Coluna Entre Parenteses

Novas tecnologias: Nós e o mundo moderno

coluna renata

“Todos os dias quando acordo não tenho mais o tempo que passou, mas tenho muito tempo” – Já dizia o sábio músico Renato Russo. Não temos mais aquele tempo que passou, não temos mais aquela infância pacata com jogos no Super Nintendo e alguns gibis espalhados pela casa. No entanto, nos dias de hoje temos muito mais que ontem, seja em termos de bagagem cultural, como em termos de tecnologias.

Como jovem nascida nos anos 90, eu pude assistir de perto todos esses avanços e também, todas as mudanças trazidas pelas novas tecnologias. A princípio, a possibilidade de poder se comunicar com pessoas que nem sequer estavam no mesmo continente que nós, parecia algo atraente, mas pouco provável. Com a evolução do mundo e também com os novos meios de comunicação, os paradigmas da distância foram rompidos e a ligação com pessoas de todo o mundo foi, com certeza, um marco para a sociedade que com o passar do tempo foi cada vez mais ampliando seus acessos ao mundo moderno.

Dito isto, o que quero é chamar sua atenção para a nossa relação atual com toda essa tecnologia. Afinal, no mundo moderno, é muito natural mudarmos de gostos e opiniões a todo o momento. No entanto, o que um dia já diminuiu distâncias, hoje acabou por aumenta-las ainda mais.

Em busca de likes e views, perdemos a essência dos relacionamentos, o contato próximo e profundo. Tornamo-nos pessoas rasas, lemos apenas manchetes, compartilhamos links e sem ao menos nos importar com os conteúdos, copiamos e colamos notícias em todas as nossas redes sociais. Uma atitude que pode ser considerada normal para uma geração denominada por y ou z, mas que releva tamanha carência de conteúdo. Afinal nascemos com tudo isso e aprendemos que nossas relações na internet acabam por ser mais importantes que nossas relações no mundo real.

facebook-1084449_640

Façamos uma breve comparação:
Estamos no ano de 2005, você e seus amigos saem para ir a um barzinho, todos riem, conversam e se divertem. Agora, em 2012, você e seus amigos saem para ir a um barzinho, todos tuitam, publicam fotos no facebook e acabam por nem trocar meia dúzia de palavras, mas todos que visualizaram as publicações viram a ‘diversão’ que vocês tiveram.

Não é estranho? Mas não me entenda mal, as tecnologias devem ser nossas aliadas em nossas comunicações profissionais e pessoais. Percebam quantas vantagens nós temos em relação àqueles jovens que precisaram ler centenas de livros em diferentes bibliotecas para fazer apenas um trabalho de escola. Nós temos o mundo a um clique, mas não podemos nos perder em nossas infinitas possibilidades.

É necessário buscar fontes, verificar fatos e, mais que nunca, questionar notícias, histórias e situações antes de compartilhá-las. Precisamos usar nossa liberdade a nosso favor, ao invés de nos tornamos uma geração que nada cria, mas que tudo compartilha.

Podemos e devemos usar e abusar de toda tecnologia que nos é dada, principalmente para questionarmos e reivindicarmos todos os nossos direitos. E eis o ponto que gostaria de chegar, não se contente com os links que chegam até você via WhatsApp, busque novas fontes, discuta novas ideias e desconstrua-se a todo momento. Afinal, com tanta evolução tecnológica não é possível que você se dê por satisfeito apenas com um CTRL C + CTRL V.