O humano mesmo no digital

A transformação é digital, mas o fator ainda é humano

por Federico Grosso*

Quando se fala em transformação digital – já há algum tempo -, o uso e implementação das tecnologias em voga são rapidamente associados e dados como passos principais. No entanto, passada a fase do buzz inicial em torno do tema, as empresas vêm, mais recentemente, sendo pressionadas para efetivamente fazer a grande virada e executar suas estratégias de transformação. Muitas ainda nem começaram. Tantas outras se perderam no caminho.

Passou da hora de entender o porquê. E me arrisco a dizer que grande parte do problema é o não entendimento da força motriz de qualquer processo real de transformação: as pessoas. Mais precisamente no mundo corporativo: a força de trabalho.

No entanto, esta outra metade da equação é bastante complexa. Consiste em atrair as pessoas certas e prepará-las para o futuro – algo que, a exemplo de investimentos em recursos tecnológicos, devem ser grandes prioridades para os líderes. Sempre me surpreendo com o esforço que as marcas fazem ao investir na escolha de tecnologias, sem pesar o impacto do talento na execução de todo o grande plano.

A estratégia de talentos e de negócios: paralelas e perpendiculares

Uso aqui nosso próprio exemplo. A Adobe de hoje não existia há sete anos. Todos se lembram: vendíamos caixas com softwares, com atualizações a cada 12 ou 18 meses. Queimamos nossos próprios barcos para fazer a virada. Fomos sinceros com nós mesmos e com o mercado. Sabíamos que seria uma transformação complexa e isso exigiu mudanças em toda a organização, envolvendo estrutura, habilidades e competências.

Os números de evolução do negócio vieram antes do previsto. Foi uma mudança cultural. Foi uma mudança liderada por pessoas e para pessoas.

Muitas vezes, seguir o caminho da transformação não significa uma correção de rumo, mas sim a evolução diante das tendências que se apresentam e visão de futuro. O exercício fiscal de sua empresa pode ter encerrado o ano com números incríveis em todas as linhas, mas não se pode fechar os olhos para o que está por vir. Ou de como o que está por vir pode representar ainda mais ganhos para todo o ecossistema da companhia.

Embora as decisões de tecnologia de uma organização geralmente sejam da TI ou do CTO, as pessoas que mais as sentem – os usuários – nem sempre têm clareza ou visão do que se espera delas – uma vez que é da natureza humana evitar a mudança. Mudar é difícil – ainda que essencial para a sobrevivência de muitas marcas. Mexe com a cultura da empresa. Com o mercado. Com pessoas. E é aí que está o real desafio de conduzir a transformação digital.

Internamente, precisamos fornecer aos colaboradores o conhecimento e as habilidades necessárias para dar vida à estratégia comercial. Como gestor de um time, é preciso continuamente mostrar o cenário completo e o caminho a ser seguido até que todos, inclusive os gestores, perguntem-se: “como estou trabalhando coletivamente para chegar lá?”

O poder das redes

Pessoas engajam pessoas, por isso identifique quem são os primeiros simpatizantes da transformação dentro da organização e dê voz a eles. Uma ideia pode até ocorrer em silos, mas a mudança é moldada e efetiva quando espalhada em redes. Elas ajudarão a impulsionar a mudança e podem mostrar na prática o que a estratégia organizacional geral significa. Além disso, esteja ciente de que uma pequena porcentagem de indivíduos “pessimistas” pode inviabilizar a capacidade de uma organização de seguir uma nova direção. Se você consegue de 80% a 90% do time apoiando a mudança, ótimo, mas há uma parte de sua força de trabalho que nunca chega lá.

Storydoing > Storytelling

Recentemente, em nosso evento anual de Digital Marketing – o Adobe Summit – tive o prazer de ouvir do Jensen Huang, CEO da Nvidia, no palco, uma frase inspiradora: “não há outro caminho para a transformação do que arregaçar as próprias mangas”. Se como dito acima, ‘pessoas engajam pessoas’, os líderes são peças fundamentais nesse processo.

Eles são o exemplo

Um estudo recente da Wunderman descobriu que apenas 42% das pessoas dentro das organizações se veem como transformadoras, o que, em outras palavras, significa que apenas uma parcela menor de pessoas se sente à vontade para experimentar coisas novas e assumir riscos. Além disso, 72% das organizações não sacrificam benefícios de curto prazo para ganhos de longo prazo. Então, isso levanta a questão: “como você mantém os funcionários envolvidos? Como você os lidera para a transformação?”

As empresas que já estão no mercado há algum tempo, que viram dias bons e dias ruins, estão bem posicionadas para ver quando e onde a mudança é necessária. Geralmente, a maneira de manter os colaboradores engajados é garantir que eles estejam construindo uma cultura que pode mudar, mas os valores permanecem os mesmos, pois empresas que duram muito tempo estão realmente se mantendo fiéis a seus valores centrais.

As marcas também precisam construir uma cultura que abrace a diversidade e a inclusão, porque trazer perspectivas diferentes será a chave para o sucesso de uma empresa. Como temos uma grande variedade de clientes, também precisamos de uma grande variedade de pessoas, sendo que diversidade e inclusão dizem respeito a todos. Todos devem sentir que têm a oportunidade de participar. E é preciso haver sistemas e processos para permitir que todos participem.

Transformar é penoso. Leva tempo. Se o ‘x’ da questão é descobrir as tecnologias emergentes que melhor se encaixam para o negócio, o ‘y’ é a força de trabalho. Sem o componente humano, a conta nunca fecha.

*Federico Grosso é vice-presidente e diretor geral da Adobe para a América Latina.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Vaga de estágio para designer gráfico

Guichê Virtual abre vaga de estágio

O Guichê Virtual está com uma vaga de estágio aberta para designer, em São José dos Campos.

Envie seu currículo para recrutamento@guichevirtual.com.br

Mais um bom evento de digital

RD on the road em São Paulo

por Josué Brazil

No último dia 04 rolou em São Paulo mais um ótimo evento abordando o universo da comunicação e do marketing digital: o RD on the road. Promovido pela Resultados Digitais, o evento itinerante atraiu muita gente interessada em aprender um pouco mais e ficar antenado com as novidade e inovações.

Desta vez não pude acompanhar o evento in loco, mas fiquei atento a várias publicações sobre o que rolou por lá. Algumas agências da RM Vale do Paraíba marcaram presença no evento, casos, por exemplo, da Molotov e da Triadaz (ambas de Taubaté).

Ao todo foram 14 palestras simultâneas. Ficou curioso? Quer saber o que rolou? Então olha só que bacana, o pessoal da Resultados Digitais fez um baita resumo das palestras. E você pode conferir aqui.

Vaga aberta de estágio em marketing

Estágio em Marketing

Redação e criação de conceitos e textos informativos para diversas plataformas de comunicação.
Pesquisa de informações para elaboração de publicações, discutir o briefing, elaborar o planejamento criativo de comunicação de projetos para clientes de diversos segmentos.
Gerenciamento de redes sociais.
Fundamental domínio ortográfico e gramatical da Língua Portuguesa.

Ser comunicativo, criativo e gostar de café!

Interessados, enviar currículo até 04/07 e boa sorte!

Vaga em social media

Vaga para Social Media com Experiência em Facebook ADS

Irá atuar juntamente com a equipe de marketing na criação de campanhas patrocinadas, com foco em geração de leads.

– Necessária experiência avançada em Facebook ADS.
– Necessária experiencia com métricas.
– Irá trabalhar em regime CLT com salário fixo mais bonificações por resultados.
– Local de trabalho será em Taubaté, oferecemos vale transporte para cidades vizinhas.

Enviar currículo para: helioarezo@grupova.com.br
Assunto: Social Media Taubaté

Gifs melhoram a comunicação

Gifs viram recurso coringa para tornar comunicação com clientes mais divertida, expressiva e humanizada

Arquivos de vídeo super curtos e leves possibilitam retratar emoções complexas, tornar a conversa mais informal e receptiva, além de construir uma relação mais próxima com os consumidores nos canais de atendimento digitais

* Por Renato Shirakahsi

Uma imagem vale mais do que mil palavras. O ditado é tão conhecido quanto o fato de que os vídeos são o tipo de mídia predileta para a comunicação no ambiente digital. Mas como não dá para conversar por meio de trechos de filmes e séries de TV, os GIFs assumem o papel de transmitir emoções complexas e dar mais humanidade às conversas entre empresas e clientes.

Renato Shirakashi – Criador da Scup e General Manager da Sprinklr

Esses clips curtos e leves estão virando uma peça coringa para empresas que buscam inovações para o relacionamento e atendimento ao cliente. E a linguagem usada nas conversas está entre os fatores que precisam ser revistos e renovados, já que é parte fundamental para a boa experiência do consumidor.

A criação de experiências mais relevantes para os clientes, inclusive, foi o mote da criação do Scup Care, que não só ajuda em uma interação mais ágil, flexível e eficiente, mas também facilita o uso da comunicação por meio de canais que oferecem recursos além da escrita. Isso traz uma série de possibilidades de aproximação e identificação do consumidor. O uso de GIFs, por exemplo, é uma opção inovadora a ser explorada.

Popular principalmente entre os millennials, mas igualmente adorado por consumidores de todas as faixas etárias, a criação de GIFs para a comunicação com o seu cliente pode ser um tiro certeiro e aquele empurrão que você precisava para fidelizar o seu público de uma vez por todas.

Para isso, veja algumas dicas de como você pode aproveitar os GIFs para alavancar a sua marca no processo de atendimento.

Aproveite os gifs para mostrar a personalidade da sua marca
Os consumidores buscam por empresas mais humanas. A criação de um gif que mostre, em imagens, a personalidade de sua marca será um passo à frente a outras que costumam escrever longos textos sobre sua missão e filosofia. A linguagem jovial e contemporânea dessas figurinhas em movimento vão trazer uma boa autenticidade para a sua marca.

Mostre o seu produto
Quer oportunidade melhor para apresentar o seu produto se não por um gif? Em um vídeo de poucos segundos você poderá atrair a atenção e ainda fazer com que a sua apresentação seja compartilhada com mais pessoas.

Faça um pequeno tutorial
As possibilidades na criação de um gif vão muito além do que imaginamos. Com ele podemos não só mostrar o nosso produto, mas também ensinar o consumidor a como usá-lo, de uma forma lúdica e prática. Certamente será mais eficaz do que um texto e mais rápido que um vídeo.

Use as animações para apresentar dados
Em vez de mostrar números em gráficos e tabelas, que tal criar um gif animado para facilitar a vida de seus consumidores? Você pode, por exemplo, fazer um comparativo entre o seu produto e o da concorrência de forma leve e divertida.

Conte uma história
Este é, provavelmente, o uso mais óbvio dos gifs. Utilize fotografias em sequência para mostrar um acontecimento ou passagem do tempo. Grandes marcas têm criado animações para mostrar a evolução de seus logotipos ao longo dos anos, por exemplo.

Ofereça uma prévia
Os gifs carregam um conceito de vídeos em miniatura. Aproveite esse estigma e utilize-o para mostrar uma prévia de um vídeo maior que você pretende publicar. Certamente chamará atenção e aguçará a curiosidade do seu público.

*Sobre Renato Shirakashi

Renato é formado em Ciências da Computação pela Universidade de São Paulo e desenvolvedor de produtos da área de tecnologia, focadas em melhorar a comunicação entre empresas e consumidores. Hoje atua como General Manager da multinacional Sprinklr, onde tem o apoio e respaldo para a o desenvolvimento da sua principal criação, a plataforma Scup.

Fonte: Motim Conteúdo Criativo – Bruno Lino

Dicas de Orkut

5 dicas de como resgatar paixões com novas tribos online

Por Orkut B.

Em tempos tão agitados no Brasil e nas redes sociais, é uma boa ideia oxigenar os ares e estabelecer novas conexões e experiências. Para te ajudar nessa jornada de encontrar novas tribos, novos assuntos e paixões, o visionário em redes sociais Orkut Buyukkokten, criador do antigo orkut.com e da nova rede social hello dá ótimas dicas:

Para o alto e avante!
Novas conexões nunca são demais! Se você mergulhar nas suas redes de contatos perceberá que faz parte de diferentes tribos: a galera do colégio, os colegas de trabalho, os amigos de infância, o grupo da família e a turma daquele curso que você fez anos atrás. Em cada uma dessas comunidades há um assunto em comum que anima a todos, e escolha o que mais te entusiasma para dividir.

Resgate suas paixões
A melhor maneira de começar a se conectar com novas pessoas é entrar em novos grupos online que compartilham interesses comuns. Pense naquela sua paixão que está escondida e que precisa ganhar mais espaço em sua vida? Se você gosta de filme, futebol, animais fofos ou música junte-se a comunidades para discutir esses assuntos e traga uma dose de leveza para seu dia-a-dia.

Enriqueça as discussões
Chega de textão e discussões intermináveis. Se é para comentar que seja sobre aquele filme que acabou de sair nos cinemas, sobre uma receita desafiadora ou as últimas tendências do universo da moda, escolha o que agora faz seu coração pulsar e os dedos digitarem com agilidade e felicidade.

Dê espaço para novas amizades
Nunca é tarde para fazer novas amizades. Se você se identifica com postagens e comentários de um grupo, essa conexão virtual pode se tornar real também! Inspire-se na bem sucedida experiência de uma comunidade de apaixonados por cerveja do app hello, que marcou um encontro em um pub de São Paulo e transformou o papo online em uma experiência offline muito divertida.

Mostre interesse
O mais importante é lembrar de dar importância e demonstrar interesse pelas pessoas, assuntos e comunidades de suas novas conexões. O segredo é saber interagir, mantendo debates enriquecedores e amistosos. O tempo de interação mostrará quão compatível são os interesses de vocês e quem sabe essa conexão vire uma linda amizade?

Fonte: HUG Comunicação Corporativa – Thamiris Rezende

Novo conteúdo em áudio

Pesquisa sobre universo digital

O nosso conteúdo de áudio dessa semana traz dados de uma importante pesquisa realizada sobre o universo das mídias sociais e as marcas/anunciantes.

Vale muito a pena conferir!

 

Vaga para atuar como social media

Deze7 abre vaga

A agência sediada em Taubaté e especializada em digital procura alguém  apaixonado por Internet e Redes Sociais e que entenda de Photoshop.

A preferência é por um candidato que saiba fazer arte (Photoshop e Illustrator) para postagens em redes sociais.

Mande seu currículo e portfólio para contato@deze7.com.br.

Vaga de estágio em agência digital

Atomic Buzz abre vaga de estágio

Está em busca de um estagiário para trabalhar com mídias sociais em um ambiente bacana e descontraído.

Perfil desejado: residir em Taubaté, ser comunicativo, curioso e criativo.

Mande seu currículo para: vagas.atomicbuzz@gmail.com