ACI e Unitau selam acordo para pesquisas de mercado

Serão 10 rodadas de pesquisas ao longo do ano, começando com a expectativa de compras do consumidor de S. José para o Dia das Mães

A Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos e a Universidade de Taubaté assinaram um acordo para a realização de uma série de pesquisas de opinião, com consumidores e empresários, tendo como foco as principais datas comemorativas do comércio. Os levantamentos serão realizados pelo Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais), da Unitau.

Imagem de Arek Socha do Pixabay

Serão 10 rodadas de pesquisa ao longo de 2021, a primeira com a expectativa de compra dos consumidores frente ao Dia das Mães. Também serão realizados levantamentos com foco no Dia dos Namorados, aniversário de São José dos Campos, Dia das Crianças e Natal. Os levantamentos serão realizados em áreas de grande circulação do comércio: Calçadão da Rua 7, eixo da Rua 15 e nos shoppings CenterVale, Centro, Colinas e Vale Sul.

Para a presidente da ACI, Eliane Maia, as pesquisas vão fornecer indicadores estratégicos e de qualidade, que irão auxiliar os lojistas a se programarem frente a cada data específica, além de servirem como um retrato fiel do comportamento dos consumidores e da economia ao longo do ano. “Estamos investindo nessas pesquisas porque acreditamos no resultado positivo que elas terão para a ACI, para os empresários e para a sociedade, no contexto geral. ”, disse.

A pró-reitora de Extensão da Unitau, Letícia Maria Costa, a quem o Nupes está ligado, considera a parceria entre a universidade e a ACI como estratégica. “As pesquisas desenvolvidas pelo Nupes são uma referência para toda a Região Metropolitana do Vale do Paraíba graças à sua credibilidade. Estender nossos serviços, por meio desta parceria com a ACI de São José dos Campos reflete nosso compromisso com o desenvolvimento regional.”

Os primeiros resultados da série de pesquisas ACI/Unitau serão divulgados na próxima semana, pouco antes do Dia das Mães.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Gabriel Camacho

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Engajamento geral do Instagram aumentou e o do Facebook diminuiu

O engajamento geral do Instagram aumentou e o do Facebook diminuiu na pandemia, aponta pesquisa da mLabs

Os dados apresentados pela maior plataforma de gerenciamento de mídias sociais do Brasil também revelam que o setor de Finanças foi o que teve melhor performance no Instagram no final do ano passado

Desde o início da pandemia e o consequente movimento de aceleração da transformação digital, com a entrada de novos negócios nas mídias sociais, o Instagram tem se tornado cada vez mais o centro das ações. O canal continua com Taxas de Engajamentos superiores às do Facebook, sendo a média dessa rede cerca de quatro vezes maior. Esse é um dos principais resultados da pesquisa Engajamento Facebook e Instagram 2021, realizada pela mLabs, a maior plataforma de gerenciamento de mídias sociais do Brasil. Essa é a primeira pesquisa no mercado brasileiro que traz o engajamento real e não o público, ao mostrar a Taxa de Engajamento por meio do alcance e impressões dos posts, e não pelo número de seguidores.

“Isso traz um resultado mais fidedigno, pois outras pesquisas não têm acesso às informações de alcance e impressões como a mLabs tem, com um tamanho da base de dados que temos. Na metodologia, dentre outros pontos, avaliamos mais de 700 milhões de posts publicados pela mLabs”, explicou Rafael Kiso, fundador e CMO da mLabs. “Com isso, buscamos trazer percepções gerais que servem como um parâmetro para aqueles que estão dando os primeiros passos ou buscam aprimorar sua estratégia no Facebook e no Instagram”, completou.

De acordo com a pesquisa, o Feed do Instagram apresentou uma Taxa de Engajamento de 9,30% no último trimestre de 2020, 7,29% maior do que no primeiro trimestre do mesmo ano. Em contrapartida, o Facebook apresentou uma queda de 7,69%, quando comparado o último trimestre de 2020 ao primeiro. Para a análise de engajamento, são considerados curtidas, compartilhamentos, comentários, cliques, reactions (Facebook) e interações nos recursos do Instagram Stories. Os dados revelaram também que, no período analisado, o Feed do Instagram engajou mais do que o formato Stories. A média da Taxa de Engajamento do Feed foi 36% maior, o que reforça a importância de empresas, profissionais da área e agências trabalharem os dois formatos na estratégia de forma integrada e complementar.

Outro dado a ser observado é que, na maioria dos setores, os perfis menores, isto é, o de até 10 mil seguidores, engajaram mais. No Instagram, eles obtiveram um crescimento médio de 10,79% na Taxa de Engajamento no último trimestre de 2020; já no Facebook, o incremento foi de 2,59%.

Rafael Kiso

“Na pesquisa da mLabs, apesar da maioria dos perfis menores terem taxas de engajamento maiores, isso não foi absoluto para todas as categorias. Além disso, as taxas não são tão distantes entre as faixas. Isso eleva a importância de que o conteúdo em si é que manda nessa relação de taxa de engajamento e todo o resto são variáveis periféricas. E dentro dos perfis menores, um fato a ser destacado é que eles geralmente têm taxas de engajamento maiores em função do Dunbar’s number, muitos dos seguidores são mais próximos do perfil ou do negócio, são elos mais fortes que acabam engajando mais em mais posts”, explicou Rafael Kiso. “Outro fato é que, conforme a pandemia avança, mais negócios entram nas redes sociais, fazendo sua digitalização. Quanto mais negócios, mais posts dentro de uma mesma rede. Portanto, maior a concorrência pela atenção. Isso diminui o alcance médio geral dos posts, mas não necessariamente o engajamento. Tudo isso fica evidente ao ver que o engajamento geral do último trimestre de 2020 foi maior que o do primeiro. Mais uma prova de que o conteúdo em si é que pesa mais. Para isso, as empresas estão aprendendo a fazer melhor seus conteúdos, visto que, ao longo de 2020, muitos procuraram se educar sobre o assunto. Inclusive, de acordo com o Google Trends, tivemos em abril e maio de 2020 um pico de buscas por conhecimento de marketing digital e uma proliferação de lives ensinando isso”, declarou o fundador da mLabs.

Finanças, o setor com maior engajamento no Instagram

A crise e todas as demais variáveis provocadas pela pandemia fizeram com que as pessoas se interessassem e interagissem mais com marcas do setor financeiro. Essa afirmação pode ser confirmada pelo resultado da pesquisa da mLabs, que mostrou que no Instagram, o setor de Finanças foi o que apresentou a melhor performance no final do ano passado em comparação ao primeiro trimestre de 2020, com crescimento de 35,97% na Taxa de Engajamento.

Outros setores que também tiveram incremento na Taxa de Engajamento no Instagram foram Saúde/Higiene e Celebridade/Figura Pública, com crescimento de 31,84% e 20,94%, respectivamente. As últimas posições são ocupadas pelos segmentos de Esporte, Automotivo / Alimentos e Eletrônicos. Esses setores foram os que pior performaram na comparação entre o último e o primeiro trimestre do ano passado no canal, apresentando queda de 14,70%, 10,79% e 10,21% respectivamente.

Bebidas, o setor com maior engajamento no Facebook

Já no Facebook, quem apresentou melhor performance foi o segmento de Bebidas, que teve um crescimento de 86,73% na Taxa de Engajamento no final do ano de 2020 em comparação com o primeiro trimestre do mesmo ano. Outros que tiveram boa performance no canal foram os de Celebridades/Figura Pública e Esportes, com crescimento de 11,37% e 0,61%, respectivamente.

As últimas colocações no ranking de engajamentos no Facebook são ocupadas por Eletrônicos, Moda / Luxo / Beleza e Alimentos. Esses segmentos foram os que pior performaram na comparação entre o último e o primeiro trimestre de 2020 no canal, apresentando queda de 42,31%, 41,44% e 41,31% respectivamente.

Para a realização da pesquisa, que teve como objetivo contribuir para o entendimento do comportamento dessas mídias pelos profissionais da área e pela comunidade empreendedora, foram coletados dados de perfis comerciais, que possuem até 500 mil seguidores, entre janeiro e dezembro de 2020, e também analisadas mais de 720 milhões de publicações agendadas pela mLabs.

A pesquisa completa está disponível no site da plataforma

Fonte: vcrp – Nahiza Monteles

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

TV Conectada ganha penetração e se populariza

Estudo smartclip e Nielsen mostra que 89% utilizam TV Conectada; dispositivo ganha penetração e se populariza

  • 77% dos respondentes das Classes CDE dizem ter o aparelho
  • Apesar disso, para 57% dos entrevistados preço ainda é uma barreira
  • 80% dos respondentes declararam que utilizam TV Conectada diariamente.
  • Séries e filmes são assistidas por 93%, noticiário atinge 67%

A smartclip, companhia global especializada na distribuição de publicidade em vídeo multitelas, realizou em parceria com a Nielsen, empresa global de dados e análises da indústria de mídia, uma pesquisa com o objetivo de compreender o comportamento do consumidor na TV Conectada. O estudo revela que 89% dos participantes possuem uma TV Conectada em casa, um número significativo em relação à 2015, quando a penetração era de 32%.

O crescimento expressivo do uso dos aparelhos de televisão inteligentes veio acompanhado de grande capilaridade nas classes CDE, mostrando que o acesso não está apenas restrito à população com maior nível de renda.

Apesar de a plataforma estar presente em praticamente todos da classe A (99%) e B (95%), ela também tem presença em 77% de CDE, com destaque para a C, com 83% de utilização, mostrando que a TV Conectada é um formato consolidado para a audiência do país.

“Cada vez mais o produto se populariza, acompanhando a digitalização acelerada do brasileiro”, afirmou a líder de Measurement da Nielsen Brasil, Sabrina Balhes. “Um dado interessante é que, para driblar esse entrave, 23% dos respondentes disseram utilizar dispositivos que transformam as TVs normais em conectadas”, acrescentou.

O preço, porém, ainda é a principal barreira de utilização para 57% dos respondentes, seguido por não costuma assistir TV com frequëncia (27%), não pretender trocar de TV (19%), não possuir internet banda larga (13%) e ter TV à cabo (9%).

CONTEÚDO

O esforço para estar mais conectado deve-se à variedade de conteúdos de vídeo sob demanda disponíveis e poder assistir a o que quer na hora que quer. Não por acaso, o isolamento social, provocado pela pandemia de Covid-19, potencializou o consumo de conteúdo dos aplicativos embarcados nos devices, sejam eles gratuitos ou pagos: 80% dos respondentes declararam que utilizam TV Conectada diariamente.

Com isso, todos os segmentos de programação registraram crescimento em relação ao estudo feito em 2015: séries e filmes, passou de 69% a 93%; noticiário, de 17% para 67%; esportes, de 10% para 53%; e música e shows, de 4% para 50%. Games, que não haviam aparecido há seis anos, hoje é consumido por 26%.

Outro comportamento revelado é sobre a forma como os usuários consomem o device: 2 em cada 3 pessoas assistem com pelo menos mais uma pessoa junto. Quem não assiste sozinho, costuma estar acompanhado de familiares e amigos. Sendo assim, a média é de 2 pessoas em frente a tela.

OPORTUNIDADES

De acordo com os dados, a smart TV é o segundo dispositivo no qual as pessoas mais prestam atenção nos anúncios. Para Lilian Prado, Managing Director da smartclip Brasil, “as telas grandes retém muito mais a atenção dos consumidores. Geralmente, no momento em que estão zapeando pelos aplicativos para escolher o conteúdo que será consumido, eles estão com o foco direcionado. Não à toa que mais de 80% dos respondentes afirmaram procurar mais informações de pelo menos um anúncio que visualizaram na CTV. Motivos que fazem do device uma excelente estratégia para a veiculação de campanhas publicitárias”, afirma.

O uso de QR Codes também foi um destaque do estudo. 58% das pessoas escaneiam os códigos que aparecem na TV e 81% já realizaram, ao menos uma vez, compras através do QR Code.

O estudo, realizado em março de 2021, ouviu 500 respondentes em todas as regiões do país.

Fonte: smartclip l 4Influence – Alexandre Spínola | Paula Carone | Pérola Rodrigues

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

UOL completa 25 anos com nova marca

Maior empresa de conteúdo, tecnologia e serviços digitais do país se reinventa, passa por reposicionamento de marca e anuncia novidades na programação

O UOL, maior empresa brasileira de conteúdo, tecnologia e serviços digitais, completou 25 anos ontem, 28 de abril. Com uma trajetória marcada por inovação, a empresa não parou de se reinventar ao longo dos anos: batendo recordes de audiência, criando soluções que ajudam as pessoas, promovendo novas formas de consumir conteúdo, além de levar informação de credibilidade a todos. E para celebrar a data e acompanhar essas transformações, o UOL anuncia sua nova marca.

A mudança reflete o atual momento da companhia, que vem se reinventando com novos podcasts, programas em vídeo, documentários e produtos e serviços digitais, unindo a sua credibilidade à inovação. Com uma nova logomarca, que possui cores vibrantes e fonte com maior personalidade, a mudança sintetiza o compromisso de gerar diversas conexões entre cada brasileiro e o seu universo, informando, entretendo e facilitando a vida de cada um, reforçando principalmente sua essência genuinamente brasileira. O movimento é endossado por uma nova tagline: “seu universo online”.

“Aos 25 anos, o UOL reúne a experiência de uma empresa sólida e a jovialidade de um público inquieto e ávido por inovação. Somos a maior plataforma de conteúdo e serviços digitais do país, e nos sentimos muito felizes em permitir que o brasileiro se encontre ao se ver retratado em nossos canais, sempre a partir dos critérios de qualidade e independência que consolidaram nossa reputação e credibilidade”, afirma Paulo Samia, CEO do UOL Conteúdo e Serviços. Murilo Garavello, Diretor de Conteúdo do UOL, completa: “Os novos 25 começam agora e o nosso foco é a produção de vídeos”.

Nesta nova fase, o UOL também reforça sua expertise em conteúdo com o lançamento do Canal UOL. A empresa pretende criar mais de 2 mil horas em vídeo de conteúdo jornalístico, esportivo e de entretenimento, sendo que 75% deste montante será produzido ao vivo.

Recentemente, a marca lançou a segunda temporada de OtaLab, programa de entretenimento apresentado ao vivo por Otaviano Costa, em um estúdio montado na própria casa do artista, bem como “Brasil com Zeca”, programa de entretenimento e culinária liderado por Zeca Camargo. Há ainda uma agenda completa de estreias previstas para ocorrer ao longo de todo o ano, todas hospedadas no Canal UOL.

A empresa também investe de maneira sólida na evolução do UOL Play, a plataforma de streaming de vídeo do UOL, que acaba de integrar a programação ao vivo de canais lineares ao seu portfólio, e ainda terá outros lançamentos previstos para os próximos meses.

Samia dá detalhes sobre suas projeções para a companhia: “Temos hoje uma marca singular, reconhecida amplamente pelo país, entre leitores, parceiros e clientes. Vamos ampliar nossos investimentos em conteúdo, além de consolidar as soluções de tecnologia, como o UOL Meu Negócio, que conta com produtos e conteúdo para todas as etapas do pequeno negócio, com serviços de presença na internet, e-commerce, gestão de negócios e marketing digital; o UOL ads, uma plataforma self-service de compra de mídia, criada para facilitar a publicidade das pequenas e médias empresas do país, possibilitando a todos anunciarem nas páginas do UOL”.

O reposicionamento do UOL ocorre em meio a um contexto de expansão acelerada da companhia . O UOL teve, em 2020, sua maior receita de todos os tempos em publicidade, com crescimento de duplo dígito, impulsionado pelo investimento de conteúdos próprios e novos projetos de branded content. A empresa ainda viu sua audiência atingir recordes seguidos por conta da cobertura editorial da pandemia do coronavírus no Brasil – com mais de 114 milhões de visitantes únicos/mês, o site cobre 94% da internet brasileira. As novidades endossam a relevância do UOL como um dos maiores publishers de conteúdo do país. Além de seus canais oficiais, atualmente a marca também conta com mais de 300 sites parceiros e 100 blogs de colunistas e analistas sobre os mais variados assuntos.

Fonte: XCOM Agência de Comunicação UOL

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Unimed Pinda lança a Prontuário

Unimed Pindamonhangaba lança a “Revista Prontuário”

Idealizada pelo marketing da cooperativa e criada pela agência Luck Comunicação, a revista passa a ser um hub de comunicação e valorização das pessoas que formam a cooperativa e seu hospital, uma oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a trajetória de sucesso da Cooperativa.

A revista, entre seus destaques, traz uma matéria assinada pela jornalista Gabriela Galvão, ex-aluna Unitau (Universidade de Taubaté), conteúdo relevante para classe médica e uma oportunidade de estruturar sua gestão e melhorar seu atendimento.

Gabriela Galvão

Segundo Raffael Cavalheiro, responsável pelo setor de marketing da cooperativa, o lançamento da revista tem como objetivo informar e fomentar o espirito cooperativista “Essa revista foi pensada e idealizada a partir de resultados de algumas pesquisas, onde identificamos a necessidade de fazer uma comunicação multicanal, precisávamos fazer ações para todos os públicos.”

Fonte: Marketing Unimed Pindamohangaba – Marin Cavalcante

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Bullet lança plataforma inédita para revolucionar e democratizar campanhas promocionais

Agência lança Pode®, uma plataforma para anunciante criar promoção em minutos com todo backoffice da equipe Bullet

A Bullet, agência liderada por Fernando Figueiredo, nasceu e cresceu em um ambiente de engajamento, sempre pronta para criar soluções e mexer no ponteiro dos anunciantes para aumentar suas vendas. Entendendo o momento do mercado, o modelo de in-house agency e a data como o principal combustível para uma estratégia bem feita, a Bullet inova mais uma vez e lança a plataforma Pode®: um SaaS (Software as a Service) que permite dar acesso e poder para qualquer anunciante do País criar, orçar e implementar ações promocionais com o DNA Bullet em questão de minutos.

Fernando Figueiredo,

Para criar sua campanha promocional em poucos cliques, basta o anunciante acessar (www.podepromo.com.br) e inserir informações como briefing, verba, target, impacto, tipo de mecânica e prêmios, para a plataforma Pode® construir, na hora, tudo o que uma campanha promocional precisa para ir ao ar: detalhes operacionais e logísticos, BI e Plano de Operação, incluindo também layout, campanha de amplificação com estratégias digitais, Database Marketing e produção de material para ponto de venda. Com um processo e uma linguagem simples, basta escolher entre as opções sugeridas sem se preocupar com nenhuma burocracia legal.

Pode® é o primeiro produto lançado pela Bullet em seu MarketPlace, a área que a agência anunciou no começo do ano, que promete trazer ao mercado soluções mensais plug&play para ajudar os anunciantes a venderem mais. Pode® não será apenas um sistema. Será uma plataforma B2C e B2B2C que inclui data, banco de dados de shopper lovers, ferramenta de conversão e shopping. Pode® é a marca da Bullet para projetos ao shopper.

“Existe um universo enorme de anunciantes que não têm acesso a mecânicas inovadoras ou a agências que podem desenvolver ideias que trazem resultados. Criamos a Pode® para ser acessível a todos e para ser a solução completa para quem tem pressa e verba limitada. No entanto, projetos ainda mais elaborados poderão ser criados sob medida. Isso é só o começo. A plataforma começou a ser construída em agosto de 2020 e lança seu primeiro MVP (Minimum Viable Product) agora”, destaca Fernando Figueiredo, CEO da agência.

“A plataforma também busca auxiliar na redução das promoções informais, que muitas vezes são realizadas sem as autorizações necessárias, expondo anunciantes a penalidades jurídicas. Queremos democratizar a promoção e possibilitar o acesso aos anunciantes com verbas menores”, explica Cesar Leite, COO da Bullet.

A Bullet sempre foi pioneira no mercado e sempre criou tendências. Foi a primeira agência a realizar um programa de incentivo na internet (Compaq Mega Race), a primeira a usar mecânica de pincode em uma promoção, enterrando de vez o “envie para a Caixa Postal e concorra” (Conexão Gatorade), a primeira a colocar o prêmio dentro de um produto (iPod no Palito), a primeira a usar ChatBot do Messenger em uma promoção (Promoção Coca-Cola Fan Feat). A primeira a usar PicPay em uma promoção, substituindo os certificados de barras de ouro. E a primeira a usar WhatsApp Business em uma promoção (Beleza na Lata Coqueiro). Segundo pesquisa do Portal de Promoções, 4 das 10 campanhas mais acessadas no ano passado eram da Bullet.

Fonte: Bullet – Flavia Baccari

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Mais uma ótima iniciativa: APP Vale

A APP Vale do Paraíba está de volta

Em uma iniciativa da nova diretoria executiva nacional da APP Brasil (Associação dos Profissionais de Propaganda), comandada por Toni Valente, a APP Vale do Paraíba está de volta.

A associação regional ressurge em novo formato, proposto e apresentado em reunião ontem, 20 de abril, com algumas lideranças do mercado regional. O novo formato é mais simples, horizontal, sem a necessidade de CNPJ  e cargos de diretoria. O mesmo formato vem sendo implementado em outras regiões do estado de SP e até em outros estados sob a presidência de Silvio Soledade.

Participaram da reunião remota algumas lideranças de diferentes setores  do mercado valeparaibano de comunicação e propaganda e também Toni Valente e Silvio Soledade, da APP Brasil. Estas lideranças formarão a diretoria executiva regional e cuidarão da ampliação das atividades da APP Vale do Paraíba.

Os profissionais são:

  • Karina Dias – diretora da ACOM – Central de Comunicação da Universidade de Taubaté;
  • Giselle Estefano – Diretora do Grupo Band Vale;
  • Bianca Totti – CEO da Código Br, de SJCampos;
  • Josué Brazil – professor, diretor do departamento de Comunicação Social da Unitau e coordenador do curso de Publicidade e Propaganda da Unitau;
  • Gustavo Gobbato – CEO da Alchemy ,de SJCampos;
  • Thiago Alves, CEO da Verge, de Taubaté
  • Ricardo Corbani, sócio da Decoli Mídia, de Taubaté
  • Eduardo Spinelli, sócio da Molotov, de Taubaté;
  • Cassio Rosa, sócio da KMS Comunicação, de SJCampos.

Em breve teremos mais informações e novidades desta nova APP Vale do Paraíba. Fica a torcida e todo apoio do Publicitando para que esta retomada obtenha êxito, pois há muito este blog reclama da falta de iniciativas deste tipo em nossa região.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Investir em branding pode auxiliar no cenário de crise e alavancar resultados

Consumidores e profissionais estão mais atentos ao posicionamento das marcas na pandemia

Apesar das incertezas, é fato que momentos de crise exigem estratégias diferentes. Segundo levantamento de mercado recente, feito pelo Instituto de Pesquisa & Data Analytics Croma Insights, com o objetivo de observar o comportamento dos brasileiros na pandemia, demonstrou que 89% dos entrevistados afirmam que o impacto do posicionamento das marcas no período é positivo e mais de 60% dizem que essas atitudes os fazem querer consumir produtos ou serviços dessas empresas, validando, inclusive, a fidelidade no pós-pandemia.

Como não há previsão de quando a crise sanitária irá terminar, o que afeta diretamente o cenário econômico, investir na gestão e no fortalecimento de marca pode realmente alavancar os resultados. O branding está relacionado em como os stakeholders enxergam o empreendimento. Isso inclui os colaboradores, clientes, fornecedores, investidores, executivos, o mercado e qualquer outro público que interage com a empresa. “As ações de branding ajudam a desenvolver resultados de médio e longo prazo, para que a marca esteja no topo da lista de opções de um cliente, principalmente na hora da decisão de compra”, comenta Caio Cunha, co-fundador da WSI Consultoria.

O foco do branding é fazer com que a marca tenha uma boa reputação dentro e fora dela, investindo em melhorias para todos os envolvidos. Com a chegada de novos consumidores e profissionais mais jovens no mercado, que naturalmente têm uma nova roupagem e visão sobre o trabalho, é preciso compreender o quanto os princípios da marca são fundamentais, já que serão colocados ainda mais em evidência nesse momento de crise. Todas as ações, estratégias e planos devem consolidar a marca no mercado.

Vale lembrar que a pandemia acelerou o processo de digitalização, trazendo luz às soluções digitais e reforçando o quanto é importante saber se posicionar (e como se comunicar adequadamente) em um mundo hiperconectado. Nesse sentido, é preciso cautela para não surfar nas ondas do momento, sabendo focar naquilo que condiz com a atuação, o propósito e os valores da empresa. “A força dessa marca vai mostrar como ela se comunica com o público em geral e qual o grau de lealdade desse público com a empresa, seus produtos e serviços”, completa o CEO.

Investimentos em branding, junto com esforços de mídias sociais e despesas operacionais de marketing, é uma das principais forças nesse momento de crise. Para os executivos que pretendem investir na gestão de marca, o primeiro passo é entender o cenário atual do negócio, definindo com clareza propósito, missão, valores, produtos e serviços, para estabelecer a estratégia de divulgação e os formatos de contato e interação com os clientes e não clientes. Além disso, é fundamental conhecer a fundo a audiência, realizar pesquisas para entender os motivadores de compra, comparar com os concorrentes, e, a partir disso, escolher as ferramentas e os equipamentos corretos para construir um branding eficiente. Em tempos de mudanças, é importante ter um posicionamento coerente e manter a transparência em todos os pontos de contato com o consumidor.

Ficou visível que a crise mudou a atenção principal dos clientes: não é mais para preços, nem inovação. Os consumidores agora miram no relacionamento, na qualidade do produto e qualidade dos serviços, nessa ordem. “É preciso analisar os detalhes da marca, como nome, design, logo, identidade visual, propósito, valores, qual é a voz da empresa, que emoções ela busca gerar na audiência, etc. O objetivo é entregar o que promete, se relacionar efetivamente com o cliente, despertar desejo, entregar valor e ser consistente”, finaliza Cunha.

*Caio Cunha é Presidente da WSI Master Brasil, co-Fundador da WSI Consultoria e membro do Global WSI Internet Consultancy Advisory Board. Com mais de 25 anos de experiência na indústria de tecnologia, atingiu cargos executivos de alto nível, em grandes empresas multinacionais como PWC (com clientes IBM e Unisys), SAP e Hitachi Data Systems, no Brasil e no exterior. Ao longo de sua carreira, participou em programas de desenvolvimento profissional em universidades como a Stanford University, na Califórnia, e no IMD Internacional, na Suíça. Tem MBA em finanças pelo IBMEC e é graduado em Administração de Empresas pela PUC, com dois anos na Roosevelt University, em Chicago.

Fonte: Comuniquese – Fatima Robustelli

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

CBA B+G lança o estudo “Marcas Ativistas”, com lições para se engajar em causas de forma verdadeira

Documento traz informações para causar impacto positivo, seja para marcas Superativistas, Quebra-paradigmas, Ousadas ou Responsáveis

A CBA B+G, agência do grupo WPP especializada em branding, design, pesquisa e inovação, apresenta o estudo “Marcas Ativistas”, que traz um conjunto de reflexões e lições para ajudar as marcas a entenderem diferentes tipos, níveis e possibilidade de ativismo, bem como os riscos e benefícios para aqueles que decidem “levantar sua voz”.

No atual contexto social e de negócios, apenas ter um posicionamento não é mais suficiente para as marcas, que precisam construir um engajamento autêntico com uma ou mais causas para se manterem competitivas em seus segmentos de negócios. Porém, muitas ficam pelo caminho e acabam soando oportunistas ou incoerentes com seus valores reais, podendo até sofrer boicotes em um ambiente em que cada deslize pode ser fatal. Nesse cenário, “Marcas Ativistas” se propõe a indicar caminhos para evitar estratégias que podem não dar certo.

“Se bem trilhados, esses caminhos podem levar a um engajamento real e duradouro com os consumidores. As marcas estão desafiadas a construir seu território de impacto positivo, pois a simples posição baseada na troca por produtos e serviços, associada à neutralidade em relação a temas relevantes como racismo, questões de gênero, feminismo e meio ambiente já não alimenta mais o vigor de suas ofertas .Não se posicionar pode transmitir a ideia de consentimento, enquanto emitir opiniões de forma superficial pode ser lido como hipocrisia, se o discurso não vier acompanhado de ações concretas e condizentes com seu DNA”, avalia Luis Bartolomei, sócio-fundador, CEO e head de criação da CBA B+G.

As marcas não têm mais escolha: precisam se arriscar mais. “Sem dúvidas existem riscos no envolvimento de uma marca em causas relevantes para os indivíduos. Entretanto, muitos exemplos reais têm nos mostrado que agir ainda é melhor do que não se posicionar, mesmo que o impacto seja pequeno, e desde que a ação seja direcionada por verdade e transparência”, completa Carolina Barruffini, diretora de branding da agência.

Um dos aspectos que o estudo aprofunda é o tipo e nível de ativismo das principais marcas, o que ajuda a identificar o melhor perfil de cada uma. Os quatro tipos são as “Superativistas”, militantes desde sua fundação (como Patagonia, Ben & Jerry’s e outras); as “Quebra-Paradigmas”, inovadoras e pioneiras em seus negócios (Fazenda Futuro, Impossible Burger e Fenty Beauty são exemplos); as “Ousadas”, que defendem seus valores e causas de forma coerente, buscando incentivar discussões, mesmo que isso signifique não agradar a todos (Starbucks, Nike e Boticário, por exemplo); e as “Responsáveis”, empresas que têm iniciativas corporativas que beneficiam causas, mas sem engajamento de forma tão visível entre as sub-marcas (Nestlé e a iniciativa Cocoa Plan, por exemplo).

A partir das observações, a CBA B+G identificou Os Oito Passos do Impacto Positivo, que servem como guia para as marcas se engajarem em uma causa de forma perene e autêntica, minimizando riscos:

1. Desenhar um posicionamento claro e poderoso – Qual é a razão de existir e as crenças da marca? Qual seu DNA, sua personalidade e quem é o seu público-alvo?

2. Escolher batalhas – identificar as causas que a marca tem credibilidade para defender.

3. Definir os stakeholders – quem a marca impacta, de forma indireta ou direta, externa e interna?

4. Olhar para o histórico da marca (e seu momento presente) – revisitar ações, afirmações e campanhas anteriores para avaliar a credibilidade para se engajar em um assunto.

5. Definir o perfil de engajamento – onde faz mais sentido para a marca estar hoje e qual sua ambição para o futuro?

6. Identificar riscos potenciais – Quanto mais peso tiver a marca, mais ela precisa avaliar os riscos e benefícios antes de tomar qualquer posicionamento

7. Walk the talk – A marca não sobrevive de promessas, grandes discursos ou campanhas impactantes sem ações significativas e reais

8. Escutar os feedbacks – Monitorar a relação ‘promessa versus expectativa atendida’ pode determinar a saúde e a reputação da marca.

O estudo completo se encontra à disposição neste link.

Fonte: Comuniquese

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Juliette Freire: fenômeno das redes sociais

Com mais engajamento que Anitta, Beyoncé, Kim Kardashian e Cristiano Ronaldo, a sister mais querida do país escapa do paredão e conta com o apoio de um time de social media parrudo

Se você assiste ou não o BBB 2021, em algum momento já deve ter tido contato com o nome Juliette Freire em suas redes sociais. Em nove semanas de programa, essa advogada virou um dos perfis de maior engajamento de todo o país. De acordo com o Hype Auditor, o perfil da sister ocupa a 17ª posição do ranking dos mil maiores influenciadores do Instagram no Brasil, 172ª na posição global.

Mas o que causou esse fenômeno? É claro que, em partes, o próprio alcance do Big Brother Brasil, um dos maiores sucessos da Rede Globo. Mas, o que muitos desconhecem é que todo esse engajamento é estimulado por uma equipe de 20 pessoas. Maria Tereza Falcão é a head de social media dos perfis de @juliette.freire e está à frente deste trabalho que alavancou a imagem da sister em diversas redes sociais (Instagram, Twitter, Facebook, Tik Tok e em grupos de Telegram). A profissional assumiu essa responsabilidade após o convite de Huayna Tejoé, um amigo de Juliette, logo que a participante foi anunciada como membro da edição.

Luiza Antoniolli_Coordenadora de Mídias Sociais na Macfor_Especialista em Marketing Digital

Antes do programa, o perfil da paraibana no Instagram, por exemplo, tinha pouco mais de 3 mil seguidores. Hoje (31), após Juliette se livrar do paredão, esse número já alcança a marca de 17,6 milhões, um crescimento vertiginoso, já que em uma semana ela ganhou mais de 2 milhões de seguidores. O trabalho feito pelo time de social media da advogada é tão consistente que, em pouquíssimo tempo, conseguiu com que a sister superasse o engajamento das pop stars Beyoncé e Anitta, duas celebridades mundialmente conhecidas.

Outro exemplo, é que ao atingir a marca de 17 milhões de seguidores no Instagram, para celebrar o novo marco, como é de praxe, os administradores da página postaram uma arte com a foto da participante do BBB. Era um agradecimento da maquiadora usando como mote “16+1”. A publicação teve um boom de engajamento, pois os internautas identificaram a indireta ao presidente Jair Bolsonaro. 17 foi o número que elegeu o político nas urnas em 2018, talvez por isso não foi utilizado de forma explícita.

Com engajamento superior à Kim Kardashian, socialite norte-americana e ícone das redes sociais no mundo, e quase 5% a mais de engajamento que Cristiano Ronaldo, famoso jogador de futebol português, que tem o maior número de seguidores no mundo, dentro do Instagram, hoje, o perfil de Juliette bateu mais um recorde. Em seis (6) minutos, uma de suas fotos superou a marca de 1 milhão de curtidas, marca alcançada anteriormente pela cantora americana Billie Elish.

Esse frenesi não acontece somente no Instagram, a advogada e maquiadora (como Juliette se denomina) também possui números expressivos e acima de seis dígitos em outras redes sociais. No Tik Tok, por exemplo, são 3 milhões de seguidores, no Twitter 1,5 milhão e no Facebook mais de 200 mil. No Twitter, o nome da sister frequentemente está entre os trending topics (tópicos mais comentados).

Potencial de mídia e geração de negócios

Toda essa visibilidade tem atraído a atenção de marcas patrocinadoras do BBB, como Avon, PicPay, Fiat, Hoteis.com e Americanas, que também aproveitam a popularidade dessa sister para alcançar a audiência de seus seguidores. De acordo com Luiza Antoniolli, coordenadora de mídias sociais da Macfor, agência de marketing digital full service, como a sister está confinada não deve fazer ideia da fama que possui. “Juliette tem a equipe de social media mais eficiente já vista na história dos BBBs e os conteúdos que geram sobre ela estimula esse engajamento diferenciado”, comenta.

Segundo Luiza, o engajamento que esse time alcançou é capaz de ser mais lucrativo para Juliette do que se ela ganhar o prêmio do BBB, por exemplo. “A visibilidade que conquistaram até aqui, poderá garantir à sister contratos bem superiores ao R$1,5 milhão pagos pelo programa da rede Globo. Há inúmeras oportunidades de negócios para advogada. As cifras podem ser bem mais altas do que isso”, revela a coordenadora de mídias sociais da Macfor.

Por coincidência, essa edição do BBB tem atraído a atenção do público devido a um enorme volume de fake news, curiosamente, boa parte delas envolvem o nome de Juliette. A especialista Luiza prefere não atribuir tais feitos às estratégias de marketing, mas pondera que a construção da personagem humilde e popular nas redes sociais atrai o carisma do público, que se identifica com a sister e vê nela alguém que possa representá-lo.

“Já vi fãs comentarem que é a primeira vez que a TV mostra o seu jeito de falar em horário nobre. Além disso, a narrativa das redes de Juliette segue as vivências da paraibana no programa 24 horas e permite que os seguidores sintam na pele as dores de mulheres nordestinas ao expor o preconceito que sofrem”, explica Luiza.

A especialista também esclarece que as equipes de redes sociais, que cuidam dos participantes do BBB, estão ficando cada vez mais maiores e profissionalizadas, trazendo estratégias de comunicação de ponta, para trabalhar a imagem dos brothers. Na edição passada, a Boca Rosa e Manu Gavassi foram destaques com mega produções.

Luiza conta ainda que a maioria das pessoas acha que as redes sociais são fáceis de mexer e administrar, mas não é bem assim. “Para atingir esse feito incrível, a equipe de Juliette conta com o trabalho de 20 profissionais, entre eles estão especialistas como: social medias, designers, redatores, videomakers, gerenciamento das contas, analista de directs (quem responde as interações nas redes, uma espécie de SAC), gestor de conteúdo e assim vai… Ou seja, é preciso um time parrudo e capacitado para alcançar essas marcas históricas”, revela.

Apesar disso, Luiza motiva aqueles que querem tentar fazer isso sozinho. “Mesmo sendo um caminho muito mais longo e difícil, acredite, é possível ganhar holofotes nas redes sociais. Mas, caso queira uma trajetória meteórica como a de Juliette, o melhor é contar com o trabalho de profissionais, agências de marketing digital, por exemplo, poderão aumentar exponencialmente suas chances, pense nisso”, conclui.

Fonte: Macfor – Deborah Reis – Public Relations Manager

Share and Enjoy !

0Shares
0 0