Dez empregos que surgirão até 2030 com o Metaverso

O impacto do Metaverso no mundo do trabalho e na área de Aprendizagem Corporativa

*por Tatiany Melecchi

Desde que o Facebook anunciou o investimento estrondoso nesta tecnologia, o que ocasionou a mudança do nome da empresa para META, o Metaverso se tornou “o grande hype do momento”, as pessoas passaram a se interessar pelo assunto e a se questionar: “O que é?”, “Como funciona?”

Depois da leitura de alguns artigos e entendimento mínimo do que se tratava, vieram outras inquietações:

Como essa tecnologia irá impactar o mundo do trabalho?
Como revolucionará a área de treinamento e desenvolvimento?
Quais são as empresas que já estão liderando projetos de aprendizagem com foco nesta tecnologia?
Mas, antes de tentar responder estas perguntas e compartilhar as pesquisas e insights, vamos entender melhor o que tudo isso representa?

O que é esse tal de Metaverso?

“Metaverso” é uma junção do prefixo “meta” (que significa além) e “verso” (universo). O termo é normalmente usado para descrever uma espécie de mundo alternativo digital.

Um mundo onde os usuários poderão criar seus próprios avatares, que serão suas representações nesse ambiente digital e, por meio deles, poderão aprender, comprar, trabalhar, socializar e se conectar com colegas de trabalho, amigos e familiares. Ou seja, essa tecnologia replica o que fazemos no mundo real, só que de forma 100% digital.

Sue Young, diretora de produtos do Facebook, fala que “ao invés de apenas olhar para a tela dos dispositivos, você estará nela”.

E qual o impacto do Metaverso para o mundo do Trabalho?

Faço um convite para você usar a sua imaginação. Feche os olhos e visualize-se usando um óculos de realidade virtual. Com seu próprio avatar, você começa a interagir com todo o ambiente corporativo da sua empresa: anda pelo corredores, cruza com os colegas quando vai tomar água, tirar dúvidas e trocar ideias nos corredores, pausa para um cafezinho ou conversa com outros colegas no almoço, tudo isso de forma virtual. Ou imagine outro cenário: você está na sua casa, usando seu óculos de realidade virtual e participando de feiras, eventos ou entrevistas de emprego dentro do Metaverso, onde praticamente todo o processo seletivo acaba acontecendo via realidade aumentada.

A Samsung e a Hyundai são bons exemplos de companhias que mesmo antes do lançamento do Facebook e todo o buzz do assunto, já se valiam da estratégia de adotar realidade aumentada nos processos de recrutamento e seleção de novos profissionais.

E aí, qual o seu sentimento?

Você pode estar sentindo um certo fascínio, curiosidade e vontade de vivenciar tudo isso logo, ou quem sabe sentindo algum tipo de insegurança sobre o futuro do seu trabalho e da sua profissão. Todos esses sentimentos e outros são completamente normais e esperados, pois o Metaverso propõe mudanças significativas e pode representar ameaças às nossas necessidades básicas como segurança, estabilidade e pertencimento.

Por outro lado, os especialistas comentam que essa tecnologia visa recriar o ambiente presencial no digital e proporcionar uma experiência de maior proximidade relacional, na qual o trabalho virtual será menos solitário e com relacionamentos mais espontâneos e naturais.

Como o Metaverso irá impactar a aprendizagem corporativa?

Durante a pandemia vimos muitas empresas criarem seus estúdios para gravação de minivídeos, lives e afins. Atualmente, já temos algumas empresas criando espaços de aprendizagem imersivos, nos quais os participantes e instrutores interagem uns com os outros com os seus avatares, navegando em simuladores de desempenho hiper-realistas por meio de headsets de realidade virtual, telefones, iPads e PCs com RV (realidade virtual), onde eles aprendem uns com os outros em simulações práticas.

As farmacêuticas Pfizer, Novartis e Bristol Myers Squibb são algumas das empresas que estão usando essa tecnologia para praticar habilidades essenciais, voltadas a salvar vidas em laboratórios de realidade virtual seguros.

Além disso, os profissionais da área comercial terão a possibilidade de percorrer o universo digital e aprender sobre seus produtos, fazer simulações de controle de objeção, interagir com os clientes, treinar abordagens, compartilhar os benefícios dos produtos, apresentar soluções e recursos adicionais sem custos de deslocamento e de forma realista.

O uso crescente destas tecnologias vai exigir muita adaptação e resiliência dos profissionais e das empresas, além de demandar uma série de novos conhecimentos, habilidades, condutas e dinâmicas sociais nos próximos anos. E nós profissionais de T&D temos de estar na vanguarda desta nova maneira de aprender, trabalhar e interagir. A Cult já publicou as novas profissões que já estão surgindo e irão ganhar espaço com o Metaverso. https://cult.honeypot.io/reads/10-metaverse-jobs-that-will-exist-by-2030/

10 empregos que existirão até 2030 no Metaverso

  • Cientista de pesquisa do Metaverso
  • Estrategista de Metaverso
  • Desenvolvedor de ecossistemas
  • Gerente de segurança do Metaverso
  • Construtor de hardware do Metaverso
  • Storyteller do Metaverso
  • Construtor de mundos
  • Especialista em bloqueio de anúncios

O Facebook Brasil anunciou seis vagas para trabalhar com Metaverso, ou seja, essa profissão já é uma realidade.

Sobre Tatiany Melecchi

Tatiany Melecchi é mestre em Marketing pela Massey University, Nova Zelândia, a primeira brasileira certificada como Professional in Talent Development pela ATD (Association for Talent and Development) nos EUA, Coach ACC pela ICF pela International Coach Federation e Facilitadora Internacional Certificada pela LTEN (Life Sciences Trainers & Educators Network) nos EUA e facilitadora Internacional certificada em Neurociência da Gestão da Mudança pela 7th Mind, Inc nos EUA.

Natal gera aumento de empregos

Pesquisa revela: Natal gera empregos no comércio de São José

Levantamento do Nupes em parceria com a ACI mostra aumento de quase 25% no número de vagas nas lojas de São José

O movimento de Natal aumentou em quase 25% o número de funcionários empregados no comércio de São José dos Campos. A informação consta de pesquisa inédita sobre contratação de mão de obra temporária pelo comércio feita pelo Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais), da Universidade de Taubaté, em parceria com a Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos.

Os números foram divulgados nesta terça-feira pela direção da ACI. O levantamento tem apoio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação) da Universidade de Taubaté.

Foram entrevistados os responsáveis por 432 estabelecimentos comerciais instalados no centro de São José, eixo comercial da Avenida Andrômeda, no Jardim Satélite, e nos shoppings CenterVale e Vale Sul. São José tem 9.858 estabelecimentos comerciais. Os estabelecimentos pesquisados foram divididos em 12 segmentos: roupas e acessórios, cosméticos, alimentação, calçados, brinquedos, eletrodomésticos, móveis, tecidos, multisetor, eletrônicos, drogarias e outros. A margem de erro da pesquisa é de 0,044 pontos percentuais para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%.

Para termos de pesquisa, as lojas foram divididas de acordo com o número de funcionários efetivos: 1 a 5, 6 a 10, mais que 10 trabalhadores.

O levantamento mostra que 50,5% dos estabelecimentos pesquisados contrataram mão de obra temporária para o Natal, gerando 879 postos de trabalho. Comparado ao número de funcionários efetivos desses estabelecimentos, 3.528 pessoas, os novos postos representam um acréscimo de 24,9%. “É quase 25%, um número expressivo que mostra uma reação do comércio neste final de ano”, disse o vice-presidente da Associação Comercial e Industrial, Humberto Dutra, que coordenou a parceria ACI-Nupes.

O número de vagas geradas difere de acordo com o porte do estabelecimento. As 181 empresas pesquisadas na faixa 1 a 5 funcionários geraram 365 vagas temporárias (41,5%) frente a 159 vagas geradas pelas 21 empresas na faixa de 6 a 10 funcionários (18,1%) e a 355 vagas abertas pelas 16 empresas situadas na faixa acima de 10 funcionários (40,4%). Estas últimas mantêm em seus quadros 1.952 trabalhadores, 55,3% do universo de efetivos.

Mapa
Por região pesquisada, predominou a contratação de temporários na faixa de 1 a 5 funcionários. Nessa faixa, as lojas do Vale Sul tiveram mais citações (89,8%), ficando as lojas do CenterVale, Andrômeda e eixo da rua 15 de Novembro acima de 85%. Na faixa de 6 a 10, o centro foi mais citado (14,4%). E na faixa de mais que 10 funcionários, o eixo da 15 obteve mais citações, com 14,3%.

Por segmento, roupas e acessórios dominaram as contratações na faixa de 1 a 5 funcionários, com 85,7% das citações. Na faixa de 6 a 10 funcionários, o setor de brinquedos teve mais citações, com 40%. E na faixa de mais de 10 funcionários, o destaque foi para o setor de calçados, com 36% das citações.

A pesquisa sobre vagas no Natal é a primeira da parceria ACI-Nupes. Em 2017 devem ser realizadas de 6 a 8 pesquisas sobre indicadores da economia de São José.

Ficha Técnica
Pelo Nupes, o trabalho foi coordenado pelos professores Luiz Carlos Laureano da Rosa, Edson Trajano Vieira, Odir Cantanhede Guarnieri e Silvio dos Santos. Fernando Santo da Silva, Larissa de Paula Gonzaga, Laura Espíndola Magalhães e Maithê Rocha Alves fizeram o levantamento de campo, com apoio de Vitor Cardoso Rosa como estagiário.

Fonte:Matéria Consultoria & Mídia – Hélcio Costa/Nathália Barcelos

Coluna “Discutindo a relação…”

Vamos falar de novo sobre isso

Josué coluna correto

Este blog tem publicado um razoável número de vagas para empregos e estágios em comunicação e marketing nas últimas semanas. Tal fato chega a ser surpreendente visto que a situação econômica do país não é das melhores.

Só o aparecimento de ofertas de estágio/emprego já deveria ser comemorado.Entretanto, várias das vagas ofertadas por agências e/ou empresas recebem críticas – muitas vezes contundentes demais – por parte de algumas pessoas que acompanham o blog e a página do mesmo no Facebook. Não concordo com todas as críticas. Também não descordo de todas elas.

Penso, todavia, que devemos ponderar bem nossas críticas às vagas que surgem. Já escrevi sobre isso outras vezes aqui. O mercado tem lá seus defeitos. Isso é inegável. Mas também é fato que agências, empresas e organizações sérias ofertam boas vagas.

Oferta razoável de vagas pode fazer com que bons candidatos escolham boas oportunidades de emprego. Sim, pode parecer exagero, porém isso é verdadeiro! Mas… e as vagas ruins? Descarte-as. Não perca tempo e energia fazendo críticas e comentários negativos nas redes sociais. Se a vaga não lhe interessa, se acha que o perfil desejado é mal formulado ou errôneo simplesmente não mande seu CV.

Acredito ser perigoso criticar de maneira ostensiva uma vaga. A agência ou a empresa que hoje oferta de maneira confusa e incorreta uma vaga pode ser uma ótima contratante logo ali na frente.Ela pode aprender com seus erros. E evoluir. E você, que a detonou nas mídias sociais, pode se transformar em carta fora do baralho num futuro breve.

Também tenho acompanhado alguns perfis nas diversas mídias sociais que se ocupam de expor aspectos negativos da atividade de propaganda, marketing, jornalismo e relações públicas. São vários. E creio que uma boa parte deles presta um péssimo serviço à nossa atividade profissional. Muitas vezes exageram e criam uma imagem negativa da profissão.

Vejo também ex alunos dizendo/escrevendo/comentando que era melhor ter cursado outra faculdade pois não conseguem bons empregos. Vou ser duro mas devo dizer uma verdade: não vejo os bons e sempre talentosos alunos e ex alunos reclamando dos empregos e da profissão. Quem vejo, na maioria absoluta das vezes reclamando, é gente que nunca se preparou como devia, nunca perseguiu uma diferença, nunca batalhou para ser desejado pelo mercado. Por outro lado vejo um contingente bem numeroso de pessoas bem colocadas no mercado de trabalho. Tanto aqui na região quanto nos mercados maiores (SP, RJ e até no exterior).

Nosso mercado, nossa atividade, nossa profissão, tem imperfeições como todas as outras.E no atual momento de extrema crise econômica eu jurava que veria um cenário mais aterrador. E não estou vendo. Então, não deixe de ser crítico, mas pondere um pouco mais.

O momento pede bom senso!