O humano mesmo no digital

A transformação é digital, mas o fator ainda é humano

por Federico Grosso*

Quando se fala em transformação digital – já há algum tempo -, o uso e implementação das tecnologias em voga são rapidamente associados e dados como passos principais. No entanto, passada a fase do buzz inicial em torno do tema, as empresas vêm, mais recentemente, sendo pressionadas para efetivamente fazer a grande virada e executar suas estratégias de transformação. Muitas ainda nem começaram. Tantas outras se perderam no caminho.

Passou da hora de entender o porquê. E me arrisco a dizer que grande parte do problema é o não entendimento da força motriz de qualquer processo real de transformação: as pessoas. Mais precisamente no mundo corporativo: a força de trabalho.

No entanto, esta outra metade da equação é bastante complexa. Consiste em atrair as pessoas certas e prepará-las para o futuro – algo que, a exemplo de investimentos em recursos tecnológicos, devem ser grandes prioridades para os líderes. Sempre me surpreendo com o esforço que as marcas fazem ao investir na escolha de tecnologias, sem pesar o impacto do talento na execução de todo o grande plano.

A estratégia de talentos e de negócios: paralelas e perpendiculares

Uso aqui nosso próprio exemplo. A Adobe de hoje não existia há sete anos. Todos se lembram: vendíamos caixas com softwares, com atualizações a cada 12 ou 18 meses. Queimamos nossos próprios barcos para fazer a virada. Fomos sinceros com nós mesmos e com o mercado. Sabíamos que seria uma transformação complexa e isso exigiu mudanças em toda a organização, envolvendo estrutura, habilidades e competências.

Os números de evolução do negócio vieram antes do previsto. Foi uma mudança cultural. Foi uma mudança liderada por pessoas e para pessoas.

Muitas vezes, seguir o caminho da transformação não significa uma correção de rumo, mas sim a evolução diante das tendências que se apresentam e visão de futuro. O exercício fiscal de sua empresa pode ter encerrado o ano com números incríveis em todas as linhas, mas não se pode fechar os olhos para o que está por vir. Ou de como o que está por vir pode representar ainda mais ganhos para todo o ecossistema da companhia.

Embora as decisões de tecnologia de uma organização geralmente sejam da TI ou do CTO, as pessoas que mais as sentem – os usuários – nem sempre têm clareza ou visão do que se espera delas – uma vez que é da natureza humana evitar a mudança. Mudar é difícil – ainda que essencial para a sobrevivência de muitas marcas. Mexe com a cultura da empresa. Com o mercado. Com pessoas. E é aí que está o real desafio de conduzir a transformação digital.

Internamente, precisamos fornecer aos colaboradores o conhecimento e as habilidades necessárias para dar vida à estratégia comercial. Como gestor de um time, é preciso continuamente mostrar o cenário completo e o caminho a ser seguido até que todos, inclusive os gestores, perguntem-se: “como estou trabalhando coletivamente para chegar lá?”

O poder das redes

Pessoas engajam pessoas, por isso identifique quem são os primeiros simpatizantes da transformação dentro da organização e dê voz a eles. Uma ideia pode até ocorrer em silos, mas a mudança é moldada e efetiva quando espalhada em redes. Elas ajudarão a impulsionar a mudança e podem mostrar na prática o que a estratégia organizacional geral significa. Além disso, esteja ciente de que uma pequena porcentagem de indivíduos “pessimistas” pode inviabilizar a capacidade de uma organização de seguir uma nova direção. Se você consegue de 80% a 90% do time apoiando a mudança, ótimo, mas há uma parte de sua força de trabalho que nunca chega lá.

Storydoing > Storytelling

Recentemente, em nosso evento anual de Digital Marketing – o Adobe Summit – tive o prazer de ouvir do Jensen Huang, CEO da Nvidia, no palco, uma frase inspiradora: “não há outro caminho para a transformação do que arregaçar as próprias mangas”. Se como dito acima, ‘pessoas engajam pessoas’, os líderes são peças fundamentais nesse processo.

Eles são o exemplo

Um estudo recente da Wunderman descobriu que apenas 42% das pessoas dentro das organizações se veem como transformadoras, o que, em outras palavras, significa que apenas uma parcela menor de pessoas se sente à vontade para experimentar coisas novas e assumir riscos. Além disso, 72% das organizações não sacrificam benefícios de curto prazo para ganhos de longo prazo. Então, isso levanta a questão: “como você mantém os funcionários envolvidos? Como você os lidera para a transformação?”

As empresas que já estão no mercado há algum tempo, que viram dias bons e dias ruins, estão bem posicionadas para ver quando e onde a mudança é necessária. Geralmente, a maneira de manter os colaboradores engajados é garantir que eles estejam construindo uma cultura que pode mudar, mas os valores permanecem os mesmos, pois empresas que duram muito tempo estão realmente se mantendo fiéis a seus valores centrais.

As marcas também precisam construir uma cultura que abrace a diversidade e a inclusão, porque trazer perspectivas diferentes será a chave para o sucesso de uma empresa. Como temos uma grande variedade de clientes, também precisamos de uma grande variedade de pessoas, sendo que diversidade e inclusão dizem respeito a todos. Todos devem sentir que têm a oportunidade de participar. E é preciso haver sistemas e processos para permitir que todos participem.

Transformar é penoso. Leva tempo. Se o ‘x’ da questão é descobrir as tecnologias emergentes que melhor se encaixam para o negócio, o ‘y’ é a força de trabalho. Sem o componente humano, a conta nunca fecha.

*Federico Grosso é vice-presidente e diretor geral da Adobe para a América Latina.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Imersão em narrativas

Ale Santos convida

O nosso querido e competente Ale Santos avisa que o palco Entretenimento da próxima Campus Party vai receber no dia 02 de Fevereiro um workshop de Gamificação com Imersão Narrativa, com técnicas, exemplos e práticas para a construção de gamificação empresarial com foco em Storytelling, com duração de 90 minutos os participantes aprenderão alinhamentos entre gameplay e narrativas através de pontos chaves de imersão.

Quem quiser se aprofundar um pouco mais nesse tipo de Gamificação vai ter uma bela oportunidade no dia 11 de Fevereiro, com a versão estendida desse workshop em parceria com a Escola Brasileira de Games Serão 4 horas que incluem exercícios e ferramentas de criação de narrativas interativas.

Anote as datas dos Workshops:
02/02 às 18hs15 – CPBR – http://bit.ly/GamificCPBR
11/02 às 09hs – EBG – http://bit.ly/EBGGamific

Curso ensina narrativa

Workshop inédito de Narrative Design

Nos dias 21 e 28 de Janeiro (Sábados) São José dos Campos recebe o Workshop inédito de Narrative Design, que vai ensinar as bases do Storytelling Interativo dos Games.

Entender de Narrativas de Jogos está se tornando um artifício cada vez mais essencial para empresas de Entretenimento e Marketing. Bons game writers são capazes de produzir histórias e mundos fantásticos que conectam as emoções experimentadas pelos romances e filmes. Esse curso vem trazer a base necessária para se tornar um verdadeiro escritor de jogos.

As aulas acontecerão na escola Kinoene Arts e as inscrições acontecem pelo site – http://kinoenearts.com.br/cursos/storytelling-e-concept-art-para-games/

Dos 30″ ao Branded Content

Como as séries de TV podem ajudar o seu Branded Content

Narcos. Sopranos. House of Cards. Friends. Modern Family.

Neste curso oferecido pela APP Brasil os participantes vão entender como são construídas as séries de TV e as técnicas de storytelling que estão por trás dessas narrativas incríveis.

RICARDO GRYNSZPAN

unnamed-6

É roteirista e professor. Escreveu a mini-série “Zé do Caixão” (TNT e Space), eleita Melhor Produção Artística de 2015 no Festival Internacional de Televisão de São Paulo e episódios das séries “Lili, a ex” e “Tempero Secreto”, ambas na GNT.
No rádio, escreve juntamente com Felipe Xavier o programa de humor “Chuchu Beleza”, transmitido diariamente pela Rádio Jovem Pan FM. É professor de Roteiro para TV da Academia Internacional de Cinema de São Paulo.

Inscreva-se aqui

Curso aborda narrativas para games

Sesc Consolação terá aula sobre Alternate Reality Games

unnamed-5

Na próxima Quinta-Feira (20/10) acontecerá a segunda aula do curso inédito sobre Narrativas para Alternate Reality Games no Sesc Consolação em São Paulo. O curso é ministrado pelo grande especialista em narrativas Ale Santos.

Nessa aula o tema abordado será: Storyworlds e Realidades alternativas e a quantidade de vagas é definida pela ordem de chegada. Como o curso começa exatamente ás 19hs o ideal é chegar um pouco antes.

Veja mais informações e a descrição do curso de ARGs aqui

Storyteller do Vale do Paraíba coordena Gamificação em um dos maiores eventos de TI do Brasil

IT Forum Mais ganha um Universo Ficional e Transmídia

O IT Forum Mais reúne os CIOs das 501 a 1000 maiores empresas que mais investem em TI no Brasil e já é consagrado como o encontro mais eficaz na geração de leads para a Indústria de TI e Telecom. A nova edição do evento, que começa na próxima Quarta-Feira vai levar os participantes à uma jornada imersiva dentro de um universo fantástico criado pela Storytellers Brand’Fiction em parceria com a IT Midia para disputarem o controle do Tempo.

unnamed (9)

A aventura começa bem antes de pisarem na Bahia, quando os executivos fazem o seu cadastro e agendamento das reuniões de negócio. Eles escolhendo uma das opções de ligas: People of Tomorrow, Ágora do Agora e C.A.R.E. Cada uma representando um pensamento sobre o domínio do tempo.

P.O.T como é conhecida a primeira liga, pensa que a melhor coisa a se fazer é acelerar o Tempo e embarcar no futuro, já a C.A.R.E quer dedicar o Tempo à grandiosidade histórica e profunda do passado, enquanto a Ágora do Agora acredita que esses dois caminhos são perda de Tempo, pois o importante é viver o presente e suas realizações. Essa divisão de pensamento surgiu de uma organização conhecida como Ordem dos Guardiões do Tempo. A ordem surgiu nos primórdios da humanidade, após o Gilgamesh ter o seu primeiro encontro com a divindade do Tempo e mantém secretamente sua organização até os dias de hoje tentando distribuir esse poder a todas as nações para otimizar a evolução das civilizações humanas.

Mesmo em 4 dias do evento, essa história se tornou grande demais para ser contada no palco. Exatamente por isso que Fernando Palacios, CEO da Storytellers concebeu um plano transmídia que compreende um livro, vários vídeos e a gamificação do evento. O time Storytellers conta ainda com Fernanda Werson coordenando os roteiros e as atividades de Storytelling, Pedro Tancini dirigindo todas as intervenções teatrais e as encenação de palco e Ale Santos como Game Designer e Puppet Master do jogo.

O principal objetivo da ação é estimular os negócios do evento, isso faz com que o jogo e a narrativa devam ser minuciosamente lapidados com mecânicas e elementos que proporcionam mais business. Isso já havia sido testado no IT Forum no começo do ano, aonde apresentou um acréscimo de mais de 10% de reuniões entre CIOs e Patrocinadores. Dessa vez as expectativas continuam altas e todo esse universo transmídia continua crescendo com personagens, enredos e símbolos fundamentando uma verdadeira mitologia para o IT Forum Mais.

Coluna {De dentro pra fora}

O jogo virou, não é mesmo? É preciso reinventar tudo

Vitor 2016

De tempos em tempos, a gente observa alguns movimentos no mercado de marcas que mudam seu posicionamento e reinventam seu modelo de negócio. O intervalo entre essas mudanças tende a ser cada vez mais curto.

Particularmente, eu acho que isso é um reflexo do comportamento do consumidor, que muda constantemente. E, ainda uma opinião particular, acredito que isso seja consequência das redes sociais e de como elas se integraram ao nosso dia a dia.

Do lado de dentro, o movimento é o mesmo. Porém, ele acontecia mais devagar. Atualmente, não dá mais pra esperar. O jogo virou. O público interno quer participar, quer contatos diferentes com a empresa. Quer informação? Claro, mas de uma forma diferente.

Já reinventamos a narrativa para fora. Agora, sentimos a obrigação de repensar a narrativa interna. É preciso reinventar tudo: canais, narrativa, linguagem.

Em uns três clientes (de Comunicação Interna mesmo), eu tive a oportunidade de participar de projetos para gerar conteúdos diferenciados para canais digitais. O resultado foi muito legal. Pegamos as informações necessárias e traduzimos para uma linguagem de memes, explorando gifs famosos e abordagens ao estilo “Como eu me sinto quando trabalho numa empresa com responsabilidade social”. Aprovar esse tipo de trabalho em CI mostra como as empresas podem ser mais leves e mais próximas de seus empregados. Até nos veículos tradicionais, como jornais e revistas, a linguagem informal e leve ganhou mais espaço. Títulos mais descontraídos, hashtags e uma estrutura de texto bem diferente do padrão.

Ainda nessa linha, vou falar de um dos últimos trabalhos que entrou pro hall dos meus queridinhos. A demanda era um vídeo institucional para falar sobre a história dos produtos da 3M (para os empregados). A solução foi somar elementos de vídeos institucionais com elementos de storytelling. O resultado foi tão positivo que o cliente decidiu compartilhar a série de vídeos no canal da empresa no Youtube. Esse também é um bom exemplo de como a Comunicação Interna deixou de ser interna e pode colaborar para a construção da imagem da marca. Reinvente tudo aí dentro!

Para quem ficou curioso, seguem dois dos vídeos da série. Eu participe do projeto pela Supera Comunicação.

Curso de narrativas de jogos

Once Upon a Game: Escrevendo narrativas para jogos

curso_storytelling

O mercado de jogos vive um dos melhores momentos de sua história. Consegue faturar muito mais do que alguns filmes de Holywood, além disso muitos outros segmentos vem descobrindo o pode de gamificar suas ações como no caso do mercado publicitário e a área da educação em todos seus níveis.

Em meio a tudo isso a figura dos game writers se tornou essencial para o processo. Eles são os profissionais capazes de produzir histórias e mundos fantásticos que conectam as emoções experimentadas pelos romances e filmes para dentro dos jogos com seus roteiros.

Esse curso vem trazer a base necessária para criar narrativas de jogos e construir os seus domínios conhecidos como storyworld.

CONTEÚDO
Aula 01. Introdução ao Storytelling Interativo
Aula 02. Fundamentos de Narrativas para Games: Do RPG ao FPS
Aula 03. Formatos de roteiros interativos
Aula 04. Técnicas de escrita para jogos
Aula 05. Pocket Workshop de Story Bible

Material necessário:

– Caderno de anotações ou notebook
– Conteúdo em PDF distribuído para alunos
– Lápis e Canetas

Professor: Ale SantosVagas: 10 alunos por turma (mínimo 13 anos)

Datas: De 25 a 29 de Janeiro – Segunda a Sexta.

Horários: No período da Noite, as aulas serão das 19h às 21h.

Brasileiro marca presença em evento internacional

Brasileiro leva o Storytelling para Miami

IT Forum Latam receberá os 50 CIOs da América Latina que mais investem em TI, entre 18 e 21 de outubro nos Estados Unidos da América

O encontro de TI mais importante da América Latina desembarca em Miami no próximo domingo (18). O IT Forum Latam irá receber os 50 CIOs da América Latina que mais investem em TI e eles poderão aprender técnicas de apresentação e narrativa para que não haja problemas ao comunicar e vender projetos com o especialista em Storytelling & Transmídia Fernando Palacios, CEO do primeiro escritório sobre o tema no Brasil, Storytellers Brand ‘n’ Fiction.

O tema central da primeira edição do evento nos EUA será “Liderança Criativa”. Os executivos precisam lidar não apenas com a pressa do mundo, mas com ciclos de inovação mais curtos e apaziguar um conflito de gerações entre seus liderados. Em sintonia com o tema, a organização do IT Forum Latam convidou Fernando Palacios que irá explicar como transformar o Big Data em Big Telling em seu workshop “Storytelling para não Criativos”, confirmado para a próxima segunda (19), das 15h30 às 17h.

CIOs de México, Colômbia, Chile, Peru e Argentina terão a possibilidade de participar de um modelo de conferência consagrado há 17 anos no Brasil e que se tornou o principal encontro para executivos de TI na América Latina. O IT Forum Latam faz parte da estratégia da IT Mídia em internacionalizar a marca do maior encontro de CIOs da América Latina.

FERNANDO PALACIOS

Diretor da Storytellers Brand ’n’ Fiction. É um dos pioneiros do branded content no Brasil. Cofundador do primeiro escritório de storytelling do País. Inovou implementando o primeiro portal de conteúdos de marca e o primeiro curso universitário de Transmídia Storytelling na ESPM.
 É formado na USP, pela qual defendeu o primeiro estudo acadêmico sobre o tema Storytelling. 
Atualmente é professor de storytelling na ESPM e ministra palestras em grandes empresas no Brasil e internacionalmente.

Curso de storytelling e transmedia em SJCampos

Curso de STORYTELLING e TRANSMÍDIA

No dia 29 de agosto, sábado, Bruno Scartozzoni ministrará, pela primeira vez em São José dos Campos, o curso que já levou a mais de 15 cidades e 10 estados diferentes. E dessa vez haverá uma grande novidade!

ScreenHunter_45 Aug. 03 18.07

Bruno quis fazer cursos em lugares diferentes, para sair daquele padrão de sala de aula, e essa edição acontece dentro do EduZushi, melhor restaurante japonês de São José dos Campos. Melhor ainda, o almoço com rodízio japonês está incluso no ingresso!

Você come bem, e ainda aprende. Ou vice-versa. Mas aprende o que?

O objetivo é entender como profissionais de comunicação, executivos de marketing, empreendedores e jornalistas podem se beneficiar das mesmas técnicas utilizadas por escritores, roteiristas e diretores de cinema para capturar a atenção do público e transmitir mensagens. O curso é composto por teoria, análise de casos e prática.

Também vale dizer que, além do EduZushi, o curso acontece em parceria com o Blog do Armindo, uma das grandes referências de comunicação da região.

Até 16 de agosto o valor de inscrição é promocional.

Informações:

Dia? 29 de agosto, sábado.
Horário? Das 9h00 às 18h00.
Local? No próprio EdoZushi, COM ALMOÇO DE RODÍZIO JAPONÊS INCLUSO
Valor? A partir de 299,00, para quem se inscrever rápido.
Como faz para se inscrever? Clique aqui: http://www.eventick.com.br/storytellingsjc