Web3: uma nova revolução vem aí

A web3 é a nova revolução na forma de interagir digitalmente. Entender porque esse tema se tornou tão usado nos últimos dias é o ponto de partida.

A web3 é basicamente (e exatamente) a terceira geração da internet. Tá, mas e o que isso tem a ver?

Vamos lá! De acordo com o pessoal do portal americano GizModo, para os profetas é uma revolução; para os céticos, é um castelo de cartas bem exagerado.

Foto: ViDIstudio/ Freepik

Em outras palavras, e para ser bem mais claro, web3 diz muito a respeito de informação descentralizada. Por isso pode ser associado a outros termos bastante em alta, como blockchain, criptomoedas e NFTs, ou tokens não-fungíveis/permutáveis.

Embora muitas das promessas da web3 ainda precisem ser implementadas ou mapeadas adequadamente, parte dessa revolução já faz parte do nosso dia a dia.

Voltamos na internet dos anos 2000? Muita calma nessa hora!

Web3: a revolução da internet

Se você está lendo este artigo, certamente passou pela era da internet discada com páginas estáticas, ou em outras palavras, a era da web1.

Os sites tinham muita informação e notícias. As imagens eram totalmente fora de padrão, ocupavam quase que a página inteira e os vídeos, pra não dizer que não existiam, eram totalmente fora de questão, pesados e sem qualidade.

Logo no início do século 21, chegou a então super moderna web2, onde o dinamismo e edição eram voltadas aos usuários. Foi mais ou menos como um adeus às páginas estáticas.

Vamos falar a verdade, quantos aqui neste grupo nos cadastramos no gmail apenas para ter acesso a todas as possibilidades oferecidas pelo Google? Isso sem contar na distribuição de conteúdos próprios na web.

Além disso, aquele probleminha das imagens e vídeos da era anterior foram superados.

O mundo atual, e talvez, ideal

A tecnologia evoluiu tão rapidamente neste quesito que agora falamos em lives, transmissões ao vivo, alta resolução, qualidade, áudio e vídeos prefeitos pela internet, e assim vai.

Mas há uma razão em especial para atualizar: a descentralização!

Isso já está bastante comum com as criptomoedas e as aplicações de blockchain, mas é sempre bom reforçar.

Nesta nova era, plataformas que acumulavam informações como Google, Meta, Apple, Microsoft, Amazon, por exemplo, tornar-se-ão mais democráticas e com conteúdo totalmente descentralizado.

A chave principal para essa revolução da descentralização é a tecnologia blockchain, que distribui a informação em registros publicamente visíveis e verificáveis (desde autorizados e de acordo com LGPD). Além disso, podem ser acessados ​​por qualquer pessoa, em qualquer lugar.

E como dica, associe sempre web3 à descentralização, dinamismo, blockchain e criptomoedas. Essa é a nova era da internet!

Espero que a sua passagem para esta nova era da web3 seja tranquila e segura tanto quanto a tecnologia que o blockchain nos oferece!

Nos vemos no próximo artigo.

Mauricio Conti é Engenheiro de Computação, founder do Simples ID, CPO wconnect, Conselheiro Administrativo, Profissional de tecnologia e Saúde Digital, influenciador digital nas áreas de Blockchain e NFT.

 

Live commerce: práticas recomendadas para o sucesso dessa estratégia de vendas

por Marcio Machado, fundador e CEO da StreamShop*

Nascido na China, o live commerce – modalidade de vendas, que consiste na experiência de compra online que permite que consumidores interajam ao vivo com influenciadores e vendedores, comprando produtos diretamente durante as transmissões – deixou de ser uma novidade no Brasil e já se apresenta como uma das grandes armas de estratégia digital de pequenas e grandes marcas.

Crédito: Henrique Padilha

Isso acontece porque os resultados apresentados fora do país demonstram o enorme potencial do recurso para impulsionar vendas enquanto ocorre a humanização da venda. Na China o live commerce movimentou cerca de US$ 200 bilhões em 2020 e a estimativa, segundo a Research and Markets, é de que a indústria global do ‘e-commerce social’ fature US$ 600 bilhões até 2027.

E como ter sucesso no live commerce?

O live commerce pode gerar uma taxa de conversão de seis a dez vezes maior do que as vendas tradicionais por e-commerce, mas para isso é necessário muito planejamento e seguir um passo a passo rigoroso para que tudo funcione exatamente como o esperado.

1. Construa uma audiência prévia. Não vai adiantar nada programar um mega evento se não terá uma audiência para engajar e consumir. fazer um super evento sem ninguém para assistir. Então é preciso fazer um esforço de divulgação para a base de clientes e possíveis interessados na live para que ela seja um sucesso.”

2. Defina a estratégia para a sua live. É importante definir o catálogo de produtos que serão ofertados, quais serão as promoções que vão ser disponibilizadas para os consumidores, oportunidades de última hora para instigar o senso de urgência e tudo o que envolve a dinâmica da venda.

3. Escolha um bom apresentador (host). É essencial que a pessoa escolhida para apresentar a live seja capaz de estabelecer conexão com a audiência num tom de conversa, como se estivesse presente cara a cara com o consumidor. E não somente isso, o apresentador também precisa ter conhecimento geral sobre o que vai ser ofertado.

4. Gere conteúdo relevante. A live shop precisa ser interessante e ao mesmo tempo divertida. No digital e no e-commerce, onde tudo fica muito parecido, a criação de conteúdo relevante é que vai separar quem vai ter a atenção e o engajamento do consumidor. Então, é importante focar em um bom roteiro, nos ensaios e na preparação do host.

5. Tenha um olhar crítico. O responsável pela estratégia digital deve observar a live do começo ao fim, checando os produtos mais acessados, as promoções que se esgotam mais rápido, os momentos mais curtidos e comentados da live, e também aqueles de menor engajamento para que você consiga planejar sua próxima ação e ter ainda melhores resultados.

Marketing Digital: 9 grandes tendências para 2022

por Aline Bak*

O marketing digital está em constante evolução e hoje é considerado essencial para gerar valor e produzir impactos positivos para os negócios, das vendas ao relacionamento com o cliente, passando pela gestão da carteira de cada empresa. A Pesquisa Maturidade do Marketing Digital e Vendas no Brasil, divulgada pelo Mundo do Marketing, indica que 94% das empresas escolheram o marketing digital como estratégia de crescimento.

Imagem de Mirko Grisendi por Pixabay

Este ano deverá consolidar algumas tendências que já estão em curso, assim como presenciaremos também o surgimento de movimentos que serão cruciais para as empresas que visam promover o sucesso de seus negócios na web. Com isso, é extremamente importante que as marcas não somente planejem o futuro das suas ações de marketing, mas estejam também preparadas para tirar máximo proveito das novidades que estão surgindo a todo momento.

Para auxiliar nesse sentido, confira as 9 principais tendências do marketing digital que vão estar em alta durante 2022:

1) TikTok: a popular rede social chinesa, que vem batendo recordes de downloads em todo o mundo, deverá se firmar como a grande plataforma do ano que vem. Inclusive, empresas de diversos setores já enxergaram um enorme potencial nessa ferramenta para conquistar e gerar maior aproximação com seu público. E a plataforma é cheia de oportunidades, porque tem um algoritmo que hoje é muito mais eficiente do que as outras redes sociais. A quantidade de entregas do Tik Tok atualmente supera em quatro vezes a do Instagram. Com isso, os vídeos ali postados impactam um número muito maior de pessoas, com potencial de atrair um volume superior de seguidores.

2) Vídeos curtos: já sabemos que vídeos menores tendem a ter melhor desempenho na web. Segundo a HubSpot, vídeos com menos de 90 segundos de duração possuem uma taxa de retenção de 57%, ao passo que aqueles acima de 30 minutos, apenas 10%. Além disso, os usuários valorizam os que são rápidos e de fácil carregamento, principalmente nas redes sociais. Em 2022, os vídeos com duração de até um minuto vão se consolidar com ainda mais dinamismo e força.

3) Marketing de influência: dados do Instagram revelam que 87% dos usuários se inspiram em um influenciador antes de efetuar uma compra. Ou seja, estes profissionais têm um poder de persuasão enorme! Afinal, suas campanhas fornecem contexto e relevância para as marcas. Pode anotar: o mercado de influencers é próspero e segue em plena expansão. Cada vez mais, profissionais de marketing vão buscar oportunidades com estes formadores de opinião.

4) Experiências por voz: Segundo a Juniper Research, até este ano ocorreram 4,6 bilhões de transações por voz e até 2023 um aumento expressivo é esperado, de cerca de 19,4 bilhões. Aqui entram assistentes virtuais como o Alexa (e outros), assim como canais para criação de conteúdo. Nesse quesito, um bom exemplo são os podcasts, que ganham relevância cada vez maior ao consolidar a imagem de especialistas dos mais diversos mercados. Enfim, toda plataforma que dê conta da jornada do consumidor por áudio será bastante valorizada.

5) Responsabilidade social: a pandemia da Covid-19 mostrou como as cadeias de valor globais são vulneráveis e as empresas estão percebendo, mais do que nunca, a importância da resiliência. Para estarem prontas no cenário econômico pós-pandemia, bem como para eventuais crises, as marcas precisam evoluir seu foco e reinventar suas estratégias, com maior ênfase na empatia e sustentabilidade.

6) Presença digital ampliada: em 2022, as empresas vão precisar ter, definitivamente, uma estratégia de marketing abrangente sobre como desenvolver, implementar, gerenciar e filtrar sua presença digital. Nesse contexto, estar presente no maior número possível de plataformas vai fazer toda a diferença.

7) Influenciadoras 50+: chegou a vez das mulheres maduras ocuparem seu espaço na web. Este movimento ocorre sobretudo no Instagram, que vive um verdadeiro boom de perfis de mulheres com mais de 50 anos. E de acordo com dados da HubSpot, estas profissionais vão ganhar ainda mais destaque no próximo ano. Em tempo: na minha empresa, hoje, mais de 65% da demanda é proveniente de mulheres maduras.

8) Metaverso: o mundo digital cheio de possibilidades focado em experiências virtuais onde o usuário poderá realizar tudo o que imaginar, será um dos grandes temas em evidência no marketing em 2022. O que se espera é que as marcas invistam cada vez mais neste universo para alcançar novos públicos e fidelizar os heavy users da internet.

9) Humanização em pauta: estar mais próximo do consumidor, por meio de avatares e personagens, será algo ainda mais forte nos próximos anos. Estes ícones possibilitam ao consumidor ter uma experiência mais pessoal e aumentam o valor do entretenimento e da informação, melhorando consideravelmente a satisfação do consumidor no ambiente da web.

*Aline Bak: é especialista em marketing de influência digital, consultora e estrategista de influência digital e de negócios digitais. Atua há oito anos no mercado de marketing digital e é formada pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado-SP), em São Paulo, com especialização no Instituto Europeo di Design (IED) em Barcelona, na Espanha.

Fonte: Key Press Comunicação

Dispositivos móveis dominam a conectividade

Dispositivos móveis somam 91% do tempo de conectividade no Brasil

• De acordo com análise da Comscore, globalmente, o país só fica atrás da Indonésia e da Índia. Percentual cresceu 6% de um ano a outro

• Formato de vídeo se destaca no consumo digital global. No Brasil, a média de horas mensais por telespectador foi de 13,2 horas, em agosto deste ano

A nova realidade desencadeou um aumento mundial do número de internautas e da quantidade de horas que os usuários passam consumindo todo tipo de conteúdo nas mais diversas plataformas. O Brasil faz parte desse boom: 91% do tempo de navegação na Internet foi por meio de dispositivos móveis.

Nesse sentido, o Brasil cresceu 6% ano a ano, ficando atrás apenas da Indonésia (97%) e da Índia (91%), na lista de países pesquisados pela Comscore em todo o mundo.

Em termos de crescimento de audiência, o país apresentou aumento de 4%, assim como a Colômbia. Esse crescimento é inferior ao de países como Peru (10%) e Argentina (5%), mas superior ao de outros mercados importantes como Chile (3%) e México (1%).

O fenômeno faz parte de um contexto de alta conectividade na América Latina. Segundo o mesmo relatório da Comscore, a região é a segunda com maior número de minutos médios por visitante mensal (988), perdendo somente para os mercados europeu e asiático, sendo superada apenas pela América do Norte (1635).

O detalhe sobre o consumo específico revela que, embora tanto o consumo de notícias, quanto o de comércio eletrônico e serviços financeiros mantiveram crescimento constante de 2020. Por sua vez, o formato de vídeo está muito presente no mercado em nível global, com 1,919 milhões de pessoas consumindo vídeos online, a uma média 7,9 horas, em agosto deste ano.

No Brasil, a média de horas mensais por telespectador no mesmo mês foi de 13,2 horas, respectivamente. Os dois principais grupos de idade que assistem a vídeos são pessoas entre 15 a 24 anos e entre 25 a 34 anos.

A análise da Comscore inclui dados sobre comunicação e arrecadação de fundos de ONGs e o formato de vídeo é amplamente utilizado por ONGs por meio de múltiplas plataformas como Instagram, YouTube e Tiktok. Organizações como UNICEF, Greenpeace e Cáritas, entre outras, geram um grande número de menções nas redes sociais. Isso aumenta quando o conteúdo está diretamente relacionado às suas campanhas de arrecadação de fundos, sendo o Brasil e o México os dois países onde isso mais acontece entre os usuários da faixa etária de 25 a 34 anos.

“Não há dúvidas de que a pandemia de coronavírus impulsionou a aceleração digital e estabeleceu um novo patamar de audiência em diversas categorias de consumidores. O forte engajamento no consumo de vídeos, em especial, indica, em parte, o comportamento digital dos internautas frente a essa nova realidade na qual estamos todos inseridos”, conclui Alejandro Fosk, gerente geral da Comscore na América Latina.

Fonte: AVC Comunicação – Ana Paula Sartori