História de ícone da publicidade audiovisual brasileira é resgatada em livro biográfico

Obra acompanha a evolução na carreira de Wellington Amaral Jr. e reflete as transformações do mercado publicitário desde a década de 1970

Com algumas caixas de sapatos, uma lâmpada, uma lupa quebrada e muita fita adesiva, Wellington Amaral Jr. construiu um projetor de filmes, aos 8 anos. Foi o prenúncio de sua paixão pela arte.

É assim que Memórias de um Cineasta Publicitário, lançamento da Matrix Editora, revela os primeiros passos da trajetória de um dos maiores ícones da publicidade audiovisual brasileira. O diretor e produtor acumula cerca de 3 mil comerciais no currículo e prêmios de prestígio internacional.

O livro, escrito em primeira pessoa, reconta os episódios que conduziram Wellington à carreira de publicitário e a obter, em 1971, seu primeiro emprego como estagiário de atendimento na McCann Erickson, maior agência de propaganda brasileira e mundial na época.

Foi lá que descobriu o caminho do cinema publicitário, fazendo escola com criadores do calibre de Percival Caropreso, Paulo Almeida, Armando Moura, Cláudio Oliveira, Hector Tortolano, Deilon Gomes de Lima, Sérgio Lima, Gilce Velasco e muitos outros, que o acompanhariam na carreira por décadas.

De forma aberta e bem-humorada, o publicitário narra impasses profissionais e sua constante busca pela inovação. O leitor acompanha sua passagem por grandes agências como MPM e ALMAP até a criação de sua própria produtora de filmes, a 5.6. Os bastidores de trabalhos desenvolvidos para marcas importantes como General Motors, Johnson & Johnson, Coca-Cola, Unilever, Procter & Gamble e Nestlé, também são destaque nas páginas da obra.

“Para fazer um bom filme, existem alguns pré-requisitos, há um tripé que tem que ser considerado: ideia, prazo, verba” … “O ideal é que o tripé seja completo, com as três pernas solidamente posicionadas, mas como essa é uma rara circunstância, é preciso poder contar com ao menos duas delas para que o resultado do job seja minimamente aceitável.” (Memórias de um Cineasta Publicitário, pg.177)

Em uma verdadeira viagem no tempo, Memórias de um Cineasta Publicitário oferece uma visão íntima e sincera do que se passa por trás das grandes produções. O livro e a vida de Wellington Amaral Jr. são fonte de inspiração e conhecimento para estudantes, profissionais da área e curiosos que desejam mergulhar no universo das produtoras de comerciais e filmes publicitários.

Ficha técnica

Título: Memórias de um cineasta publicitário
Autor: Wellington Amaral Jr.
Editora: Matrix Editora
ISBN: 978-65-5616-262-1
Tamanho: 16 x 23 cm
Páginas: 400
Preço: R$ 92,00
Onde encontrar: Matrix Editora e Amazon

Sobre o autor

Publicitário e cineasta por formação, Wellington Amaral Jr. é reconhecido no mercado pelo seu espírito empreendedor e multidisciplinar. Com 18 anos iniciou sua carreira na McCann Erickson na área de atendimento, atuando posteriormente como produtor de rádio e televisão e assistente de direção. Depois de adquirir experiência em produtoras de áudio e vídeo, no Brasil e nos Estados Unidos, assumiu a direção do departamento de Rádio e TV da MPM São Paulo e Rio, onde acumulou o cargo de Diretor Associado de Criação, mesmas funções ocupadas futuramente na ALMAP em São Paulo. Em 1983, fundou a 5.6 Produções, que veio a ser a maior produtora de comerciais do Brasil. Com cerca de 3 mil comerciais em seu currículo de diretor e produtor, conquistou os maiores prêmios da publicidade mundial, Leão de Ouro em Cannes, Clio, Profissional do ano (Globo), Profissional do ano (Caboré), entre outros. Casado com a artista plástica Leslie Amaral, atualmente ocupa-se criando e se divertindo aos teclados de seu computador e de seu piano, dividindo seu tempo entre São Paulo e Paraty onde acumula a função de comandante de sua escuna, Prima Donna.

Aberje Editorial lança livro “Reputação e Valor Compartilhado” no dia 1º de setembro

A obra traz entrevistas com CEOs de grandes empresas como, Vivo, Ambev, Itaú, Pfizer, Google e a Luiza Helena Trajano

A Aberje Editorial lança, no dia 1º de setembro, o livro Reputação e Valor compartilhado – Conversas com CEOs das empresas Líderes em ESG, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo (SP). Neste livro, as especialistas de comunicação corporativa Tatiana Maia Lins e Elisa Prado realizam uma entrevista com CEOs das empresas de melhor reputação no Brasil em cada área, uma contribuição para as lideranças corporativas no Brasil e na América Latina.

Crédito: Editora Aberje

Para compor o quadro de entrevistados, foram escolhidos os CEOs das empresas líderes de reputação nos Rankings Merco – As Empresas Mais Responsáveis ESG no Brasil, divulgados em 2021 e 2022. Foram entrevistados, no total, 12 CEOs, além de Luiza Helena Trajano, por ser a executiva de melhor reputação no país de acordo com o Ranking Merco. São eles: Marcelo Oromendia (3M); Roberto Funari (Alpargatas), Jean Jereissati (Ambev); Malu Nachreiner (Bayer); Gustavo Werneck (Gerdau); Fábio Coelho (Google); Milton Maluhy Filho (Itaú Unibanco); João Paulo Ferreira (Natura); Marta Díez (Pfizer); Walter Schalka (Suzano); Rafael Chang (Toyota); e Christian Gebara (Vivo).

“Queríamos entender o nível de consciência dos CEOs de diversos setores da economia sobre as vantagens competitivas trazidas pela reputação para atrair talentos, consumidores e investidores”, destacam as autoras.

Além disso, as especialistas em comunicação corporativa também buscaram entender como estes CEOs enxergavam e se posicionavam dentro da agenda ESG, que não é nova, mas vem promovendo uma mudança de mindset de investimento e consumo, exigindo posturas mais éticas e com visão sistêmica para a geração de valor compartilhado com todos os stakeholders.

“Dialogar, escutar e engajar são verbos cruciais para uma efetiva comunicação entre os públicos e as empresas. Os CEOs ouvidos neste livro estão conscientes desta missão e se colocam cada vez mais disponíveis para construir pontes e engajar os stakeholders para compartilhar valor com a sociedade, pois sabem que entregar produtos e serviços de qualidade é o básico, o mínimo que as empresas precisam fazer. Consumidores buscam mais que isso (e cada vez mais). Querem se relacionar com instituições éticas e que se posicionem como protagonistas na resolução de problemas sociais e ambientais. Sabem que o sucesso depende do valor compartilhado com a sociedade e o planeta”, ressalta a autora Elisa Prado.

Já Tatiana Maia Lins, que também atua como consultora em Reputação Corporativa, acentua que, antes da pandemia, a reputação de uma instituição era formada pela qualidade de seus produtos e serviços, por sua atuação ética, pelo ambiente interno de trabalho, pelo cuidado com o meio ambiente e por suas ações sociais, muitas vezes pontuais. “Nos últimos meses, o componente da geração de valor compartilhado com todos os stakeholders ganhou ainda mais força nesta equação e já é uma realidade na agenda de CEOs, gerando profundas transformações culturais nas empresas”, explica. “Reputação e Valor Compartilhado hoje fazem parte da agenda dos CEOs das maiores empresas do Brasil e do mundo. O Capitalismo de Stakeholders veio para ficar e quanto mais rápido for adotado, maior serão as chances de sucesso da instituição.”

“Este livro nos brinda com o compartilhamento de suas visões geracionais e de vivências bem diferentes, o que faz desta obra um fator de renovação para as nossas lideranças brasileiras”, assina Ingo Ploger, presidente do Conselho Empresarial da América Latina (CEAL), no prefácio do livro. “Como líderes muito ainda teremos que fazer para poder desenvolver em nós mesmos e nas nossas equipes a responsabilidade da reputação nestes tempos de total visibilidade. As lideranças aqui entrevistadas mostraram seu compromisso com essa evolução e a trajetória que teremos pela frente. Penso que os próprios entrevistados, lideranças de grande visibilidade, após as entrevistas e lendo o que seus colegas testemunharam, também aprenderão um pouco mais. Certamente é esse o propósito da Tatiana e da Elisa, o de transformarem permanentemente as lideranças pelo seu bem maior”, escreve Ploger.

Serviço:

Lançamento Livro “Reputação e Valor Compartilhado”

Onde: Livraria Cultura – Conjunto Nacional

Quando: 1 de setembro

Horário: a partir das 19hs

Preço livro: R$ 55,00

Onde comprar: Livraria Cultura no dia do lançamento, e depois no site da Aberje e no da Amazon (o ebook) e em todas as livrarias

Fonte: Ortolani Comunicação & Marketing

Sistema Sinapro/Fenapro lança paper para orientar agências

Sistema Sinapro/Fenapro lança paper para orientar as agências a aplicarem modelo de gestão transformador

Nova edição do “Fenapro Transforma” foca nos desafios internos das agências para que possam se adaptar à competitividade e exigências do atual mercado

O sistema Sinapro/Fenapro lança uma nova edição do paper “Fenapro Transforma”, que traz, como tema central, o desafio interno das agências para se adaptarem de forma competitiva às novas exigências do setor publicitário, decorrentes das mudanças no perfil e demandas dos clientes, dos avanços tecnológicos e até mesmo da necessidade de se reposicionarem junto aos clientes.

Além do compartilhamento do paper para as agências via online, o sistema Sinapro/Fenapro também promoverá workshops presenciais, em todos os Sinapros do Brasil, para debater o rico conteúdo da obra, com o objeto de incentivar presencialmente as agências a inserirem este conteúdo dentro de suas atividades diárias.

Desenvolvido a partir do levantamento de informações, pesquisas e informações colhidas junto ao setor de publicidade, incluindo os dados da pesquisa VanPro, realizada pelo sistema Sinapro/Fenapro, o novo paper é o segundo da série “Fenapro Transforma”, iniciada em 2021 para abordar as profundas transformações do setor de publicidade e seu impacto sobre as agências. O conteúdo é estruturado a partir da parceria do sistema Sinapro/Fenapro e a Delta Consulting.

“De acordo com dados da VanPro, a gestão de pessoas e a gestão financeira têm sido os grandes desafios das agências brasileiras. Por isso, escolhemos abordar estes temas nesta nova edição do Fenapro Transforma, trazendo referências conceituais e recomendações práticas relevantes para o perfil da maioria das empresas do setor no País”, afirma Daniel Queiroz, presidente da Fenapro.

“O conteúdo desse paper fala muito sobre como desenvolver modelos de gestão que criem maior engajamento e motivação com o trabalho e como organizar a equipe e implantar um modelo ágil, focado em resultados, além de dar dicas sobre as principais ferramentas que podem ajudar as agências a melhorarem a administração do negócio”, salienta Queiroz.

Daniel Queiroz, presidente da Fenapro

São 52 páginas divididas em três capítulos, e cada capítulo traz dados e informações de fontes importantes do mercado, listando de três a oito dicas essenciais para a gestão das agências, conforme o assunto abordado. Após o lançamento do paper, o sistema Sinapro/Fenapro vai aprofundar o conteúdo de cada um dos capítulos. A recomendação é que empresários e publicitários façam uma leitura aprofundada do material, que pode ajudar as agências a evoluírem em seus caminhos e a buscarem soluções para a melhor adaptação ao atual cenário.

Gestão de pessoas

A partir de uma análise do cenário incerto e volátil, o documento destaca a necessidade de se compreender quais são as competências indispensáveis às agências e seus profissionais e mostra a importância do investimento em pessoas e no desenvolvimento de uma cultura empresarial que favoreça e estimule o engajamento das equipes.

No capítulo “Como desenvolver um modelo de gestão que crie maior engajamento e motivação com o trabalho”, o paper aborda o incentivo à autonomia, à descentralização e à aplicação de meritocracia efetiva, bem como a necessidade de se investir no desenvolvimento dos times. Entre as formas de se colocar em prática esse modelo está o compartilhamento e circulação de informações e estratégias, a gestão participativa e a abertura de espaço e condições para a experimentação e a inovação.

Isso inclui a valorização das ideias compartilhadas pela equipe, a redefinição de papéis (se necessário), os questionamentos sobre as entregas (se estão de acordo com os desafios do mercado), o entendimento dos indicadores estratégicos, a condução de reuniões para que a equipe possa interagir diretamente com clientes e a promoção de debate sobre os desafios dos clientes.

Modelo de gestão ágil

Já o capítulo “Como organizar sua equipe e implantar um modelo de gestão ágil focado em resultados” aprofunda questões como ferramentas, métodos e práticas que vão ajudar as agências a terem a rapidez e a entrega qualificada exigidas hoje, sempre tendo no horizonte a imprevisibilidade e volatidade do mercado.

O paper aponta que uma gestão ágil passa por quatro práticas: foco na execução, com ciclos curtos de planejamento e monitoramento, com envolvimento de todos os níveis da organização; estratégia como priorização, decisão e aprendizado, com atualização constante e ajustes em tempo real; metas ambiciosas como estímulo à criatividade e ao foco nos resultados; alinhamento e transparência, com circulação de informações, status de report de conhecimento amplo e convergência entre equipes.

Para que essas práticas atinjam os objetivos, o paper sugere a aplicação de ferramentas como OKRs (Objetivos e Resultados-chaves), Scrum (gerenciamento colaborativo de tarefas) e Sprint (organização de tarefas), além de um marketing ágil, plataformas flexíveis, analytics em tempo real, times descentralizados e inovação aberta.

Gestão financeira

Por fim, o capítulo “As ferramentas essenciais para gestão financeira de uma agência” considera que um dos principais desafios das agências é precificar seus serviços e produtos e, portanto, encontrar o ponto de equilíbrio do negócio. O documento engloba ainda a análise de rentabilidade por cliente e a gestão orçamentária.

A partir desses pontos, o paper traz quatro referências para os gestores das agências a fim de auxiliá-los na precificação. São elas: os valores praticados pelo mercado de produtos ou serviços similares; os custos empresariais e de produção; o valor gerado ao cliente e o nível de procura pelo produto ou serviço.

O documento orienta que é importante entender qual é a margem de contribuição e, a partir desta margem e das despesas de custeio, qual deve ser o percentual da capacidade produtiva para se avaliar o preço em relação ao mercado e obter um ponto de equilíbrio, considerando não só os valores, mas também os diferenciais competitivos e a percepção do cliente. Também recomenda pactuar indicadores claros, considerando que precificação também pode ser baseada em resultados. Adverte ainda para não se projetar os preços visando um ponto de equilíbrio com percentuais muito altos de capacidade operacional ocupada.

O Fenapro Transforma pode ser acessado por este link.

Fonte: GPCOM Comunicação Corporativa

Lançando livro na Bienal

Publicitário da região lança livro na Bienal

Nos dias 2 e 3 de julho o publicitário valeparaibano Mario Celso estará na Bienal Internacional do Livro lançando oficialmente seu livro “Um Publicitário Surdo em um Mundo Cego”.

O evento ocorrerá no estande da Editora Nova Literarte, no Espaço Travessa Literária, nº 25.