Coluna “Discutindo a relação…”

Você sabia que a propaganda nem sempre foi criativa?

É verdade!

No início da revolução industrial a propaganda era usada basicamente para informar as pessoas de que os produtos, agora padronizados e produzidos em série, existiam e estavam a disposição dos consumidores. A propaganda, neste momento, era basicamente informativa pois quase tudo era absolutamente novo.

Com a proliferação dos métodos e recursos de produção industrial começou a surgir a concorrência entre produtos similares, semelhantes, que ofereciam os mesmos benefícios para quem os comprasse e utilizasse. Aí surge a necessidade de a propaganda começar a criar diferenciais para tais produtos. Era preciso algo mais do que simplesmente informar.

Aí a propaganda parte para a persuasão, para o encantamento e, portanto, passa a buscar elementos criativos. Ela passa a ser criativa.

Olha o que o Carlos Domingos escreveu sobre isso em seu famoso livro “Criação sem pistolão – Segredos para você se tornar um grande criativo”:

“Depois da Revolução Industrial, o mundo assistiu ao lançamento de milhares de produtos novos. A geladeira, o automóvel, o liqüidificador, o creme dental, a margarina e produtos de beleza passaram a ser vendidos em larga escala. Como tudo era novidade, bastava mostrar o produto, dizer para que ele servia e pronto: as pessoas iam correndo comprar. Por isso os anúncios eram óbvios, diretos, sem qualquer criatividade. Por ser praticamente educativa, a propaganda introduziu na sociedade novos hábitos de higiene, saúde, beleza e cuidados com o lar. Foi ela que ensinou, por exemplo, as crianças a escovar os dentes.

Essa situação começou a mudar na segunda metade do século 20. Os produtos deixaram de ser novidade e foram surgindo diversos concorrentes no mercado. A pergunta do consumidor não era mais “por que preciso de uma geladeira?”, mas sim “qual geladeira eu devo comprar?”Descobriu-se que o produto que tinha a imagem mais simpática junto ao consumidor levava vantagem no ponto-de-venda. E para ter imagem simpática era preciso uma comunicação simpática. Foi por isso que surgiu a propaganda criativa: para ganhar a preferência do consumidor, diferenciar os produtos e construir a imagem das marcas.”

Sem o correto e adequado uso da criatividade é impossível, atualmente, conseguir a atenção e a simpatia dos consumidores.

A gente pode dizer que a propaganda moderna, criativa e estratégica é consequência da revolução industrial e da
concorrência.

E aqui no Brasil?

A grande virada criativa da propaganda brasileira ocorreu nos anos 1960. Até então ou se reproduzia ou se copiava o que era feito nos países sedes dos grandes anunciantes. Mas um grupo de publicitários brasileiros resolveu mudar isso e propor uma linguagem criativa que tivesse mais ligação com o jeito de ser do brasileiro.

Veja o que ecreveram Daniela Regina da Silva e Jairo de Araújo Lopes em “Publicidade no Brasil: novos caminhos, novas linguagens”:

“Para a publicidade, a década de 1960 foi revolucionária. Muitas mudanças ocorreram e outras práticas se consolidaram. O primeiro ponto a ser destacado é a criatividade reconhecida pelo ramo como fundamental. Houve a integração entre redação e arte e a valorização de profissionais versáteis que criam para diferentes mídias. Com relação à linguagem, houve a mudança de ênfase dos apelos racionais para os apelos emocionais.”

Essa mudança fez com que a propaganda brasileira se destacasse no cenário mundial nas décadas seguintes e possibilitou que o Brasil seja, atualmente, uma das três maiores potencias criativas da propaganda mundial, ganhando prêmios nos principais festivais internacionais de criatividade publicitária.

Equipe do Vale do Paraíba vence festival

Ex-alunos da Comunicação Social da UNITAU vencem o GO Film Festival

No último dia 21, os ex-alunos do Departamento de Comunicação Social da UNITAU Marcela Barreto (PP), Eduardo Spinelli (PP) e André Pires (JO) reuniram um grupo de profissionais de audiovisual do Vale do Paraíba para um grande desafio: criar um curta-metragem em apenas 24 horas. O desafio foi proposto pela 2ª edição do GO Film Goiânia Film Festival e a equipe do Vale participou com o curta “Tudo Vira Filme”, que aborda o tema “o lado bom da vida” e presta uma homenagem aos grandes nomes do Cinema Nacional. O curta venceu a categoria “Melhor Curta Nacional (Público)”.

“Tivemos 24 horas para criar o roteiro, produzir, gravar, editar, finalizar e entregar o filme. E sem nenhuma verba. Foi corrido, mas foi uma experiência incrível, o resultado final valeu a pena. Ficamos muito felizes de sermos eleitos pelo público”, revela Marcela Barreto, produtora executiva do projeto.

A equipe foi composta por Eduardo Spinelli (Roteiro), Marcela Barreto (Produção Executiva), André Pires (Montagem), Marcos Alves (Direção de Cena / Fotografia), Guilherme Midões (Câmera), os atores Jean Oliveira e Rodrigo Pinelli e o músico Cassinho Vieira (Trilha Sonora Original).

“Produzir um curta era um sonho de todos nós. Reunimos pessoas movidas pela paixão pelo cinema e pela vontade de fazer acontecer. Pessoas que colocaram todo o seu tempo, talento e energia no projeto para realizar o melhor trabalho possível. Este troféu é o reconhecimento de todo esse esforço coletivo”, conta Spinelli.

No total, foram 156 equipes inscritas, sendo 152 do Brasil e 4 do exterior. As inscrições internacionais incluem cidades como New York (EUA) e Almada (Portugal). O curta “Tudo Vira Filme” foi selecionado entre os 38 classificados do GO Film. Os vencedores foram revelados na cerimônia de premiação, realizada no dia 29 de outubro, no Cinema Lumière do Shopping Bougainville, em Goiânia.

Conheça o “Tapa no Portifa”

Criativos lançam projeto “Tapa no Portifa” para ajudar gratuitamente colegas de profissão

Plataforma faz a ponte entre nomes experientes do mercado e pessoas que precisam de orientação para melhorar o portfólio

Quem é estudante ou profissional de criação sabe o quão difícil é ingressar em uma agência de propaganda. Além da graduação, hoje em dia os cursos de extensão específicos para a área, funcionam quase como um pré-requisito para entrar no mercado.

O problema é que nem todos têm acesso a esse conhecimento devido as condições financeiras, por não residirem nos grandes centros ou outros motivos. Diante desta percepção, três jovens publicitários decidiram recrutar um time de amigos de profissão para dar uma força aos criativos que querem melhorar o portfólio, e desenvolveram uma plataforma gratuita de colaboração. Assim nasceu o projeto “Tapa no Portifa” www.tapanoportifa.com.br, encabeçado por Erick Mendonça, redator da CP+B Brasil, Julia Hodgkiss, planner da CP+B Brasil; e Andriws Vilela, designer da CP+B Brasil e que teve passagem pela Cabrillano, aqui no Vale do Paraíba.

A ideia é que nomes experientes da propaganda doem tempo e conhecimento para orientar quem precisa ‘dar um gás’ na pasta para entrar na agência dos sonhos. Em contrapartida, os orientandos também devem oferecer parte do seu tempo realizando uma boa ação. Vale ajudar alguma ONG, a comunidade local ou causas que precisem de voluntários. Outra opção é ofertar valor em dinheiro para uma das causas do “Vakinha”, seção em que estão cadastrados projetos parceiros no site.

Para se candidatar é preciso enviar um e-mail cumprindo os requisitos de inscrição, entre eles, um texto de apresentação, link do portfólio online e a promessa da boa ação. Após a seleção, cada pessoa terá monitoria garantida pelo período de 90 dias. “Sabemos que a rotina dos profissionais nas agências é bastante atarefada, então fica a critério do orientador qual a melhor forma de conversar com seu afilhado e com qual frequência”, explica Erick Mendonça. Só não pode se inscrever quem está estudando ou já fez curso em alguma instituição de ensino específica para criação publicitária.

A escolha dos mentores e orientandos leva em consideração a trajetória profissional dos orientadores e as semelhanças entre as histórias. Assim, além de estimular a troca de conhecimento criativo, as relações pessoais também são colocadas em pauta. “A ideia é ajudar a dar uma guinada no portfólio e, de repente, ganhar um amigo do mercado”, destaca Mendonça.

No total, o “Tapa no Portifa” entra no ar com 193 orientadores. Achou muito? Os fundadores também. A estimativa inicial era formar uma rede com 40 pessoas que abraçassem a causa. A cada resposta positiva de redatores e diretores de arte, mais tiveram a certeza de que estavam construindo algo com o potencial de mudar a vida de alguém. Apesar de o “Tapa no Portifa” estar voltado para beneficiar pessoas residindo no País, profissionais que estão atuando no Brasil e em agências de países como Estados Unidos, Portugal, Londres, Holanda, entre outros, também fazem parte da rede.

“Estamos passando por tempos difíceis no Brasil e no mundo. Tempos em que você não pensa muito no próximo, mas acho que chegamos em uma equação em que todos saem ganhando. Este é um projeto com quase 200 donos”, ressalta Mendonça.