Vigésimo terceiro Festup – Segundo dia

Vigésimo terceiro Festup – Segundo dia
Eu vi o novo!
O domingo começou bem demais. Resolvi acompanhar a palestra da CuboCC. E foi a melhor coisa que fiz! O que eu assisti ali me fez tuitar: acabei de dar de cara com o novo. E foi isso mesmo. Quem comandou a palestra foi Roberto Martini, sócio fundador da empresa.
A CuboCC é uma agência (?) que começou como digital e passou a ser integrada. Tem sete anos de atuação. E busca entregar resultados através de um foco muito grande em planejamento. Mas nada lá é parecido com as estruturas de agências que conhecemos. O seu core é produzir tudo que foi pensado dentro da própria estrutura. Eles têm, por exemplo, uma produtora de vídeo acoplada a sua estrutura.
Em pesquisa recente, foi aclamada como uma das melhores agências (?) para se trabalhar no Brasil. E além de estar presente aqui em São Paulo, tem também uma operação em San Francisco, EUA.
Um dos cases mais legais que eles mostraram foi o Mr. Pimpa para a Axe. O case Axe Music Star.
Roberto finalizou dizendo que o ideal hoje é “explodir” a comunicação em vários canais, amarrando tudo com uma forte idéia criativa.
Inovação em mídia
Resolvi assistir, pelo terceiro ano consecutivo, um módulo em que Bartira Pontes, da BorghiErth Lowe, palestraria. Junto com ela estava Alessandre Siano da Africa.
Apesar de já ter assistido a Bartira duas vezes não me arrependi. Ela atualizou a palestra e trouxe novos cases para mostrar. Começou dizendo que são as pessoas que dão ritmo para as inovações em comunicação, e não a tecnologia.
Bartira mostrou que antes o consumidor não podia responder pelo mesmo canal em que recebia as mensagens. Agora pode, além de conseguir  interagir por vários outros. Dentro deste panorama, o desafio é escutar e dialogar.
Ela tratou também do que chama de estratégia do Call to Action: usar as mídias para deixar uma trilha de conexões que conduzam ao consumo, a busca pela marca. Bartira disse também que está na hora de aprender interagindo: não existe fórmula, há experiências bem e mal sucedidas. Só que quem faz primeiro, aprende primeiro.
Já o segundo palestrante deste módulo, o Alessandre, focou sua palestra no case Eduardo&Mônica para a Vivo. Disse ele que este case é o projeto de Branded Content mais visto na internet brasileira. Foram mais de 6 milhões de views nos primeiros 6 dias de ação.
Alessandre disse que Eduardo&Mônica foi um projeto “sem grade”, porém extremamente bem planejado.
Som, muito som!
Decidi acompanhar a palestra de áudio do Kito Siqueira, proprietário da Satélite e também presidente da APROSOM. Além disso ele também é saxofonista do Funk como Le Gusta.
A palestra dele foi simples, mas bastante interessante. Ele mostrou que para produzir som o profissional deve possuir amplo conhecimento de música, mas não apenas no sentido de saber fazer música, mas sim de entender a variedade enorme de possibilidades que a música e os sons possuem.
Mostrou diversos trabalhos de sua agência e comentou alguns mais detalhadamente para exemplificar justamente essa questão da diversidade sonora. Falou de algumas dificuldades de produção e algumas dificuldades também da relação produtora-agência e produtora-cliente. Apontou que o caminho para superar todas as dificuldades é o trabalho forte e o alto profissionalismo.
Um soco no estômago!
Decidi, até por indicação de um grande amigo que é atendido por ele, assistir o Gil Giardelli para fechar o meu Festup deste ano. E foi um senhor fechamento. Confesso a vocês que fiquei tão hipnotizado pela apresentação dele que não consegui anotar nada.
Gil soube misturar, em doses exatas, informação/conhecimento com emoção. Usou filosofia e sociologia, grandes pensadores e até a Grécia antiga. E misturou tudo isso com cases espalhados pelo mundo.
Bateu muito na tecla que através das ferramentais digitasi podemos construir uma sociedade melhor, mais libertária e mais justa. E que isso é a verdadeira inovação. Ah, sim, seu módulo era de inovação.
Confesso que ao final de sua fala meus olhos estavam cheios de lágrimas e um nó enorme se instalou na minha garganta. Demorei para, assim como todo o auditório, levantar para aplaudi-lo de pé. Foi um soco no estômago. E me fez ficar refletindo por horas.
.Isso é que é bom nos Festups: fazer a gente ficar pensando por dias, depois de ter sido convenientemente provocado.
Até o vigésimo quarto!

Eu vi o novo!

O domingo começou bem demais. Resolvi acompanhar a palestra da CuboCC. E foi a melhor coisa que fiz! O que eu assisti ali me fez tuitar: acabei de dar de cara com o novo. E foi isso mesmo. Quem comandou a palestra foi Roberto Martini, sócio fundador da empresa.

A CuboCC é uma agência (?) que começou como digital e passou a ser integrada. Tem sete anos de atuação. E busca entregar resultados através de um foco muito grande em planejamento. Mas nada lá é parecido com as estruturas de agências que conhecemos. O seu core é produzir tudo que foi pensado dentro da própria estrutura. Eles têm, por exemplo, uma produtora de vídeo acoplada a sua estrutura.

Palestra da CuboCC com Roberto Martini

Palestra da CuboCC com Roberto Martini

Em pesquisa recente, foi aclamada como uma das melhores agências (?) para se trabalhar no Brasil. E além de estar presente aqui em São Paulo, tem também uma operação em San Francisco, EUA.

Um dos cases mais legais que eles mostraram foi o Mr. Pimpa para a Axe. O case Axe Music Star.

Roberto finalizou dizendo que o ideal hoje é “explodir” a comunicação em vários canais, amarrando tudo com uma forte idéia criativa.

Inovação em mídia

Resolvi assistir, pelo terceiro ano consecutivo, um módulo em que Bartira Pontes, da BorghiErth Lowe, palestraria. Junto com ela estava Alessandre Siano da Africa.

Apesar de já ter assistido a Bartira duas vezes não me arrependi. Ela atualizou a palestra e trouxe novos cases para mostrar. Começou dizendo que são as pessoas que dão ritmo para as inovações em comunicação, e não a tecnologia.

Bartira Pontes e Alessandre Siano

Bartira Pontes e Alessandre Siano

Bartira mostrou que antes o consumidor não podia responder pelo mesmo canal em que recebia as mensagens. Agora pode, além de conseguir  interagir por vários outros. Dentro deste panorama, o desafio é escutar e dialogar.

Ela tratou também do que chama de estratégia do Call to Action: usar as mídias para deixar uma trilha de conexões que conduzam ao consumo, a busca pela marca. Bartira disse também que está na hora de aprender interagindo: não existe fórmula, há experiências bem e mal sucedidas. Só que quem faz primeiro, aprende primeiro.

Já o segundo palestrante deste módulo, o Alessandre, focou sua palestra no case Eduardo&Mônica para a Vivo. Disse ele que este case é o projeto de Branded Content mais visto na internet brasileira. Foram mais de 6 milhões de views nos primeiros 6 dias de ação.

Alessandre disse que Eduardo&Mônica foi um projeto “sem grade”, porém extremamente bem planejado.

Som, muito som!

Decidi acompanhar a palestra de áudio do Kito Siqueira, proprietário da Satélite e também presidente da APROSOM. Além disso ele também é saxofonista do Funk como Le Gusta.

A palestra dele foi simples, mas bastante interessante. Ele mostrou que para produzir som o profissional deve possuir amplo conhecimento de música, mas não apenas no sentido de saber fazer música, mas sim de entender a variedade enorme de possibilidades que a música e os sons possuem.

Mostrou diversos trabalhos de sua produtora e comentou alguns mais detalhadamente para exemplificar justamente essa questão da diversidade sonora. Falou de algumas dificuldades de produção e algumas dificuldades também da relação produtora-agência e produtora-cliente. Apontou que o caminho para superar todas as dificuldades é o trabalho forte e o alto profissionalismo.

Um soco no estômago!

Decidi, até por indicação de um grande amigo que é atendido por ele, assistir o Gil Giardelli para fechar o meu Festup deste ano. E foi um senhor fechamento. Confesso a vocês que fiquei tão hipnotizado pela apresentação dele que não consegui anotar nada.

Gil soube misturar, em doses exatas, informação/conhecimento com emoção. Usou filosofia e sociologia, grandes pensadores e até a Grécia antiga. E misturou tudo isso com cases espalhados pelo mundo.

Bateu muito na tecla que através das ferramentais digitais podemos construir uma sociedade melhor, mais libertária e mais justa. E que isso é a verdadeira inovação. Ah, sim, seu módulo era de inovação.

Confesso que ao final de sua fala meus olhos estavam cheios de lágrimas e um nó enorme se instalou na minha garganta. Demorei para, assim como todo o auditório, levantar para aplaudi-lo de pé. Foi um soco no estômago. E me fez ficar refletindo por horas.

Isso é que é bom nos Festups: fazer a gente ficar pensando por dias, depois de ter sido convenientemente provocado.

Até o vigésimo quarto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *