Faça um upgrade em sua vida profissional: curso de Data Science

Curso é parceria entre Parque Tecnológico e ITA

O Parque Tecnológico São José dos Campos em parceria com o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), promove o curso de aperfeiçoamento em Data Science, que será ministrado por plataformas online, com aulas ao vivo.

O curso tem previsão para início em 15 de fevereiro de 2021 e carga horária de 200 horas distribuídas em 12 meses, incluindo o período para desenvolvimento do TCC. As aulas irão correr duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras, das 19h às 21h30. Os temas principais do programa são: Técnicas de Banco de Dados; Inteligência Artificial; Machine Learning; Deep Learning e Big Data.

O curso é voltado para profissionais com formação em cursos da área de exatas ou economia. O programa é totalmente focado nas necessidades do mercado e contribui diretamente no crescimento profissional de desenvolvedores e operadores de ferramentas na área de ciência de dados.

Após a conclusão do curso e aprovação do TCC, será concedido certificado de Curso de Aperfeiçoamento em Data Science, emitido pelo ITA e reconhecido pelo MEC.

A contratação do curso pode ser feita por meio da empresa onde o profissional trabalha ou pessoa física, sendo liberado para PF o pagamento em até 12x no cartão de crédito.

Mais informações e inscrições com Luiz Fernando Carvalho
(12) 3878-9523 | luiz.carvalho@pqtec.org.br

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Empresa de mídia programática tem vagas abertas

São 6 vagas em 5 estados nas áreas de marketing, tecnologia e comercial

A AdsPlay Mídia Programática, adtech de mídia programática, está em busca de 6 profissionais para contratação imediata, com vagas home office e presenciais. As vagas são para as áreas de marketing, tecnologia e comercial. Interessados podem enviar currículos para o e-mail vanessa@adsplay.com.br, mencionando a pretensão salarial, considerando que a contratação é PJ. Desde março de 2020, a empresa contratou 22 profissionais para áreas variadas e em diferentes estados do país.

Para São Paulo, as vagas são de Analista de Marketing Sênior, que será responsável por todas as atividades de conteúdo institucional da agência e Coordenador de CRM, responsável pela execução das estratégias de relacionamento e ciclo de vida dos clientes através da plataforma de CRM. Em Santa Catarina, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Sul, a empresa busca por Executivo de Contas para prospecção de novos negócios.

No momento a empresa segue em home office, mas possui um escritório fixo na região da Vila Madalena, próximo ao metrô.

Sobre a Adsplay

A Adsplay é uma Trading Desk especializada em mídia programática e tem como missão ser a melhor empresa de operação de mídia programática e online do Brasil. Seu diferencial de mercado está na qualidade a entrega e do atendimento, além de utilizar as principais ferramentas de gestão de mídia disponíveis. A empresa oferece ainda: mídia mobile, push notification, TV Programmatic, Whatsapp marketing, instalação de aplicativo e performance, sempre focado em entregar o anúncio segmentado para uma audiência qualificada e por meio de algoritmos. Todo o trabalho é desenvolvido por um time de publicitários especialistas em mídia online, BI, cientistas de dados e programadores. Fundada em 2017 pelo publicitário e empreendedor Edu Sani, pelo especialista em Marketing Digital Bruno Campos, o experiente Roberto Goichman que atua no mercado publicitário mais de 30 anos, registrou crescimento de mais de 81% em 2019. Entre os cases, estão as campanhas para clientes como Acer, Midea, Land Rover, Microsoft e Grupo Informa, entre outros. Além de atender diretamente algumas marcas, a empresa também é parceira de agências de publicidade de todo país em suas ações de mídia programática. www.adsplay.com.br.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna Propaganda&Arte

Como as sinapses do nosso cérebro podem nos ensinar sobre o Google?

Você já parou para pensar em como o nosso cérebro consegue armazenar informações, as memórias? Sim, nosso querido cérebro tem muitas funções complexas e uma delas é fazer você lembrar a sua senha do banco, como dirigir seu carro, o rosto de seus familiares etc.

Image by Colin Behrens from Pixabay

Tudo parece muito simples, mas pode ser bem mais profundo se analisarmos bio-quimicamente. Como este é um texto sobre marketing digital, vou me ater a seguinte definição:

“A memória é a capacidade de armazenar informações de modo que essas possam ser recuperadas quando buscamos recordá-las. Ocorre pela formação de conexões pelos neurônios ou células nervosas no cérebro. Tais conexões são ligadas por pontos chamados sinapses.”
Fonte: Mundo Educação

Ao ler essa afirmação e como a questão emocional está intimamente ligada ao reforço da memória rapidamente pensei nas conexões e links do Google entre sites, domínios e plataformas, criando a relevância que tanto conhecemos. Mostrando inclusive que quanto mais interações e conexões um site possui (links), mais relevância ele terá na busca, mais autoridade. Lembrou de algo?

“Os fatores emocionais que auxiliam no processo de memorização são formados por conexões neurais localizadas na amídala permitindo a ação rápida.”
Fonte: Mundo Educação

Desde a mudança do marketing, trazendo os 4 Ps para o ambiente digital — Produto, Praça, Preço e Promoção — percebemos a relevância do Google nessa mecânica de busca, unindo anunciantes e clientes. Por isso, se faz necessário lembrar (olha a memória aqui) os itens que podem determinar a relevância de um anúncio:

1- Taxa de clique: quanto as pessoas clicam ou podem clicar (média histórica);

2- Relevância: as palavras-chave contam muito aqui;

3- Experiência da página: tem a ver com a navegação, tempo de carregamento da página, etc.

Dos 3 itens analisados, gostaria de sinalizar o item 3, pois ele tem tudo a ver com a emoção. Se você clica em um site e ele demora mais de 20.9389 segundos para abrir, você simplesmente desiste e muitas vezes fica furioso, com a internet, com o site ou com seu celular (ou PC). Novamente, estamos falando de emoções em um mercado que deveria ser apenas análise de dados racional.

Não à toa, o campo de UX (Experiência do usuário) está ganhando muita força. E tudo isso faz sentido! Se você não possui mais os 4 Ps no ambiente físico, precisamos pensar em otimizar o ambiente digital. Isso significa sites mais otimizados, relevantes, intuitivos, compras mais acessíveis, econômicas e sem complicações.

Ou seja, quando você faz uma visita em um site, compra um produto ou usa algum aplicativo, você tira uma sensação disso, gera uma memória: positiva ou negativa. Isso irá gerar ações possíveis em você como cliente.

1- Reclamar

2- Elogiar

3- Comentar algo neutro

4- Não agir

Tirando a opção 4, todas essas ações (que partiram de uma emoção, vale lembrar) irão gerar dados. Estes dados poderão ser lidos pelo Google e aumentarão a relevância de uma marca para o bem ou para o mal.

A diferença então de nosso cérebro e do algoritmo do Google é que em nosso cérebro nós estamos trabalhando com informações que nós temos acesso: pensamentos próprios, imagens vistas, sons escutados, sensações, vibrações, sonhos etc.

Image by Gerd Altmann from Pixabay

No mecanismo de busca mais usado no mundo, nós temos mais de 63 mil buscas sendo realizadas no mundo por segundo e 20 mil sites criados por dia.

Parece muito, mas o nosso cérebro parece ainda mais impressionante. Tanto que cientistas japoneses tentaram reproduzir o número de processamentos do cérebro usando um supercomputador chamado K e conseguiram. Porém, apenas 1% do funcionamento do cérebro durante apenas 1 segundo.

Vamos usar todo esse potencial cerebral para entender coisas bem menos complexas como o mecanismo de buscas do Google e como tornar um anúncio mais relevante?

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Artigo traz dicas para a construção de um blog diferenciado

Seis dicas para construir um blog diferenciado e fortalecer a marca da empresa

por Rodrigo Gomes de Oliveira*

A criação de um blog é uma estratégia de marketing eficiente para trazer resultados positivos à empresa. Um blog com conteúdo de qualidade traz autoridade e credibilidade à empresa tornando-se uma boa referência dentro do setor, gerando maior visibilidade e fortalecendo o relacionamento entre a marca e o cliente.

A construção de um blog não é um bicho de sete cabeças, mas existem seis dicas importantes que podem facilitar o processo:

1. Estude o seu público-alvo

Ao começar um blog, você precisa atentar-se ao seu público alvo e estudá-lo ao máximo para saber o que funcionará com esse público. Portanto, o blog deve ser adequado para agradar ao público. Não adianta começar um blog e insistir em fórmulas que afastam o público que você quer atingir do seu conteúdo.

É preciso conhecer bem os seus leitores, estudando quais são seus hábitos e que tipo de conteúdo consomem e qual linguagem estão acostumados.

O próximo passo é elaborar um calendário editorial que definirá os assuntos a serem pesquisados.

2. Pesquise a concorrência

Ao começar um canal, é preciso deixar claro qual é o seu diferencial em relação aos demais. Os leitores precisam enxergar o seu blog como canal principal de conteúdo. É nesse momento que concorrência pode ajudar. Nos canais semelhantes você pode pesquisar quais os assuntos que eles ainda não abordaram e quais os pontos que faltam em seus conteúdos. É analisando o que os outros blogs estão fazendo que você conseguirá ser diferenciado e desenvolver assuntos que atrairão os leitores para o seu blog.

3. Escolha a ferramenta correta ao começar um blog

Um blog precisa ser elaborado para ser funcional e capturar a atenção dos leitores. Hoje, existem diversas plataformas no mercado que permitem a criação de um site ou blog na internet sem a necessidade de conhecimentos técnicos na área. Uma dessas plataforma é o WordPress, com uma estrutura que é extremamente intuitiva e um suporte que funcionará perfeitamente para atender todas as suas dúvidas iniciais.

Aproximadamente 60% dos domínios em toda a internet estão associados ao WordPress. É mais da metade do mundo digital, oferecendo quantidade enorme de temas e de recursos disponíveis.

4. Gerencie o tempo que você dedicará para o blog

Um blog é um projeto a longo prazo. Assim é preciso ter constância nas atualizações e na quantidade de informações. Para isso, é essencial dividir o tempo disponível da melhor maneira possível e alimentar o conteúdo periodicamente. Além de produzir novos conteúdos, recomendamos que você visite os posts mais antigos e os atualize, coloque novos links internos. Não utilize o seu tempo apenas para criar novos posts.

Atualize o canal de modo que o calendário de postagens seja funcional e natural. Assim, seus leitores se habituarão às datas de postagem e irão visitar seu blog nesses dias.

5. Invista em técnicas de SEO

O SEO (Search Engine Optmization, ou Otimização para os Motores de Busca) consiste na aplicação de técnicas envolvendo os conteúdos para que sejam ranqueados nas primeiras páginas dos principais buscadores, como o Google e o Bing.

É uma técnica indispensável para quem quer começar um blog e deseja que o conteúdo do blog faça parte da sua estratégia de captação e conversão de clientes.

O SEO é responsável por trazer tráfego orgânico para o seu blog, ou seja: seu blog será visto por mais pessoas, sem a necessidade de se investir em conteúdo pago. Por exemplo, se seu blog falar sobre advocacia e alguém buscar por alguma palavra-chave da qual fale sobre em seu blog (como remuneração, por exemplo), ele aparecerá logo nos primeiros resultados de busca.

Lembrando que esse resultado depende da qualidade do conteúdo e leva algum tempo.

6. Cuidado com os erros de português

Por fim, cuidado com os erros gramaticais. Não adianta ter um blog com o melhor design do mundo se o conteúdo estiver cheio de erros gramaticais e de ortografia.

Blogs com muitos erros causam uma má impressão em qualquer visitante e perdem totalmente a credibilidade, não importa o assunto do qual estejam falando.

Além do português podemos entender como erro uma imagem mal cortada, um design sem acabamento ou links incorretos. Isso faz parecer que o seu blog foi feito “às pressas” ou que o autor é desleixado.

Seguindo essas seis dicas é possível dar o pontapé inicial e oferecer conteúdo de qualidade ao seu público, fortalecendo sua marca.

*Rodrigo Gomes de Oliveira é sócio fundador na Agência Tupiniquim, especialista em marketing digital e performance.

Fonte:Case Comunicação Integrada – Cristiane Pinheiro

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Pão de Açúcar lança ‘Lugar de escuta’

Pão de Açúcar lança Podcast sobre sustentabilidade

Batizado de ‘Lugar de escuta’, primeiro episódio foi ao ar no Dia do Consumo Consciente (15 de outubro) e proporcionará conteúdos sobre os desafios socioambientais e atitudes para o consumo consciente

Um espaço para ampliar a conscientização e conhecimento sobre sustentabilidade, economia circular, bem-estar animal, mudanças climáticas, desperdício e outros assuntos contemporâneos em discussão pela sociedade. Essa é a proposta do ‘Lugar de escuta’, que o Pão de Açúcar lança na plataforma digital de streaming Spotify na próxima quinta-feira (15/10), data em que se celebra o Dia do Consumo Consciente. O podcast, criado em conjunto com a agência BETC/Havas, é a nova ferramenta da marca para produzir conteúdo educativo sobre os temas e, com isso, contribuir com conscientização, mudanças e hábitos mais sustentáveis.

Cada episódio do “Lugar de escuta” terá cerca de 30 minutos de duração e vai contar sempre com a participação de um especialista no assunto para realizar um convite à reflexão e ao debate sobre o assunto abordado. Neste primeiro programa, o convidado será Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu, para falar sobre práticas de consumo responsável e de menor impacto socioambiental. O Instituto Akatu é uma organização não governamental que tem como missão sensibilizar, mobilizar e engajar as pessoas para o consumo consciente.

“É necessário que as empresas estabeleçam um diálogo contínuo com o consumidor, pautado em um relato sincero sobre o que fazem e o que precisam melhorar para contribuir, cada vez mais, na construção de um futuro sustentável, educando o consumidor e valorizando suas práticas de consumo consciente. Um podcast é uma ótima ferramenta para contribuir na construção desse diálogo”, afirma Mattar. A conversa será mediada pela jornalista Claudia Penteado. Assuntos como economia circular, produção sustentável, bem-estar animal, entre outros, também estão na programação dos próximos episódios.

Além do lançamento do podcast, o Pão de Açúcar terá ativações distribuídas nas redes sociais com o intuito de engajar os consumidores sobre os impactos socioambientais causados por comportamentos excessivos e como mudanças poderão ser realizadas somente com a contribuição de toda a sociedade. No dia 15/10, a marca vai estimular conversas sobre o tema com outras marcas, como a Unilever, e realizará uma intervenção urbana na loja Teodoro Sampaio, na cidade de São Paulo, com uma instalação para potencializar o awareness do tema de geração de resíduos e reciclagem. Serão instaladas pilhas de resíduos para representarem a quantidade média de material descartados na estação de reciclagem Pão de Açúcar – Unilever em apenas uma semana.

Pioneiro em iniciativas de sustentabilidade no varejo alimentar, o lançamento do ‘Lugar de escuta’ é mais uma ação do Pão de Açúcar em prol da sustentabilidade. Desde 2001, a rede conta com as Estações de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever, desenvolvidas e implementadas em parceria entre as duas marcas, que recebem diariamente materiais recicláveis como alumínio, papel, plástico, vidro e óleo de cozinha descartados pelos clientes. São, ao todo, 66 Estações em operação distribuídas em 20 cidades do Brasil. Em 19 anos, mais de 123 mil toneladas de resíduos já foram encaminhadas à reciclagem.

Entre outras iniciativas do Pão de Açúcar, estão: a ação de logística reversa de vidro em parceria com a Ambev e a startup Green Mining, que realiza a coleta de garrafas e embalagens de vidro em lojas Minuto Pão de Açúcar. Com 23 pontos de coleta nas lojas de cidade de São Paulo, a ação já reciclou mais de 9 toneladas de vidro em seis meses. Além disso, o Pão de Açúcar conta com um programa pioneiro em logística reversa no varejo alimentar: o Novo de Novo. Ele insere novamente no ciclo produtivo alguns dos materiais descartados por clientes nas Estações de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever. Esses itens são reciclados e transformados em novas embalagens de produtos Qualitá e Taeq, marcas exclusivas da rede.

Em 2019, o Pão de Açúcar também iniciou a substituição de 100% de suas bandejas de isopor utilizadas em produtos de hortifrúti (frutas, verduras e legumes) das marcas exclusivas Taeq e Qualitá para uma solução 100% biodegradável. E, a rede também foi pioneira na oferta de alimentos orgânicos, há mais de duas décadas.

O Pão de Açúcar conta ainda com o programa “Caras do Brasil”. Criado em 1999, é exclusivo da rede e tem o propósito de incentivar o desenvolvimento da cadeia de produção alimentar sustentável, com foco em pequenos fornecedores de produtos representativos das diferentes culturas culinárias regionais. Tratam-se de sabores e saberes brasileiros de produtos típicos de cada região do Brasil e que têm sua capacidade produtiva e sua sazonalidade de produção e suas marcas e propostas de valor respeitadas.

“O Pão de Açúcar tem a sustentabilidade como parte da sua estratégia de negócio e do propósito da marca. Temos uma série de ações que promovem a oferta e o consumo consciente, cadeias produtivas mais sustentáveis e o descarte correto de resíduos recicláveis. Agora, com o lançamento do “Lugar de escuta”, queremos contribuir para ampliar o diálogo, conhecimento e estimular mudança de comportamento, nosso, de nossos clientes e colaboradores e toda a cadeia de valor. Convidamos todos a participarem desta conversa de transformação ”, analisa Othon Vela, Diretor de Marketing do Pão de Açúcar. “Por isso, escolhemos o formato de podcast, que é prático e acessível, chegando a maior quantidade possível de ouvintes sobre temas que, como a sustentabilidade, precisam ser abordados”, reforça Vela.

O Dia do Consumo Consciente, escolhido pelo Pão de Açúcar para o lançamento do projeto ‘Lugar de escuta’, foi instituído em 2009 pelo governo federal como um chamado à reflexão sobre os problemas socioambientais causados por padrões excessivos de consumo da sociedade brasileira.

Ficha Técnica

Agência: BETC/Havas

Cliente: Pão de Açúcar

Produto: Sustentabilidade

CCO: Erh Ray

Diretora Executiva de Criação: Andrea Siqueira

Diretor de Criação: Romolo Megda

Criação: Paula Junqueira, Daniel Zappa, Bruna Marques e Aline Santos

Marcas & Negócios: Monica Moraes, Raquel Hipolito, Octavio Palencia e Fernanda Barros

Canais & Engajamento: Carlinha Gagliardi, Ariane Finavaro

Estratégia: Agatha Kim, Dannyllo Silveira

Conteúdo: Dani Lima, Rodrigo Yoshizumi

Produção: Anna Luisa Ferraz, Juliana Arantes

Aprovação do Cliente: Othon Vela, Camila Assis, Milene Melo

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Serasa Experian e mLabs juntas para impulsionar transformação digital

Serasa Experian e mLabs se unem para impulsionar a transformação digital de pequenos negócios

Busca dos empreendedores por ferramentas de gerenciamento de redes sociais cresceu 40% em um ano. Veja 5 dicas para melhorar a presença e ter mais segurança no ambiente virtual

Image by StartupStockPhotos from Pixabay

O atual momento desafiador do país levou muitos empreendedores a se reinventarem e encontrarem no ambiente digital uma alternativa para continuar suas vendas. Com o objetivo de apoiar e impulsionar a transformação digital dos pequenos negócios, a Serasa Experian e a mLabs – plataforma de gerenciamento de redes sociais – fecharam uma parceria para proporcionar condições especiais a quem precisa ter mais assertividade, agilidade e segurança no ambiente eletrônico. A partir de agora, quem adquirir um certificado digital da Serasa Experian poderá experimentar por 30 dias a plataforma e ter um desconto especial na contratação do plano anual da mLabs, a qual também passa a oferecer 20% de desconto a seus clientes que quiserem conhecer os benefícios do certificado, utilizado para emitir nota fiscal eletrônica, por exemplo.

“É importante que o empreendedor se adapte a esta realidade digital para garantir um bom potencial competitivo e se manter ativo no longo prazo. Se preparar e contar com ferramentas seguras para as transações são ações necessárias para garantir ao consumidor que ele está se relacionando com uma empresa séria e profissional. O certificado digital traz agilidade, segurança e validade jurídica na troca de informações, além de ser uma ferramenta sustentável e econômica, já que permite a substituição de documentos impressos pelos eletrônicos”, diz o diretor de Identidade Digital da Serasa Experian, Mauricio Balassiano.

De maio a julho deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, a mLabs identificou um crescimento de 40% na demanda de empreendedores pelos seus serviços e um aumento expressivo no volume de buscas pelo termo ‘Marketing Digital’. “Fica evidente que neste cenário adverso muitos empreendedores estão apostando ainda mais nas redes como vitrine para seus produtos e serviços. A busca intensificada por recursos de gerenciamento e conteúdo de marketing mostra que essas pessoas estão realmente engajadas e interessadas em atuar de maneira mais profissional no ambiente virtual e não simplesmente em apostar em uma aventura amadora”, diz o fundador e CMO da mLabs, Rafael Kiso.

Image by Lalmch from Pixabay

A ação conjunta da Serasa Experian com a mLabs contribui para que os empreendedores tenham acesso às ferramentas e serviços essenciais para alavancar os negócios sem abrir mão da segurança. “É uma ótima oportunidade para ter uma experiência imersiva em duas frentes digitais que agregam valor às empresas e garantem a autenticidade das operações, fatores relevantes na conquista da confiança de seus clientes”, afirma Balassiano. Para Kiso, “são duas empresas referência em seus mercados unidas para ajudar os pequenos negócios a prosperarem e manterem o profissionalismo e credibilidade quando inseridos no universo virtual”, finaliza.

Impulso digital: 5 dicas para melhorar a presença nas redes e ter mais segurança no ambiente digital

Mantenha a marca bem posicionada
Utilize as redes sociais de forma sábia e otimizada, com a finalidade de fixar o tom de voz e o posicionamento de sua empresa diante do público final.

Converse com seu público
Os canais digitais permitem a aproximação com seu público. Sempre que houver uma interação, não deixe de responder. Provoque o diálogo também por meio de publicações que incentivem seus consumidores a deixar comentários e mensagens, por exemplo.

Aposte em ferramentas seguras
Busque entender como cada ferramenta funciona, para qual área da empresa se aplica, além de garantir que os dados da empresa estejam seguros no ambiente online. O uso de certificado digital permite, por exemplo, efetuar com segurança processos de emissão de nota fiscal eletrônica, declaração do Imposto de Renda, assinatura de contratos digitais e até mesmo abertura, ou alterações contratuais empresariais na Junta Comercial.

Analise relatórios
Avaliar resultados periodicamente é de extrema importância. Não ignore os números gerados no mês, mesmo que sejam pequenos no início. São os relatórios que trarão indicadores importantes para entender quais são as áreas que precisam de melhorias.
Fique online sem deixar o profissionalismo de lado
Embora as redes sociais possam passar uma imagem de um ambiente mais descontraído, lembre-se que o consumidor está cada vez mais exigente e buscando por empresas sérias e profissionais para se relacionar. Aposte na assinatura eletrônica para validar a autenticidade dos documentos emitidos pela empresa e garanta um gerenciamento eficiente de todas as suas redes para proporcionar um atendimento de excelência.

Fonte: Relações com a Imprensa – Viviane Garcia

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

5G no Brasil: O que esperar da nova tecnologia que chega envolta em polêmicas

Operadores de telefonia começaram em julho deste ano a operar testes com a nova tecnologia que promete uma internet mais rápida e revolucionária

Downloads mais rápidos e um maior cobertura no território brasileiro. Até o momento, esses são alguns pontos adiantados por algumas operadoras que começaram a testar o 5G, nova modalidade de conexão móvel. O leilão do espaço espectro que será atribuído à nova tecnologia deve acontecer apenas em 2021, mesmo assim as avaliações nacionais, que ainda não experimentam a conexão em todo o seu potencial, já falam em uma capacidade 12x mais veloz que a experimentada pelo 4G.

Bruno Maciel

Segundo o especialista em tecnologia e mídias digitais Bruno Maciel, um ponto relevante é que para a novidade, a Anatel, agência que regula as telecomunicações no país, exigiu uma cobertura de 95% sobre o espaço brasileiro, número maior que o tecnologia atual. “O grande ganho que vêm com esse requisito é a ampliação de sinal, que é um problema que dificulta o bom acesso à internet no país, em especial em cidades municípios de pequeno porte”, elucida.

No quesito velocidade, o especialista aponta quem a chegada do 5G pode vir a acelerar o processo de modernização e obtenção de casas e eletrodomésticos inteligentes. Apesar de já ter evoluído bastante nos últimos anos, a internet das coisas ainda não consegue entregar com totalidade ou mesmo construir um cenário possível para a automatização de transportes, iluminação entre outras inúmeras tecnologias que vem surgindo devido a um problema de baixa velocidade no Brasil, argumenta Bruno Maciel.

Polêmicas

Apesar dos possíveis avanços tecnológicos, a nova forma de se conectar vem envolvida em uma série de polêmicas e discussões acerca da privacidade dos usuários. Pois, se a internet estará presente em tudo e todas as coisas, será possível parar um país inteiro por meio dela. “Outro grande ponto é sobre a concorrências entre as grandes potências. Estados Unidos e China disputam o protagonismo no fornecimento de estrutura para países que desejam implantar a tecnologia. Sendo que o governo norte-americano propaga que a tecnologia chinesa será usada para espionagem”, pontua Bruno Maciel.

Apesar do Brasil ainda não ter tomado uma posição sobre a tecnologia no país, o presidente Bolsonaro disse que cabe a ele decidir sobre isso. Em contrapartida, o vice-presidente Hamilton Mourão já declarou não ter medo de retaliação caso o Brasil opte pelas estruturas chinesas, mesmo com o alinhamento que o governo tem com os Estados Unidos.

Fonte: MF Press Global

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Artigo aborda a necessidade de reinvenção do setor de eventos

Setor de eventos precisa se reinventar urgentemente

por Carolynne Bonfatti*

A pandemia provocada pelo novo coronavírus chegou para abrir os olhos do setor de eventos e mostrar que existem diversas alternativas para inovar e alcançar ainda maior sucesso nos resultados dos clientes. Nesse momento de afastamento social, os eventos online mostraram uma nova forma promissora de realizar eventos e, inclusive, abriu um leque de oportunidades no Brasil, como os eventos híbridos, drive-in (como nos filmes americanos antigos, onde um filme podia ser assistido dentro dos carros diante de uma tela grande com retroprojetor), entre outras novidades.

De acordo com pesquisa do Sebrae, realizada em abril deste ano, dos 2.702 empresários do setor ouvidos, 62,9% relataram que o seu faturamento caiu entre 76 e 100%, se comparado ao mesmo período do ano passado. No entanto, quase metade dos entrevistados dizia que não estava tentando adequar o modelo de negócios para continuar funcionando. E após cinco meses da pesquisa é observado que o segmento ainda está engessado no Brasil, com dificuldades de se reinventar e de criar novas oportunidades para a inovação do setor, tanto no corporativo, como no social.

Muitos profissionais ainda estão esperando ver o que vai acontecer, mas a tecnologia vem para nos ajudar de uma forma mais positiva. É uma aliada para trazer mais visibilidade, com custo mais acessível, trazendo maior abrangência, movimento, divulgação, aproximação, entre outras possibilidades ainda reticentes pelo setor.

Num casamento, por exemplo, é possível fazer um mix aliando o presencial e o online, conseguindo maior abrangência. O que antes ainda não era pensado é que, além dos convidados presenciais, é possível abrir espaço para mais mil convidados virtualmente de qualquer lugar do mundo.

No mercado corporativo, a tecnologia também permite a realização de eventos com estrutura mais enxuta e de uma forma mais comedida. Os webinários, além de terem um custo mais acessível, também geram maior abrangência aos clientes.

Além disso, as empresas de eventos ainda têm a vantagem de conseguir realizar três eventos simultaneamente, com uma equipe enxuta. Isso era bem difícil antes da pandemia, sem contar que a forma remota diminui as despesas com deslocamentos, alimentação, tanto do público convidado, quando dos próprios colaboradores.

Esse novo “mindset” precisa atingir toda a cadeia, ajudando os profissionais, sobretudo da produção a se prepararem para entender essas novas oportunidades, a entender a tecnologia, evitando desempregos, como é observado hoje.

Por fim, precisamos de um novo “mindset” por parte dos profissionais de eventos em relação às oportunidades trazidas durante a pandemia para possibilitar a evolução do setor como um todo. Não dá mais para pensar em eventos do jeito que era antes da pandemia. Precisamos nos reinventar e aproveitar as possibilidades para que possamos de maneira muito mais leve e promissora viver esse novo normal.

*Carolynne Bonfatti é sócia fundadora da Bonfatti Eventos, empresa especializada há quase 20 anos em eventos corporativos e de casamentos.

Fonte: Case Comunicação Integrada – Cristiane Pinheiro

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Artigo trata do funcionamento dos algoritmos nas redes sociais

Como funcionam os algoritmos das redes sociais?

*por Maria Carolina Avis

Depois do lançamento do documentário “O Dilema das Redes” no Netflix, muitas pessoas tentam entender como os algoritmos das redes sociais funcionam e, principalmente, se o conteúdo pode de certa forma, manipular os usuários. O documentário relata experiências de ex-colaboradores de empresas como Facebook, Google, Pinterest, Twitter e YouTube, mostrando que a principal forma de operação dessas empresas é com a captação de dados e monitoramento das atividades dos usuários.

O que acontece é que as redes sociais funcionam com base em algoritmos de relevância, ou seja, algoritmos programados para mostrar com prioridade o que é mais relevante naquele momento. Isso porque, de acordo com Brian Boland, vice-presidente de Tecnologia de Publicidade do Facebook, existem, em média, 1.500 histórias que poderiam aparecer no feed, cada vez que uma pessoa se conecta. O que cada um vê no momento em que entra na rede é personalizado de acordo com a relevância do conteúdo e daquela página específica.

Mas o que são os tais algoritmos? De acordo com o dicionário Aurélio, “algoritmo é um conjunto de regras e operações bem definidas e ordenadas, destinadas à solução de um problema”.

Segundo o Instagram, o alcance orgânico é de 100%, ou seja, se o usuário rodar o feed até o fim, ele verá todas as publicações, então para os criadores de conteúdo, a chance da publicação chegar a todos seus seguidores é de 100%, na teoria. Na prática, o alcance orgânico não chega nem perto da média de 10%. É claro que para que o conteúdo alcance mais seguidores, ele precisa ser altamente interessante, já que os critérios do algoritmo são de qualidade.

As redes sociais não abrem como funcionam os algoritmos, portanto o que se sabe foi percebido em testes e experimentos práticos, visando entender a operação dessa inteligência artificial. Mas o que dá para saber sobre seu funcionamento é que são baseados em relacionamento, temporalidade e engajamento.

Relacionamento: você já percebeu que quando abre alguma rede social, vê com prioridade as postagens dos perfis que você se relaciona mais? Isso inclui: fotos com marcações, check-ins nos mesmos lugares, curtir a publicação um do outro, compartilhar a publicação um do outro, comentar nas publicações, responder inbox, passar certo tempo assistindo vídeos ou stories, clicar no “ler mais” para ver toda a legenda, marcar nos comentários, e até mesmo a velocidade com que se assistem os conteúdos; se a pessoa postar agora e eu abrir agora seu conteúdo, significa que tenho interesse naquela página. Se a pessoa postar uma sequência de 10 vídeos no stories e você assistir aos 10 sem pular, significa para o algoritmo, que você que tem interesse naquele conteúdo. Mas não é um desses fatores isolados que determina a ordem dos resultados, mas a junção de vários deles.

Temporalidade: apesar de as redes sociais não disponibilizarem as publicações por ordem cronológica, o tempo de uma publicação ainda é levado em consideração. Em geral, após 7 dias as publicações tendem a perder vez, e as mais recentes são mostradas com prioridade. É claro que cada rede social tem sua programação de relevância. No LinkedIn, por exemplo, uma publicação pode durar meses rodando no feed, já que existem poucos usuários produzindo conteúdo e a maioria apenas consome conteúdo, então o feed é, geralmente, menos disputado. Uma ótima oportunidade para gerar conteúdo relevante e alcançar uma boa base de pessoas.

Engajamento: é medido pelas curtidas, comentários, reações, compartilhamentos, envio da publicação via DM (mensagem direta no Instagram, quando você envia uma publicação para um amigo pelo bate-papo) e publicações salvas. O algoritmo calcula a taxa de engajamento das publicações para priorizá-las, então é natural que publicações com bastante engajamento apareçam com prioridade no feed, para dar maior visibilidade.

No LinkedIn, funciona diferente, na principal rede social profissional do mundo, para que uma publicação tenha boa posição no feed, ela precisa ter um conteúdo muito bom. Assim que a publicação é feita, os algoritmos analisam o conteúdo para classificá-lo, e se for spam ou conteúdo copiado, não terá bom alcance, ou podem até ser tirados do ar. O conteúdo é analisado pelo engajamento. As postagens com maior engajamento têm prioridade no feed. Quando um conteúdo viraliza, a postagem tem ainda mais chance de ficar no topo do feed, já que concentra muitos likes e comentários. Além disso, o LinkedIn analisa quais os temas mais relevantes para cada usuário e prioriza postagens sobre este tema.

Como mostrado no documentário, existe sim a especulação de que as grandes empresas de tecnologia manipulam as informações que recebemos, para fazer com que tenhamos preferências específicas. Em 2012, o Facebook financiou um experimento em que milhares de usuários tiveram seu feed manipulado, para analisar seu “contágio emocional”. Foi um estudo em conjunto com pesquisadores e universidades, em que o algoritmo do feed de mais de 600 mil usuários foi manipulado com conteúdos que manipulavam seus sentimentos. O objetivo era compreender se mensagens animadoras ou depressivas apresentadas aos usuários poderiam influenciar no emocional, refletidos em seus status. O estudo “contágio emocional em larga escala”, realmente constatou que as pessoas que foram expostas ao experimento reagiram atualizando seus status de acordo com o conteúdo que viram em seus feeds. Como essa pesquisa foi financiada pelo próprio Facebook, reforça que sim, podemos ser manipulados pelos algoritmos de relevância. E igualmente, uma empresa pode ter sua performance prejudicada, ou melhorada, pelos critérios de qualidade.

*Maria Carolina Avis é professora do curso de Marketing Digital do Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação – Lola Dias

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Artigo aborda as lives próprias

Lives próprias: um novo negócio a favor das marcas

por Rodolfo Darakdjian, da OPL Digital”

Assim que a quarentena teve início, em março desse ano, uma enxurrada de lives tomaram a internet.

Eram artistas dos mais variados gêneros que, impossibilitados de irem aos palcos, viram nesse formato uma boa forma de conexão com seus públicos também, quem sabe, de gerarem alguma receita.

Image by Nadine_Em from Pixabay

Acompanhamos então por semanas, lives sertanejas, infantis, pagodeiras ou regueiras; enfim, estava todo mundo lá. De segunda a segunda, por volta das dezoito horas, com certeza, tinha uma live perto de você.

Com esse boom, modelos comerciais foram criados e levados ao mercado e discussões até então desconhecidas, surgiram, como o fato de artistas consumirem bebidas alcoólicas durante os vídeos; e de repente essa história de live acabou virando uma boa oportunidade para marcas também buscarem conexão com seus públicos nesse momento em que muita gente estava presa dentro de casa.

Passados alguns meses, todos já estavam mais conformados com a situação da pandemia, já cientes dos novos hábitos e até, de certa forma, alguns segmentos do mercado retornando suas atividades lentamente.

Nesse cenário, porém, é interessante notar que as lives deverão continuar por muito mais tempo na vida dos brasileiros. Elas continuam lá, com seu público fiel, levando entretenimento toda noite, de segunda a segunda por volta das 18 horas… seja pelo Instagram, pelo YouTube ou qualquer outra ferramenta.

Porém, o que se nota agora, ou de alguns meses pra cá, é que – se antes as marcas embarcavam suas mensagens a custos altíssimos em conteúdos de artistas – agora essas mesmas marcas começaram a perceber que podem criar seus próprios conteúdos. Bom, não?

Nas últimas semanas, marcas como C&A e Renner usaram seus perfis em mídias sociais para buscar conexão com seus consumidores. Interessante notar que, na maioria das vezes, utilizaram o espaço para discutir questões sociais ou de categoria, não necessariamente esfregando o produto em tela.

Seria essa então uma nova tendência na comunicação de marcas num pós-pandemia? Na divulgação das lives de marcas que estavam pulverizadas pela internet, formatos comerciais citavam data e hora da live e o botão de ação já possibilitava ao usuário que, ao clicar, o evento fosse diretamente levado ao seu calendário.

Novos tempos! E sua marca, já pensou em construir lives para melhor dialogar com seus consumidores?

Fonte: Creativosbr – Daniella Azzoni

Share and Enjoy !

0Shares
0 0