Publicidade com relevância: a era da comunicação data driven

por Fabio Schmitz, diretor da agência Seven Comunicação Total

Vivemos a era mais conectada de todas, com muita informação passando pela timeline de inúmeras redes sociais que acompanhamos diariamente. Devido a essa conexão intensa, deixamos nossos rastros por onde passamos. Já não é tão difícil ter acesso a um endereço de email, número de celular, idade e até mesmo gostos pessoais de alguém, já que a maioria de nós faz questão de postar muitas dessas informações nas redes para nossos amigos – e o mercado – saberem.

Fábio Schmitz, diretor da agência Seven Comunicação Total

Outros tipos de dados, como nosso tráfego na internet – o que acessamos, o que curtimos, o que não gostamos, ou seja, informação mais complexa – também estão disponíveis. O melhor uso de dados está na capacidade de tratá-los, analisá-los e contextualizá-los, para que eles enriqueçam as campanhas e promovam a melhor estratégia para os clientes.

É o que chamamos de data driven, quando a comunicação de uma empresa, especialmente suas campanhas publicitárias que impactam diretamente seu público-alvo, são orientadas por dados. Neste processo informações coletadas sobre o público e o mercado proporcionam assertividade (falamos diretamente com quem desejamos) e maior resultado (uma comunicação assertiva evolui para um volume de vendas muito mais expressivo). Um estudo da consultoria BCG em parceria com o Google, aponta que empresas que adotam a cultura dos dados em sua relação com os consumidores têm receita até 20% maior e chegam a cortar os custos em 30%.

Já outro estudo da Talend mostrou que 78% dos líderes de negócios dizem que enfrentam desafios ao usar seus dados e mais de um terço deles não estão usando-os para tomar decisões. As empresas têm mais acesso aos dados do que nunca, mas há muito poucas maneiras de entendê-los e principalmente de definir o que é prioritário para ajudar nessas análises. É, portanto, um campo que ainda exige uma grande evolução em muitas empresas, mas que para o mercado de comunicação reflete um oceano azul de possibilidades.

Com o data driven, mais do que nunca, temos a possibilidade de mensurar, através de dados minerados com maior precisão, o impacto das ações. Uma pesquisa recente da Kantar Ibope revelou, por exemplo, que 54% dos consumidores preferem ver anúncios que sejam relevantes para os seus interesses e particularidades (o que o universo digital, com informações relevantes de acesso e de comportamento do internauta, proporciona ao publicitário).

Outro fator que a comunicação data driven promove é a “personalização em massa”, com a possibilidade de atender demandas dos clientes, um a um, de forma massificada. O avanço da tecnologia em smartphones, computação em nuvem e aceleração digital como um todo mudaram esse cenário.

Um caminho para a melhor utilização dos dados é o desenvolvimento de data lakes, que são grandes depósitos de dados que podem ser acessados por qualquer área da empresa, além do apoio de profissionais especializados nas novas plataformas digitais para alavancar a comunicação. Isso porque, mais do que nunca, o dado bruto não é fator de diferenciação, mas sim a capacidade de transformar esses dados em informações práticas e ações inteligentes.

Antes de fazer Marketing na Era Digital, compreenda o que é Marketing

por Tatiana Lacaz

O Marketing tem como objetivo principal compreender as necessidades e os desejos das pessoas para fazer uma troca. Quando se adquire um produto de uma determinada marca, é cobrado um preço para que ele possa solucionar a sua dor/problema.

O conceito de Marketing existe bem antes da chegada dos aparatos tecnológicos, o digital é um complemento que interferiu diretamente nos processos e nas decisões das pessoas. A sua essência não muda, as redes sociais tornaram-se um meio de dialogar e mostrar o valor daquilo que as marcas oferecem e disponibilizam no mercado.

Compreender quais são as necessidades do cliente é essencial para entregar o esperado e prometido. A pirâmide de Maslow criada pelo psicólogo norte-americano Abraham Maslow divide as necessidades humanas em cinco tópicos: fisiológicos, de segurança, sociais, estima e auto realização.

Fonte: Reprodução/Internet. Acesso em 10 de maio de 2022

Na base da pirâmide encontra-se as necessidades fisiológicas do ser humano, como dormir, se alimentar, respirar, beber e se reproduzir. A próxima camada diz respeito a segurança e está relacionada ao conforto, bem-estar, estabilidade, cuidados com a saúde, proteção física, entre outros. Já a terceira camada aborda as necessidades interpessoais como os relacionamentos amorosos e familiares, entre colegas de trabalho e de faculdade, entre outras relações. Por fim, a quarta camada aborda as necessidades de valorização pessoal, pois as pessoas querem ser reconhecidas, valorizadas e aceitas na sociedade, seja na vida pessoal ou profissional.

A pirâmide de Maslow é crucial para auxiliar no entendimento das reais necessidades do ser humano; se o público está procurando satisfazer as necessidades de segurança, não tem por que criar promoções focando nas necessidades fisiológicas. A partir dessa teoria, pode-se criar estratégias assertivas para lidar com as pessoas, compreendendo o que ele sente em todos os aspectos da vida humana.

A premissa do Marketing é entender o comportamento das pessoas, e não a tecnologia em si, por isso, não adianta querer investir nas redes sociais bem como em outras plataformas, sem entender o nicho de mercado e o seu público. O estudo do comportamento do consumidor envolve muito mais do que quanto ele ganha, onde vive, quais canais e mídias consomem, é sobre desvendar os reais desejos, saber o que ele busca no dia a dia e o que ele está disposto a realizar
para satisfazer os seus anseios.

O digital veio para ficar, mas lembre-se sempre de uma coisa: “O futuro do Marketing encontra-se nos bancos de dados de marketing, através dos quais sabemos o suficiente sobre cada cliente para poder criar ofertas relevantes e personalizadas a cada um deles.” – Philip Kotler.

Agência busca coordenador de marketing

A BRZ Content está com vaga aberta para coordenador de marketing

A agência busca uma pessoa para assumir coordenação de marketing com foco em dados.

Veja abaixo os detalhes da vaga.

Mais de 80% dos consumidores vão às compras neste Dia das Mães

Pesquisa da ACI revela que comércio de São José vai estar aquecido este ano, com mais de metade dos consumidores prevendo gastar mais quem em 2021

Este Dia das Mães vai ser positivo para o comércio de São José dos Campos: 8 em cada 10 consumidores da cidade vão comprar presentes para a data e mais da metade deles planeja gastar mais que em 2021.

Imagem de Michael Schwarzenberger de Pixabay

Isso é o que revela a nova rodada de pesquisas feita pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos, em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico Sociais), realizada com o objetivo de retratar o comportamento do consumidor frente ao Dia das Mães, segunda principal data de compras do comércio, atrás apenas do Natal. O levantamento ouviu 147 pessoas nos dias 20, 27 e 29 de abril, em centros comerciais de grande concentração, como o Calçadão da Rua 7, a praça Afonso Pena e os shoppings Center Vale, Centro, Colinas e Vale Sul.

A pesquisa ACI/Unitau aponta que 82,11% dos consumidores pretendem ir às compras neste Dia das Mães, um índice extremamente positivo. Mais: 53,47% dos entrevistados disseram que pretendem gastar mais no Dia das Mães deste ano que na mesma data em 2021, com 22,77% dos consumidores afirmando que vão ter o mesmo patamar de gastos.

“Os números do levantamento ACI/Unitau são muito positivos e retratam o bom momento do comércio da cidade, com uma retomada gradual, mas firme, dos patamares de vendas de antes da pandemia”, disse a presidente da ACI de São José dos Campos, Eliane Maia. Segundo ela, o comércio da cidade trabalha com a expectativa de um aumento de vendas acima de 7% em relação a 2019 e de 13% a 15% sobre o ano passado. “Em 2020 e 2021, com o comércio fechado ou funcionando em regime de restrições, tivemos uma retração das vendas sobre 2019. Este ano, com certeza, o patamar de vendas será bem mais elevado, com a retomada da normalidade”, afirmou.

Produtos

E o que o consumidor planeja comprar neste Dia das Mães? Segundo a pesquisa, roupas e acessórios são os campeões de preferencia dos consumidores de São José dos Campos (34,65%), seguidos de perfumes e cosméticos (22,77%), calçados (10,89%), eletrodomésticos e móveis (5,94%), bolsas e acessórios (4,95%), joias e bijuterias (4,95%), produtos eletrônicos (2,97%) e viagens e turismo (1,98%).

Image by Ulrike Leone from Pixabay

O tíquete-médio de compras neste Dia das Mães deve ficar entre R$ 101 a R$ 200 (41,58%), com 39,6% dos consumidores prevendo gastar até R$ 100. As formas de pagamento? 84,16% disseram que vão pagar à vista, usando cartão de débito (43,56%), dinheiro (31,68%) ou pix (8,91%).

Coração de Mãe

A ACI de São José dos Campos quer ajudar o empresário a reforçar seu estoque para as vendas em maio, o Mês das Mães. Para isso, ela está lançando uma linha de crédito especial para o lojista, em parceria com a AC Crédito, instituição financeira ligada à Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo). A linha de crédito da campanha “Coração de Mãe” está aberta a pequenos e micro empresários (faturamento anual até R$ 4,8 milhões), com CNPJ sediado no Estado.

Basta acessar o site www.accreditodigital.com.br e fazer a operação “capital de giro taxa pré-fixada (prazo 12 meses).” Pagando em dia as prestações, o empresário não paga os juros das últimas 5 parcelas. As operações da campanha são a partir de R$ 3.000 até R$ 80 mil, com uma taxa pré-fixada a partir de 2,42% ao mês. Não são pedidas garantias físicas e operação é 100% digital, sem burocracia bancaria. A campanha “Coração de Mãe”, da ACI/AC Crédito, começa em 20 de abril e vai até o dia 31 de maio.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Gabriel Camacho