Futebol e amendoim: as paixões nacionais agora juntas na publicidade

Santa Helena Indústria de Alimentos foca campanha de marketing em veículos de comunicação de massa na Grande São Paulo

A bola e o gol. O futebol e o amendoim. É fato unânime que um completa o outro. Nada melhor do que assistir ao jogo do time do coração rodeado de amigos e saboreando um amendoim de qualidade e procedência garantida. Pensando nisso, e para aproveitar a reta final dos principais campeonatos de futebol do país, a Santa Helena Indústria de Alimentos, fabricante dos amendoins mais gostosos e consumidos do Brasil – Mendorato e a nova Linha Aperitivo em bandejas -, vai focar sua campanha de comunicação nos principais veículos da mídia esportiva da Grande São Paulo, onde a empresa também está investindo em uma maciça distribuição dos produtos.

A empresa está apostando no poder de alcance dos veículos de comunicação para falar de perto com a população de cerca de 19 milhões de pessoas que vivem na Grande São Paulo durante 75 dias da ação. O público-alvo da campanha é composto por homens e mulheres de 25 a 49 anos, das classes A, B e C, apaixonados pelos principais times de São Paulo e que acompanham esportes em todas as mídias. A ação poderá atingir 180 milhões de visualizações em todo esse período.

Os veículos escolhidos foram Globo Esporte, da Rede Globo; Os Donos da Bola, Terceiro Tempo e Jogo Aberto, da Rede Bandeirantes; Estádio 97 transmitido pela Energia 97 FM (97,7 MHz); os canais digitais Cartola FC, G1, UOL, Esporte Interativo e Google, além de pequenos vídeos no YouTube e full motion videos no metrô.

O objetivo da ação, segundo o diretor comercial da empresa, Luís Bertella, é conectar o maior número de consumidores com as marcas de produtos Santa Helena e, principalmente, com a categoria de amendoim. Os produtos selecionados para esta campanha foram o amendoim japonês Mendorato e a nova Linha Aperitivo de amendoins em bandeja, vendida em embalagens práticas e prontas para consumo, com diferenciais únicos na categoria, e envasada sem contato manual, com garantia de qualidade e procedência e validade de seis meses. Esta tecnologia é única no Brasil.

“Nossos produtos têm aceitação muito boa no mercado, mas enxergamos que há mercado para crescer. Temos qualidade, a preferência do consumidor e acreditamos que essa campanha que se inicia no dia 2 de outubro vai ser muito positiva. Uma boa comunicação precisa de conteúdo e frequência, por isso, a ação seguirá até 15 de dezembro para que a mensagem fique clara e chame a atenção dos nossos clientes”, afirma Bertella.

Fonte: Fonte Assessoria de Comunicação – Ana Catarina Prebill

A YouPix vem aí

YouPix Con, o evento mais relevante do ecossistema de influenciadores digitais, acontece dia 25 de outubro

Evento oferece um espaço de negócios e discussão sobre tendências e rumos da indústria de produção de conteúdo online. Interessados em acompanhar a terceira edição podem assinar o serviço de streaming e ter acesso a todo o conteúdo on demand pelo período de 6 meses.

No dia 25 de setembro, veículos, plataformas, marcas, agências, profissionais do mercado e produtores de conteúdo digital se reunirão para a terceira edição do YOUPIX CON. O evento é obrigatório para quem quer entender os rumos, práticas e as possibilidades de negócios em meio a um cenário em que a linha entre quem cria, distribui e monetiza conteúdo digital já não existe mais.

Em 2017, a curadoria de conteúdo feita por Bia Granja, Cofundadora e Diretora Criativa do YOUPIX, partiu de quarto macro-temas – Conteúdo, Negócios, Distribuição e Tendências. O resultado é um evento com o dobro de conteúdo em relação aos anos anteriores. Além do Key Note Stage, voltado para discutir tendências e temas pertinentes à indústria de conteúdo, e o How To Stage, com ênfase mais prática sobre temas que envolvem a produção de conteúdo digital, o evento conta com dois novos palcos: Creator Talks by YouTube que receberá diversas entrevistas individuais com creators, como Felipe Neto, Kondizila e Luba; bem como um palco promovido pelo ViU Hub, empresa especializada em produção de conteúdo digital da Globosat. As atividades vão discutir desde o caminho do vídeo dentro das plataformas digitais até tendências do segmento de entretenimento, passando por questões sobre o que engaja os adolescentes no digital hoje em dia.

Em paralelo aos palcos acontece o Influencers Sprint, um projeto especial do YOUPIX CON, liderado pela Tera, escola de design, tecnologia e negócios que é uma das principais referências atuais em educação para a economia digital. Durante 4 horas, creators, marcas e membros da indústria digital na missão de co-criar uma estratégia de influência que traga visibilidade e possibilidades de engajamento para um centro de cultura e acolhimento LGBT (Casa 1), uma escola de jornalismo para jovens das periferias (Énóis) e uma instituição que cria projetos pra desmistificação do câncer para crianças e adolescentes diagnosticados com a doença (Beabá). O resultado deste trabalho é apresentado no palco do Key Note Stage.

Este palco receberá, ainda, o Creators Pitch, concurso de talentos do YOUPIX pelo qual já passaram nomes como: Julio Cocielo, Pyong Lee, o pessoal do Canal das Bee e outros. Este ano, foram mais de 350 inscritos. Cinco deles serão selecionados para apresentar seu projeto durante o YOUPIX CON e concorrer a prêmios que contribuam para seu desenvolvimento como criador de conteúdo.

“O YOUPIX CON é um evento de conteúdo da próxima geração (the next generation content). Uma audiência que tem acesso à informação há um clique de distância, on demand e sem interrupções. Iremos trazer insights e provocações sobre como ser relevante, construir melhores narrativas e ser criativo neste novo cenário tanto para agências e marcas, quanto para criadores de conteúdo. Um evento que traduz a essência do YOUPIX de fomentar a indústria de conteúdo digital.” diz, Bia Granja.

Outra novidade é que este ano, em uma ação inédita, o YOUPIX realizou a venda de ingressos presenciais para o evento. “As duas últimas edições do YOUPIX CON eram apenas para convidados. Este ano, para atender a demanda do mercado, abrimos 50 vagas presenciais que, para a nossa surpresa, esgotaram em menos de 48 horas. Apesar do sucesso, não temos a pretensão de expandir o evento, que deve receber esse ano cerca de mil pessoas. Nosso objetivo é oferecer um espaço para networking e conhecimento e entendemos que, para isso, temos que manter um número seleto de pessoas”, diz Daniela Costa, Diretora Geral do YOUPIX.

As palestras, painéis e demais atividades que ocorreram nos quatro palcos do YOUPIX CON 2017 poderão, entretanto, ser acessadas ao vivo via streaming pelo valor de R$390. O conteúdo na íntegra fica disponível por mais seis meses após o evento para que o participante possa acompanhar todo o conteúdo.

A programação completa está no site www.youpixcon.com.br. Além do evento ter o oferecimento do Bradesco, Folha de São Paulo e UOL Ad_Lab, conta com patrocínio de ViU HUB, Globo.com, Magazine Luiza, Agência 1927, YouTube, Facebook, Instagram, Lomadee, Airstrip, Hysteria, TNT, 3 Corações, IBM, Printi, Heineken, Stilingue, Today, Gold&Co e Lover Ipsum.

SERVIÇO
Evento: YOUPIX CON
Data: 25 de setembro, das 9h00 às 22h00
Os interessados em acompanhar a conferência podem assinar o serviço de streaming através do site www.youpixcon.com.br (R$ 390,00)
Obs: as entradas para o evento presencial estão esgotadas.

SOBRE O YOUPIX
Ao longo de 11 anos, o YOUPIX se tornou o principal hub de conexões e negócios da indústria de conteúdo e entretenimentos digital. Pioneiro no estudo e fomento do universo de criadores de conteúdo e da cultura de jovens digitais, estabeleceu uma influente rede de contatos dentro e fora do Brasil.

Além de organizar o YOUPIX CON, o YOUPIX promove encontros de relacionamento; cursos para profissionais e in company sobre o mercado de influenciadores; consultoria de planejamento e relacionamento com influenciadores digitais; curadoria de eventos; viagens de estudos e benchmark para VidCon e Los Angeles; e o Creators Boost, programa semestral de aceleração de criadores de conteúdo. Todos os projetos contribuem com o propósito da empresa de fomentar a indústria de criação de conteúdo digital.

Fonte: YouPix – Yasmine Luna

Vaga para conteúdista

Supera busca profissional para seu time de conteúdo

 

13956977_10210373825161283_1413949619_n

Em Comunicação Interna, conteudista é aquele profissional que tem uma visão ampla das necessidades de comunicação da empresa. Ele analisa as oportunidades, pensa nos melhores canais e produz as mensagens.

Temos vagas para dois perfis de conteudista, em São José dos Campos:
• Focado em veículos.
• Focado em campanhas e peças.

Ter habilidades nos dois perfis é um diferencial.

Envie currículo, portfólio e pretensão salarial para selecao@superacomunicacao.com.br, até 17 de agosto.

Premiação nova no mercado do V.Paraíba

Surge um novo prêmio

Uma parceria entre Meon, Rádio Nativa FM 97,5, Jovem Pan SJC, Band FM SJC, Ótima FM 90,3, RÁDIO CONECTCAR SP/RIO, Band Vale FM, Rádio Antena 1, TV Band Vale, Rede Record, SBT anuncia a criação de um novo prêmio para ser disputado por agências e estudantes de publicidade e propaganda da RMVale.

13133343_870673223043203_4796581938453985686_n

Vale lembrar que desde o fim da Revista Lettering que não há nenhum tipo de premiação para o mercado publicitário de nossa região.

Pela lista de parceiros do prêmio fica claro tratar-se de uma iniciativa dos veículos de comunicação.

Aguardemos!

Coluna “Discutindo a relação…”

Lá vem mais uma crise…

Josué coluna correto

Costumo ser otimista na maior parte do tempo. Mas isso nunca me impediu de ser extremamente realista. Digo isso em função do quadro atual de crise política e econômica que assola o país.O momento está e será bastante difícil. Não adianta tapar o sol com a peneira e querer combater a crise com posts de auto ajuda nas mídias sociais.

Atravessei diversas crises e planos econômicos nos anos em que tive agência de propaganda. Nunca foi fácil! Na verdade, em vários momentos, foi desesperador!

Podem ficar tranquilos. Este não é um texto com cinco, sete ou dez dicas para enfrentar a crise. Longe disso!

Este é um texto que se pretende otimista apenas em relação a um aspecto. E ele não tem nada de ufanista ou de otimista cego. Mas, a verdade, o fato, é que essa crise também vai passar. Sim. Pode demorar mais ou menos tempo, pode afetar mais ou menos os negócios de marketing e comunicação, mas vai passar.

E, veja bem, digo apenas que vai passar. E não digo que a travessia será tranquila.

man-551258_1280

Crises são ótimas oportunidades. Essa frase está prá lá de batida. mas segue sendo verdadeira! O negócio de agências há tempos precisa se reinventar. Mudar pra valer. Talvez a crise seja o combustível que faltava para acelerar as mudanças. Talvez…

Também vejo empresas de comunicação um tanto mais preparadas do ponto de vista de gestão e de recursos humanos para vencer o complicado momento. Bom, talvez nem todas, mas boa parte delas. Principalmente aquelas que se preocuparam em manter estruturas enxutas e altamente produtivas e sempre tiveram cuidado com a lucratividade e as boas e honestas relações com clientes e fornecedores. Aquelas que investiram em gestão e buscaram novas formas de remuneração para manter a rentabilidade da operação.

Sou de uma geração que viveu boa parte da juventude e da vida madura sob crises econômicas. Tivemos um bom período de bonança e bons ventos. Desperdiçado… Muitos que hoje formam os quadros de agências, veículos e fornecedores nunca presenciaram, na vida adulta, uma crise econômica pra valer. Talvez isso assuste parte destas pessoas. Talvez não…

profits-598892_1280

Agências de comunicação vivem de ideias. Está na hora de arregaçar de vez as mangas e encontrar saídas inventivas, honestas e exequíveis. Temos capacidade para isso.

A união da área de comunicação seria um bom antídoto para o amargo da crise econômica. Quem sabe não seja possível agora?!

E quem sabe depois de algum tempo a gente possa dizer: Lá se foi mais uma crise…

Oxalá!

Coluna “Discutindo a relação…”

Não há motivo para fazer igual

Josué coluna correto

Por uma série de motivos diferentes, nas últimas semanas, tive a oportunidade de conversar pessoalmente com alguns proprietários de agências de propaganda (?). As conversas foram ótimas e bastante produtivas. Adoro falar sobre o negócio da propaganda (?) como um todo, principalmente com lideranças inteligentes.

Ouvi coisas interessantíssimas nestas conversas. principalmente em relação ao modo de atuar de algumas empresas. Ouvi muito da busca de um novo modelo de atuação para as empresas que lidam com comunicação e todos os seus (muitos) desdobramentos e novas possibilidades.

banner-estrutura

Ouvi destas empresas com quem conversei novidades quanto ao modo de lidar com clientes, indo muito além da propaganda – por isso as interrogações entre parenteses no primeiro parágrafo – e do mero fornecimento de peças de comunicação. Ouvi que eles buscam novos tipos de clientes, novas maneiras de se remunerar e novas maneiras – o mais importante, creio – de serem percebidos e entendidos pelos clientes.

Sim, ouvi coisas animadoras. Trabalhar por projetos e não por fee, cobrar como consultoria, assessorar na gestão das empresas clientes, praticamente banir a remuneração por comissionamento e o modelo cristalizado muitas vezes imposto pela mídia tradicional. Trabalhar com equipes pequenas e com muitos trabalhos feitos por gente criativa de diferentes áreas e atuando independentes da agência, trabalhar com co-criação.

16414013-resumo-da-nuvem-da-palavra-para-a-mídia-de-massa,-com-tags-e-termos-relacionados

Aliás, com todo respeito que eles merecem e devem ter, ouvi críticas (coma as quais concordo) sobre o modo de atuação das áreas comerciais das mídias de massa. Uma das principais é a de que eles não querem que nada mude no que se refere à relação cliente-agência-veículo, mas sem levar em conta que quem realmente mudou foram as pessoas e o modo como elas consomem comunicação e informação e, por consequência, marcas, produtos e serviços. Então não dá pra ficar no velho modelão. E muitas (agências) reclamam de uma pressão exagerada e desnecessária de alguns veículos sobre elas.

Deu para perceber que uma nova leva de agências de propaganda/comunicação, ou seja lá qual for o nome que possamos lhes dar, não vê mais no tradicional modelo de atuação o grande sonho a ser perseguido. Muitos recusam o modelo das grandes agências tradicionais. E buscam novos. E implantam novos.

chain-297842_1280

Cannes terminou recentemente e trouxe, mais uma vez, muitos questionamentos sobre a atuação da indústria de propaganda. Há muitos modelos de negócios fora do tradicional, do modelão. Em uma entrevista recente da ProXXIma com Nick Law, o lider criativo global da R/GA – uma das agências internacionais mais fora da curva que conheço – afirmou: “Sempre haverá espaço para certo tipo de propaganda, mas isso vai encolher. Em último caso, alguns formatos deixarão de existir. Aliás, é possível que nós, como indústria, encolhamos ao fazer essa transição.”

Tal afirmação parece assustadora, principalmente para nós brasileiros em função da crise econômica, mas ao mesmo tempo dá claros sinais de que as coisas já estão diferentes. E devem estar mesmo. E precisam ser encaradas com novas abordagens.

O questionamento que deve prevalecer agora não é o de por que fazer diferente, mas sim se há motivos suficientes para continuar fazendo o igual, continuar repetindo o modelão.

Pensemos, pois!

Coluna “Discutindo a relação…”

Hora de mostrar jogo

Josué coluna correto

Em minhas aulas sempre abuso dos paralelos entre a comunicação e o esporte. Isso por acreditar muito na importância da educação esportiva para quase tudo na vida, inclusive o desempenho profissional. Uma das coisas que penso e por vezes digo é que o grande atleta, o grande jogador, aquele que decide aparece sempre nos momentos em que a coisa não tá facil. É nessa hora que o cara mostra que, além de craque, tem poder de decisão.

Fazendo o paralelo com o nosso momento no mercado regional de comunicação, momento em que a crise morde nossos calcanhares, acredito que seja a hora daqueles profissionais e empresas que são craques e têm personalidade e atitude pra encarar o jogo. Agora vamos ver quem se preparou, quem treinou com afinco, batalhou para diminuir as deficiências e limitações e quem tem a atitude para encarar a hora decisiva.

treinovasco_glo_60

Na minha última coluna falei sobre aquelas agências, veículos e fornecedores que fizeram a lição de casa. Lição de casa pra mim é isso. É tudo isso: atender bem seus clientes, entregar o que promete, entregar técnica e eficácia, entregar inovação, entregar resultado. Fazer a lição de casa é ter boa gestão. É ser ético e transparente em suas relações comerciais (e pessoais). É saber montar time escolhendo muito bem quem vem batalhar ao seu lado. Ter construído imagem sólida e positiva ao longo dos últimos anos.

Um jogador de basquete que põe a bola embaixo do braço e decide o jogo nos últimos segundos. O cara que puxa o time inteiro para um gás final pra garantir a vitória no finzinho do jogo. O corredor que resolve fazer a última volta na pista a sua melhor volta em toda sua vida… É hora disso tudo no mercado de comunicação!

basquete.nba_g_stoudemire01_576

Nosso jogo vai ser duro não só em 2015. Teremos temporadas difíceis nos próximos anos. Não creio numa recuperação rápida da economia. Levará algum tempo, infelizmente. Mas quem tem times eficientes, com muita atitude e personalidade, quem tem líderes éticos e pró ativos e ambientes de trabalho que facilitam e induzem à produtividade vai atravessar esse duro campeonato e ficar bem colocado na tabela final.

Ahhh.. só uma coisinha antes de acabar e que também aprendi com meus melhores técnicos quando pratiquei esportes: a gente nunca pode parar de treinar e de aperfeiçoar nossa técnica, nossos fundamentos e nossa habilidades e deficiências.

Sacou?!

Coluna “Discutindo a relação…”

Só pra contrariar

Josué coluna correto

O mercado publicitário de nossa região, a julgar pelo número de vagas que anunciamos esta semana neste blog, parece ignorar a expectativa de um ano de economia ruim.

É fato que o interior de São Paulo como um todo seguirá sendo forte economicamente, mesmo com o cenário nada bonito que se apresenta para este ano: inflação, consumo caindo, juros altos, economia com crescimento zero, aumento de impostos e tarifas… tudo leva a crer que será um ano difícil para todos, incluindo as atividades de comunicação. Mesmo assim algumas agências e empresas estão contratando por aqui.

Pode ser que seja apenas um movimento de reposição de peças. Ou não. Conversei por telefone com um dono de agência esta semana. Ele divulgou vaga neste blog. E me disse que, no caso de sua agência, tratava-se de ampliação de equipe e não mera reposição. E disse também que abriria mais uma vaga além da que estava me passando naquele momento para que divulgasse também aqui.

Torço muito para que nosso mercado consiga manter o fôlego. E que por consequência consiga manter e até ampliar o número de postos de trabalho. Será uma prova de que as agências, principalmente, conseguem ter uma melhor gestão. Talvez aconteçam baixas e algumas agências, fornecedores e até veículos (que deixaram de fazer ou não fizeram bem o dever de casa) de nossa região enfrentem dias ruins. Mas há uma expectativa de um mercado mais amadurecido (apesar das muitas e justificadas reclamações sobre a falta de união e de atitude proativa do setor) e capaz de enfrentar melhor a crise que se aproxima a passos largos.

Não teremos grandes eventos este ano. Ruim por um lado, bom por outro. O ano deverá ser mais fluído, ter mais continuidade. Os anuncioantes deverão se voltar para ações mais programadas e agir dentro de um calendário mais “normal” de que em 2014. Isso poderá ser bom.

Os economistas apostam num primeiro semestre mais apertado e em alguma folga e avanço econômico a partir da segunda metade do ano. Veremos…

De todo modo é hora de provar que o mercado está mais maduro, preparado e experiente. Bom momento também para buscar a tão sonhada e pedida união das partes em busca de uma melhoria da atividade de comunicação do Vale do Paraíba!

E tomara que, assim como no nome do grupo de samba que está lá no título, a gente contrarie as expectativas negativas. Boto fé!

Coluna “Discutindo a relação…”

Próspero ano novo. Exclamação ou interrogação?

Josué coluna correto

Normalmente esta coluna é opinativa e sempre procura destacar pontos possíveis de discussão sobre o mercado publicitário e de comunicação do Vale do Paraíba. Mas desta vez, dado o tamanho da incógnita que nos parece o ano vindouro, resolvi ouvir algumas lideranças deste mercado para que eles falassem das expectativas para o ano de 2015.

O leitor atento detectará algumas semelhanças de pensamento e de expectativa. Vamos ver:

José Luis Ovando, diretor da Supera Comunicação

2015 será um ano tão, ou mesmo ainda mais difícil, do que este. O Brasil sofre uma grave crise de confiança por parte dos investidores. E apesar da plena consciência do governo de que nosso crescimento está estagnado, até aqui nossos líderes não emitiram sinais favoráveis a mudanças na condução econômica. Num ambiente de insegurança poucos se sentem confortáveis para apostas.
Sendo assim, mais uma vez, trabalharemos muito para ganhar menos do que merecemos.

As agências e os veículos precisarão manter equipes enxutas e capacitadas a oferecer serviços de alta qualidade, pois somente os melhores e mais persistentes atravessarão esse difícil período.

José Luis, da Supera Comunicação

José Luis, da Supera Comunicação, diz que trabalharemos muito para ganhar menos

Na Supera continuaremos a ofertar serviços estratégicos, com uma postura crescente de consultoria e foco em especializações dentro da comunicação. E ainda, ampliar cada vez mais nossa atuação para não dependermos apenas do nosso mercado regional. Atualmente, além de São Paulo – capital e interior – já temos clientes fixos no Paraná, Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul, Ceará e Mato Grosso do Sul. Temos, portanto, ainda muito espaço para avançar.

Empresários e profissionais precisam entender que não há uma desvalorização da comunicação, e sim uma crise geral, onde todos os setores já são afetados. Nada de sofrer com a escolha da profissão, pois a vida não está fácil para ninguém. Olhar sob essa perspectiva minimiza angústias e nos ajuda a encontrar caminhos que outros ainda não enxergaram. Afinal, a teoria do posicionamento é a primeira lição que aprendemos numa faculdade de propaganda e marketing. Agora é hora de aplicar o que temos de melhor.

Eduardo Costa, sócio e CEO da Phocus Interact

Ainda estou dividido em relação a esse quadro.
Como empresário, analisando de maneira macro, vejo 2015 como a continuação de 2014. Se não há os eventos esportivos e políticos do ano passado, estamos entrando o novo ano com uma economia em recessão técnica, com os índices econômicos mostrando essa dura realidade e os Investimentos em todas as áreas rareando, devido a essa crise de confiança.Some-se a isso uma enorme crise política, com notícias diárias de desvios , propinas e acusações que estão transformando nossa maior empresa em pó e vemos um quadro de quase desgoverno, levando nosso país a um clima de divisão. Se nada for feito de imediato, para acelerar nossa economia, teremos um 2015 para ser esquecido.
Esse quadro separa os “homens” dos “meninos”. A empresa que não se reinventar e não aprender a remar (já que 2015 não promete ventos nem ondas de progresso e crescimento) vai correr sérios riscos.

Eduardo da Phocus

Eduardo, da Phocus, para quem os anunciantes buscarão mais com menos

Como empresário de comunicação, vejo um quadro parecido, devido à desconfiança do que estar por vir. Anunciantes e empresas buscarão ROI maior, com investimentos menores o que, por si só é uma grande oportunidade para empresas que fazem a diferença. Oferecer mais do mesmo não terá vez nesse cenário.

Agora o lado bom: por trabalhar exclusivamente com comunicação e soluções digitais, vejo um ano de 2015 de muitas alegrias e projetos para minha empresa (e para outras que trabalham nessa área) . A migração constante das verbas publicitárias para o digital, a popularização dos smartphones (e consequentemente dos apps), a interação cada vez mais acentuada das redes sociais e as novas demandas de IoT (internet das coisas), Big Data, wereable devices e smart cities abre um leque enorme de oportunidades em nossa área. Quem já tem expertise digital para suportar tais demandas, estará navegando por um oceano azul, independente de qualquer crise. Esse segundo cenário é o que enxergo para minha empresa e o mercado digital em 2015 e nos próximos anos.

Gustavo Gobbato, diretor da Avalanche SJCampos

Gobbato, da Avalanche SJCampos

Gobbato, da Avalanche SJCampos, fala em revisão do modelo de agência

Minha expectativa é de que sem diferenciação, não tem solução. As agencias não apresentam diferenciais umas das outras. O modelo tradicional de agência precisa de uma revisão e o mercado discute bastante isso. Caso contrário, o cliente passou encontrar varias alternativas que dão a ele próprio o controle de sua comunicação. Num cenário de crise, a minha expectativa é que o mercado se reinvente ou os clientes, que estarão mais retraídos e em cenário econômico difícil, farão por nós.

Renato Pulice, Diretor na Outracena Produtora de Vídeo

Renato, da Outracena, mantém o otimismo

Renato, da Outracena, mantém o otimismo

Estamos otimistas, apesar de tudo. A Copado Mundo foi uma tragédia, não só pra o nosso mercado. E mesmo com a campanha eleitoral o mercado aqueceu e o fim de ano está bem agitado.

Com isso acreditamos que 2015 deva vir com tudo.

Eduardo Spinelli, sócio e diretor de criação da Molotov Propaganda

Eu costumo dizer que 2014 foi um ano em que só os fortes sobreviveram. Em um ano que teve crise econômica, Copa do Mundo e Eleições, houve uma grande retração de investimentos. Sentimos uma sensível melhora no segundo semestre, devido à demanda reprimida. Na minha opinião, em 2015, a palavra de ordem será reter e fidelizar clientes.

Eduardo

Para Eduardo, da Molotov, a palavra de ordem será reter e fidelizar clientes

Embora, os economistas estejam pessimistas, prefiro acreditar que o ano que vem será de crescimento. Não será um ano fácil. As verbas estão cada vez menores e a cobrança por resultado, cada vez maior. No entanto, os anunciantes estão dispostos a correr riscos, a investir mais e a viabilizar projetos que ficaram engavetados em 2014. Ontem, por exemplo, um cliente nosso nos apresentou um projeto que irá revolucionar o mercado imobiliário do Vale do Paraíba.

Além disso, continuaremos a participar de concorrências privadas (somente as éticas). 2015 será um ano bom. Só depende da gente. Tem uma frase que eu gosto bastante: ‘Mar calmo nunca fez bom marinheiro.’. A meu ver, 2015 não será um ano calmo. Por isso, teremos que ser bons em tudo: gestão, finanças e, é claro, em criatividade.

E você, amigo leitor do Publicitando, o que espera de 2015?

 

Discutindo a relação…

Arregaçar as mangas e encarar

ENIC 51

Artigo de Josué Brazil

Antes de tudo devo escrever: não quero ser nem parecer pessimista, mas algumas coisas devem ser ditas. Então vamos lá!

Os números atuais da economia brasileira não são nada alentadores. Nova revisão (para baixo) do crescimento do PIB o coloca em algo próximo ou abaixo de 1%. A inflação continua resistindo e avançando. A confiança da indústria diminui e o varejo está apertado com estoques altos.

Passada a Copa do Mundo teremos que encarar o período (quase improdutivo) das eleições. A Meio&Mensagem de 28 de julho vem com matéria de capa (longa e muito boa) com a seguinte manchete: “Mercado revê estratégias para o segundo semestre”.De acordo com a Folha de São Paulo o setor de serviços também perdeu confiança na economia brasileira (folha.com.br/no1493743).

10534085_773749952676419_5386379965049102666_n

Como disse isso tudo está aí colocado não apenas para compor um cenário de fim de mundo e promover o pessimismo, mas sim para contextualizar a grande indagação: como o mercado de comunicação do Vale do Paraíba vai encarar o segundo semestre de 2014?

A acima citada matéria da Meio&Mensagem traz informação de que as agências esperam redução das verbas e maior cobrança por resultados. Vai rolar isso por aqui também? O tempo dirá.

grafico

Uma das carências de nosso mercado é não ter números que evidenciem o tamanho de nosso mercado e que indiquem se estamos crescendo, encolhendo ou mantendo posições.Esta ausência torna complicada uma abordagem estratégica de médio e longo prazo. Os players do setor movimentam-se apenas baseados em seus próprios números e em observações não muito amplas do mercado. Que tal lançar uma pesquisa que indique, ao menos, se houve crescimento, estagnação ou encolhimento? Ninguém precisa abrir números, só dizer como foi, em dados percentuais, esse primeiro semestre. Todos: veículos, agências e fornecedores. Seria ótimo!!!

Neste momento em que a atividade publicitária lida com grande perda de valor e a quase extinção do tão comentado glamour, nada pior que a atividade econômica perder força. Devemos estar prontos para reagir, para rever estratégias e, principalmente, olhar mais a frente e reposicionar de vez nosso ganha pão.

dia_midia_01[1]

Patricia Cordeiro em foto da época em que atuou no marketing da TV Vanguarda

É hora de lembrar que temos que partir para a briga! Temos que trabalhar mais e não só pelos nossos negócios e sim pelo mercado e atividade como um todo. Trago aqui o comentário feito no post da entrevista do Jair Rodrigues (essa causou mesmo) feito pela nossa querida Patricia Cordeiro. Vale a leitura:

“Que bela entrevista! Sou fã do Jair desde que trabalhamos (eu bem menos que ele) na extinta KS Propaganda, em Taubaté, quando comecei minha carreira profissional, como estagiária. De lá pra cá vi muita coisa do mercado do Vale do Paraíba, São Paulo e agora da região de Campinas. E digo a vocês: não há outro caminho senão um trabalho sério de desenvolvimento de mercado. Pra que vocês não se desesperem, as agências daqui sofrem com a proximidade de São Paulo, e têm problemas comuns, porém, pouco foi feito em conjunto. Agora, o pontapé inicial foi dado. Agências, veículos, anunciantes sentados na mesma mesa pra entender o modelo ideal de negócio da região. É preciso explicar ao mercado anunciante qual é o valor de uma agência e de profissionais competentes. É preciso explicar pras agências, e seus diretores, como se ganha respeito trabalhando de forma ética, criativa, investindo em pesquisas e valorizando o trabalho de seus profissionais. É preciso explicar aos profissionais que só tem valor quem constrói uma carreira de muito trabalho e transparência. Há esperança, mas há também muito trabalho. O mercado será de quem tiver forças e determinação pra fazer a lição de casa.
Um abraço saudoso (que palavra antiga) aos amigos do Vale do Paraíba.”

Simbora arregaçar as mangas porque o bagulho promete ser ainda mais louco neste segundo semestre!