Dança das cadeiras

De novo de olho no mercado

Chegando mais uma edição do Dança das cadeiras para mostrar a movimentação de profissionais e estagiários no mercado de comunicação do Vale do Paraíba.

Pelos lados do Colégio Tableau Taubaté a novidade é o estudante de jornalismo Maurilio Donizete que assumiu vaga de estagiário de marketing.

Já o publicitário Alex Gonçalves é o novo Coodenador de Marketing Digital na JSL Concessionárias.

Na Coyô Software e Comunicação, Leticia Dias é a nova Analista de Mídia Digital.

E, por último, Guilherme Alves reforça a criação da Verge Studio e Comunicação, atuando como redator.

Coluna Propaganda&Arte

Etimologia: a arte de pensar além do que se vê

Se você nunca parou para estudar Etimologia, acho que chegou a hora de pelo menos você entender o que é. E, principalmente, no que isso pode impactar a sua forma de se expressar e o futuro da humanidade.

Do grego antigo ἐτυμολογία, composto de ἔτυμος “étymos” e -λογία “-logia”, Etimologia nada mais é do que o esforço histórico de estudar e entender o significado das palavras, suas origens e evoluções, compondo e formando novos significados em diferentes línguas, povos e idiomas.

É isso mesmo, a língua em todo o mundo sofre alterações constantes, você mesmo deve falar vários termos estrangeiros (ainda mais se for publicitário ou do marketing, a gente adora isso!), gírias e termos que vão se integrando ao dia a dia e compondo uma nova língua que daqui há 200 anos pode nem mais ser chamada de Língua Portuguesa.

Mas qual o problema disso? Tudo muda, as tecnologias mudam, as ferramentas de comunicação mudam, a internet revolucionou tudo, os seres vivos evoluem, a sua forma de se expressar também, tem emojis, memes, gifs… Não vejo problema nisso. Aí que está o ponto.

Com o avanço da tecnologia, digitamos menos, lemos menos, pensamos menos nas palavras, trabalhamos demais, corremos demais, não refletimos sobre um texto e não questionamos nossa própria língua. Resultado: a gente fala “mal” no lugar de “mau”, a gente fala “a” no lugar de “há”, a gente fala “para mim” no lugar de “para eu”, e até mesmo “agente” no lugar de “a gente”. Gerando erros gramaticais, ortográficos (no caso da língua escrita), confusões de significado, ruídos, falhas na comunicação e o principal de tudo, esquecimento da importância da língua e do estudo do seu idioma. (nem falei da Etimologia ainda).

Estudar Etimologia seria um passo além. É a porta para um mundo incrível de possibilidades, hipóteses e muita “viagem”. Isso mesmo, divagações e treinamento mental, pois trata da comunicação, da formação mais primitiva da língua e até de nossos pensamentos.

Por exemplo, quando somos bem pequenos, nós pensamos, mas não sabemos falar nenhuma língua. Com o tempo, aprendemos os sons e, através deles, vamos formando o básico da comunicação. Antes disso então, não exista língua? Em qual língua você pensava? O pensamento é livre e quem nos limita é a nossa língua, para que exista uma unidade e uma compreensão geral por comparações semelhantes.
Veja só: uma casa sempre será chamada de casa, apesar de não ser. O nome casa (ideia) não representa aquilo que se vê (ser físico) e nem podemos dizer que todas as casas são iguais, mas fingimos que são para se fazer a comunicação.

Por isso, já até se levantou a hipótese de uma língua universal que todos nascemos sabendo, um “mentalês”. Depois, somos condicionados a pensar conforme o idioma nativo, prendendo nossos pensamentos a uma estrutura de sujeitos, adjetivos e regras que já conhecemos (e que nem sempre seguimos, né?).

Há quem diga até que a língua que você fala (nativa) molda sua forma de pensar, suas pré-disposições a conclusões, simplesmente porque alguns verbos não existem ou são entendidos de formas diferentes. Portanto, isso explicaria povos com pensamentos e atitudes tão diferentes. (Ocidente x Oriente, por exemplo).

O mundo da Etimologia é surreal em alguns momentos e surpreende por ter tanta sabedoria em cada detalhe. Mas também é uma arte confundida como algo esotérico ou destinado ao lazer/hobby de especialistas linguistas. O nosso conhecimento no assunto (o senso comum) é tão superficial que até caímos em “pegadinhas”: palavras que não significam aquilo que querem dizer ou ainda algumas lendas que são transmitidas sem maior estudo. Com certeza, você já ouviu dizer que “saudade” só existe em Português. Fake News. Ou então dizer que Aluno vem do latim “sem luz”, como se os alunos necessitassem do aprendizado para serem iluminados. Falso, outra vez.

Para começar, veja algumas palavras simples, como Aluno (alumnus) que vem do alere (alimentar), ou seja, aquele que nutre (ou é nutrido), ou ainda “criança de peito, lactante ou menino”. Já Amigo (amicus), vem de (animi custos), “o guardião da alma”, bonito, né? Por outro lado, Arrogante (adrogans), se formou do Latim arrogans, “o que exige”. Afinal, o arrogante exige que todos o compreendam, sem que ele precise fazer esforço, ele não tem humildade nas suas colocações, certo? Faz sentido.

O estudo da origem das palavras além de tornar as comunicações mais precisas, claras, inspiradas, ela evita duplicidades, palavras que dizem a mesma coisa, pessoas que dissertam volumes e volumes de teorias para constatar as mesmas coisas que os antigos pensadores concluíram, perdendo tempo e criando palavras que mais confundem do que explicam. Isso atrasa a evolução e a comparação entre obras antigas e modernas, para garantir um constante aprendizado e esclarecimento geral, sobre qualquer assunto.

A sociedade atual descobriu que não precisa escrever muito, consegue se expressar com imagens, pequenos textos e isso nos fez perder milhões de anos de uma evolução constante, significados e resultantes filosóficas que com certeza estariam nos ajudando hoje. Mas quem tem tempo para estudar? Quem tem tempo para escrever?

Na correria, acabamos apelando para algo moderno como um emoji e, sem querer, paradoxalmente, parece que regredimos milhares de anos, como um homem pré-histórico, desenhando carinhas felizes nas paredes de uma caverna escura e alimentando a sua ignorância, que (só para fechar) vem do latim: IGNORARE, ou “não saber”, composto por IN, “não” e GANRUS, “aquele que domina um tópico ou assunto, sabedor”. Viu como é bom saber Etimologia?

Vaga aberta para estágio em jornalismo

Estágio em jornalismo

Se você está cursando jornalismo, gosta de escrever é antenado e manja de redes sociais, tem uma oportunidade para você!

A vaga é para área de conteúdo, então tem que gostar de escrever!

Prioridade para residentes em Pindamonhangaba e alunos a partir do 2º ano e lógico disponibilidade para começo imediato.

Se você tem o perfil de ostentar no conteúdo, venha fazer parte da nossa TRIBO enviando seu currículo para thais@pinacomunicacao.com.br até o final do dia 15/06

Vaga aberta para social media

Vaga em agências de SJCampos

Social Media com experiência na área, dinâmico e proativo.

– Criação de conteúdo
– Habilidade em redação
– Gestão de demanda
– Análises técnicas
– Relatórios

Interessados enviar currículo para contato@agenciacombo.com.br

Supera abre vaga

Vaga de Analista de Comunicação Sênior para atender e produzir conteúdo para empresa nacional de grande porte

Somos uma agência especializada em Comunicação Estratégica com Empregados e procuramos um novo profissional de comunicação.

Requisitos:
– Formação em Comunicação Social (Jornalismo ou Relações Públicas);
– Imprescindível experiência em agências de comunicação interna e/ou em áreas de comunicação interna de empresas;
– Boa redação e português impecável;
– Excelente organização, facilidade para trabalhar em equipe e com tarefas multidisciplinares;
– Possuir carro e estar disponível para viagens.

Interessados deverão encaminhar CV com o assunto “Analista de Comunicação Sênior”, para o e-mail: selecao@superacomunicacao.com.br, até 17 de novembro.

Para redigir bem para web

Treinamento de Imersão em Redação para Web

O Treinamento de Imersão em Redação para a Web foi criado com base em uma certeza: só se aprende a escrever escrevendo. Durante o curso, além de conhecer técnicas básicas de redação e conceitos sobre marketing de conteúdo, vamos praticar muito – MUITO MESMO!

Para que essa jornada tenha resultados positivos, é preciso estar disposto a executar todas as tarefas propostas e aberto ao rico aprendizado proporcionado pelos feedbacks.

Carga-horária
Total de 72 horas (12 semanas), sendo 9 horas presenciais (3 encontros de 3 horas) e 63 horas à distância (Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle).

Objetivo geral
Capacitar o estudante para melhorar a prática de redação para a web, visando auxiliar o planejamento e a produção de campanhas de marketing de conteúdo.

Público-alvo
Estudantes e profissionais de comunicação e marketing; empreendedores e demais interessados em melhorar a escrita para desenvolver campanhas de marketing digital focadas em conteúdo.

Método
Aulas presenciais e à distância sobre técnicas de marketing de conteúdo e prática sistemática de redação com correção e feedbacks semanais.

Pré-requisitos
Superior completo ou cursando;
Disponibilidade de 6h semanais de estudo à distância entre os dias 13/09 e 27/11.
Disponibilidade para encontros presenciais: quartas-feiras, dias 13/09, 20/09 e 27/09, das 19h às 22h;
Disponibilidade de levar um notebook para o primeiro encontro presencial (13/09).

Vagas limitadas
Máximo de 10 alunos por turma.

Conteúdo Programático
Aspectos gerais sobre a escrita
Autoavaliação diagnóstica
Considerações gerais sobre o escritor e a escrita
Coesão e coerência textual
Práticas argumentativas
Checklist semântico e ortográfico
Formatos e gêneros textuais

Conceitos de redação para marketing de conteúdo
Conceitos de marketing de conteúdo
Técnicas de escaneabilidade
Orientações sobre formatação e recursos visuais
Práticas de SEO para redatores
Técnicas de redação para blogposts
Técnicas de redação para textos institucionais
Técnicas de redação para redes sociais
Técnicas para produção de pautas e planejamento de conteúdo

Imersão na prática de redação
Prática de Blog Posts de 500 e 1000 palavras.
Prática de chamadas para redes sociais.
Interações agendadas com feedbacks semanais via chat.

Professora Silvia Ferreira
Formada em Comunicação Social – Jornalismo e Mestre em Comunicação pela Unesp. Tem experiência como repórter, assessora de imprensa, analista de comunicação corporativa e gestora de marketing digital, com atuação autônoma e em agências de comunicação estratégica na região de Bauru e São José dos Campos (SP). Palestrante, professora de graduação e pós-graduação em diversas disciplinas de comunicação e marketing da Faculdade Bilac, em São José dos Campos. Na pesquisa acadêmica, transita pelas intersecções entre cibercultura, comunicação e educação. É autora do livro didático “Cultura Digital” da Nova Coleção Enem, produzida pela Editora Poliedro.

Inscrições aqui

Oportunidade para analista de comunicação

Analista de Comunicação para SJCampos

Temporária com chance de efetivação

Carga Horária (segunda à sexta: 40 horas semanais)
Salário a combinar

Requisitos:
Formação superior em Comunicação Social: Jornalismo
Experiência como assessor de imprensa e/ou em redação de no mínimo 4 anos.

Área de atuação:
Assessoria de imprensa: atendimento à jornalistas, follow-up, clipping, confecção de releases e relatórios.
Mídias sociais – monitoramento, postagens e interação;
Atualização de site – Atualização e monitoramento diário do site através de plataforma de administração: Notícias,institucional, entre outros;
Desenvolvimento de textos – Elaboração de posts, notas e reportagens para mídias institucionais.
Entre outras atividades da rotina de uma agência de comunicação e marketing.

Perfil:
Raciocínio rápido e criativo para entender e resolver problemas
Facilidade em trabalhar em um ambiente multifuncional, rápido e colaborativo
Conhecimento intermediário de Office e pacote Adobe
Conhecimento e facilidade com ferramentas de marketing digital (facultativo)
Conhecimento em fotografia e inglês são um diferencial.

Envie seu currículo com pretensão salarial para:elaine@academica.jor.br

Vaga para analista de comunicação

Qualicom quer analista de comunicação

A Qualicom Comunicação & Cultura procura Analista de Comunicação com expertise em texto corporativo para vaga temporária em São Bernardo do Campo.

Acervo disponibiliza redações da Fuvest

Estadão Acervo disponibiliza todas as redações da Fuvest desde sua primeira edição

Em levantamento inédito, jornal disponibiliza infográfico com todas as redações do principal vestibular do País

unnamed-4

Em 1977 começava a história dos vestibulares da principal universidade do País, a Universidade de São Paulo (USP). A Fundação Universitária para o Vestibular, ou simplesmente Fuvest, já conta com 39 anos de provas e variados temas de redações. O Estadão Acervo, em uma iniciativa inédita de prestação de serviços, coloca no ar infográfico com todas as redações da Fuvest desde primeiro vestibular.

O infográfico permite buscas direcionadas por ano, temas, obras e autores usados nas propostas de redação, desde a criação da prova. O Estadão Acervo levantou todos os temas e o material traz a imagem de cada prova, permitindo navegação por todos os anos. Também é possível acompanhar a evolução do exame, observar a utilização de fontes diversas como poemas, imagens de obras de arte, letras de música e até uma tirinha de história em quadrinhos.

unnamed-4

O serviço permite ver a escolha de temas inusitados, como o da redação de 1983 que pedia aos candidatos que escrevessem uma história cujo final fosse o anúncio: “vende-se uma motoca”, e conhecer o autor mais citado na prova, no caso, o poeta Carlos Drummond de Andrade que teve suas obras usas em cinco exames diferentes, e ainda aparece numa entrevista usada como fonte em outra prova.

A primeira vez que a Fuvest usou uma imagem para expor o tema da redação e a história do primeiro vestibular, que teve locais de provas improvisados por causa de uma tempestade de verão, bem como notícias relacionadas ao vestibular, publicadas no jornal. Para acessar o material, basta entrar no Especial Redações da Fuvest.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Marco Barone