4 perguntas que você precisa fazer sobre mensuração de mídia

Talvez seja hora de rever como você está abordando suas métricas de sucesso

por Fernando Teixeira

Você tem uma estrutura para medir e otimizar suas campanhas de publicidade com foco nas métricas mais importantes do seu negócio? E isso está tornando você mais inteligente como profissional de marketing ao longo do tempo?

Fernando Teixeira é Head of Practice – Advertising na Adobe

À medida que mais e mais formatos de mensuração de mídia são desenvolvidos, é essencial que se conectem as métricas aos objetivos. Infelizmente, muitos aderem a KPIs que podem ser facilmente manipulados e não transmitem valor real de publicidade ao comprador de mídia. Isso pode ser um desafio na hora de otimizar seu desempenho e aproveitar ao máximo os investimentos em anúncios digitais.

Dentro dessa cadeia, quatro questões-chave para pensar:

1. Estou comprando o que acho que estou comprando?

Parece simples, mas não é. Esta questão está relacionada à qualidade da mídia. Questões como visibilidade, fraude e segurança de marca têm sido as perguntas que mantêm os maiores anunciantes acordados à noite. Embora a otimização dessas métricas muitas vezes pareça um desafio já resolvido com tecnologias de ad cloud, pequenas alterações nas equações matemáticas que usamos podem ter grandes retornos.

Vamos começar com a visibilidade. Determinar se um anúncio é visível tem sido uma métrica com a qual a indústria normalmente está obcecada. Embora 100% de visibilidade seja uma meta razoável, nem sempre é a melhor medida de audiência real. As métricas de volume, como o número real de pessoas que podem ver o anúncio, são mais significativas. Portanto, você pode optar por analisar o CPM visível (viewable CPM), que leva em conta a visibilidade assim como o custo final e a contagem total dessas visualizações.

A seguir, está a segurança de marca: meus anúncios realmente são exibidos em um ambiente com o qual estou confortável? Eu comprei espaço nos aplicativos, sites e programas de TV que pretendia comprar? Depois, fraude: realmente exibi anúncios para seres humanos?

A maioria das plataformas de compra agora considera esses tipos de problemas por meio de recursos relacionados à transparência. E, embora as ferramentas não detectem todas as infrações, você pode reagir em tempo real diretamente nessas plataformas.

2. Estou investindo a quantia certa em uma determinada tática ou canal? Existe um ponto de saturação?

Em seguida vem o desafio de equilibrar alcance e frequência em cada canal de publicidade. Já cheguei a um ponto de retorno decrescente em determinada tática ou canal? Existe espaço para crescer? Investir mais dinheiro em uma determinada tática trará valor incremental à marca ou eu estarei alcançando os consumidores que alcancei em outro lugar? Basta lembrar de quantas vezes você viu um banner que não tinha nada a ver com você (ou com seu momento) para saber que a resposta provavelmente é não.

As campanhas de anúncios otimizadas para altos percentuais on-target ou taxas de conversão são inerentemente limitadas na escala de impacto que podem ter para uma determinada marca. Marcas com uma tolerância maior para “perder” em uma base de impressão por impressão, na verdade acabam tendo mais “hits” únicos nos clientes com os quais se importam. Considere a possibilidade de atualizar as métricas para recompensar o alcance exclusivo, analisando itens como Custo por alcance humano ou Custo por ponto único de contato.

3. Meus anúncios digitais estão funcionando para que? Eles, por exemplo, levam mais gente para a loja física?

Essa pergunta precisa entrar na mente do cliente: meu anúncio está funcionando? Quais mudanças de percepção estão sendo criadas que podem levar a mudanças comportamentais?

A clareza na mensuração é crítica aqui. Não é incomum que os compradores de mídia se concentrem em metas conflitantes. Quero ter alcance e frequência. Eu quero melhorar a reputação e vender. É essencial saber o que a campanha está tentando alcançar e alinhar as métricas com essas metas específicas.

Isso parece simples, mas é frequentemente ignorado. Conversões são o objetivo dos anunciantes em geral; mas as marcas que buscam experimentação, por exemplo, podem focar no aumento do número total de consumidores. Considerando marcas que trabalham com uma base de clientes já existente, um volume eficiente de conversões (custo por ação) é mais apropriado.

Você pode dar um passo adiante ao enriquecer essa “ação” no final do custo por ação. As marcas que se concentram na coleta de receita conhecida devem contar os totais de transações de cada ação. As marcas que conduzem o teste e a exploração podem querer analisar as métricas de pré-compra, como o tempo de permanência e as ações totais do site, o que pode sinalizar a exploração e a intenção de compra do produto. E se você é como a maioria das marcas de publicidade no mundo, as principais ações do consumidor acontecem off-line. O uso de feeds de atribuição off-line – como dados de ponto de venda, dados do cartão-fidelidade ou geolocalização – tornou-se algo bastante difundido para solucionar esse problema e muitas marcas agora operam com uma estrutura “aways on” para incorporar o comportamento off-line.

Mas essa compreensão mais rica do comportamento ainda é insuficiente para incorporar o sentimento, métrica que “gruda” tudo isso. Compreender como o sentimento pode se relacionar com o comportamento – em vez de tratá-lo como um objetivo final em si mesmo – pode levar a um entendimento muito mais claro de como seus anúncios estão funcionando e unir seus esforços de mídia e criação. Por exemplo, estabelecer uma correlação entre os picos nas métricas da marca e os comportamentos de compra resultantes da visualização de um anúncio específico pode fornecer insights para que isso seja incorporado em futuros processos criativos.

4. Estamos realmente estimulando novas vendas ou impactando pessoas que já iriam comprar de qualquer jeito?

Por último, a parte difícil. As marcas precisam, em última análise, saber se a campanha publicitária está causando um comportamento que não teria acontecido se elas não tivessem anunciado. Isso é complicado, pois o conceito de “atribuição” sugere que os consumidores que compram depois de ver um anúncio foram influenciados por esse anúncio – uma noção que infelizmente nem sempre é verdadeira.

Veja o exemplo daquele anúncio de calçado que acompanha os consumidores em todo o processo de compra que eles já pretendiam concluir, independentemente dos anúncios. Esses banners estão aí para irritá-lo por um motivo muito específico: os modelos de atribuição são recompensados ao colocar um cookie em você antes de fazer uma compra. Essa miopia é grave para o entendimento dos modelos de atribuição.

E se pudéssemos criar uma janela em que as ações do consumidor iriam ocorrer de qualquer maneira e, em seguida, removê-las da equação na hora de atribuir crédito? Este é o mundo dos testes incrementais que está surgindo rapidamente, impulsionado por um novo conjunto de ferramentas e um crescente entendimento das limitações das métricas de desempenho usadas até hoje.

Essa parte começa a parecer uma aula de ciências, com grupos de teste e controle, “pílulas de açúcar” ou placebos, e a necessidade de uma nova classe de analistas de mídia para interpretar e responder aos resultados. Se isso parece novo e desafiador para você como marca, você provavelmente não está sozinho. Enfatizar a importância das ferramentas de teste incremental com seus parceiros de tecnologia e começar a construir sua equipe para incorporar especialistas em experimentos de publicidade é uma obrigação para marcas que buscam maximizar o impacto de seus anúncios.

Uma pergunta que adoro fazer em reuniões é: “os seus resultados de conversão em mídia excluem o impacto nas pessoas que já iam comprar de qualquer jeito?” A maioria dos profissionais de marketing ainda trava na hora da resposta.

Se você for bem-sucedido nessas estratégias de mensuração avançadas, precisará ter o framework correto. Fazendo essas perguntas a você mesmo e ajustando seus KPIs para permitir a otimização de campanhas em tempo real nas métricas relevantes, você estará criando as bases necessárias para aproveitar ao máximo seus investimentos em compra de mídia.

OBS.: O artigo tem como base o texto original de Tom Riordan, Head of Measurement Services na Adobe

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Comércio tem saldo positivo nas vendas de Natal

As vendas de Natal em 2018 superam a expectativa doo empresários do comércio de São José dos Campos

Isso é o que aponta a nova pesquisa da Associação Comercial e Industrial em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Informação). O levantamento foi feito entre 9 a 11 de janeiro e ouviu 249 empresários, em locais estratégicos: Calçadão da Rua 7, rua 15 de Novembro e shoppings Center Vale, Vale Sul e Colinas.

Segundo o levantamento, 50,8% dos empresários acredita que as vendas de 2018 superaram o patamar de 2017. E para 73,6% dos entrevistados, o patamar de vendas foi classificado como bom ou excelente. A pesquisa corrobora levantamento parcial realizado pela ACI logo após o Natal, que apontava um aumento de 7% nas vendas de dezembro com relação ao mesmo período de 2017. Esse é o segundo ano consecutivo de alta nas vendas de Natal no comércio de São José dos Campos. Em 2017, o aumento nas vendas foi de 5%.

A nova pesquisa ACI/Unitau mostra ainda que 53% dos consumidores optaram por comprar dois presentes de Natal e 23,2%, três presentes. Pelo levantamento, o valor do tíquete médio foi de até R$ 150 pata 48% dos entrevistados.

Para o presidente da ACI, Humberto Dutra, os dados mostram a movimentação da economia pós-mudança de cenário político do Brasil. “A população está mais confiante, acredita que o panorama da nossa economia vai mudar ao longo de 2019”, afirmou Dutra.

Cartão

Com relação a forma de pagamento registrada pelos empresários, a maioria dos consumidores optou por cartão de crédito (78,5%), contra 21,1% pagando em dinheiro ou cartão de débito. Não foi registrado pagamento em cheque.

Fonte: Matéria Consultoria e Mídia – Nathália Barcelos

Neurociência e PDV

PDV e suas influências na decisão de compra

Entender o comportamento e as reações das pessoas no momento da compra é algo que o varejo busca há muitos anos. Mas como transformar o ponto de venda em um local capaz de proporcionar ao consumidor uma experiência de compra diferenciada e agradável, incrementando as possibilidades de vendas? A neurociência tem a resposta.

Esta vertente já é amplamente utilizada na concepção de tecnologias oferecidas pela RDS – Sell Out Expert, líder brasileira na oferta de soluções de Sell Out. O recurso faz toda a diferença no PDV em serviços de áudio e vídeo que incrementam a experiência dos consumidores nas lojas. Nesse sentido, a pesquisadora de Neurociência e estrategista de Marketing & Brand, Érica Ariano, fala sobre como a neurociência aplicada ao Marketing pode beneficiar ações no varejo e como a visão e audição influenciam na decisão de compra.

“O que vamos usar no varejo são estratégias e insights advindos da neurociência. É muito importante entender isso. Os resultados dessa ‘aplicação’ nos dizem, por exemplo, se a estratégia está sendo realmente eficaz para influenciar o consumidor. E, uma vez que ela é respaldada pela neurociência, conseguimos resultados melhores”, explica Érica. Veja mais o que diz a profissional a respeito do tema:

Neurociência no PDV – há duas formas de trabalhar a disciplina no PDV. O profissional capacitado pode identificar se a forma de apresentação de determinados itens ou a ambientação de uma loja é realmente adequada a melhor experiência do consumidor. Entre as técnicas mais usadas estão: pesquisas realizadas in loco e o uso de insights.

Emoções – a neurociência já provou que 95% das nossas decisões são emocionais. O varejo precisa se preocupar com a experiência do consumidor como um todo. Além disso, é fundamental entender quem é o seu consumidor e a resposta está no cérebro dele.

O efeito da marca – empresas que criam memórias no consumidor podem vender até 25% mais que as outras. Detalhes como música, iluminaçao e decoração influenciam na percepção do consumidor a respeito da marca dentro de um estabelecimento.

Abordagem multissensorial – os sentidos são a ligação dos humanos com o mundo externo. Os inputs recebidos (cores, sons, imagens, aromas etc) ativam emoções que levam a ação ou as brecam. Isso vale também para o ato de comprar e é dever do varejista aprender explorar esses sentidos para entregar uma melhor experiência ao consumidor.

Cuidado com a sonorização – sabemos por meio de diversos estudos que a música afeta nossas emoções. Usá-la de forma estratégica, com base nos conhecimentos que a neurociência nos fornece, é uma das coisas que precisa ser melhorada no varejo. Não basta colocar som em um estabelecimento para incrementar vendas. O que estimula a compra é a música certa, no ritmo certo, em adequação com o branding da empresa e de acordo com a estratégia que o varejo quer empregar naquele momento.

Sobre a RDS – Sell Out Expert: A RDS – Sell Out Expert é líder em soluções inteligentes que fortalecem a experiência de compra e as ações de marketing e comunicação no ponto de venda. A empresa, com 21 anos de mercado, é pioneira na criação e transmissão de canais de rádio e TV indoor para o varejo brasileiro. Entre seus clientes estão marcas como Rede Walmart Brasil, Ipiranga (AM/PM), Vivara, Coop, Centauro, Droga Raia e Panvel, entre outros. O portfólio de serviços da RDS inclui Ambientação Musical, Radio Indoor, Sell Out Radio, TV Indoor, Menu Board e Painéis & Grandes Telas. Atualmente, as soluções RDS estão presentes em mais de 50 mil pontos em todo o Brasil.

Fonte: Lucia faria Comunicação Corporativa – Tatiane Oliveira

Exposição “Rota da Liberdade” no Via Vale

Via Vale recebe exposição sobre a presença da mulher negra na moda

Até o fim do mês os clientes do Via Vale Garden Shopping poderão apreciar a exposição “Rota da Liberdade” que nos leva a (re)conhecer a presença da mulher negra na moda e na produção artesanal, recordando as negras responsáveis pelos enxovais das noivas nas fazendas de café, assim como também pela utilização inteligente de materiais para confecção de peças utilitárias em crochê, bordados, das abayomis e das influências na chamada “customização”.

A exposição é uma verdadeira imersão na história que está diretamente interligada à memória do nosso país.

Para Bruna Marcon, responsável pelo marketing do shopping “oferecer ao nosso público exposições como esta, reforçam o nosso compromisso com a arte, a cultura e principalmente com a valorização de nossos artistas regionais”.

As responsáveis por essa incrível exposição são Solange Barbosa e Gorette Pathe, que pensaram com muito carinho em cada item, e cada artista que integrou a mostra.

E nesta quarta-feira, 16 de janeiro, às 19h, Solange e Gorette participarão de uma mesa redonda para debater sobre o tema da exposição. O bate papo é gratuito, aberto ao público e acontecerá na loja Artistas no Garden (piso 2 do shopping).

Serviço:

Exposição Rotas da Liberdade

Período de visitação: até 31/01/2019

Horário: Segunda a sábado das 10h às 22h, domingos e feriados das 13h às 20h.

Local: Espaço Artistas no Garden, piso 2 do Via Vale Garden Shopping

Entrada gratuita

Fonte: Marcela Lima – Marketing Via Vale

Brinquedos gigantes dos anos 80 invadem o Colinas Shopping

Versões especiais de Genius, Aquaplay, Cai-não-Cai e Pula Pirata estão entre as atrações da praça de eventos; atividade para crianças de todas as idades é gratuita

Quem foi criança nos anos 1980 com certeza lembra de alguns dos brinquedos mais clássicos da década, como Pula Pirata, Aquaplay, Cai-não-Cai e Genius, entre outros. Alguns desses jogos foram relançados nos últimos anos e, com o sucesso, ganharam versões gigantes, com até dois metros de altura, para uma exposição interativa: a Brinquedoteka. Agora, eles chegam ao Colinas Shopping, onde ficam disponíveis para crianças de todas as idades (a partir dos 4 anos), de 10 de janeiro a 10 de fevereiro.

Os brinquedos gigantes foram especialmente desenvolvidos para funcionar com a mesma a mecânica dos brinquedos originais. “O objetivo é proporcionar uma atração que envolva toda a família. Quem viveu a infância e a adolescência nas décadas de 80 e 90 vai ter a chance de fazer uma viagem no tempo. É também uma oportunidade para os pais apresentarem aos filhos brincadeiras de uma época em que não existiam tablets, computadores e smartphones”, explica a gerente de marketing, Margarete Sato.

A atração principal de férias do Colinas Shopping ficará na praça de eventos, com entrada gratuita. Os jogos disponíveis, recomendados para crianças a partir dos 4 anos, são:

Genius

Quem lembra do Genius? Na Brinquedoteka do Colinas Shopping, o Mega-Genius tem 2 metros de diâmetro para ser jogado em equipes de quatro pessoas por vez. O desafio é pensar rápido e repetir as sequências de luzes e sons produzidos pelo Genius. O brinquedo busca estimular a memorização de cores e sons. Com um formato semelhante a um disco voador, possui botões coloridos que emitem sons harmônicos e se iluminam em sequência. Cabe aos jogadores repetirem sem errar as sequências, que vão aumentando o grau de dificuldade a cada rodada.

Aquaplay

Imagine um Mega-Aquaplay de 2 metros de altura? Este é o Aquaplay da Brinquedoteka do Colinas Shopping, jogo cujo objetivo é acertar a bola na cesta de basquete.

Futebol de Pinos

Recorda-se do Futebol de Pinos? Na versão original, era um jogo em que uma tábua de madeira retratava um campo de futebol, com pinos ou pregos que representavam os times adversários. A bola, às vezes, era uma moeda ou um pedaço de papel, caso não houvesse uma bolinha. Para movê-la e fazer com que o jogo acontecesse, os participantes utilizavam os dedos para simular os chutes. O objetivo era marcar o maior número de gols possível.

No Mega-Futebol de Pinos da Brinquedoteka do Colinas Shopping, os jogadores se colocam dentro do campo e usam os pés para lançar uma bola de verdade na direção do gol adversário. O futebol de pino pode ser jogado em duplas, e a partida termina com dois gols ou mais.

Cai-não-Cai

Na Brinquedoteka do Colinas Shopping, o Mega-Cai-Não-Cai tem 2 metros de altura e varetas com 2 metros de comprimento cada. O objetivo do jogo é remover as varetas do cilindro sem derrubar as bolas – e quem derrubar menos bolas ganha! O jogo é composto de um cilindro de acrílico, onde há diversos furos para encaixar as varetas. Por cima das varetas são colocadas as bolas. Os jogadores vão retirando as varetas uma de cada vez, tentando evitar que as bolinhas caiam no fundo do tubo. Quem derrubar uma bolinha fica com ela até o final do jogo.

Pula Pirata

O Pula Pirata é mais um sucesso dos anos 80 que está na Brinquedoteka do Colinas Shopping em versão gigante! O jogador será eliminado se, ao colocar a espada no furo, ocasionar o salto do pirata para fora do barril.

Totem Games

Para os fãs de games, a Brinquedoteka tem um lugar especial com quatro videogames que marcaram época. Entre eles, Atari, Mega Drive, Super Nintendo e Master System, todos prontos para serem jogados em televisores de 32 polegadas. O público poderá se divertir com jogos clássicos como Pac-Man, Sonic e Super Mario Bros.

Serviço:

Brinquedoteka (atração de Férias Colinas Shopping)

Onde: na praça de eventos Colinas Shopping (Avenida São João, 2.200, Jardim das Colinas).

Quando: 10 de janeiro a 10 de fevereiro de 2019. Todos os dias, das 14h às 20h.

Faixa etária: a partir dos 4 anos

Entrada gratuita

Fonte: Cabana Work – Suzane Rodriguez

Pátio Pinda realiza grande promoção de queima de estoque

O grande Saldão de Natal acontece de 09 a 13 de janeiro e conta com a participação de inúmeras lojas

O Shopping Pátio Pinda quer entrar em 2019 com o pé direito, e para isso é preciso deixar 2018 definitivamente para trás. Pensando em renovação total, o centro comercial preparou uma promoção imperdível para seus clientes: o Saldão de Natal, que começa na quarta-feira (09) de janeiro e se estende até domingo (13).

As ofertas vão agradar o bolso dos clientes, e as lojas participantes estão aproveitando para deixar as suas vitrines ainda mais enfeitadas. Os descontos serão abrangentes, chegando a 50% ou até mesmo 70%.

“É de costume do shopping fazer grandes promoções após datas comemorativas que aquecem o comércio. Essa é uma ação que impacta positivamente, possibilitando aos lojistas liquidar o estoque, e também para os consumidores que podem achar produtos com preços ainda mais acessíveis”, diz Amanda Moreira, analista de marketing do Shopping Pátio Pinda.

Fonte: Communicare – Giovanni Romão

Vencedor da promoção de Natal do Taubaté Shopping é anunciado

Mais de 63 mil cupons foram arrecadados durante a campanha

Quem não gostaria de levar para a casa um Nissan Kicks 1.6 S 0km? Nesta segunda-feira (7), a professora de dança, Maria Cristina Barroso Torino, levou esse prêmio especial no sorteio da promoção de Natal do Taubaté Shopping. A campanha, que teve início na primeira quinzena de novembro, foi encerrada no último domingo (6).

Em suas compras de fim de ano, a ganhadora adquiriu celular, óculos e roupas, entre outros produtos durante o período promocional e recebeu cupons em dobro por realizar as trocas dos cupons fiscais de segunda a quinta-feira. Maria Cristina participou do sorteio com 30 cupons. “Ficamos muito felizes com a notícia. Minha filha Larissa, de cinco anos, estava muito confiante. A sorte veio dela”, comentou.

Para participar, os clientes precisavam trocar seus comprovantes de compras acima de R$300 por cupom do sorteio. Durante a campanha foram arrecadados mais de 63 mil cupons.

Fonte: Communicare – Camila Dezze

ACIT realiza último sorteio da campanha de natal TaubatAamo

Foram R$ 37 mil em premiação no mês de dezembro

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) realizou o último sorteio da promoção “Meu Natal Vale Mais”, que está dentro da campanha TaubateAmo 2018, desenvolvida junto ao comércio local. O evento aconteceu no último dia 04 de janeiro, sexta-feira, na sede da instituição e foi aberto ao público interessado.

Apenas esse mês, somando as duas datas de sorteios, foram distribuídos R$ 37 mil para 12 consumidores e, também, para 12 vendedores que estavam registrados nos cupons contemplados.

Os ganhadores dessa última etapa vão receber cartões presente no valor de R$ 5 mil cada, e os vendedores recebem cartões no valor de R$ 1 mil cada.

Os ganhadores e vendedores devem retirar seus cartões na sede da ACIT e poderão trocá-los em diversas lojas participantes da promoção, sempre respeitando o valor mínimo.

A campanha TaubateAmo aconteceu ao logo de 2018 com promoções e premiações nas principais datas comemorativas, importantes para o comércio. Todos os cupons distribuídos ao longo do ano participaram da promoção de natal, que ofereceu uma segunda chance ao consumidor.

O valor da premiação distribuída ao longo do ano chega quase a R$ 50 mil. Com essa promoção, a ACIT gerou a movimentação no comércio em 2 momentos, na realização das compras e, depois, com o valor dos cartões, que podem ser gastos em qualquer estabelecimento participante do fundo promocional e de maneira fracionada, ou seja, um mesmo cartão pode ser usado para realizar compras em várias lojas.

Para 2019, A ACIT deve trazer novidades nas promoções e uma nova campanha já está sendo elaborada. Em breve deve ser divulgada aos associados e consumidores.

Fonte: Acontece Comunicação, Cerimonial e Eventos

As carteiras digitais já estão entre nós!

Carteiras digitais: O próximo passo da mobilidade

por Jean Christian Mies, presidente da Adyen para a América Latina

A evolução da tecnologia nos últimos anos vem mudando muita coisa: a forma como trabalhamos, como escutamos música, como nos conectamos a outras pessoas. Não seria diferente com a nossa relação com o dinheiro. Você se lembra da última vez que precisou fazer um saque no caixa eletrônico ou ter o cartão em mãos para fazer uma compra? Não foi só o dinheiro que se digitalizou, mas as nossas carteiras também.

Foto: Pixabay

No último ano, o Brasil passou a receber as chamadas ewallets, ou carteiras digitais, entre elas Google Pay™, Apple Pay e Samsung Pay. Imagine realizar compras nas lojas apenas encostando o smartphone em uma maquininha (POS), ou entrar em um novo site de compras em que todos os dados do seu cartão já estão cadastrados, sem que você tivesse que preencher longos formulários?

As demandas dos consumidores por praticidade e segurança se tornam cada vez mais sofisticadas e a tecnologia necessária para tornar isso realidade já existe. Não estamos falando de uma quebra de paradigmas, mas sim da união do uso inteligente de dados às tecnologias de mobilidade existentes para tornar os pagamentos imperceptíveis no nosso dia a dia.

Como funcionam?

As carteiras digitais são tecnologias desenvolvidas para dispositivos móveis, como smartphones e tablets. São aplicativos baseados em softwares de criptografia que criam uma identidade digital (conhecida como token) com os dados financeiros. A tecnologia pode ser aplicada a qualquer site ou aplicativo de compras, basta clicar uma só vez na tela ou aproximar o aparelho de um terminal POS habilitado nas lojas físicas para que a carteira insira as informações tokenizadas e realize o pagamento.

E nada de senhas. As carteiras digitais foram desenvolvidas para serem muito mais seguras que a navegação online, já que utilizam um código PIN gerado na hora ou o reconhecimento biométrico digital ou facial para identificar e autorizar a transação. Ou seja, os detalhes do cartão se tornam desnecessários, sendo substituídos por um identificador de dados, exclusivo e criptografado. É um diferencial importante, especialmente se considerarmos que apenas 20% dos brasileiros se sentem completamente seguros ao realizar compras online, segundo estudo do SPC Brasil e da CNDL.

Foto: Pixabay

Para assegurar a usabilidade dessas tecnologias por outros aplicativos, sites e estabelecimentos, as carteiras utilizam APIs (Application Programming Interfaces) abertas. As APIs são estruturas de programação que servem como portas: elas permitem o fluxo de informação entre diferentes sistemas. No caso das ewallets, as APIs deixam que os dados bancários criptografados do smartphone sejam acessados pelo aplicativo, site ou POS da outra empresa. Nas lojas físicas, essa comunicação pode ser feita via aproximação NFC (Near Field Communication), bluetooth ou até mesmo via QR code – é só apontar a câmera para o código impresso, como é feito com as bicicletas compartilhadas da Yellow.

Sucesso em outros países

Substituir a carteira pelo smartphone já é uma realidade em muitas partes do mundo. Globalmente, cerca de 60% dos pagamentos processados pela Adyen já ocorrem via smartphones, impulsionados pelo uso das carteiras digitais. Segundo o estudo Global Payment Methods, da Adyen, aproximadamente 70% da população economicamente ativa da China já tem nas carteiras digitais o principal meio de pagamento.

As duas maiores ewallets do país, WeChat e Alipay, movimentaram cerca de 3 trilhões de dólares em transações em 2016. O método de pagamento foi adotado até mesmo por vendedores de barracas de comida de rua e por profissionais que trabalham com serviços e gorjetas, como garçons. Alguns já possuem até um QR Code estampado nos uniformes para essa finalidade. Fora dos negócios, os pais também passaram a dar mesada para os filhos por suas contas digitais. A pesquisa aponta ainda que outros países seguem a mesma tendência: 17% das transações feitas na Austrália e 14% das realizadas na Rússia já são feitas por ewallets.

Já nos Estados Unidos, a carteira digital Apple Pay se tornou um dos principais recursos para pagamentos da rede de farmácias Walgreens. A ewallet é tão popular que foi associada ao programa de fidelidade da marca para aplicar descontos. A Apple estima que até o final de 2018, 60% das lojas americanas estarão integradas com o método de pagamento.

Crescimento no Brasil

Apesar de ainda ser recente no Brasil, o uso do método de pagamentos cresceu 50% na plataforma da Adyen só nos últimos três meses. Estamos diante de uma transformação definitiva no uso de dinheiro físico e de cartões de crédito no país, e as carteiras digitais apareceram para liderar esse movimento.

O crescimento é resultado da conveniência e praticidade que elas fornecem ao consumidor. Do outro lado, o ganho dos varejistas também é maior com um novo canal para se relacionar com o cliente e com a segurança aliada à tecnologia. A combinação da tokenização com a tecnologia de reconhecimento de digital elimina quase que completamente o risco de fraudes e diminui exponencialmente a ocorrência de chargebacks, processo em que o banco cobra da empresa o valor de uma compra não reconhecida pelo titular do cartão, a fim de ressarci-lo.

Os pioneiros a adotar a tecnologia no país incluem empresas como Magazine Luiza, iFood, Dafiti e OLX. A expectativa é que, cada vez mais, outros setores além da mobilidade e do varejo se unam ao movimento. Se essas empresas, referências em inovação, escolheram seguir esse caminho, o que te impede de trilhá-lo também?

Fonte: Smart PR – Rodrigo Sérvulo

Via Vale promove Liquidação de Verão com descontos de até 80%

Via Vale promove ‘Liquida Garden Verão’ com descontos de até 80% nas compras

Quem deixou para realizar as compras no início do ano pode aproveitar a tradicional “Liquida Garden Verão”, liquidação realizada pelo Via Vale Garden Shopping com descontos em pelo menos 20 lojas do mall. A Campanha tem início no dia 03 e vai até o dia 06 de janeiro. No mix de variedades estão roupas, acessórios, decoração, joias, alimentação e academia, entre outros produtos com preços atrativos. “A ‘Liquida Garden Verão’ é uma ótima oportunidade de comprar aquele produto tão desejado por um valor mais acessível”, destaca Bruna Marcon, Coordenadora de marketing do Shopping.

A liquidação não tem como foco apenas o público feminino, os homens também têm desconto garantido em bermudas, camisetas, jeans, óculos, perfumes e muito mais. A recém-inaugurada, Simulassão, oferecerá descontos de até 80% em peças selecionadas. Já a Havan, Renner, Ilha do Mel e a Academia Black Fit, estarão com descontos de até 50%. Descontos imperdíveis também na Riachuelo, Loja Benetti, Inovar, Gold Finger, Cenário Kids One Store, Companhia do Churrasco, Miroa, Impera e Constance.

As promoções são válidas para produtos selecionados. A ‘Liquida Garden Verão’ acontece em horário normal de funcionamento do shopping.

Fonte: Marketing Via Vale – Aline Duarte