Vaga no Santuário Nacional

A12 contrata

O Santuário Nacional de Aparecida busca estagiário para fazer parte de sua equipe

Requisitos:
– Cursando 1º ou 2º ano de Comunicação Social (Rádio, TV e Internet);
– Experiência com Photoshop;
– Premiere
– Office (Word e Excel)
– Conhecimento de conceitos de redes sociais.

Atividades desenvolvidas:
• Edição de vídeos;
• Descrição de vídeos (título, descrição e tags);
• Criação de miniaturas (thumbr do youtube);
• Postagem em canais de youtube de responsabilidade do A12.com;

Recorrência como modelo de negócios para agências

Receita previsível: A recorrência é o futuro das agências digitais

por Alessandra Sadan, vice-presidente da Duda para América Latina

A recorrência é um modelo de negócio que se disseminou nos últimos anos pelas mãos das empresas de tecnologia – mais especificamente, das que trabalham com plataformas SaaS (Software as a Service). Quem assina Netflix, guarda fotos no OneDrive ou tem conta no Spotify está imerso nesse sistema, baseado em pagamentos mais parecidos com uma assinatura para ter acesso a um serviço do que com a compra de um produto. Alguns anos atrás, talvez soasse impossível aplicar o modelo a segmentos tradicionalmente habituados a trabalhar “por job”, como é o caso de certos serviços das agências digitais. Efetivamente, não é. A recorrência, na verdade, pode ser o principal aliado delas na sustentabilidade dos seus negócios.

Image by Megan Rexazin from Pixabay

Depender da prestação de serviços pontuais é uma grande dor das agências digitais. Esse modelo dificulta estimativas de demanda no longo prazo e, principalmente, atrapalha qualquer espécie de planejamento financeiro. Não à toa, aumentar a carteira de clientes recorrentes foi eleito o principal desafio das agências para 2020*. Isso porque o modelo assegura que pelo menos parte da receita seja previsível, garantindo a sustentabilidade dos negócios. Fora isso, manter um relacionamento de longo prazo também eleva as chances de vender novamente para os mesmos clientes – com um custo menor do que adquirir novos contratos.

Presença online por assinatura

Pode soar contra-intuitivo, mas mesmo serviços como a criação de sites podem ser vendidos em um modelo semelhante ao de assinaturas. Pense na situação em que um pequeno empreendedor esteja em busca de presença online para seu novo negócio. Para que possa fazer anúncios pagos, investir em conteúdo para blog ou apostar na gestão de suas redes sociais (que são, esses sim, serviços de marketing digital recorrentes para as agências) o primeiro passo é ter um site. Como criar sites normalmente não é o foco das agências, é comum que indiquem um profissional externo ou demandem uma equipe especializada para um serviço que tipicamente é pontual.

Daí derivam alguns problemas. Colocar um site no ar costuma ser demorado e caro. O pequeno empreendedor, que precisava de presença digital, logo sente que gastou tempo e dinheiro demais só com o primeiro passo. Para compensar, ou busca alguém mais barato para os próximos serviços de marketing digital, ou improvisa internamente com a própria equipe, ou simplesmente adia os planos (quando não desiste deles). Conclusão: a agência perde a oportunidade de vender seus produtos e serviços de marketing digital para esse cliente potencial.

Image by mohamed Hassan from Pixabay

O que aconteceria se a criação de sites fosse assumida pela agência digital em um modelo de recorrência? Usando tecnologia de ponta, é possível fazer isso de maneira escalável, precificando o serviço de forma recorrente. A agência poderia, por exemplo, reduzir o valor cobrado na entrega de um site e diluir a diferença em mensalidades que abranjam também serviços de manutenção (como hospedagem, backup ou segurança). Ou poderia oferecer uma revisão de funcionalidades e layout das páginas a cada ano, na época da renovação de um contrato com pagamentos mensais. Poderia ainda estabelecer diferentes pacotes de serviços de marketing digital, por assinatura, que incluíssem a criação do site.

Pacotes que cabem no bolso

A sensação de que o preço de um conjunto de serviços “cabe no bolso” (assim como as parcelas de uma geladeira comprada no crediário) pode ser decisiva para um pequeno empreendedor contratar uma agência digital. Se estiverem dispostas a mudar a forma como sempre cobraram por certos trabalhos, buscando ferramentas tecnológicas que permitam ampliar seu rol de ofertas sem acrescentar custos fixos elevados, as agências digitais tendem a se beneficiar. As chances de conseguir reter e fidelizar os clientes aumentam. Fora o alívio nas contas, considerando a previsibilidade da receita e dos custos das entregas que precisarão ser feitas ao longo do contrato.

Estarão os clientes brasileiros preparados para contratar serviços como a criação de sites em um modelo de recorrência? Respondo essa pergunta com outra: por que não estariam? Em mercados maduros, como o norte-americano, a recorrência é a regra entre as agências digitais e os jobs, a exceção. Uma assinatura normalmente garante ao cliente ser abastecido com o que há de mais moderno e atualizado no segmento que for – voltemos aos exemplos de Netflix, OneDrive e Spotify. Não seria diferente com as agências. Quanto vale não ter de se preocupar com a manutenção do site? Ou ganhar um site novo todos os anos? Ou ter uma agência que conheça seu negócio, oferecendo todos os produtos e serviços necessários a cada passo da jornada digital? Convencer clientes não é a parte difícil. O maior desafio talvez seja convencer as próprias agências.

* Panorama Agências Digitais Brasil 2020 (Resultados Digitais e Rock Content)

Duda é uma empresa de tecnologia do Vale do Silício que desenvolve soluções para criação de sites de alta performance, com foco em agências digitais e plataformas SaaS.

Fonte: Dialetto – Mariana Segala

Vaga de estágio em publicidade e propaganda

Clínica busca estagiário

O selecionado executará diferentes atividades ligadas à sua formação. Veja o que pede a vaga na arte abaixo:

Vaga para estagiários em comunicação

Coaching Concurseiros busca estagiários

O Coaching Concurseiros está contratando estagiários para a sua área de comunicação. Estão à procura de um Editor para acompanhar as gravações e editar seus vídeos institucionais e de depoimentos de seus alunos. Além disto também estão atrás de um Designer para trabalhar em sua comunicação interna e digital, criando imagens para o site, imagens para postagens no blog de notícias, thumbnails para o youtube e facebook e artes para a comunicação interna como avisos, novidades etc.

Requisitos:
Estar cursando Publicidade e Propaganda, Jornalismo ou Marketing

DESIGNER
– Adobe Photoshop
– Adobe illustrator ou Corel Draw

EDITOR
– Adobe Premiere Pro
– Sony Vegas
– Noções de montagem de set

Sobre a Vaga:
– Bolsa Auxilio: R$800,00
– Vale Transporte: R$179,40 (isso varia para quantidade de ônibus necessários para chegar ao escritório)
– Carga de trabalho: das 10h00 às 17h00 com 1 hora de almoço

Caso tenha se interesse entre em com contato pelo e-mail:
contato@coachingconcurseiros.net

“Guia da Facu” estreia neste sábado na tela da Band

Programa vai mostrar a realidade dos jovens e da educação no Brasil

A Band estreia neste sábado (12), ao meio-dia, o programa Guia da Facu. Apresentada por Bia Bauer, Marcello Palermo e Isa Dornelles, a atração será uma importante fonte de informação para jovens e pais que acreditam que a educação universitária é uma ferramenta imprescindível para uma vida melhor.

A apresentadora Bia Bauer

Com participação de convidados especiais como o cartunista Mauricio de Sousa e o reitor do Centro Universitário Belas Artes, Paulo Cardim, o Guia da Facu vai mostrar a realidade dos jovens e da educação no Brasil, levando conhecimento para o público que busca saber mais sobre o mercado de educação e de trabalho. E esse público é imenso: por ano, mais de 2 milhões de estudantes brasileiros ingressam em faculdades; em 2018, mais de 6 milhões de estudantes prestaram ENEM.

O programa vai ajudar os jovens a tirar dúvidas sobre em qual curso se matricular, como escolher a melhor universidade e como ter acesso a bolsas de estudo – oportunidade bem-vinda em um país onde o fator financeiro é apontado como principal obstáculo ao acesso ao ensino superior. Através de parceria com a empresa Quero Bolsa, o site do programa disponibilizará para aquisição dos interessados 1,5 milhão de bolsas de estudo para o primeiro semestre de 2019 em 1.300 instituições de ensino em todo o país. O público também conhecerá lindas histórias de alunos e de professores que foram construídas através da educação.

Na edição de estreia, o Guia da Facu abordará o valor da educação e como ela pode mudar a vida das pessoas.

Guia da Facu será exibido todo sábado, às 12h, na tela da Band. Após a exibição na TV, a atração continua por uma hora, ao vivo, neste site.

Fonte: Comunicação Band – André Rizzatto

Vaga de estágio para atuar em digital

Aproxima abre vaga em Taubaté

É importante ter conhecimento em wordpress e saber criar sites. Não é necessário conhecimento em códigos html.

Foto: Pixabay

Preferencialmente estudante de Publicidade e Propaganda ou Marketing com conhecimento em Photoshop e Illustrator.

Entre em contato pelo e-mail lucas@aproxima.co e envie seu currículo e portfólio.

Empresa busca estagiário em marketing

Vaga de estágio em marketing

Interessados, por favor, enviar currículo até 28/09/2018 (sexta-feira), para o e-mail: renan@valevendasonline.com.br

Área atuação: Marketing e Vendas – Gênero: Feminino

Principais atividades:

– Suporte para criação de textos para postagens nas redes sociais;

– Suporte para criação de anúncios patrocinados no facebook, Instagram e google;

– Criação e edição de imagens;

– Atualizações gerais de site wordpress;

– Atualizações gerais de site ecommerce wordpress com plugin WooCommerce;

– Cadastramento de produtos da loja virtual através do plugin WooCommerce;

– Interface com a agência de marketing terceirizada para ações diárias de inbound marketing;

– Interação com a audiência das redes sociais (Instagram, facebook, youtube, twitter)

– Interação com a audiência/clientes do whatsapp;

– Interação com influenciadores digitais para campanhas de marketing;

– Acompanhamento de métricas das redes sociais;

– Interação com a audiência/clientes através de e-mail;

– Atendimento telefônico;

– Relatório de estágio.

Conhecimentos básicos:

– WordPress (não precisa dominar códigos ou qualquer linguagem de programação.);

– Redes sociais (Instagram, facebook, youtube, twitter, google);

– Adobe Photoshop ou outros programas de edição de imagens.

Experiência:

– Não é necessário.

Cursar:

– Marketing/Comunicação/Publicidade/Jornalismo em qualquer período.

Jornada Trabalho:

– 6 horas, dás 10h às 17h com 1 hora de almoço

Salário/Bolsa:

– De R$500 a R$700

Benefícios:

– Vale transporte

Empresa:

– Varejista no Ecommerce, Setor de Vestuário Feminino situada em Taubaté.

Vaga para assistente de marketing

Assistente de Marketing

Cursando ou Concluída Graduação em Marketing ou áreas afins;
Experiência no desenvolvimento de E-Commerce, gestão de vendas, elaboração de campanhas de marketing, estratégias de mercado, cadastro de clientes e produtos no sistema, vendas on line pelo Mercado Livre e site da empresa etc.

Salário: R$ 1.800,00;

Benefícios: Vale Transporte ou Vale Combustível, Vale Refeição (R$ 20,00 dia);

Horário de Trabalho: 08:00 às 18:00 de segunda-feira a sexta-feira.

Interessados encaminhar currículo com assunto “Assistente de Marketing” para vanessa@gruporesolve.com.br – Até 15/08

Será desconsiderado o currículo enviado sem o nome da vaga no assunto do e-mail

Modelos de e-commerce

3 modelos de e-commerce para colocar as indústrias no cenário digital

*Por Maurício Trezub

O e-commerce está cada dia mais forte no Brasil e podemos acompanhar esse movimento pelo crescimento das lojas virtuais, que estão obtendo retorno de anos de investimento. Segundo o relatório Webshoppers, divulgado pela Ebit, em 2016, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 44,4 bilhões e alcançou um crescimento nominal de 7,4% em relação ao registrado em 2015. Este ano, isso tende a aumentar ainda mais. Ao observar a maturidade do setor, as indústrias, em sua maioria off-line, começam a se interessar pelo universo digital por enxergar nele novas oportunidades e um grande potencial para divulgar sua marca e ampliar seu campo de atuação.

No modelo de negócio atual, para um produto chegar ao consumidor, ele passa por diversas etapas – a do fabricante, a do atacado/distribuidor e a do varejista. Isso faz com que o cliente final pague mais caro pelo produto, que é tributado em cada um desses passos. Outros pontos fracos do processo são a distância entre o fabricante e o consumidor, que acaba não conhecendo o perfil de quem consome os seus produtos e nem tendo acesso às demandas em tempo real. Desta forma, a marca permanece afastada e fica na dependência dos grandes varejistas, que controlam os preços de venda e a experiência do cliente. Porém, esse jogo está virando. Hoje, com o fortalecimento das redes sociais, a expansão dos aplicativos e das opções para vendas virtuais, esse cenário está num processo de forte transformação.

É nesse momento que as indústrias devem ingressar no e-commerce, sem se afastar dos seus canais. Então, quais são os caminhos que elas podem seguir para se aproximar dos consumidores, fechar negócios, aumentar sua receita, seu alcance e diminuir esses custos? Existem três modelos que podem ser adotados, contribuindo, inclusive para o gerenciamento das vendas, distribuição e controle do retorno sem grandes desafios. O que determina a escolha por um deles é a capacidade de investimento e maturidade da indústria no cenário digital. Vamos analisar:

Direto puro: o fabricante abre seu site, publica seus produtos no marketplace e centraliza toda a operação de vendas. É uma estratégia barata, rápida e que mantém o contato direto com o consumidor final. Em termos de relacionamento com o cliente, este modelo é um dos mais indicados. Com o formato direto, o fabricante conhece tudo sobre os seus clientes e evita conflitos com os revendedores, já que normalmente são eles que retém a informação. A experiência de compra é a melhor possível por não oferecer transtornos e complicações.

Híbrido: este modelo é para quem já tem uma estrutura de canais e não quer competir com ela, mas quer colocar um pé na entrada das vendas e, para isso, adere à uma plataforma de e-commerce. É um formato compartilhado de responsabilidades que atende às necessidades de indústrias de todos os portes. Aqui o propósito é encarregar tarefas críticas que se afastam do conhecimento da manufatura e, ao mesmo tempo, absorvem as questões operacionais e de atendimento ao consumidor. A fabricante controla todas as etapas e acompanha diretamente o desempenho das vendas, já que ela envia os pedidos aos clientes. Caberá a um intermediário, no caso, um parceiro contratado, assumir as estratégias do e-commerce, manter a plataforma operando com estabilidade e segurança, pois sua marca que aparecerá nos marketplaces. Esse intermediário faz as parcerias, fornece relatórios e informa à manufatura sobre todos os dados da operação.

Parceiro digital: é o modelo ideal para a fabricante que já atua por meio de revendas e deseja ingressar também no e-commerce. Para isso, cria seu próprio comércio eletrônico com os seus produtos. Caberá ao consumidor escolher a revenda mais próxima do endereço de entrega, evitando processos longos na cadeia. Aqui, a manufatura tem um e-commerce de venda direta para o consumidor final e repassa os pedidos às revendas escolhidas pelo cliente, que pode, inclusive, optar por buscar o produto na revenda, aumentando assim, as chances dessa loja vender outros produtos.
Mais do que optar pelo modelo mais adequado à sua empresa, ter um bom planejamento é essencial para sustentabilidade do negócio. Apesar das indústrias possuírem marcas conhecidas no mercado, elas precisam entender e ingressar cada vez mais no ambiente virtual. O fato é que as fabricantes que entenderem como ganhar visibilidade no universo digital, conseguirão garantir sua competitividade no mercado.

É necessário inovar até mesmo na forma de vender e se relacionar com os clientes e só por meio do e-commerce que as indústrias conseguirão ficar mais próximas de seus consumidores. Desta forma, poderão estabelecer um canal direto com eles e, até mesmo, alinhar sua estratégia de negócio aos gostos e preferências dos clientes. É hora indústria ser sinônimo de inovação, não só no processo de fabricação, mas também no modelo de vendas.

*Maurício Trezub é diretor de e-commerce da TOTVS

Fonte: RMA Comunicação – Marina Escarminio

Estágio em marketing

Vaga de estágio em marketing

Requisitos: Cursando Graduação em Marketing, Publicidade e Propaganda ou áreas afins, a partir do 1º ano.

Conhecimentos do Pacote Office, Photoshop, Ilustrador, Ferramentas CRM e Website.

Bolsa Auxílio: R$900,00 + Benefícios
Horário de trabalho das 10h às 17h (1 hora de almoço).

Residir SOMENTE em Pindamonhangaba ou Taubaté – SP. Candidatos que atendam aos requisitos e estejam interessados, encaminhar CURRÍCULO atualizado EM ANEXO para o e-mail barbara@prestem.com.br

Necessário mencionar no campo “Assunto”: Estágio em Marketing