Coluna “Discutindo a relação…”

Temos que amar um pouco mais os números

Dou aulas há 26 anos em cursos de publicidade e propaganda. Dou aulas de mídia há 26 anos. E vejo um certo desespero no rosto dos alunos quando falamos de números e nos aproximamos de qualquer coisa que pareça ser de exatas ou que de algum modo faça lembrar matemática.

Vejo a cara de quase angustia quando coloco o slide que mostra a fórmula do Custo por Mil, ou do GRP, ou do CPP. Mais recentemente, quando explico algumas métricas aplicadas a redes sociais o mesmo acontece.

É… esse povo de humanas sempre fugiu dos números!

Não trago, entretanto, boas notícias para essa galera. Os números estão se aproximando, estão nas nossas fronteiras… ou melhor, já invadiram nosso território. Eles estão entre nós!

Você já deve ter ouvido falar de monitoramento, métricas, B.I (Business Intelligence), Big Data, análise e tratamento de dados e etc, etc, etc… Não tem mais jeito. Entre as muitas mudanças da área de comunicação mercadológica esta é uma das mais definitivas. Os números vieram para ficar e estão se tornando cada vez mais relevantes no processo de tomada de decisões estratégicas e até, pasmem, criativas.

É claro que tudo isso implica em aspectos para lá de positivos: nunca tivemos tantos dados e informações disponíveis e a custo relativamente baixo (alguns até gratuitos) como temos agora. Montar um planejamento estratégico de comunicação hoje pode e deve contar com o apoio das informações coletadas no universo digital. Afinal de contas, as pessoas entregam seus hábitos, costumes, desejos, aspirações, vontades, angustias, dores e amores nas redes sociais sem que ninguém lhes peça.

Implica também em podermos saber se a linha criativa de uma campanha realmente impacta nosso público. E podemos fazer isso em tempo real. Ao vivo. Implica em colher dados ricos e necessários.

Há montanhas de programas de monitoramento e uma série de novas métricas que podem ser utilizadas.

Então, meu povo de humanas, gostemos mais de números. Tenhamos mais paciência e boa vontade para com as métricas. Façamos um desmedido esforço para amar mais esses novos vizinhos. Eles vieram pra ficar e vão nos ajudar. Bastante!

Parte importante do processo de adaptação e aprendizado é deixar de lado as brincadeiras bobas, o preconceito e o medo, parar de repetir mantras do tipo “gente de humanas detesta matemática” e buscar entender e aplicar as novas ferramentas e possibilidades.

Não precisa ser um gênio das exatas. Longe disso. Basta “ter coragem pra se libertar”. E amar. Amar os números. Eles são do bem. Estão nessa para somar (sem trocadilhos…rs).

Uso das redes sociais na educação

Criadores de conteúdo promovem oficina sobre uso das redes sociais na educação

No próximo dia 09 de novembro acontecerá na Biblioteca Municipal Cassiano Ricardo, em São José dos Campos, a primeira oficina promovida pelo “Vale Influenciadores”, movimento iniciado em setembro e que visa fomentar os produtores de conteúdo da região e auxiliar quem deseja conhecer mais sobre a área.

Depois do sucesso do primeiro evento, a oficina cujo público alvo são os profissionais da educação, contará com três painéis que vão debater assuntos sobre como lidar com alunos viciados em redes sociais e como os professores podem usar as mídias ao seu favor sem perder seu foco principal.

Participantes da última edição do Vale Influenciadores, que aconteceu em setembro na FAAP São José dos Campos

Os painéis serão ministrados por Letícia Zucco, que atua como criadora de conteúdo, editora e assessora de impressa no portal Estante LZ , e por Gabu Camacho, que é editor-chefe e diretor de relações públicas do site Beco Literário, além de professores convidados especialmente para contar um pouco sobre suas experiências.

O evento tem capacidade limitada para 30 pessoas, e vai acontecer das 8h às 9h30, na Biblioteca Municipal Cassiano Ricardo, localizada na rua Quinze de Novembro, 99, no centro de São José dos Campos. Além de confirmar a presença no Facebook, os interessados deverão se inscrever através do link http://bit.ly/oficinaeducacao para garantir a sua entrada, que é totalmente gratuita.

Sobre o Vale Influenciadores
O Vale Influenciadores é um projeto idealizado por Gabu Camacho, do Beco Literário e por Letícia Zucco, do Estante LZ, e realizado em parceria com o fotógrafo Henrique Silva e o blogueiro Gabriel Lucas, do #OGL, que visa promover e fomentar o relacionamento e networking entre criadores de conteúdo e influenciadores de todas as plataformas, sem diferenciação. A primeira edição, que aconteceu em setembro na FAAP contou com a participação de mais de 100 pessoas em um debate sobre o futuro da comunicação.

Sobre a Oficina Redes Sociais na Educação
Data: 09/11/2017
Horário: das 8h ao 09h30
Entrada: Gratuita, com inscrição no link http://bit.ly/oficinaeducacao
Onde: Biblioteca Municipal Cassiano Ricardo – Rua Quinze de Novembro, 99
Link do evento: https://www.facebook.com/events/176091716283100/
Inscrições: http://bit.ly/oficinaeducacao
Apresentação e Organização: Gabu Camacho e Letícia Zucco
Patrocinadores: Biblioteca Municipal Cassiano Ricardo, Estante LZ e Beco Literário.

Programação
• Painel 01: Como lidar com o vício dos alunos de manterem-se conectados a todo momento?
– Celular: amigo ou vilão?
– Lidando com o vício.

• Painel 02: Redes Sociais: como usar a seu favor na sala de aula?
– Quais as principais redes? Como usá-las?
– Case Luana Helena

• Painel 03: Profissão blogueiros/youtubers, o que é?
– Como lidar com o sonho do aluno em se tornar um influenciador?
– O que é essa profissão?

Fonte: BecoRP & Beco Literário – Gabu Camacho

Via Vale começa a semana com palestra

Gerenciamento de Redes Sociais para ONGs será o tema apresentado

No mundo atual, as Redes Sociais são uma realidade mercadológica. Cada vez mais as empresas querem ter seus serviços, produtos e projetos sendo visualizados por todos. Mas fazer isso sem nenhum conhecimento é difícil e acaba não trazendo os resultados esperados.

E pensando em todos esses aspectos e na necessidade que as ONGs muitas vezes têm em saber estratégias e domínios das ferramentas certas para gerenciar Redes Sociais, o Via Vale Garden Shopping sediará amanhã (10/10), das 18h às 22h, um curso de Gerenciamento de Redes Sociais para ONGs.

A palestra será comandada por Fabricio Oliveira, CEO da Ative Comunicação Estratégica e terá um custo de R$49,90, abordando temas como “Teoria das Redes Sociais”, “Comunicação Interna”, “Estratégia de Engajamento” e muito mais.

As inscrições podem ser realizadas pelo e-mail contato@portalvitrinesocial.com.br ou pelo telefone (12) 99749-1463.

Serviço:
Gerenciamento de Redes Sociais para ONGs – Via Vale Garden
Data: Terça-feira (10)
Horário: das 18h às 22h
Local: Auditório
Investimento: R$49,90

Brasileiro estoura o pacote de dados

Pesquisa da Deloitte detalha uso de smartphones; oito em cada dez brasileiros estouram pacote de dados

· 87% dos participantes do estudo têm smartphones, sete pontos percentuais a mais do que em 2016;
· 45% dos jovens entre 18 e 24 anos checam suas mídias sociais na madrugada;
· Interesse pela compra de tablets recua de 32% para 28%.

Oito em cada dez brasileiros que possuem smartphone acabam estourando seus pacotes de dados antes do final do período programado para utilização. Essa é uma das conclusões da pesquisa Global Mobile Consumer Survey 2017, realizada pela Deloitte com 2.000 entrevistados no Brasil. O estudo destaca as características de uso intenso dos celulares, assim como a costumeira falta de planejamento de gastos dos consumidores.

De acordo com o levantamento, mais da metade (51%) das pessoas consultadas que contratam serviço de dados para acessar a internet possuem pacotes limitados, menores que 3GB de capacidade, enquanto 20% dos participantes não sabem sequer qual é o tamanho do plano contratado com sua operadora.

Diante do uso intenso, três de cada cinco brasileiros que responderam à pesquisa disseram que tentam reduzir ou limitar o uso de seus smartphones. Vinte e nove por cento afirmaram que desligam a conectividade de dados de seus aparelhos para economizar. Outros 28% desativam as notificações de áudio, enquanto que um percentual idêntico simplesmente desliga os aparelhos durante a noite.

“O fenômeno da afinidade e do apego do brasileiro em relação às tecnologias móveis realmente merece estudo. Com os resultados da Global Mobile Consumer Survey 2017, constatamos que nossa sociedade vive mudanças de hábitos e costumes que têm transformado a maneira como as pessoas se comportam, como trabalham, estudam, se divertem e se relacionam. Para além das curiosas conclusões de nosso estudo, traçamos um importante retrato dos tempos atuais, das potencialidades e perspectivas que se abrem para o futuro”, afirma Marcia Ogawa, sócia-líder de Tecnologia, Mídia e Telecomunicação da Deloitte no Brasil.

A atual edição do estudo foi feita concomitantemente pela Deloitte em 22 países, incluindo o Brasil. A consulta foi feita por meio de questionários eletrônicos com mais de 40.000 pessoas, das quais 2.000 brasileiras, sobre seus hábitos de consumo de tecnologias móveis.

Smartphone segue como “sonho de consumo”

Apesar de 87% dos participantes da pesquisa terem revelado já possuir ou ter acesso a um smartphone – parcela sete pontos percentuais maior do que a registrada na edição do ano passado (80%) e dez pontos acima da apurada em 2015 (77%) –, esse tipo de aparelho continua sendo o principal “sonho de consumo” entre os brasileiros, como indicam os resultados do levantamento.

Sessenta e dois por cento dos participantes afirmaram que o smartphone é o equipamento móvel mais citado entre aqueles que as pessoas pretendem adquirir no próximo ano (alta de três pontos percentuais ante os 59% de 2016). O segundo aparelho mais desejado é o notebook (com 31% de citações em 2017, pequeno recuo ante os 32% no ano passado), seguido pelo tablet (cujo interesse foi o que mais se retraiu em 12 meses, chegando a 28%, ante 32% do ano anterior).

Brasileiros conectados em todos os momentos

Mais uma vez, os brasileiros que foram consultados pela Global Mobile Consumer Survey 2017 deram mostras de seus hábitos excessivos na utilização dos smartphones. Quase metade (45%) dos jovens entre 18 e 24 anos disse que checa notificações de mídias sociais no meio da noite. Na média geral, entre os participantes de todas as idades, esse hábito noturno afeta 33% dos participantes.

Fazendo a comparação com outros países, 22% dos jovens britânicos até 24 anos têm o costume de checar suas notificações de mídias sociais no meio da noite. Já na média geral de todos consultados na pesquisa do Reino Unido, esse percentual fica abaixo de um terço (10%) do demonstrado pelos brasileiros. Os jovens canadenses (24%) e os australianos (31%) também ficam atrás dos usuários do Brasil quando o assunto é mexer nos smartphones em plena madrugada.

O uso excessivo dos smartphones é notadamente um fator de atrito entre muitos casais. De acordo com a pesquisa da Deloitte, 56% das pessoas que têm um relacionamento estável consideram que seu parceiro ou parceira utiliza demasiadamente seu celular.

A opinião sobre excessos é ainda mais marcante entre os pais, já que 63% deles avaliam que seus filhos usam muito os smartphones. Porém, quando a questão é autocrítica, um percentual menor reconhece seus próprios excessos: exatamente metade (50%) dos participantes do estudo reconhecem hábitos exagerados no uso de seus aparelhos.

Smartphone no trabalho

Quase dois terços (64%) dos brasileiros participantes reconhecem utilizar com frequência seus aparelhos para uso pessoal em pleno horário de serviço. Apenas 4% afirmam nunca fazer esse uso e 31% o fazem eventualmente.

No Reino Unido, metade (50%) dos britânicos consultados pelo estudo reconhece utilizar com frequência seus aparelhos para uso pessoal em pleno horário de serviço, enquanto que 10% afirmam nunca fazer esse uso e 40% o fazem eventualmente.

Já no Canadá, o percentual daqueles que usam seus smartphones no serviço com finalidades pessoas é ainda mais baixo (46%). Somente 10% dizem nunca fazer esse uso e 44% usam esporadicamente. Também os australianos demonstram respeitar mais o ambiente de trabalho que os brasileiros, já que pouco menos da metade (48%) dos participantes tem esse hábito, 44% fazem uso eventual do celular no trabalho e 8% nunca recorrem a seu aparelho nesse ambiente.

Na ponta oposta dessa equação, 48% dos brasileiros consultados afirmaram utilizar por razões profissionais seus smartphones com alguma frequência fora do horário de trabalho. Trinta e nove por cento agem assim eventualmente e 13% não utilizam essa ferramenta para fins de trabalho durante seus períodos de folga.

Os britânicos evitam “levar trabalho para casa”. Apenas 19% deles disseram que consultam seus smartphones por razões profissionais com frequência fora do horário de trabalho, 34% agem assim eventualmente, enquanto que 47% nunca usam essa ferramenta em suas folgas.

Canadenses (22%) e australianos (26%) também são mais reticentes a tratar sistematicamente de questões profissionais fora do ambiente de serviço. Quarenta por cento dos consultados no Canadá e 42% na Austrália levam eventualmente trabalho para casa com seus smartphones, enquanto que 37% e 32%, respectivamente, nunca fazem isso.

Mensagens instantâneas no topo

Os aplicativos (APPs) de troca de mensagens instantâneas são os mais utilizados pelos participantes da pesquisa da Deloitte, e quase totalidade deles (94%) confirmou usar esse tipo de solução em seus smartphones. O segundo grupo de APPs mais lembrado é o de redes sociais, com 89% de citações. Pouco abaixo, vêm os aplicativos de e-mails (com 82% das referências) e as ligações de voz tradicionais (80%).

Já o avanço no acesso às redes de dados móveis de quarta geração (ou 4G) entre os usuários brasileiros de telefonia móvel foi considerável nos últimos dois anos, partindo de 25% dos participantes da pesquisa de 2015 para 44% no ano passado, e chegando aos 61% em 2017 – ou 36 pontos percentuais a mais em 24 meses.

Mesmo assim, o meio de conectividade com a internet preferido pelos brasileiros consultados segue sendo a conexão Wi-Fi, apontada como a mais utilizada por 84% dos que responderam ao estudo. As redes de dados móveis são apontadas como preferenciais por apenas 16% das pessoas.

Outro fator que demonstra o uso intenso das funcionalidades permitidas pelos smartphones e também pelos aplicativos de troca de mensagens instantâneas é o hábito de compartilhar com frequência fotos ou vídeos. Mais de dois terços dos brasileiros participantes (82%) afirmam compartilhar imagens nesses aplicativos ao menos uma vez por semana e 75% compartilham semanalmente vídeos pelo smartphone.

“Pouco interesse” por APPs

Os brasileiros consultados pela Global Mobile Consumer Survey 2017 parecem não demonstrar grande interesse em acumular uma quantidade grande de aplicativos em seus aparelhos. Quase metade deles (48%) indicou “não ver necessidade de ter mais APPs”. Outro fator que restringe a aquisição de APPs, citado por 39% dos consultados, é a falta de memória para armazenamento. Outros 10% dizem utilizar-se do navegador de internet para ter acesso a facilidades oferecidas por alguns APPs e 5% não querem gastar mais com isso.

Hábitos de compra de aparelhos

Apesar de estar constantemente conectado, o brasileiro ainda prefere adquirir seu smartphone em lojas físicas. De acordo com a Global Mobile Consumer Survey 2017, 42% (mesmo percentual de 2016) dos participantes da pesquisa compraram seu aparelho atual em lojas físicas, contra 33% (35% no ano passado) daqueles que o adquiriram em estabelecimentos online.

Entre os estabelecimentos físicos, a preferência foi por lojas varejistas de produtos eletrônicos (33%), seguidas por lojas de departamentos (24%), vendedores exclusivos de telefonia celular (12%), pontos de vendas dos fabricantes (9%), operadores de telefonia móvel (também 9%) e supermercados (6%). Já os estabelecimentos online preferidos foram: lojas de departamentos (38%); lojas varejistas de produtos eletrônicos (25%); sites de e-commerce (10%); supermercados (8%); lojas dos fabricantes (5%); vendedores exclusivos de telefonia celular (4%); e operadores de telefonia móvel (1%).

Em relação aos hábitos gerais de compras, 56% dos brasileiros consultados afirmaram realizar pesquisas online sobre produtos ou serviços pelo menos uma vez por semana. Já 18% do total de respondentes efetivamente realizam no mínimo uma compra de produto por semana.

Smartphone “financeiro”

O estudo detalha a tendência de crescimento do uso do smartphone para realização de operações bancárias pelos brasileiros, já apurada pela Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2017 – produzida pela Deloitte em parceria com a Federação Brasileira de Bancos –, que concluiu que o mobile banking é atualmente o canal preferido pelo brasileiro para realizar transações, com 34% do total.

De acordo com Global Mobile Consumer Survey 2017, quando as pessoas pretendem fazer transferências de dinheiro, os aplicativos de bancos são os preferidos (com 67% das citações). A seguir, vêm os provedores de transferências online de recursos (28%), aplicativos de outras instituições financeiras (19%) e solução do Facebook (11%).

Quando a questão apresentada aos participantes foi relacionada a seus hábitos de uso de serviços financeiros pelo navegador de internet ou pelos aplicativos de seu smartphone, 46% das pessoas disseram que consultam seu saldo, 31% realizam algum outro tipo de operação, 20% concluem uma transferência de dinheiro para outra pessoa no Brasil e 13% realizam transferências internacionais de recursos ao menos uma vez por semana.

Sobre a pesquisa

Além do Brasil, a Global Mobile Costumer Survey 2017 foi realizada concomitantemente em outros 21 países: Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, China, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, Holanda, Irlanda, Itália, Japão, Luxemburgo, México, Noruega, Reino Unido, Rússia, Suécia e Turquia.

Para apurar os resultados sobre hábitos de consumo de tecnologias móveis, a Deloitte consultou por meio de questionários eletrônicos mais de 40.000 pessoas, de 18 a 55 anos, das quais 2.000 do Brasil

Fonte: Assessoria de Comunicação da Deloitte – In Press Porter Novelli – Carlos Brazil

Reforço na área de mídia online

Focusnetwork tem novidade no time

Ariel Marcon, aluno de quarto semestre de publicidade e propaganda da Unitau é o novo nome no time da Focusnetwork Onlife Business Group.

Desde ontem ele passou a dar expediente como Analista de Mídia Online. O jovem já acumulava passagens ACOM (Assessoria de Comunicação da Unitau) e pela Bendertec, onde atuava com marketing interno.

Tem nova estagiária na Solar

Solar tem gente nova no digital

O Grupo Solar, que é dividido em três vertentes de atuação: Solar Social, Solar Music e Solar Digital, acaba de trazer sangue novo para ajudar a cuidar de suas mídias sociais.

Aline Corrêa, estudante de publicidade e propaganda do sexto semestre (Unitau) acaba de assumir como estagiária em mídias sociais do grupo.

Oportunidades de negócio através da economia criativa

A Economia Criativa e as oportunidades de mercado

*por Ronaldo Cavalheri

O Brasil é o quarto consumidor de jogos digitais do mundo, sendo um importante empregador de mão de obra especializada e se fixando como um mercado bilionário, com expetativa de crescimento de 13,5% ao ano, segundo pesquisa encomenda pelo BNDES. Com mais de 60 milhões de usuários, esse mercado vem ampliando o seu perfil de consumo, que até então era em sua grande maioria de público jovem masculino e hoje já conquista mulheres, crianças e idosos. Muito disso se explica pela facilidade de acesso aos smartphones e as redes sociais, além é claro da utilização de games em muitas outras áreas como na educação, nos negócios e na medicina, não sendo mais uma exclusividade voltada apenas ao entretenimento.

Ronaldo Cavalheri Diretor Geral do Centro Europeu

Outro mercado em ascensão é do audiovisual. Em 2011, foi regulamentada pelo Congresso Nacional a Lei 12.485, que determina a veiculação de conteúdos nacionais e inéditos na programação das televisões por assinatura. Com isso, além de valorizar a cultura local a produção audiovisual no Brasil, o segmento ganhou ainda mais espaço e já se posiciona a nível global como a 12ª maior economia nesse mercado que corresponde por 0,57% do PIB brasileiro. Em pesquisa realizada pela Ancine, foi apontado um crescimento de 65,8% entre os anos de 2007 e 2013, um salto de R$ 8,7 bilhões para R$ 22,2 bilhões, uma evolução bem superior aos outros setores da economia.

E liderando o ranking de crescimento no Brasil, temos a indústria da moda. Nos últimos 10 anos, o varejo de moda fez com que o país saltasse da sétima posição para a quinta no ranking dos maiores consumidores mundiais de roupas. Uma pesquisa realizada pela A.T. Kearney, renomada empresa de consultoria empresarial norte-americana, aponta uma arrecadação de US$ 42 bilhões em vendas, sendo que 35% é através de capturas online, sendo facilmente explicado pelo poder de influência das redes sociais e blogs de formadores de opinião dessa área.

O mercado dos Jogos Digitais, do Audiovisual e da Moda são apenas três exemplos dos 13 segmentos que englobam o que chamamos de Economia Criativa. Um setor da economia que vem ganhando destaque e driblando o cenário atual de crise pelo qual o Brasil vem passando. São empresas que se destacam pelo talento e pela capacidade intelectual de seus empreendedores e funcionários, e que não dependem do tamanho da sua estrutura ou de quanto tem de capital.

O Brasil, de certa forma, vem dando seus primeiros passos para se fixar nessa economia. Países como EUA, China e Inglaterra já se consolidaram e juntos já correspondem a 40% da economia criativa global. Muitas cidades no Brasil já possuem iniciativas de estimulo à Economia Criativa, como por exemplo, Recife, Porto Alegre e São Paulo. A cidade de Curitiba, também, se destaca como uma das mais atuantes, e por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento, circula por todo o ecossistema que engloba a economia criativa, conectando coworkings, startups, iniciativas públicas e privadas e estimulando o empreendedorismo de alto impacto.

A Economia Criativa, que hoje já apresenta uma média de remuneração superior a outros setores, será um dos grandes empregadores em um futuro breve. E as cidades que enxergarem essa oportunidade, sairão na frente. O olhar sobre a formação de seus jovens, que é a geração que mais impulsiona esse mercado, é um fator decisivo para o melhor aproveitamento de uma fatia do mercado na qual o maior recurso é o potencial criativo.

*Ronaldo Cavalheri é Coaching de Negócios Criativos, mentor do Projeto Jovem Empresário e Diretor Geral do Centro Europeu – escola pioneira em Economia Criativa no Brasil.

Fonte: P+G Comunicação Integrada – Eduardo Betinardi

Investimento em marketing digital

Especialista fala sobre a importância de investir em marketing digital

A internet e, mais especialmente, as redes sociais mudaram a forma como nos comunicamos e procuramos empresas para fazer negócios. Estar on-line atualmente significa visibilidade para sua marca, o que tende a gerar mais interação e vendas.

Segundo Rodrigo Darzi, especialista em marketing digital e sócio da agência digital IMMA, a internet modificou muito nossos hábitos de compra e marcas que desejam ser vistas precisam ser digitais de alguma forma. “Ter um site ou uma página social passou a ser sinônimo de credibilidade. Quando procuramos por uma empresa na internet e não achamos, logo a olhamos com desconfiança”.

Porém, segundo Rodrigo, simplesmente ter um site ou página social não é sinônimo de sucesso. “As informações viajam a uma velocidade impressionante. Isso fez com que nos acostumássemos a querer conteúdos cada vez mais atualizados. E quando entramos num site ou na rede social de uma empresa e vemos que última atualização já foi há muito tempo, isso causa uma péssima impressão”.

Também vale lembrar que os mecanismos de busca levam em consideração a periodicidade de atualização de uma página para classificá-la nos rankings de busca. “Ou seja, quando você fica sem atualizar seu site também acaba perdendo posições no Google, diminuindo a possibilidade dos usuários acessarem sua página”, comenta.

Neste sentido, Rodrigo explica que empresas e marcas que querem alcançar um sucesso real precisam investir numa estratégia personalizada de marketing digital. “Esse trabalho vai fazer um estudo profundo sobre os objetivos da empresa e seu público-alvo para indicar os melhores caminhos a serem tomados”.

O especialista ainda explica que, apesar de muitas empresas ainda verem o marketing digital com desconfiança e considerá-lo um gasto extra, o certo seria aceita-lo como investimento para gerar lucros a médio e longo prazo. “Uma marca que está on-line está sempre pronta para ser reconhecida, gerar negócios e obter lucros, o que não é possível de ser alcançado de outra forma num mundo cada vez mais conectado”, finaliza.

Redes sociais serão tema de palestra em Taubaté

O segmento e os desafios das redes sociais são temas de palestra e curso no Taubaté Shopping
O projeto “Brain Fitness” receberá booktubers neste domingo (24); centro de compras também sediará curso com dicas e noções de redes sociais para comerciantes expandirem os seus negócios no ambiente virtual

As redes sociais têm se tornado cada vez mais canais de compartilhamento de ideias, opiniões e difusão de conhecimento, além dos efeitos no âmbito profissional. Uma prova desse cenário são os youtubers, famosos pelos vídeos na plataforma digital que alcançam milhões de seguidores. Em frente às câmeras, esses jovens falam sobre tudo, mostrando o dia a dia e compartilhando pensamentos. Na mesma linha vêm os booktubers, que produzem vídeos específicos sobre leitura. Em suas produções, eles mostram ser possível conciliar internet e livros e contribuem para incentivar o hábito da leitura, como provam Tatiana Feltrim, Danilo Leonardi e Isabella Lubrano, donos de grandes canais nas plataformas de vídeos e que fazem muito sucesso nas redes sociais.

Os três estarão no “Ler pra que”, no dia 24 de setembro, a partir das 16h, em frente ao Moviecom Cinemas. O evento é gratuito e é mais uma edição do “Brain Fitness”, um projeto realizado em parceria com a Livraria Leitura e o Almanaque Urupês, que reúne grandes nomes da literatura para um bate-papo, buscando fomentar o hábito e o gosto pela leitura.

Curso sobre “Redes sociais para negócios”
O curso “Redes sociais para negócios” é destinado aos empreendedores, lojistas e público em geral, que buscam aprender a usar as redes sociais para atrair clientes e marcar seu espaço nas mídias digitais. O curso tem carga horária de 2 horas, com aulas focadas em como gerenciar a sua marca nas redes sociais, como lidar com a crítica e os avanços do setor. As inscrições estão abertas para três turmas, até dia 1º de outubro, e o valor é R$ 60,00. Mais informações podem ser consultadas na fanpage Lab Negócios Digitais, que ministrará o curso, ou pelo telefone (12) 98169-4442.

Serviço
Brain Fitness – Ler pra que?
Dia 24/9 (domingo): às 16h.

Curso “Redes sociais para negócios”
Turma 1: 13/10 (sexta-feira): das 15h às 17h.

Turma 2: 14/10 (sábado): das 10h às 12h.

Coluna Propaganda&Arte

O que eu acho sobre a exposição Queer que foi cancelada após críticas na internet

Eu sempre me preocupo em selecionar temas ligados à arte para expor aqui nesse espaço. Porém, hora ou outra, acabo esbarrando em assuntos polêmicos do momento como o caso do banco que patrocinava uma exposição Queer e após críticas e repercussão negativa acabou sendo cancelada.

O que aconteceu?
Uma exposição Queer (tema ligado a gays, lésbicas, trans – todos que não seguem um padrão de heterossexualidade), estava acontecendo em Porto Alegre e algumas obras acabaram caindo na internet acompanhadas de acusações de apologia à pedofilia, zoofilia e ataques à religião cristã. Para se defender dos ataques de diversos clientes, o banco decidiu se desculpar e cancelou o patrocínio que deveria manter a exposição aberta até outubro.

O que eu acho das obras polêmicas?
As poucas imagens disponíveis na internet mostram que são obras provocativas. Falam de sexualidade, infância, religião, dentre outros pontos que podem ferir e não agradar muitas pessoas. Analisando friamente a parte técnica das obras, cada uma tem o seu valor. Algumas mais simples, pobres, outras mais ricas e interessantes, mas no geral não vi nada de especial ou inovador.

O que eu acho desse tipo de arte?
Por mais polêmica que uma instalação ou quadro sejam, precisamos pensar na intenção do artista. Ele se ocupou, ele pensou, ele agiu e finalmente teve um aval para expor seu trabalho. A qualidade, a forma, as ideias por trás daquela peça podem sofrer interpretações diversas, inclusive serem consideradas ofensivas. A arte não tem forma, mas tem gosto. A arte que aborda assuntos polêmicos vai ser sempre polêmica e gerar reações diversas. No passado, muitas obras foram censuradas e criticadas, por exemplo, por mostrar o nu, hoje são expostas em grandes museus, o que mostra um caminho natural da arte e da sociedade.

O que eu acho sobre a repercussão?
No geral, não acho que provocam tanto como dizem as repercussões da internet. Vejo aqui um exagero nesse sentido, tendo em vista conteúdos muito piores que as crianças e todos nós podemos ter acesso por outros meios fora do museu. Lugar esse, aliás, dedicado à reflexão, experimentação e análise de novos conceitos. Se você ficou pessoalmente ofendido com uma arte ou exposição, a melhor maneira de expressar isso é não indo ou não divulgando a exposição. Vejo aqui uma reação totalmente contrária e incoerente. Os que são contra a exposição acabaram tornando-a nacionalmente conhecida, na luta em proibi-la (mesmo que tenham conseguido).

O que eu acho disso tudo?
Estamos passando por uma fase social bastante conturbada. Não sabemos nos portar e respeitar a opinião dos outros (sejam liberais ou conservadores). As marcas não sabem se posicionar e estão morrendo de medo da internet. Estamos todos cuidadosos ao emitir uma opinião, pois poderemos ser incompreendidos ou pior, compreendidos e agredidos por pensar diferente. Para o público, falta essa noção de que somos todos diferentes. Para o artista, falta o entendimento de que ele poderá ofender muitas pessoas com sua provocação e precisa saber enfrentar as críticas. Afinal, esse é o mundo em que vivemos, onde a polêmica dá mais likes do que a própria arte ou reflexão.

E você? O que achou do assunto? Você acha que a arte deve ou não expor assuntos polêmicos e até “ofensivos” para alguns?