Uma boa dica de leitura

BONITINHA OU ORDINÁRIA
Em propaganda não há meio-termo é Cute ou Corny      
 

bonitinha_ou_ordinaria_big

 
Memórias que ensinam, como fazer propaganda criativa
Biografia profissional de um dos maiores nomes da propaganda brasileira de todos os tempos. Através de relatos e cases o autor narra parte da história da propaganda no brasil.
Se você está lendo este texto, é porque se interessa por propaganda.
O que você vai encontrar aqui dentro são muitas histórias do mundo da propaganda, algumas cheias de glamour, outra sem – mas todas ela vividas e lembradas por um dos grande publicitários brasileiros. (Alguns exageram e dizem que Julio é o maior…)
Além de descrever uma vida interessante, cheia de curiosidades, humor, algumas tristezas, “Bonitinha ou Ordinária” também ensina: a criar e fornece os exemplos de propaganda superior, a buscar estratégia adequada e como criar campanhas de propaganda partindo do zero. Talento é por sua conta.
A carreira de Julio Cosi começou em 1947. Ele formou-se em direito, mas nunca teve alma para advogado; sempre amou a propaganda e o marketing. Foi aluno da primeira turma da então Escola de Propaganda do Museu de Arte de São Paulo, hoje ESPM
O Julio escreve bem e conta, em detalhes, como eram as coisas. O livro tem humor bem dosado e também mostra como ele e seus companheiros sempre se rebelaram contra a propaganda sem graça (e sem impacto).

Sobre o autor:

Filho do publicitário pioneiro, Julio Cosi, da Eclética, Julio Jr. foi presidente de duas agências, e vice-presidente de três. Foi também presidente da ABAP a Associação Brasileira das Agências de Publicidade. Julio foi discípulo do mestre Bill Bernbach, indiscutivelmente o mais importante publicitário do século 20, mas faz questão de esclarecer que falou com ele apenas no primeiro dia de estágio na Doyle Dane Bernbach. É mais exato dizer que Julio se tornou um discípulo dos apóstolos do mestre: Bob Gage, Dave Reider, Bill Taubin, Mary Wells, Helmut Krone, Bob Levenson, Bert Steinhauser, Lore Lionel, Phyllis Robinson, David Herzbrun, Paula Green e outros ‘monstros’ da criação.
Mas recebeu, um dia, das mãos do mestre Bernbach, no Rio de Janeiro, o primeiro troféu ‘Lampada de Ouro’ pelo comercial da campanha “Século XX” (o bombardeio de Londres), criado por Sergino O. Souza e Dorian Taterka para o cliente Abril Cultural.
Julio mora em São Paulo, e continua atuando como consultor de marketing e conselheiro de propaganda. Ele também cozinha muito bem e é autor de três livros de culinária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *