Agência busca estagiário para atuar em Conteúdo

Estágio em Conteúdo

A Supera, agência especializada em comunicação e cultura organizacional, está buscando um estagiário ou estagiária para o time de Conteúdo.

Pré-requisitos:
• Cursando Comunicação Social;
• Apresentação de portfólio (trabalhos acadêmicos estão valendo!);
• Boa redação e apuração.

Mande seu currículo e portfólio para selecao@superacomunicacao.com.br até 23 de setembro. No assunto, coloque Estágio – Conteúdo.

Vaga de estágio em criação

A Fundação Cultural Cassiano Ricardo está com vagas de estágio abertas na área de criação

Atenção: Os interessados devem se inscrever pelo site do CIEE até o dia 20 de setembro. Na inscrição é necessário anexar RG, CPF e boletim/histórico escolar do semestre anterior TUDO NO MESMO ARQUIVO para não ser desclassificado.

Para se inscrever acesse: bit.ly/3k3XoAn

 

Tem vaga para criativo

A Interativa tem mais uma vaga de estágio em criação

Requisitos da Vaga:

– Cursando 2º, 3º ou 4º ano de Publicidade e Propaganda
– Experiência com ferramentas de criação Adobe Photoshop e Illustrator

Estágio:

– Home Office
– Salário
– Ajuda de custo

Enviar currículo e portfólio:
contato@grupointerativa.com.br

Coluna “Discutindo a relação…”

É bom, mas é ruim

Durante um bom tempo na propaganda brasileira fomos inspirados por grandes profissionais. Mulheres e homens que atraiam todos os olhares e ouvidos e geravam uma enorme atração para a profissão e a atividade de propaganda. Durante esse período que durou – provavelmente e no máximo – até a primeira década dos anos 2000, muitos dos jovens que entravam nas faculdades de propaganda eram influenciados por estes ídolos.

E isso era bom!

A profissão de propaganda frequentava a novela das oito da Globo. E as publicitárias e publicitários das novelas eram chiques, sexys e bem resolvidos financeiramente. Além de tudo isso tinha a criatividade. Ahhh, a criatividade! Que legal seria ter ideias incríveis e colocar um comercial na Globo e uma página dupla na Veja!!!

Essa fase foi importante para a propaganda. Mas passou…

E veio uma era em que o trabalho publicitário é mais horizontal. Não é mais Romário (ou Pelé, Ou Zico, Ou Maradona, ou Messi) e mais 10. Não tem mais o cara ou a cara que é o craque que atrai multidões. O negócio agora é equipe, é time. A propaganda ficou mais colaborativa, mais ágil e com menos… brilho.

E isso é bom!

Muito embora os jovens talvez já não se sintam tão atraídos pela profissão porque não há grandes estrelas – e isso se reflete diretamente na queda de entrada de alunas e alunos nos cursos de publicidade e propaganda – acredito firmemente que a atividade publicitária ficou mais legal.

Então… é bom, mas é ruim.

Vamos – nós da educação ao lado do mercado – ter que buscar caminhos e soluções para que, mesmo nesse modelo horizontal e sem os grandes figurões ou figuronas, possamos mostrar que a propaganda ainda é criativa (mais do que já foi), atraente, sexy, divertida e uma baita opção de carreira. As agências têm que voltar a ser um lugar realmente bacana pra se trabalhar. A gente tem que trabalhar para mostrar pra garotada que tá lá no ensino fundamental e médio que esse negócio de ser publicitária e publicitário é muito legal!

Vamos nessa?