WhatsApp dá mais um passo e apresenta mecanismo de comércio

Por Rafael Franco*

O WhatsApp está começando a introduzir o recurso de diretórios, o que seria de certa forma uma versão moderna das páginas amarelas. Agora, os usuários poderão buscar produtos e serviços, o que é mais um avanço da empresa no segmento de e-commerce.

E o teste dessa funcionalidade está começando justamente pelo Brasil, mais especificamente na cidade de São Paulo. Outra novidade que deve chegar é o Bussiness Search, que traz a capacidade de encontrar empresas maiores de dentro do aplicativo.

O recurso permitirá que os usuários naveguem por empresas por categoria, como bancos, alimentos, bebidas e viagens, bem como por seus nomes, o que é um ataque central ao principal serviço de buscas do mundo, o Google.

O Business Search visa ajudar os indivíduos para que eles não percam tempo procurando números de telefone de empresas em seus sites e digitando ou até mesmo salvando esses detalhes em seus contatos telefônicos, conforme foi divulgado pela própria empresa em uma cúpula de negócios focada no WhatsApp no Brasil.

Os novos recursos reforçam as crescentes tentativas de transformar o aplicativo de mensagens gigante em um mecanismo de comércio, uma de suas maiores apostas para gerar receita com o serviço gratuito.

A empresa divulgou nos resultados trimestrais do mês passado que o negócio de anúncios, de clique para WhatsApp, cresceu 80% ano a ano e estava a caminho de gerar US$ 1,5 bilhão em receita anual.

A ferramenta já conta com mais de 120 milhões de usuários no Brasil e a empresa enxerga o nosso mercado como a bola da vez para reverter os maus resultados financeiros que vem apresentando recentemente.

Segundo Zuckerberg: “Este é o próximo passo para mensagens de negócios e estou ansioso para ouvir sobre as oportunidades que isso abre para todos vocês.”

E aí você já utiliza o Whatsapp e principalmente os chatbots em sua estratégia de negócio?

*Rafael Franco

Empresário que atua no mercado de tecnologia há 20 anos, a paixão o levou a se aprofundar nesta área e por isso se graduou em Ciência da Computação com pós em Engenharia de Software. Também foi executivo de multinacionais liderando projetos premiados por grandes empresas. Em 2015 fundou a Alphacode, empresa presente em São Paulo, Curitiba (PR) e Orlando (FL-EUA) em que atualmente é CEO. Lidera um time de especialistas em experiências digitais com grande destaque para projetos de aplicativos mobile, sendo responsável por projetos de grande porte neste segmento como Grupos Habib’s, Madero e TV Band. Comanda o time responsável por dezenas de aplicativos que atendem mais de 20 milhões de pessoas todos os meses, principalmente nos segmentos de Delivery, Saúde e Fintechs.

A TV não está morta, vida longa à TV!

*Por Adriano Oliveira

Com o advento da internet, nos anos 1990, e principalmente, após o surgimento das redes sociais, há 20 anos, muita gente apostou no declínio da televisão como mídia e veículo de propaganda. E se enganou.

O fato é que a chegada de novas tecnologias incentivou tanto as ações de TV como a retroalimentação entre as mídias, como é o caso dos comerciais com QR codes mostrados na TV que geram tráfego para sites. Outro dado que beneficia o formato em vídeo é que apenas 20% da população brasileira é plenamente funcional em texto. O celular é muito usado para acompanhar as redes sociais enquanto o telespectador assiste a alguma atração na televisão.

De acordo com um levantamento de 2021 da agência britânica de classificação de TV Broadcasters Audience Research Board – BARB, a TV responde por 15% do tempo gasto em conteúdo pela faixa etária de 25-34 anos. No público geral, o tempo gasto consumindo conteúdo via TV é 29%.

Não por acaso, o valor investido via agências de publicidade no ano passado, no Brasil, chegou a R$ 19,7 bilhões, e a maior fatia desse montante, 45,4%, foi para a TV aberta, seguida pela Internet, que ficou com 33,5%. E 87% da propaganda em vídeo ainda é veiculada na TV e não em plataformas de streaming.

Esses investimentos tendem a aumentar. Uma das razões é o envelhecimento da população. A faixa etária com mais de 50 anos correspondente a 25% da população no Brasil, mas que detém 40% da renda nacional – representando maior potencial de consumo – considera mais confortável consumir programas na TV do que no celular ou tablet. Acrescente-se a isso estimativas de que a cada 21 segundos uma pessoa faz 50 anos no Brasil.

A lembrança da marca é outro fator que se mantém forte em propagandas de TV. De acordo com a mesma pesquisa BARB, a TV causa lembranças mais duradouras para as marcas do que mídias digitais. A penetração efetiva da internet é de 15%. Tal índice é metade do alcançado pela TV. Aliado a isso, o pop-up nem sempre é consenso de boa experiência com as marcas.

Por outro lado, nunca vivemos tempos tão intensos, de mudanças e inovações de toda ordem a ponto de estarmos em vias de falarmos com nossas geladeiras diariamente. Muito do que será o futuro próximo ainda sequer somos capazes de imaginar. Mas, uma coisa é certa. Seja lá o que for, vai passar na televisão.

*Adriano Oliveira é sócio e head de atendimento da Publiset

Vaga para Assistente de marketing digital

MDX (Alchemy e Arriba) está procurando Assistente de marketing digital

Requisitos:

• Conhecimento em social media: redação, agendamento, SAC, produção de conteúdo e anúncios.
• Perfil antenado nas Redes sociais, tecnologia, inovação e tendências
• Experiência anterior com digital
• Atenção aos detalhes
• Proatividade e organização

Vaga para atuar em home office com regime de contratação PJ

Candidate-se ou encaminhe o seu currículo e portfólio para o e-mail: camila@mdxgroup.com.br com o assunto: Vaga Assistente de Marketing Digital

ESPM lança laboratório de pesquisa, ciência de dados e comunicação midiática

Criado em parceria com empresas de tecnologia, o DataLab prepara alunos para o desenvolvimento de análises e estudos de mercado

A ESPM, uma das mais respeitadas escolas de negócios do país, lança na próxima segunda-feira, 3/10, o DataLab, espaço acadêmico dedicado a treinamento dos alunos nas áreas de dados, tecnologia e comunicação midiática e a desenvolvimento de projetos com empresas parceiras. O laboratório foi desenvolvido como uma martech ̶ empresa de tecnologia de dados aplicados ao marketing e à comunicação.

Nesta primeira etapa do DataLab, 21 alunos convidados passarão por um programa que inclui oficinas, workshops e capacitações nas plataformas Kantar, Zygon, Juicy, Canal do Mídia. Eles também serão treinados na linha de self service analytics, com o uso de ferramentas da Tableau (Dataprep: Tableau Prep Builder e Dataviz: Tableau Desktop) e RapidMiner Predictive Analytcs (rapidminer), e farão pesquisas (exploração, interpretação e análise de dados), baseadas nas novas demandas profissionais do mercado. O programa tem duração de cinco meses e garante certificação expedida pelos parceiros.

Segundo Paulo Cunha, coordenador do curso de Comunicação e Publicidade e um dos idealizadores do projeto, o DataLab vai atender às demandas nacionais e regionais por pesquisas, estudos, serviços técnicos e formação de recursos humanos qualificados. “A parceria está sendo firmada com grandes organizações, que criam conexões com alunos e professores em um ambiente corporativo multi empresarial”, diz.

Jorge Surian, um dos tutores do Datalab e professor de Sistemas de Informação, explica que, a partir de dados anonimizados cedidos por organizações parceiras da ESPM, os alunos buscarão padrões que contribuem para que as empresas compreendam melhor o mercado como um todo, seus clientes e a relação deles com seus produtos.

O projeto é uma iniciativa dos cursos de Comunicação e Publicidade e de Sistemas de Informação, e conta com a tutoria de Flávio Marques, coordenador do curso de Sistemas de Informação, e dos professores Jorge Surian (SI) e Diego Oliveira (CP). Adriana Cury, vice-presidente de criação da Nova/SB Brasil ESPM, e Melissa Vogel, CEO da subsidiária brasileira da empresa de pesquisa Kantar Ibope Media e presidente do Interactive Adverstising Bureau (IAB) Brasil, serão as madrinhas desta edição.

Fonte: NovaPR – William Lara