Monitoramento, fake news e público

Monitorar as redes sociais de sua marca pode ajudar no tratamento de fake news e a conhecer melhor o seu público

Por Renato Shirakashi*

O mundo atual é conectado e as conversas acontecem no ambiente digital, por isso, saber o que falam de sua marca é imprescindível para criar ações assertivas. Veja 5 razões para monitorar a sua marca e como tirar proveito disso.

Renato Shirakashi | Criador da Scup e General Manager da Sprinklr

Toda marca que tenha interesse em crescer e se consolidar no mercado precisa estar presente nas redes sociais. Palco de discussões de grande parte da sociedade, essas mídias assumiram um papel importante na divulgação e relacionamento entre a empresa e seus consumidores. O público começou a utilizar desses recursos para comentar sobre suas opiniões e gostos, e acompanhar o que é dito online se tornou imprescindível no processo de conhecer e entender os seus desejos.

Enquanto a criação e aplicação de uma pesquisa de mercado envolve altos gastos e muita demanda de tempo, monitorar o que dizem e opinam nas redes sociais por meio de plataformas como a Scup Social é um trabalho mais ágil, dinâmico, menos custoso e ainda ajuda as marcas a criarem ações imediatas para aproveitarem o que está sendo dito naquele exato momento.

Dentro deste cenário, não dá para não ter uma conta no Facebook, um usuário no Twitter ou um perfil no Instagram e não acompanhá-los cuidadosamente. Monitorar sua marca significa ter posse de informações valiosas. Isso por si só já justifica um monitoramento, mas ainda há mais razões para acompanhar de perto as métricas da sua empresa no mundo digital.

Identificar e tratar as fake news

As notícias falsas, também conhecidas pelo termo em inglês fake news, fazem cada vez mais parte do nosso dia a dia, e isso não é mais novidade. Até haver uma solução para acabar com essa tendência é necessário estar atento aos conteúdos publicados, sobretudo nas redes sociais. Sejam totalmente falsas, meias verdades ou notícias fora do contexto, um boato espalhado na internet pode comprometer a imagem de uma marca. Monitorar as redes sociais ajuda a identificar mais facilmente estas eventuais mentiras. Com uma ferramenta própria para isso é possível observar em tempo real a propagação dos conteúdos que mencionarem o nome da empresa ou termos relacionados e identificar quando uma fake news é publicada para poder desmentí-la em um curto espaço de tempo. Mas é importante relembrar: as ferramentas não detectam perfis e nem notícias falsas. Por isso é necessário estar sempre atento ao monitoramento.

Conhecer as ações dos seus concorrentes

Quando queremos saber algo sobre uma determinada marca, basta entrar em suas redes sociais. Lá é possível ter uma ideia da imagem que ela quer passar para os seus consumidores ou futuros clientes por meio dos comentários positivos, reclamações, o atendimento da empresa, quantidade de curtidas, serviços, promoções, campanhas etc. Mas sem uma ferramenta de monitoramento fica impossível acompanhar o que dizem sobre os seus concorrentes de forma prática e ágil. E conhecer as ações de quem compete diretamente com você é valido para entender melhor sobre o mercado em que atua, fazer benchmark, conhecer o seu próprio negócio e identificar oportunidades e mudanças.

Identificar o comportamento do público com relação a sua marca

As ferramentas de monitoramento de redes sociais devem, também, conter a possibilidade de analisar o sentimento da menção. Com isso é possível perceber se o posicionamento do público perante a sua marca é positiva, negativa ou neutra. Essa etapa é uma das mais importantes na avaliação e classificação das opiniões coletadas no monitoramento porque ajuda a estudar quais estratégias ou produtos funcionam para sua marca e o que pode ser melhorado ou contornado, e identificar como anda a saúde do seu produto ou serviço.

Evitar crises

Com um monitoramento de redes sociais é possível saber de todas as menções aos termos relacionados com o seu negócio — seja o nome da sua marca, do seu produto e até mesmo do seu concorrente. Dessa forma é possível saber quando alguém estiver falando sobre você ou sua área de atuação. Isso significa que fica mais fácil para a empresa identificar qualquer crise que venha a acontecer e contornar a situação rapidamente. Nada de ser o último a saber e ainda ter de lidar com uma bola de neve.

Identificar oportunidades

Ao monitorar uma marca, nada passa despercebido. Com a ferramenta certa, é possível saber toda vez que um consumidor mencionar o nome do seu negócio, independente se utilizarem o @ ou não. Dessa forma, a empresa pode não só responder os clientes que entram em contato diretamente, mas também aqueles que estão comentando aleatoriamente sobre a marca. Se alguém posta no Twitter que achou seu último lançamento incrível, mas está na dúvida se irá comprá-lo, por exemplo, o time pode respondê-lo com três razões imperdíveis para adquirir o produto — e engana-se quem achar que a maior conquista nessa interação é a venda. Quando um consumidor é surpreendido positivamente, ele passa a enxergar a marca com outros olhos.

*Sobre Renato Shirakashi

Renato é formado em Ciências da Computação pela Universidade de São Paulo e desenvolvedor de produtos da área de tecnologia, focadas em melhorar a comunicação entre empresas e consumidores. Hoje atua como General Manager da multinacional Sprinklr, onde tem o apoio e respaldo para a o desenvolvimento da sua principal criação, a plataforma Scup.

Fonte: Motim Conteúdo Criativo – Bruno Lino

Arena Corinthians é tema de trabalho de publicitária

Publicitária apresenta trabalho final de especialização sobre Arena Corinthians em São Paulo

A ex-aluna do curso de pós-graduação em Comunicação Corporativa, Marketing e Mídias Sociais da Universidade de Taubaté, Juliana de Oliveira, apresentou o resultado de sua pesquisa sobre um dos estádios de futebol mais modernos do mundo ao Coordenador de Midias Digitais e Imprensa da Arena Corinthians, o jornalista Gabriel Nicolatti.

A publicitária realizou a monografia de conclusão do curso analisando a marca e a interação das postagens da instituição por meio das redes sociais Twitter e Instagram e foi convidada pelo coordenador, em março de 2017, a levar seu trabalho à Capital paulista.

Juliana desenvolveu sua pesquisa ao longo de 2016 e investigou de que maneira a Arena Corinthians se tornou uma marca desde sua inauguração em 2014 e de que forma ela está presente nas mídias sociais, por meio de posts e imagens publicadas e compartilhadas. “Na monografia, eu descrevo que a Arena é a casa de um time e sua torcida, ela é uma representação real do sentimento que o torcedor sente pelo clube, um local de visitação e de admiração. É muito mais do que um estádio”. E isso se reflete em imagens e posts feitos por torcedores e pelo setor de comunicação da Arena. “Eu achei o trabalho muito bacana. Acho que esse feedback é muito importante, fundamental, para a evolução dos canais de comunicação da Arena Corinthians”, elogiou o jornalista Gabriel Nicolatti, sobre a iniciativa da publicitária.

O Coordenador de Mídias Digitais e Imprensa da Arena aponta que a página do Facebook é a fanpage de estádios que mais cresceu no Brasil, nos últimos meses, já alcançando 200 mil seguidores e que o perfil no Instagram é o maior, entre arenas esportivas/estádios, em todo o mundo, com meio milhão (500k) de seguidores. Para Nicolatti, a investigação feita por Juliana revelou desafios para a evolução dos canais de comunicação da instituição. “A análise a respeito da linguagem dos nossos posts é correta. Um dos objetivos é estabelecer uma personalidade à marca Arena Corinthians, nas redes sociais, com uma linguagem que aproxime a Arena de seus diferentes públicos de interesse”.

A publicitária ressalta a importância da pós-graduação na área. “O curso oferece ferramentas importantes para saber como as mídias sociais funcionam e de que maneira empresas e públicos interagem. Hoje em dia isso é fundamental”. Para a coordenadora do curso, Profª Dra. Eliane Freire de Oliveira, a dedicação da ex-aluna foi o resultado de sua formação na Unitau como um todo, já que ela graduou-se em Publicidade e Propaganda apresentando um projeto sobre marketing esportivo no trabalho de conclusão do curso e, logo em seguida, decidiu fazer a especialização. “Juliana tem o perfil ideal para o trabalho com mídias sociais, pois é observadora aos detalhes e analisa estrategicamente os efeitos da comunicação”, afirma a docente. “Esse reconhecimento mostra que ela está em um caminho promissor e atenta às necessidades do mercado”.

Fonte: coordenação da PósCom

Coluna Propaganda&Arte

O timing na propaganda, na arte e na sua vida

Se você vive no ambiente do Marketing e Propaganda já deve ter escutado esse termo “timing”. Em uma tradução direta do inglês, seria algo como “cronometragem”. Em uma tradução informal é a capacidade de dar uma resposta em um momento ideal, nem antes e nem depois. Se olharmos especificamente na propaganda, é a capacidade de utilizar algum assunto do momento para divulgar o seu produto, gerando maior proximidade com o público e reforçando a lembrança da marca. Afinal, você está falando de algo que todos estão comentando, mas por ser uma marca, a sua voz tem mais força e acaba ganhando maior destaque (positivo ou negativo).

E, olha, não tem fórmula do sucesso para isso não. Se você acha que basta ficar de olho nos assuntos mais comentados e nos TTs do Twitter, está enganado. É preciso falar algo relevante e que tenha fit com a sua marca, ou seja, que tenha alguma conexão com a voz e os valores da empresa. Senão, fica feio. Dá para perceber quando tentam forçar uma situação, para pegar “carona” em uma nova moda, hit ou meme que “deu onda” na galera.

A gente poderia fazer um paralelo com as nossas amizades. Quem não tem um amigo que faz uma brincadeira com algum assunto e sempre parece fazê-la na hora errada? Ou fala algo que não deveria ser falado, ou no momento mais inapropriado, geralmente envolvendo mortes e afins, como o repórter da Globo que imitou o personagem peludo do Star Wars em um momento de luto pela atriz que fazia a Léia. Simplesmente não. Não “seje” essa pessoa que faz “huuuuh” na hora errada. Daqui algum tempo isso pode até ser mais aceitável, leve e engraçado, porém só depois do luto. Faltou timing do jornalista, percebe?

Agora na arte não é diferente. Você está sempre mudando, estamos sempre atentos a assuntos diferentes: moda, gastronomia, esportes, jogos, filmes… E naquele momento, naquele dia, você assiste a um filme que fala de um assunto relevante para você. Daí você ri, chora, se diverte, muito mais que outras pessoas que não estão nesse timing. Sacou?

Raoul Hausmann, ABCD, Self Portrait, 1921 (Dadaísmo)

Tem períodos da vida que estamos mais surrealistas, non senses, dadaístas, em alguns dias da semana somos muito abstratos, futuristas, em outros não queremos falar de rótulos ou estilos, apenas queremos curtir o momento. Esse é o timing da vida.

Cada um de nós tem uma história, cada um observa um detalhe de toda essa obra de arte chamada vida. Para mim, certo filme foi o melhor do ano, para você, tal ator foi esplêndido naquela série, ou então tal marca criou algo relevante que mudou o jeito de nos relacionar. Pensando nisso, acho que deveria existir um “Oscar do Timing Pessoal” das coisas que mais mexeram com a gente. Claro, são as coisas que vieram na hora exata, falando daquilo precisávamos escutar, ver ou sentir. E cada um deve decidir quem são os indicados e os vencedores desse prêmio tão particular.

*Se esse texto veio na hora certa para você, que bom! Fico feliz que eu tenha acertado o timing desse artigo.

Ótima ação no Twitter

Setor de mídias sociais do Spani emplaca case de relacionamento

Em época de ampla atuação nas mídias sociais todas as marcas buscam forte interação e engajamento com seus públicos. Em muitos casos isso ocorre sem a necessidade de ações mirabolantes e grande investimento. Basta estar atento ao monitoramento e às interações e ser criativo.

Tiago Ferreira, da área de mídias sociais do atacadista, nos conta que um cliente no dia 1 de dezembro foi até a loja em São José dos Campos e postou um twitt dizendo que gostou das músicas dos anos 1980 que estava tocando. A partir disso, Tiago começou a trocar twitts com o cliente e começou uma relação interessante. Ele e a namorada tem uma banda e o mesmo até enviou o link para que o pessoal do Spani conhecesse a música deles.

Atacadista e cliente seguiram trocando twitts. O cliente comprava produtos e dizia que comprar tal coisa ouvindo tal música era muito melhor.

Foi então que Tiago teve uma ideia a partir de um twitt do cliente dizendo que ia na loja mais tarde. Tiago disse a ele para nos avisar quando chegasse. O cliente pediu uma música. E o responsável pelo diálogo no Spani disse que mandaria tocar a música quando ele chegasse à loja.

Aí ocorreu a ação surpresa: quando o cliente chegou a música que tocou no sistema interno de som da loja foi da banda dele. Ele e a namorada, que é a vocalista da banda, chegaram na loja e tocou a música deles.

Impacto total! Uma ação regional, com investimento zero e que gerou um grande buzz.

O cliente, emocionado, postou vários twitts de agradecimento.

Coluna Entre Parenteses

Novas tecnologias: Nós e o mundo moderno

coluna renata

“Todos os dias quando acordo não tenho mais o tempo que passou, mas tenho muito tempo” – Já dizia o sábio músico Renato Russo. Não temos mais aquele tempo que passou, não temos mais aquela infância pacata com jogos no Super Nintendo e alguns gibis espalhados pela casa. No entanto, nos dias de hoje temos muito mais que ontem, seja em termos de bagagem cultural, como em termos de tecnologias.

Como jovem nascida nos anos 90, eu pude assistir de perto todos esses avanços e também, todas as mudanças trazidas pelas novas tecnologias. A princípio, a possibilidade de poder se comunicar com pessoas que nem sequer estavam no mesmo continente que nós, parecia algo atraente, mas pouco provável. Com a evolução do mundo e também com os novos meios de comunicação, os paradigmas da distância foram rompidos e a ligação com pessoas de todo o mundo foi, com certeza, um marco para a sociedade que com o passar do tempo foi cada vez mais ampliando seus acessos ao mundo moderno.

Dito isto, o que quero é chamar sua atenção para a nossa relação atual com toda essa tecnologia. Afinal, no mundo moderno, é muito natural mudarmos de gostos e opiniões a todo o momento. No entanto, o que um dia já diminuiu distâncias, hoje acabou por aumenta-las ainda mais.

Em busca de likes e views, perdemos a essência dos relacionamentos, o contato próximo e profundo. Tornamo-nos pessoas rasas, lemos apenas manchetes, compartilhamos links e sem ao menos nos importar com os conteúdos, copiamos e colamos notícias em todas as nossas redes sociais. Uma atitude que pode ser considerada normal para uma geração denominada por y ou z, mas que releva tamanha carência de conteúdo. Afinal nascemos com tudo isso e aprendemos que nossas relações na internet acabam por ser mais importantes que nossas relações no mundo real.

facebook-1084449_640

Façamos uma breve comparação:
Estamos no ano de 2005, você e seus amigos saem para ir a um barzinho, todos riem, conversam e se divertem. Agora, em 2012, você e seus amigos saem para ir a um barzinho, todos tuitam, publicam fotos no facebook e acabam por nem trocar meia dúzia de palavras, mas todos que visualizaram as publicações viram a ‘diversão’ que vocês tiveram.

Não é estranho? Mas não me entenda mal, as tecnologias devem ser nossas aliadas em nossas comunicações profissionais e pessoais. Percebam quantas vantagens nós temos em relação àqueles jovens que precisaram ler centenas de livros em diferentes bibliotecas para fazer apenas um trabalho de escola. Nós temos o mundo a um clique, mas não podemos nos perder em nossas infinitas possibilidades.

É necessário buscar fontes, verificar fatos e, mais que nunca, questionar notícias, histórias e situações antes de compartilhá-las. Precisamos usar nossa liberdade a nosso favor, ao invés de nos tornamos uma geração que nada cria, mas que tudo compartilha.

Podemos e devemos usar e abusar de toda tecnologia que nos é dada, principalmente para questionarmos e reivindicarmos todos os nossos direitos. E eis o ponto que gostaria de chegar, não se contente com os links que chegam até você via WhatsApp, busque novas fontes, discuta novas ideias e desconstrua-se a todo momento. Afinal, com tanta evolução tecnológica não é possível que você se dê por satisfeito apenas com um CTRL C + CTRL V.

Tim no MasterChef Junior

TIM realiza ação interativa no MasterChef Júnior

A TIM, que aposta em ações interativas para compor sua estratégia de marketing, realizou nesta semana mais uma campanha durante o programa MasterChef Júnior da BAND. Durante a exibição do reality, nesta terça-feira (8), a apresentadora Ana Paula Padrão filmou com um celular a chef Paola Carosella – integrante do júri do programa – preparando um bolo de banana. O vídeo com a receita foi imediatamente postado no perfil da TIM no Twitter (@TIMBrasil) e prontamente compartilhado pelos internautas, que iniciaram uma conversa com a marca para ter mais informações sobre os ingredientes.

Print do vídeo que faz parte da ação da TIM

Print do vídeo que faz parte da ação da TIM

A repercussão e o buzz gerados pela ação da TIM ao longo da segunda edição do MasterChef Brasil – quando a operadora anunciou em seu perfil no Twitter o vencedor da disputa final com alguns segundos de antecedência em relação ao programa na TV ao vivo – motivou a empresa a participar da versão infanto-juvenil do famoso reality show de gastronomia. Na ocasião, foram mais de 1,5 milhão de tweets com a hashtag #masterchefbr apenas durante a final.

“Estamos presentes com inserções e interações no Twitter nos principais momentos do programa e alcançamos índices excelentes de engajamento dos consumidores com a nossa marca. Associar a TIM a eventos de grande repercussão como o Masterchef é muito importante e contribui para aumentar a proximidade com os nossos clientes”, afirma Livia Marquez, diretora de Advertising e Brand Management da TIM Brasil.

Fonte: Alameda Comunicação – Camila Garcêz

Estadão fecha parceria com Facebook

Jornal será um dos primeiros parceiros do recurso Instant Articles no Brasil

O Estadão será um dos parceiros do Facebook na nova tecnologia que a empresa lança no Brasil: o recurso Instant Articles (artigos instantâneos, em inglês). A nova tecnologia permite que usuários da rede social em dispositivos móveis acessem notícias com maior rapidez. Por enquanto, as notícias só poderão ser acessadas neste formato no iPhone e iPad; usuários de Android devem ter uma versão da tecnologia nas próximas semanas.

unnamed (3)

A rede social mais popular do mundo – com 1,6 bilhão de usuários ativos por mês – começou a testar o novo recurso em maio, mas só o tornou disponível no iOS no início de outubro. O objetivo do Instant Articles é evitar que o usuário tenha de esperar muito tempo para que o conteúdo de uma notícia compartilhada na rede social seja carregado.

Na prática, quem usa o Facebook identificará um conteúdo disponível no formato do Instant Articles ao ver o ícone de um raio em uma notícia compartilhada na rede social. Ao encontrar o símbolo, basta que o usuário toque sobre a matéria e ela será exibida de forma mais rápida e em um formato desenvolvido especificamente para dispositivos móveis, com recursos que incluem a alteração do tamanho da fonte e a reprodução automática de vídeos.

facebook_2015_logo_detail

“Agora é o momento de lançar o recurso no Brasil, pois nossos parceiros já concluíram a integração de suas plataformas de conteúdo com o Facebook”, diz o líder de parcerias de mídia do Facebook na América Latina, Luis Olivalves. “Estamos implementando o Instant Articles com parceiros estratégicos, que já possuem uma boa distribuição de conteúdo no Facebook. No ano que vem, vamos abrir o recurso para todos os interessados.”

Atualmente, mais de 200 veículos de comunicação, entre eles o jornal The New York Times e a revista National Geographic, oferecem parte de seu conteúdo no Facebook por meio do Instant Articles. No Brasil, o Facebook anunciou 12 parceiros de conteúdo, entre eles o Estado. No total, mais de 40 organizações de mídia poderão utilizar o recurso para publicar notícias a partir desta terça-feira em cinco países da América Latina.

Mídia – De acordo com o Facebook, os veículos de comunicação que aderem ao Instant Articles ficam com 100% do valor obtido com a exibição de publicidade. No futuro, os veículos também poderão optar por deixar que o Facebook insira um anúncio na página e receba metade dos ganhos. Esta opção, porém, ainda não tem data para estrear no Brasil.

Para usar o Instant Articles, os veículos precisam integrar suas plataformas de publicação de conteúdo na web à rede social por meio das interfaces de programação de aplicativos (APIs) do Facebook. Isso permite que os veículos tenham acesso, em tempo real, às métricas de audiência das notícias publicadas por meio do Instant Articles.

Força nas redes sociais – além dessa parceria com o Facebook, recentemente o Estadão se associou ao Twitter para ser fornecedor de conteúdo da plataforma Moments, que acaba de chegar ao Brasil. O serviço, anunciado pela empresa no início de outubro e já disponível nos Estados Unidos, destaca os principais assuntos do momento para os usuários da rede social. O Brasil é o segundo país a receber o serviço, que permite que os usuários acompanhem os assuntos mais comentados na rede sem precisar seguir ninguém.

O jornal também foi considerado o veículo com maior engajamento da internet brasileira. Dados compilados periodicamente pela Bites, representante da NewsWhip no Brasil, colocam o Estadão como líder nacional em curtidas, compartilhamentos e recomendações em relação ao conteúdo publicado pelo seu site. Além disso, o estudo aponta que, nos primeiros cinco meses deste ano (o estudo é de junho), a publicação ficou à frente de veículos como The New York Times, The Guardian e Washington Post.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Marco Barone

Estadão fecha parceria com Twitter

Jornal é parceiro de conteúdo do novo serviço da rede, o Moments

O Estadão fechou parceria com o Twitter para ser fornecedor de conteúdo da plataforma Moments, que acaba de chegar ao Brasil. O serviço, anunciado pela empresa no início de outubro e já disponível nos Estados Unidos, destaca os principais assuntos do momento para os usuários da rede social. O Brasil é o segundo país a receber o serviço, que permite que os usuários acompanhem os assuntos mais comentados na rede sem precisar seguir ninguém.

Estadão fornecerá conteúdo para o Moments

Estadão fornecerá conteúdo para o Moments

Para acessar o Moments, o usuário deve clicar no ícone com o formato de um raio, que aparece tanto ao app para Android e iOS, como na versão web – ainda não há previsão para uma versão no Windows Phone. A lista de assuntos mais quentes do momento é atualizada à medida que novas histórias se tornam popular. O usuário também pode acompanhar a discussão em torno de temas organizados em categorias, como notícias, esportes e entretenimento.

Cada notícia específica tem uma “capa”, com título, uma foto e uma pequena descrição do que é o assunto abordado. Ao clicar nessa capa, o usuário tem acesso a diferentes tuítes de empresas jornalísticas e de usuários do Twitter. Os conteúdos são selecionados por uma equipe de jornalistas do Twitter. Segundo Leonardo Stamillo, diretor editorial do Twitter para a América Latina, cerca de 50 histórias diferentes serão contadas por dia pelo Moments.

“Nós já estávamos criando uma nova experiência para os usuários do Twitter. O conteúdo já estava na plataforma, mas as pessoas tinham que procurar por ele, seguindo contas específicas, buscando hashtags ou outros termos. Agora, os melhores vídeos, fotos e tuítes estarão à distância de um clique”, disse Stamillo, durante o anúncio do Moments. A equipe de curadoria selecionará as melhores postagens de contas do Twitter, que inclui jornais, jornalistas, usuários “comuns” e testemunhas dos acontecimentos.

O Momensts quer tornar o Twitter ainda mais forte

O Momensts quer tornar o Twitter ainda mais forte

Segundo o executivo, o serviço dará privilégio a tuítes que contenham vídeos e fotos. Além disso, o Moments deve servir como porta de entrada para o usuário novato da rede social. “A ideia é educar o usuário. A partir do Moments, o usuário vai descobrir quem ele pode seguir dentro da plataforma”, explicou Stamillo. Para ter acesso ao Moments, é preciso instalar a última atualização do Twitter, já disponível nas lojas de aplicativos (App Store e Google Play).

Estratégia

O Moments chega em uma época delicada para o Twitter, cujas ações na bolsa estão em queda após tentativas fracassadas de atrair novos usuários ativos. Por mês, a rede conta com 320 milhões pessoas utilizando a ferramenta. Jack Dorsey, um dos cofundadores do novo serviço, voltou ao cargo de CEO recentemente para ajudar o serviço a voltar a crescer. Para Edney ‘Interney’ Souza, consultor de mídias sociais,, o Moments vai encurtar o caminho do usuário que não sabe quem deve seguir. A plataforma deve ficar mais fácil de usar. Pedro Waengestner, CEO da Aceleratech, por sua vez, acredita que o serviço pode abraçar “o usuário casual”.

Já Alexandre Inagaki, analista de mídias sociais, acredita que o Moments pode ajudar o Twitter a voltar a ser o termômetro dos principais acontecimentos do mundo – função que era ocupada antigamente pelos trending topics. “Hoje, os trending topics são tomados por ações de fã clubes ou hashtags promocionais. Talvez o Moments ajude o Twitter a ter a noção do que é relevante no mundo hoje”.

TIM marca presença no MasterChef Júnior

Aproveitando o buzz

Operadora aposta na estratégia bem-sucedida adotada na segunda edição do MasterChef Brasil com inserções de interatividade patrocinadas com a grande revelação antecipada do vencedor pelo Twitter

inscrição-masterchef-2016-junior-brasil

A repercussão e o buzz gerados pela ação da TIM ao longo da segunda edição MasterChef Brasil (TV Bandeirantes) motivou a operadora a participar também da versão infanto-juvenil do famoso reality show de gastronomia. O ápice da ação aconteceu durante o episódio final quando a empresa patrocinou o anúncio – em primeira mão – da grande vencedora pelo Twitter.

Depois de mais de 1,5 milhão de tweets com a hashtag #masterchefbr apenas durante a finalíssima da segunda temporada, a TIM repetirá sua bem sucedida estratégia de uso da chamada “segunda tela” no momento mais esperado e decisivo do MasterChef Júnior, spinoff da franquia que estreia em 20 de outubro.

“Estivemos presentes com inserções e interações no Twitter nos principais momentos do programa e alcançamos índices excelentes de engajamento dos consumidores com a nossa marca, especialmente na grande final. Associar a TIM a eventos de grande repercussão como o Masterchef é muito importante e contribui para aumentar a proximidade com os nossos clientes”, afirma Livia Marquez, diretora de Marca e Publicidade na TIM Brasil. “Estamos muito orgulhosos de fazer parte dessa história de sucesso mais uma vez”, finaliza a diretora.

Fonte: Alameda Comunicação – Tawana Miquelino

Coluna Social Media

Curtir, compartilhar e votar
As mídias sociais nas eleições

Tuani Carvalho Publicitando

A eleição presidencial de 2014 é uma eleição pra não esquecer. A primeira presidente do Brasil pleiteia a reeleição, um dos candidatos sofreu uma morte trágica no meio da campanha eleitoral, a vice que assumiu o posto de candidata mudou todo o cenário político e rebaixou um dos protagonistas a mero figurante às vésperas da votação.

Todos esses fatos são um prato cheio para a discussão de especialistas, economistas, jornalistas e qualquer Zé na padaria da esquina. No fabuloso mundo da Internet, não seria diferente. Já experimentamos a influência das mídias sociais em 2010, mas, em 4 anos, o cenário atual se transformou profundamente – mudando tudo o que sabíamos sobre o comportamento dos usuários no ambiente digital.

download (2)

Em 2010, começávamos a abandonar o Orkut para migrar para o Facebook. Esse êxodo, em poucos anos, fez da rede social de Mark Zuckerberg a maior do mundo. E a forma de utilizá-la é completamente diferente da zuera e falta de compromisso no finado e saudoso Orkut.

Nestas eleições, especialmente após a onda de manifestações de Junho de 2013, o posicionamento político dos usuários ativos na rede social é mais aguçado. O feed de notícias está inundado de longos textos defendendo um ou atacando outro presidenciável, o Twitter explode em memes e narra debates em tempo real, reportagens, colunas, vídeos são compartilhados à exaustão; hora com o objetivo de fazer campanha para seu candidato favorito, hora para – apenas – compartilhar informações esclarecedoras para aqueles que, como eu, ainda não decidiram em quem votar.

Twitter-Logo-Icon-by-Jon-Bennallick-02

Não só os usuários como também os partidos já perceberam a importância e a força das mídias sociais na decisão dos eleitores. Antes mesmo de a propaganda eleitoral começar a internet presenciou o caso da Dilma Bolada: um perfil humorístico que usa o nome e imagem da presidente para criar memes e dar opiniões descontraídas sobre fatos e acontecimentos atuais. O dono do perfil, na época, denunciou que foi contatado pela agência responsável pela campanha da oposição para que passasse a produzir conteúdo para o partido tucano.

Nesse tempo, outras páginas de caráter humorístico passaram a abordar abertamente temas políticos, geralmente atacando o governo através de notícias falsas e imagens “engraçadas” (e bota aspas nisso!). É ingenuidade demais acreditar que esse tipo de conteúdo surge espontaneamente.
Daí a importância do bom senso e do discernimento para enxergar a intenção por trás de cada informação e, principalmente, sua autenticidade. O poder viral da internet é incalculável e a velocidade com que boatos são espalhados é impressionante. Isso favorece, cada vez mais, a ignorância, o debate raso e sem argumentos e, na pior das hipóteses, uma escolha equivocada na hora de apertar o botãozinho verde.

urna-eletronica-mao

Se você quer realmente mudar “tudo isso que tá aí”, comece tomando cuidado com o que anda compartilhando. Apostar na desinformação do povo para satisfazer interesses políticos é estratégia desde os idos do voto de cabresto.

Coronel curtiu isto.