Coluna Propaganda&Arte

O retorno das férias parece uma jornada do herói (e você nem percebeu isso)

Já ouviu falar na Jornada do Herói? Basicamente é a ideia de que todas as histórias seguem uma estrutura em comum desde a antiguidade, das obras de milhares de anos atrás, como óperas, até os filmes mais recentes de Hollywood, como Guerra nas Estrelas. Podemos acrescentar algumas propagandas, com o uso do storytelling e, arrisco dizer, até em nossa vida, como no retorno das férias, quer ver? Então bora pra história!

Storytelling é vida

Toda propaganda moderna se baseia nos conceitos de storytelling. Ou seja, explora-se o nosso desejo latente de ouvir histórias, algo que praticamos desde quando nos reunimos ao redor de uma fogueira quando homens das cavernas (talvez falando em sinais rs).
Essa premissa de contar histórias, que seria a tradução livre do termo storytelling em inglês, vem sendo aplicada em muitas propagandas, seja para vender um novo carro ou para fazer você investir em algum curso com alguma nova fórmula para enriquecer.
Resumindo: sempre temos um narrador contando algo, tentando nos envolver, mostrar situações, gerar empatia, dar seu endosso, mostrar sua cara e “abrindo o jogo” com você na mais louca e frenética tentativa de gerar um vínculo com quem estiver ouvindo.
Sendo assim, quando chegar um vídeo desse para você no Youtube, pode anotar os passos e se preparar para uma história de como aquele produto fez bem, como a pessoa era infeliz antes ou como ela era pobre e superou tudo etc. Temos sempre uma história sendo contada e, convenhamos, gostamos mesmo de histórias, basta ver o sucesso de livros e filmes mundo afora. Pessoas, escritores, grandes mercados de entretenimento bilionários baseados simplesmente em “histórias” estão aí e provam isso. Concorda? Prendi sua atenção até aqui?

Sobre a Jornada do Herói

Joseph Campbell foi um professor e mitologista norte-americano que dedicou sua vida ao estudo dos mitos. Ele então chegou ao que chamamos hoje de Jornada do Herói. Comparando antigos livros com os mais recentes percebeu que todas as histórias tinham muitas partes parecidas de conflitos e resoluções, como se fossemos programados para falar e ouvir sempre as mesmas coisas. Como se essa fosse a essência de toda história desde sempre.

Não quero entrar em detalhes, pois vale a leitura de todos os conteúdos sobre o tema, mas muitos desses processos foram aplicados também por roteiristas de Hollywood nos maiores sucessos do cinema. Esse conceito foi dissecado pelo escritor do livro A jornada do escritor, Christopher Vogler, que indicarei para quem quiser aprofundar no tema.

Etapas da Jornada do Herói

1- Mundo comum
2- Chamado à aventura
3- Recusa do chamado
4- Encontro com o mentor
5- Travessia do limiar
6- Provas, aliados e inimigos
7- Aproximação
8- Provação Central
9- Recompensa
10- O caminho de volta
11- Ressurreição
12- Retorno com o Elixir

Essa é a estrutura que provavelmente contempla todos os atos de qualquer filme, livro, propaganda e vídeos de Youtube que tentou convencer você de que existe um método fácil de ganhar muito dinheiro com a internet, sem trabalhar. Inclusive, arrisco dizer que podemos aplicar em nossas vidas, como, por exemplo, em nosso retorno das férias. Posso dizer então que criei a Jornada do trabalhador ou do CLT. Se você se reconhecer, parabéns! Considere-se um herói/heroína.

A jornada do CLT

1- Mundo comum
Aqui está você trabalhando e pensando nas férias, cansado, estressado, cheio de preocupações, vivendo a rotina normal de acordar cedo, ir pro trabalho, voltar etc.

2- Chamado à aventura
Alguém te convida para uma viagem de férias, pode ser um amigo, um familiar, sua esposa, tanto faz.

3- Recusa do chamado
Em um primeiro momento, você recusa, pois não quer gastar dinheiro ou qualquer outra desculpa para não viajar. Em alguns casos, até diz que “vai pensar”.

4- Encontro com o mentor
Alguém irá guiar você para essa viagem, pode até ser um guia de viagens ou seu parente que sabe tudo sobre a viagem e vai te convencer.

5- Travessia do limiar
Daqui em diante não tem volta, você já comprou as passagens, já fez os planos, já está até se imaginando lá no lugar.

6- Provas, aliados e inimigos
Durante suas férias, você pode aprender alguns macetes da viagem, alguns problemas podem ser evitados, você acaba superando problemas e contratempos, alguns aliados aparecem, como um bom lugar para comer ou um lazer incrível que você quer ir novamente.

7- Aproximação
Você vive alguns momentos de surpresas pelo caminho, vai criando uma expectativa para algo ainda mais incrível que pode ocorrer. Até pode acontecer mesmo!

8- Provação Central
Você vive uma grande viagem, tem momentos realmente inesquecíveis com pessoas queridas, vive o auge das férias. Seria o clímax nos filmes.

9- Recompensa
Qual a melhor recompensa de tirar férias? Relaxamento, tranquilidade, paz, saúde, tudo que quiser colocar aqui e levar pra casa. Podem até ser brindes e lembrancinhas. Você merece!

10- O caminho de volta
Essa é a parte mais triste, mas necessária. Você precisa voltar para casa, já está no caminho de volta, literalmente. Você revê todo trajeto e já sente saudades.

11- Ressurreição
É o momento de mostrar que você realmente curtiu as férias, provar que valeu a pena. Você posta fotos que ainda não postou, você sorri para quem pergunta, comenta com alguém sobre como as férias foram boas, tudo é válido para comprovar sua grande jornada.

12- Retorno com o Elixir
Você começa sua segunda-feira de trabalho meio distante, porém, apesar do peso do retorno, parece que algo mudou dentro de você. Pode até ser que tenha mudado mesmo, pois o ócio também leva ao estado de reflexão e até a grandes ideias. E se a rotina não te engolir novamente, você pode até rever toda sua jornada e escrever novos caminhos.

Essa é minha reflexão do início de ano.
Você conseguiu viajar? Já viu histórias assim?

Que comece a sua jornada para 2022!

Texto inspirado no livro “A jornada do escritor – Estrutura mítica para escritores” de Christopher Vogler.

Conte sua história com estratégia e verdade

por Paola Müller*

A humanidade sempre contou histórias — e teve fascínio por ouvi-las. Ao redor de uma fogueira, sob uma noite estrelada, fábulas e jornadas de heróis foram passadas de geração a geração ao longo dos séculos. A essência desse hábito segue até hoje: mudam os meios, as formas, a linguagem — mas a conexão gerada por uma narrativa bem estruturada segue cada vez mais presente.

Paola Muller

Que o digam as marcas, que utilizam essa dinâmica para transmitir aos públicos seus valores, suas conquistas e fracassos, sua trajetória e seus objetivos. O chamado storytelling tem sido fundamental na estratégia de comunicação e marketing de empresas — humanizando marcas e experiências. Em sua essência, é uma ferramenta para se conectar com as pessoas de uma forma mais emocional e eficaz.

Assim como o ato de sentar ao redor do fogo para contar histórias, o storytelling de marcas também evoluiu. Na verdade, esse movimento acompanha as mudanças de hábitos de toda a sociedade. Conforme se transformam as agendas sociais, as formas de consumo e a jornada dos consumidores, as maneiras que as marcas se comunicam também se modificam. O aumento no uso de vídeos em redes sociais é um exemplo disso: esse formato responde ao imediatismo e à atenção difusa que é característica dos usuários de hoje.

E é nesse contexto de uma sociedade cada vez mais ágil — e impaciente — que o storytelling possui um papel tão relevante. Ele ajuda a transformar informações complexas e números abstratos em histórias com as quais os usuários se identificam. O desafio está em aproximar esses dois universos — o dos dados e o de uma narrativa envolvente, contada com criatividade e inteligência.

Independentemente do formato do conteúdo, as marcas devem estar atentas a isso. E, seguindo estes cinco pontos, poderão explorar as informações de maneira estratégica e focada nos objetivos do negócio:

1) Saiba qual público consumirá aquele conteúdo: pense no nível de interesse, conhecimento e os objetivos da pessoa que acessará o material;

2) Entenda o contexto da informação: um relatório para ler é diferente de um relatório para apresentar. Avalie e adapte o formato para cada situação;

3) Desenvolva a narrativa a partir de uma estrutura de conteúdo: assim como qualquer fábula, sua história precisa ter início, meio e fim — dando destaque para o que verdadeiramente sustenta sua análise;

4) Seja visual: aproveite a diversidade de formatos e de possibilidades visuais para aflorar o interesse do público: fotos, gráficos e highlights ajudarão a conquistar o seu objetivo;

5) Simplifique: às vezes, optar por um número com texto terá mais resultado do que uma tabela. Uma boa ideia expressa em uma única frase surtirá mais efeito do que uma excelente ideia com mil palavras.

Mais do que contar uma boa história, o que as marcas devem saber é conectar essa narrativa ao propósito e às estratégias do negócio. E, ainda mais importante, que isso tenha verdade: que seja sustentado pela identidade e pelas ações da empresa, em linha com o que os dados comprovam. Antes, as fábulas contadas ao pé da fogueira tinham um quê de fantasia e ficção. Hoje, não há como fugir da essência e da realidade — mesmo que envolta em uma história convincente e instigante.

*Paola Müller, head of Strategy da Brivia

Fonte: RPMA -Sara Saar

Vantagens do marketing de conteúdo para sua imobiliária

Confira o nosso guia definitivo para marketing de conteúdo e SEO para proprietários e corretores de imóveis!

Você lançou recentemente um site de apartamentos à venda e está procurando maneiras de atrair tráfego orgânico e leads com mais rapidez do que outros? Pois saiba que está no caminho certo, pois hoje em dia muitas pessoas acessam sites para procurar casas.

Ah, na verdade você é proprietário de um site imobiliário ou corretor de imóveis, e está muito atrás da concorrência e busca uma forma de se destacar mais? Pois saiba que muitas pessoas desejam ter casa própria e estão procurando uma empresa imobiliária confiável para fazer parceria.

Mas… por que elas deveriam escolher sua imobiliária em vez de outras? É aí que entra você oferecer valor e construir relacionamentos com seu público-alvo no espaço digital, adaptando duas abordagens inteligentes.

Essas abordagens tratam-se do marketing de conteúdo e otimização de conteúdo para motores de busca (SEO). Assim como a areia e o solo, o conteúdo e o SEO podem levar seu negócio imobiliário cada vez mais alto até você chegar ao topo.

Antes de entrarmos em detalhes sobre o que são marketing de conteúdo e SEO e por que sua agência imobiliária precisa disso, faremos um breve resumo:

Pontos chave

– O marketing de conteúdo imobiliário e o SEO oferecem vários benefícios, como aumentar o reconhecimento da marca, melhorar a credibilidade, aumentar o tráfego e suavizar o processo de vendas.

– Conteúdo perene, recursos visuais, histórias de sucesso sobre casas, apartamentos e terrenos à venda, glossários e boletins informativos são estratégias importantes de marketing de conteúdo imobiliário.

– Pesquisa de palavras-chave, SEO local, conteúdo otimizado e ferramentas online são estratégias chave de SEO no setor imobiliário.

– Dois estudos de caso para mostrar o valor do marketing de conteúdo imobiliário e do SEO.

– Uma agência imobiliária de SEO deve ter talentos especializados, prestar serviços completos, cumprir prazos, ser clara sobre os preços e ter estudos de caso.

Como usar marketing de conteúdo e SEO para direcionar tráfego orgânico de alta qualidade e leads para proprietários de sites imobiliários e corretores de imóveis

Vamos dissecar rapidamente o marketing de conteúdo imobiliário e o SEO:

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo se concentra na criação e distribuição de conteúdo valioso, consistente e relevante para um público-alvo.

Essa estratégia de marketing menos invasiva ajuda a construir relacionamentos sólidos com clientes em potencial e é essencial para qualquer agência imobiliária.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais o marketing de conteúdo imobiliário pode beneficiar o seu site de apartamentos à venda:

– Aumenta o conhecimento da marca;

– Amplia sua rede gerando leads qualificados;

– Constrói credibilidade para sua agência;

– Conteúdo com SEO direciona mais tráfego orgânico para seu site;

– O conteúdo melhora a qualidade de seus clientes potenciais e suaviza o processo de vendas;

Ao criar conteúdo, um redator de conteúdo imobiliário deve se concentrar em aumentar o apelo de marca com estas táticas de marketing de conteúdo imobiliário:

Conteúdo relevante de alta qualidade

O mercado imobiliário oferece uma oportunidade única de ter sempre um conteúdo perene no site da sua empresa. Basicamente, as funções essenciais da indústria não mudam, portanto, os pontos fracos e as questões permanecerão relevantes por muito tempo.

Os redatores e criadores de conteúdo imobiliário devem focar no conteúdo com poder de permanência, porque eles acumulam mais autoridade orgânica ao longo do tempo e são fáceis de otimizar novamente ou reaproveitar para um ROI de longo prazo.

Páginas de FAQ, fichas técnicas e glossários

O marketing de conteúdo também deve educar os clientes em potencial e resolver os problemas dos clientes. Para conseguir isso online, você precisa adicionar informações úteis na forma de guias do usuário, páginas de recursos de FAQ, fichas técnicas e glossários com ilustrações personalizadas, recursos de marca e outros recursos visuais para auxiliar no consumo de informações.

Apelo visual

As primeiras impressões são cruciais no negócio imobiliário. Esta é a razão pela qual você deve priorizar os recursos visuais em sua esfera digital. Os infográficos funcionam perfeitamente para o setor imobiliário.

Boletins informativos

Os boletins informativos por email oferecem vários benefícios. Basta fornecer uma linha de assunto atraente. Para incrementar seus boletins informativos, use postagens de blog, vídeos curtos, novas listagens, infográficos, notícias geo-específicas, pontos de dados de tendência, links para postagens de mídia social, guias de comprador / vendedor, etc.

Histórias de sucesso

As estatísticas mostram que 92% das pessoas confiam nas recomendações de colegas, enquanto 70% confiam nas recomendações de estranhos. Essa tática vai bem com depoimentos e análises em vídeo para construir sua credibilidade, converter leads e melhorar o ROI.

Storytelling

O storytelling é uma narrativa coesa que desperta muitos sentimentos. Como ter uma casa é sempre emocionante, seu marketing imobiliário deve usar postagens de blog inspiradoras, visualizações em vídeo de terrenos e estudos de caso para contar histórias. Incentive os clientes a contar suas histórias também.

SEO imobiliário

O SEO imobiliário pode aumentar sua visibilidade online e atrair muitas pessoas ao seu site sem ter que pagar por anúncios ou fazer ligações não solicitadas. Usando seus 3 elementos principais – rastreamento, indexação e classificação – você pode garantir que seu site atraia muitos leads.

Mas por que sua imobiliária precisa de SEO?

Para responder a essa pergunta, vamos dar uma olhada em alguns dos benefícios do SEO para o setor imobiliário:

Aumenta a classificação do site e autoridade de domínio (DA);

Aumenta o tráfego e as conversões;

Melhora o conhecimento da marca;

Melhora o ROI de maneira econômica.

Oferecendo serviços de SEO de qualidade, um especialista em SEO irá sugerir uma estratégia de SEO perfeita que aumentará as taxas de conversão e aumentará o tráfego para seu site. Aqui estão algumas técnicas que um especialista em SEO no setor imobiliário usará:

Realização de uma auditoria de SEO

Este processo cansativo e demorado é crucial se você deseja monitorar o desempenho do seu site. Ao realizar uma auditoria de SEO, você identificará todas as oportunidades inexploradas e ficará atualizado sobre os últimos desenvolvimentos em SEO imobiliário.

Além disso, uma auditoria de SEO ajudará a identificar problemas técnicos de SEO, métricas de sites concorrentes, lacunas de palavras-chave e levá-lo ao topo do Google.

Realização de pesquisas de palavras-chave

Para um site de casas em São Paulo, certas palavras-chave influenciarão sua classificação nos motores de busca. Usar as palavras-chave certas atrairá mais tráfego orgânico para seu site e gerará leads de alta qualidade. Para conseguir isso, no entanto, você precisa otimizar seu site para palavras-chave.

A realização de pesquisas de palavras-chave será muito valiosa, pois você conhece o conjunto de palavras que atrairá o maior volume de pesquisas. Além disso, você deve fazer uma análise da concorrência para obter as palavras-chave específicas para as quais os sites de seus concorrentes estão classificados.

Utilização de SEO local

Os serviços imobiliários de SEO são mais eficazes se você for local ou basear seu conteúdo em uma área. Como a maioria das pessoas pesquisa empresas ou serviços em sua localidade, você precisa se posicionar adequadamente nas listagens locais atualizando seu perfil do Google My Bussiness (GMB).

As informações fornecidas no GMB estão disponíveis no Google Maps e são facilmente acessíveis para clientes em potencial. Otimize-o!

Criação e otimização do seu conteúdo para SEO

A criação de conteúdo é uma estratégia muito importante, mas você colocará sua empresa em vantagem se criar conteúdo otimizado para SEO. Além de ser conciso, claro e correto, o conteúdo deve incorporar palavras-chave relevantes, ser de alta qualidade e responder às dúvidas dos leitores.

Utilização de ferramentas online

Conseguir que seus clientes-alvo patrocinem seus serviços imobiliários de SEO não é pouca coisa por causa da competição acirrada lá fora.

Fornecer aos visitantes e clientes em potencial ferramentas relevantes, como calculadoras de hipotecas e empréstimos online, pode aumentar o conhecimento da marca e melhorar o envolvimento com o público que busca comprar casas.

Gostou do artigo? Siga-nos nas nossas redes sociais e fique por dentro de outros conteúdos interessantes!

Redator fonte: Rafaela M. Freitas

Empresas nativas digitais e a necessidade de conexão e experiências

por Lyana Bittencourt*

A sigla pode não ser tão conhecida, mas com certeza você já se deparou com uma dessas empresas: as “Digital Native Virtual Brands” ou “nativas digitais” são aquelas empresas, geralmente indústrias, que escolheram o canal digital para operar sua estratégia de Direct to Consumer, ou seja, o canal direto ao consumidor final.

E o que elas têm de especial? Uma cultura bastante própria. Para começar, elas focam na sustentabilidade e responsabilidade social. Já nascem com uma consciência ambiental, social e de impacto econômico que muitas das empresas ainda estão lutando para adquirir. Como forma de expressar isso, programas de recompra e reforma de itens, reciclagem e reuso são parte do seus processos.

Ao mesmo tempo que focam nesses pontos, valorizam a cadeia produtiva, se apegando às origens de seus insumos e respeitando cada elo dessa cadeia. Com isso, acabam por contar belas histórias. O storytelling faz parte de suas estratégias de marketing, pois sua forma genuína de fazer acontecer por si só atraem a atenção e engajam os consumidores. Isso tudo como resultado de um propósito, uma razão de existir muito claras.

Como exemplo, a Ugly uma marca de bebidas carbonatadas sem ingredientes artificiais. Super irreverente e que busca a quebra do status quo, pois foi criada com o propósito de quebrar “a verdade feia” em um mundo de notícias falsas, ingredientes artificiais e buscam promover o bem social. A cada bebida vendida, eles doam uma parcela para entidades que buscam reduzir a desigualdade de gênero e a conservação dos oceanos. Ou ainda a Soylent, que tem o propósito de “descomplicar o que é complicado” e promete nutrição em uma garrafa. Por meio de produtos baseados em soja, garantem que seus produtos substituem uma refeição completa – em diferentes formatos e de forma funcional.

Os exemplos acima já mostram como essas marcas também buscam alavancar negócios disruptivos. Como é o caso da Rent the Runaway que tem como modelo de negócio a assinatura de roupas. Ou seja, por um período você recebe em casa algumas roupas, usa e depois devolve, recebendo novas em seguida. Ou ainda a Peloton que é uma assinatura de streaming de aulas de ginástica – ou vivo ou sob demanda – tudo isso associado à venda de produtos como esteiras e bicicletas que se conectam ao streaming.

Como no caso da Peloton, o conteúdo é rei. A produção de conteúdo está na essência dessas marcas, como forma de se aproximar e engajar consumidores. As redes sociais são sua principal forma de divulgação e nelas contam histórias, trazem depoimentos e mostram como podem ajudar a solucionar problemas e dores da sua audiência. É tudo pensado em como o consumidor vai receber a mensagem e se conectar com ela. Afinal, também são maníacos pela experiência do consumidor – reviews, avaliações e recomendações fazem parte do negócio como forma de obter insights, melhorar a experiência e fornecer um atendimento personalizado.

E o atendimento personalizado vai além de chamar pelo primeiro nome. É uma estratégia 100% centrada em dados e amparada por tecnologia para se relacionar com o consumidor durante toda a sua jornada e em todos os pontos de contato de forma a oferecer sempre solução e experiência. É fazer com que o cliente sinta que a empresa o conhece tão bem que consegue antecipar suas necessidades antes mesmo que ele perceba.

Como mentalidade, as nativas digitais sabem que precisam realmente abraçar as mudanças do ambiente e das necessidades de conexão e experiências. Elas investem em tecnologia e estão sempre na vanguarda. E como resultado, alavancam seu negócio. Muitas participam de rodadas de investimento e acabam por crescer de forma exponencial, alcançando e ultrapassando muitas empresas tradicionais do mercado.

Se você olha para tudo e pensa “isso não é pra mim” saiba que está perdendo tempo. Porque isso é o que o consumidor espera e se você quer se conectar com ele, é isso que sua empresa precisa fazer.

*Lyana Bittencourt, CEO do Grupo BITTENCOURT – consultoria com mais de 3 décadas de experiência de mercado especializada em desenvolvimento, expansão e gestão de redes de franquias e negócios