunicação, por exemplo. O mesmo vale para o tipo de posicionamento que as marcas devem ter em tempos de crise como o do COVID-19 de acordo com seu público:

– Perfil vermelho: Lutar e Ativar. Recusa-se a se colocar na posição de vítima e acredita que ações falam mais do que palavras. São destemidos nos comentários e comportamento e demandam ações dos líderes. Ex: Nike.

– Perfil roxo: Fortalecer e Liderar. Sabem que a crise levará a retrocessos, mas estão confiantes de que sairão por cima. Lideram por exemplo, buscam oportunidades para fazer a diferença e ensinam os demais a serem mais fortes. Ex: Stela Artois.

– Perfil azul: Criar Estratégias e Planejar. Tentam se manter lúcidos e calmos em meio às incertezas. Passam segurança ao focar em informações, fatos e números. Sempre agem com compostura. Ex: Ford.

– Perfil marrom: Perseverar e Defender as Estratégias. Preocupam-se com eles e com os outros, valorizando os ideais de família, amigos e comunidade. Oferecem suporte e conforto. Ex: Guiness.

– Perfil laranja: Colaborar e Aceitar as Estratégias. Sabem que a vida não pode parar e contribuem de alguma forma e fazendo sua parte. São práticos, mas realistas, adaptam-se às mudanças. Ex:Airbnb.

– Perfil amarelo: Evitar e Desviar. Mantêm o otimismo e alto astral, sempre olhando o lado positivo. São otimistas e confiantes de que os bons tempos virão. Ex: Havaianas.

O que os consumidores precisam das marcas em tempos de crise?

Independentemente do perfil no qual a marca se encaixa, a especialista acredita que todos os consumidores esperam e precisam de alguns elementos em comum:

– Precisam de respostas genuínas e mensagens que fazem sentido no mundo atual.

– Eles esperam que elas sejam responsáveis e tenham credibilidade

– Que construam confiança ao entender as necessidades deles

– Mostrem qual está sendo seu papel na crise

– E que não se aproveitem da situação

Fonte: Kantar – Karina Rodrigues da Silva

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

KTBO investe no Brasil para ampliar atuação na América Latina

Uma das maiores agências independentes da América Latina consolida seu crescimento no Brasil

Com uma abordagem “digital first” e clientes como Kellogg, Mattel e Electronic Arts, a KTBO cria estruturas personalizadas para liderar processos de transformação para grandes empresas da região

A KTBO, uma das líderes no mercado de publicidade independente na América Latina e entre as três principais agências no México, anuncia a expansão de suas operações na América Latina. O escritório no Brasil, o primeiro fora do país de origem, terá importância estratégica fundamental para expansão e consolidação regional como uma das maiores agências independentes da região. Fora do Brasil, grandes marcas, como Coca-Cola, AT&T, Grupo Bimbo, Colgate-Palmolive, Pandora, entre outras, brilham em seu portfólio. No total, são mais de 40 clientes, atendidos por cerca de 250 funcionários em sua sede na Cidade do México.

No Brasil, a KTBO é a agência digital da Kellogg’s, Mattel e Electronic Arts. “Para nós, ter uma base com uma equipe local em uma das maiores economias do mundo é um passo natural. Os acordos regionais com grandes clientes nos permitem estabelecer uma operação no Brasil com talentos locais”, afirma Armando David Ortigosa, fundador e CEO da empresa, presente no Brasil para o evento de lançamento.

A operação local será liderada por Mário Reys (profissional de Planejamento, que já trabalhou na F.biz e TV1) com apoio de Andrea Tornovsky (ex-Ogilvy, YDreams Global, Fábrica e Heads), responsável pelo Atendimento e pela área de Novos Negócios. A liderança criativa é de Maria Lígia Monteiro, que já atuou na AZZA, AG2 e Casa Mar.

Maria Lígia Monteiro, Mário Reys, Armando Ortigosa, Andrea Tornovsky e Paulo Diaz

Segundo Ortigosa, em um primeiro momento, o desempenho do escritório brasileiro visava o desenvolvimento de campanhas digitais para a Kellogg’s e a Mattel. “Acreditamos e estamos investindo pesadamente no país. Nosso objetivo é ganhar novas contas no primeiro semestre, agindo de forma independente da sede”, acrescenta. “Não importa onde estejamos – México, Brasil, Argentina, Colômbia ou em qualquer lugar do mundo -, nosso objetivo é entregar soluções de classe mundial como uma única unidade “.

Para ele, México e Brasil sofrem vícios no mercado de comunicação e modelos operacionais obsoletos. “Buscamos criar experiências relevantes, independentemente da mídia. O Brasil é um país de talentos criativos. Para nós, unir equipes criativas a especialistas em dados e idéias, prática já adotada pela KTBO no México, é o modelo do futuro ”, enfatiza. Este modelo já se mostrou vitorioso. Em 2019, o estudo Agency Scope, realizado com executivos de marketing no México, identificou a KTBO como a principal agência digital do país. “Somos uma agência criativa, nativa digital, para um mundo onde o digital está em primeiro lugar”, explica Ortigosa, reforçando o perfil full service da agência.

Estreia com o Tigre Tony – A KTBO logo mostrou seu cartão de visita com uma campanha digital de “relançamento” do Tigre Tony, mascote do cereal Sucrilhos, que estava afastado da mídia. Com apoio de influenciadores, a campanha “Recreate the Game” pediu a pais e crianças que reinventassem suas brincadeiras, transformando objetos banais do dia-a-dia em peças de um grande jogo.

De acordo com Damian Pirichinsky, diretor de marketing da Kellogg’s para o Mercosul, a iniciativa mostra um novo momento da empresa na região. “Nossa parceria estratégica e criativa com a KTBO está inovando a forma como monitoramos o público-alvo de nossas principais marcas. Isso nos dá insights diferenciados para testar diferentes execuções e projetos-piloto que nos permitem alcançar milhões de consumidores em diferentes momentos do dia”, afirma o executivo.

Prova dessa confiança está no investimento em uma extensão de sua unidade especial de atendimento, a Kellogg’s Unit for Brand Engagement (KUBE), em São Paulo, que há cinco anos funciona com sucesso no México. Na estrutura da KTBO, as unidades especiais são núcleos de trabalho totalmente dedicados a determinadas contas, como Coca-Cola (Media House) e Colgate (CODE). Seu foco é a promoção de engajamento do público com as marcas nos ambientes digitais.

Primeira dessas unidades especiais, o KUBE surgiu em 2015 a partir de uma iniciativa de Ortigosa e Omar Carrión, gerente-geral da multinacional para a América Latina. A proposta era unir a empresa e todos os seus pontos de contato digitais com os consumidores sob uma única liderança.

De acordo com Carrión, os primeiros anos de experiência do KUBE foram altamente proveitosos. “A KTBO está ajudando a revolucionar nosso modelo de engajamento em toda a América Latina, no qual o Brasil é um mercado-chave para o êxito de nossas estratégias comerciais”, garante.

Outra campanha lançada recentemente no Brasil pela KTBO foi a de reposicionamento da marca de sucos Trink, da Parati, com criação de personagens com características diferentes para cada um dos sabores: os Trinkinos, que fizeram sua estreia no Instagram e logo já foram até para blocos de Carnaval.

Fonte: Galbraith PR – Marco Barone

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

mLabs apresenta nova funcionalidade

Estúdio mLabs: nova funcionalidade permite usuários criarem peças profissionais de divulgação direto na plataforma

A mLabs, empresa líder em gerenciamento de redes sociais, anuncia a chegada do Estúdio mLabs, espaço onde o usuário poderá editar qualquer post, inserir textos e imagens, logos ou elementos complementares no material que deseja publicar. Neste primeiro mês serão disponibilizados 80 modelos diferentes para serem editados.

Segundo Rafael Kiso, fundador da mLabs e especialista em mídias sociais, a nova funcionalidade tem como objetivo aumentar a produtividade e reduzir de custos dos usuários, uma vez que para usar a novidade não será cobrado nenhum valor a mais. “Para pequenas e médias empresas, que apresentam desafios na gestão das redes sociais, pois o trabalho necessita de estratégias e demanda tempo da equipe – muitas vezes enxuta, a funcionalidade é uma forma de serem mais competitivas no ambiente digital. A intenção é ajudar tanto de criação quando inserção do conteúdo nas redes sociais. Além de economizar tempo, os empreendimentos ainda podem deixar o post mais atrativo e profissional dentro da plataforma”, comenta Kiso.

Rafael Kiso

De acordo com o levantamento Social Media Trends feito no ano passado, 96,2% das empresas utilizam canais digitais e desse total, 62,6% das organizações já consideram as redes ferramentas relevantes para as suas estratégias. Para Kiso, criar conteúdo de qualidade e que seja apresentável é um dos segredos para quem quer ter sucesso nas mídias sociais. “Um posicionamento inteligente parte do princípio de que o conteúdo precisa fazer sentido para a vida das pessoas, quando alinhado com um material visualmente atrativo as chances de retenção da mensagem é ainda maior”.

Criada em 2015, a mLabs conta com planos comerciais acessíveis, é fácil de ser gerenciada, totalmente intuitiva e com soluções que facilitam a rotina dos gestores de contas de mídias sociais como agendamento de postagens e gerenciamento de plataformas como Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, Pinterest, LinkedIn e Google Meu Negócio, sendo possível analisar a performance das páginas, controlar o fluxo de criação e aprovação de posts, comparar com o desempenho dos concorrentes e até gerar relatórios personalizados. Hoje a startup conta com mais de 122 mil companhias e em 2019 recebeu o aporte de R$ 4 milhões da Domo Invest para ampliar o portfólio de clientes em território nacional e escalar a operação.

Mais informações sobre a mLabs: https://www.mlabs.com.br/

Fonte: Emanoella Leite – Assessora de imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0