WhatsApp dá mais um passo e apresenta mecanismo de comércio

Por Rafael Franco*

O WhatsApp está começando a introduzir o recurso de diretórios, o que seria de certa forma uma versão moderna das páginas amarelas. Agora, os usuários poderão buscar produtos e serviços, o que é mais um avanço da empresa no segmento de e-commerce.

E o teste dessa funcionalidade está começando justamente pelo Brasil, mais especificamente na cidade de São Paulo. Outra novidade que deve chegar é o Bussiness Search, que traz a capacidade de encontrar empresas maiores de dentro do aplicativo.

O recurso permitirá que os usuários naveguem por empresas por categoria, como bancos, alimentos, bebidas e viagens, bem como por seus nomes, o que é um ataque central ao principal serviço de buscas do mundo, o Google.

O Business Search visa ajudar os indivíduos para que eles não percam tempo procurando números de telefone de empresas em seus sites e digitando ou até mesmo salvando esses detalhes em seus contatos telefônicos, conforme foi divulgado pela própria empresa em uma cúpula de negócios focada no WhatsApp no Brasil.

Os novos recursos reforçam as crescentes tentativas de transformar o aplicativo de mensagens gigante em um mecanismo de comércio, uma de suas maiores apostas para gerar receita com o serviço gratuito.

A empresa divulgou nos resultados trimestrais do mês passado que o negócio de anúncios, de clique para WhatsApp, cresceu 80% ano a ano e estava a caminho de gerar US$ 1,5 bilhão em receita anual.

A ferramenta já conta com mais de 120 milhões de usuários no Brasil e a empresa enxerga o nosso mercado como a bola da vez para reverter os maus resultados financeiros que vem apresentando recentemente.

Segundo Zuckerberg: “Este é o próximo passo para mensagens de negócios e estou ansioso para ouvir sobre as oportunidades que isso abre para todos vocês.”

E aí você já utiliza o Whatsapp e principalmente os chatbots em sua estratégia de negócio?

*Rafael Franco

Empresário que atua no mercado de tecnologia há 20 anos, a paixão o levou a se aprofundar nesta área e por isso se graduou em Ciência da Computação com pós em Engenharia de Software. Também foi executivo de multinacionais liderando projetos premiados por grandes empresas. Em 2015 fundou a Alphacode, empresa presente em São Paulo, Curitiba (PR) e Orlando (FL-EUA) em que atualmente é CEO. Lidera um time de especialistas em experiências digitais com grande destaque para projetos de aplicativos mobile, sendo responsável por projetos de grande porte neste segmento como Grupos Habib’s, Madero e TV Band. Comanda o time responsável por dezenas de aplicativos que atendem mais de 20 milhões de pessoas todos os meses, principalmente nos segmentos de Delivery, Saúde e Fintechs.

Coluna Propaganda&Arte

Quando o nonsense faz sentido
Por R. Guerra Cruz

O Nonsense definitivamente não é um tema novo, o livro Alice nos País das Maravilhas de 1865 está aí para confirmar, porém estamos revivendo uma nova era de propagandas nonsense? Será que qualquer marca poderia se utilizar deste artifício?

Não queremos fazer sentido

Como o meio publicitário é cobrado por resultados, é normal uma ideia nonsense ser descartada em um primeiro momento, afinal, qual razão de mostrar imagens, vídeos e textos que não dizem nada ao público, certo? Errado. Nem sempre funciona assim. Prova disso são as propagandas nonsense que estão sendo vinculadas até hoje. Só para citar algumas das antigas às mais novas: Old Spice, Never say no to panda, Nissin Yakisoba UFO.

Como podemos ver grande parte destas campanhas são voltadas para o público jovem, que consome não só estas marcas, mas artistas que também se utilizam do nonsense para se comunicar. Então podemos arriscar dizer que para essa geração o nonsense já é o normal, como as famosas vinhetas da MTV.

Tudo por um sorriso

Depois de analisarmos algumas campanhas publicitárias que se utilizaram do nonsense percebemos que sua maioria traz o artifício do humor, ou seja, o ineditismo do nonsense é o palco perfeito para trazer um apelo mais engraçado para a peça publicitária, que com alguns pequenos ajustes, é possível se enquadar nos perfis mais tradicionais de propaganda.

Ah, e é importante deixar clara a diferença do nonsense como base artística e outro nonsense que é utilizado mundo a fora para aquelas propagandas que passaram do ponto, as famosas propagandas sem limites. Muitas vezes fazendo humor com algum tema delicado.

Menos sentido / Mais sentimento

De forma geral, a atmosfera nonsense das campanhas citadas geram reações de espanto, animação, humor e sensações diversas, em alguns casos até estranhas, mas no final das contas, acredita-se que, antes de fazer sentido, a propaganda precisa ser sentida e, nesse quesito, o nonsense cumpre bem o seu papel, pois tem maior liberdade de cores, formas, imagens etc.

Agora resta saber se todas as agências e clientes estão preparados para rodar uma propaganda como essa e coletar os dados para saber se valeu a pena!

7 dicas para fazer um bom marketing digital

Por Mahara Scholz*

Atualmente, existem mais de 5 bilhões de usuários conectados à internet em todo o mundo. Com os consumidores abandonando espaços físicos e realizando tarefas do dia a dia na palma da mão, a demanda por comunicações digitais ganhou ainda mais espaço nas estratégias das empresas. As chances de uma pessoa que entra em um novo restaurante ou até mesmo em uma oficina mecânica ter encontrado aquele estabelecimento online são grandes. E é isso que torna o marketing digital tão importante. Assim, é possível se conectar com o cliente e não oferecer apenas produtos, mas também garantir que ele tenha acesso à informação de qualidade e uma boa experiência de compra. Da mesma forma que o marketing tradicional, o digital busca promover bens ou serviços, impulsionar vendas e aumentar a consciência de marca.

Seja seu negócio B2B ou B2C, ter o marketing digital no plano de ação é indispensável para garantir presença na internet e conquistar novos clientes. Por isso, separei sete dicas práticas para realizar uma comunicação digital assertiva e obter os resultados que busca para expandir o seu negócio.

Geração e qualificação de leads
O primeiro passo é conhecer o seu público, dessa maneira você conseguirá ter ideias sobre o que funcionará melhor para sua base. Por isso, contar com ferramentas que auxiliem na geração e qualificação de leads – pessoas que tiveram contato com a sua marca e demonstraram interesse de compra – é indispensável. Neste contato, a empresa realiza perguntas diretas e simples para entender o momento do cliente e se ele é um potencial comprador. Com essa definição, a equipe ganha tempo para agir estrategicamente e iniciar a técnica de venda ativa. Assim, é possível segmentar os usuários de acordo com interesses mais específicos e conectá-los rapidamente com a área de vendas para garantir as oportunidades quentes. Nestes casos, muitas empresas têm investido no uso de bots, que garantem um atendimento rápido e humanizado, 24h por dia, sem a necessidade de um agente humano disponível.

Aposte na personalização
Uma pesquisa da Adlucent Marketing Performance mostrou que 71% dos entrevistados preferem anúncios personalizados, tendo duas vezes mais chances de clicar em publicidade digital de marcas desconhecidas, caso o assunto esteja de acordo com suas preferências de consumo. Por isso, reserve um tempo para estudar e compreender totalmente quem é seu público e descobrir quais são as redes sociais e aplicativos de mensagens que passam mais tempo conectados.

Ações de relacionamento proativas
Também conhecido como marketing de relacionamento, as ações proativas buscam estreitar os laços com a sua clientela. Ao contrário do marketing de divulgação tradicional, onde você precisa investir para captar novos públicos, estas ações permitem a rentabilização do banco de dados de clientes que você já possui. Aproveite datas comemorativas e aposte na distribuição de brindes e cupons de desconto exclusivos.

Facilite a jornada do cliente
No mundo de hoje, os consumidores exigem rapidez no processo de compra. Facilitar a jornada do cliente significa melhorar sua experiência e agilizar o atendimento. A loja Velocità, especializada em artigos para corrida, por exemplo, automatizou os atendimentos e além de entregar respostas mais rápidas e melhorar a experiência dos clientes, ainda aumentou cerca de 15% das vendas online. Isso aconteceu porque eles centralizaram os canais de comunicação em apenas uma plataforma e reduziram o tempo de resposta ao usuário.

Organize sua equipe
A estratégia de marketing não abrange somente a comunicação da sua empresa com os consumidores. O desempenho da sua equipe possui um papel maior do que você imagina, especialmente quando se trabalha à distância. Sempre podem existir fatores que desalinham a comunicação do seu público interno, por isso, é importante investir em um canal interno ou uma plataforma com as novidades da empresa. Com campanhas de e-mail marketing e atualizações no site, por exemplo, é possível manter os colaboradores engajados, melhorar a comunicação entre os times e ainda manter padrões que ajudem, de maneira prática, na qualidade do atendimento do cliente.

Trabalhe na construção e reconhecimento de marca
Como a internet tem um alcance global, o seu negócio poderá ser visto por um público muito maior do que se imagina. Com o apoio do marketing digital é possível trabalhar na construção e no reconhecimento de marca, incluindo posicionamento, valores e ideais. Quando uma empresa é vista como uma marca reconhecível e de boa reputação, a credibilidade aumenta e facilita não só a fidelização de clientes, mas também a atração e retenção de talentos que compartilham da mesma visão.

Aposte em parcerias
Outra excelente maneira de aproveitar a comunicação digital para aumentar a visibilidade da sua marca é com o apoio de parcerias. Elas podem ser realizadas com outras marcas que oferecem produtos ou serviços complementares aos seus, ou com influenciadores digitais cuja presença nas redes sociais tenha um público que pode se interessar pelo que você oferece.

*Mahara é formada em administração de negócios pela UDESC, e possui especialização em Marketing pela ESPM. Já estruturou e escalou equipes de Marketing, vendas e CS e trabalhou em grandes empresas como Grupo RBS e RD Station. Atualmente é Head de Marketing na Octadesk.