Primeira edição do Sinergia em Rede

APP MOGI & ALTO TIETÊ realiza em parceria com APP VALE DO PARAÍBA a 1ª Edição do “SINERGIA EM REDE”

Com o objetivo de promover debates sobre temas atuais que impactam diretamente o dia a dia de todos os profissionais das áreas de Marketing e Comunicação, assim como também os universitários que se preparam para este mercado, a APP Mogi e Alto Tietê realiza na próxima terça-feira, 28 de junho, às 16 horas, em parceria com a APP Vale do Paraíba, a primeira edição do evento “Sinergia em Rede”.

Os convidados, Celso Vergeiro, CEO Extreme Reach, empresa e Cris Pereira, liderança feminina com destaque na gestão de comunicação e negócios, na abordagem estratégica para uma agenda ESG e conselheira pelo IBGC, farão suas apresentações durante evento online com chat ao vivo para interação com os internautas. Em debate, dois temas com conteúdo para muita conversa pois envolve tecnologia e todas as transformações que vivemos que forma acelerada.

A tecnologia traz mudanças para uma gestão da comunicação de ponta a ponta, em plataformas que otimizam tempo e possibilitam o acesso a uma gama de novos serviços. No mesmo ecossistema estão os movimentos dentro das organizações na busca de uma governança corporativa norteada por valores que contemplam uma agenda ESG. “Aprimorar o conhecimento e experiências das pessoas que se dedicam à Comunicação – uma missão da APP em sua essência, contribuir para que novos negócios possam nascer e prosperar.”, comenta Maria Teresa Borges Arbulu, que está atualmente na liderança do Comitê de Renovação da APP Mogi e Alto Tietê e integra a diretoria APP Brasil no Núcleo Acadêmico para a formação do Programa Embaixadores APP, uma iniciativa que se estende às vinte e duas regionais instaladas no Brasil.

Neste evento Sinergia em Rede, a intenção foi criar sinergia a partir da co-criação de duas regionais, Mogi e Vale, por meio de ações e conteúdo que possam contribuir para o fortalecimento das frentes de negócios que a indústria da comunicação possibilita aos profissionais de diversas áreas – agências, mídias, produtoras, consultorias, design, gráficas, creators e influencers, além de tantas outras atividades que impulsionam a economia neste setor.

Sobre a APP – Associação dos Profissionais de Propaganda
A APP – Associação dos Profissionais de Propaganda, entidade que apoia e estimula as atividades da área de Comunicação e contribui com o aperfeiçoamento profissional e acadêmico, incentiva as regionais a desenvolverem ações que promovem integração e resulta em sinergia para a melhoria do ambiente em que atuam as diversas frentes da comunicação.

Para participar, as inscrições são gratuitas e devem ser realizadas na plataforma Sympla que pode ser acessada pelo endereço https://lnkd.in/dZksHCXj , que dará acesso ao canal da APP no YouTube.

Qualquer informação complementar também poderá ser obtida pelo e-mail appmogiealtotiete@gmail.com ou pela rede social @app.mogi

Coluna Propaganda&Arte

Propaganda com dados: mais difícil que terminar uma partida de RPG

Quem viveu os anos 90 provavelmente já completou alguma ficha de RPG. Independente do estilo que você jogasse, D&D, AD&D ou Vampiro A Máscara, sempre tínhamos aquele momento aguardado de montar um perfil do nosso jogador. Me pego hoje em propaganda fazendo a mesma coisa, porém, tentando entender o perfil dos consumidores dos clientes. Será que vamos passar no próximo grande desafio dos dados e vencer esse jogo?

Marketing com dados (e muita sorte?)

Eu tenho ouvido dizer que estudar Marketing (entenda Marketing como estudo estratégico de mercado), é um jogo de acertos, erros, aprendizados e desaprendizados. Você já ouviu falar disso? Basicamente, esta premissa entende que quando falamos de compreender o mercado, suas dinâmicas e revoluções (como o da internet), nós testamos muitas coisas. Inclusive em comunicação e propaganda. Uma campanha, por exemplo, pode sofrer várias alterações até funcionar. O erro pode estar no público-alvo, na persona, na mensagem e até no meio (mudanças de algoritmos do Google, só pra citar um caso comum).

A verdade é que a todo momento estamos tentando, acertando, errando, aprendendo e, de repente, desaprendendo, pois algumas regras do jogo mudam muito rápido.

Diferente do RPG, que possui um mestre e regras bem claras, o mundo publicitário está vivendo uma mudança constante de regras. São dados e mais dados à nossa disposição que muitas vezes não são bem aproveitados. E, quando são, nos deixam sempre com uma pulga atrás da orelha (será que eu analisei aquela informação corretamente?).

A sensação é que a sorte acaba sendo uma aliada ou não nesse jogo, o que na real, não é bom para as empresas. Contar com a sorte nunca é uma boa ideia quando falamos de altos investimentos e expectativas de retorno. As próprias personas, que tentamos identificar baseadas no comportamento dos clientes, podem ser apenas chutes ou criadas de dados massivos e reais. Mas, colocar as pessoas em caixinhas, será que funciona? Quantas vezes você se pegou comprando um produto que na teoria você não era o público-alvo? Pense nisso.

“Deus não joga dados com o Universo” – já dizia aquele gênio com a língua de fora

Se por um lado, temos pessoas que não acreditam que todas as informações e dados gerados na internet podem ser decodificados, existem pessoas dedicadas ao tema. São engenheiros de dados, especialistas em Big Data, Data Science e muitos outros cargos que precisam ser inventados, pois o mercado clama por uma organização dessa bagunça! rs Sobre estes profissionais diferenciados, vale destacar o Kaique Oliveira que está nessa batalha e é referência na área junto com o time da Digital Data Lab. Segue ele lá no LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/kaiqueoliveira/

Uma baita cesta de 3 pontos!

Um ótimo case publicitário de utilização de dados foi o criado para a BAND pela agência FCB Brasil, onde eles precisavam aumentar a audiência da emissora confrontando a audiência do futebol que sempre foi mais aceito pelo brasileiro. Eles cruzaram 250 eventos estatísticos e coincidências entre dados de jogadores e times do futebol brasileiro com jogadores e times da NBA, criando mais de 2500 anúncios personalizados que apareciam dependendo do assunto de futebol que você estava lendo nos portais. Além disso, fizeram conexões entre times brasileiros e seus representantes na NBA, favorecendo o público a aderir ao esporte e torcer. Por exemplo, se o internauta estava lendo sobre algum jogador que tinha ótimos índices de acertos de chutes de fora da área, aparecia um anúncio falando do Curry que é um dos melhores cestinhas da NBA. Estes tipos de conexões foram inteligentes e pontuais para tentar chamar a atenção do grande público para a NBA na BAND, única emissora brasileira aberta com os direitos de transmissão da NBA. Dizem que foi um sucesso. Achei uma baita cesta de 3 pontos!

E agora? Em qual grupo você está? Dos que não acreditam que é possível quantificar tantos dados e que tudo é uma grande loteria no final das contas. Ou dos que acreditam que na comunicação e propaganda quem domina os dados é o mestre do jogo?

Saiba mais sobre o case da NBA na BAND

Marketing no metaverso: 4 benefícios desta relação para o mercado

Especialista aponta NFTs e a evolução de tecnologias de experiência imersiva como pontos fundamentais para o marketing de um futuro próximo

Realidade no mercado global, o metaverso é uma forma das pessoas se conectarem em mundos online imersivos. Essa tecnologia tem o potencial de se fortalecer cada vez mais no mundo corporativo – e os números não mentem: de acordo com dados da Crunchbase, somente no último trimestre de 2021, quase US$1,9 bilhão de capital de risco foram investidos em startups de software e hardware de realidade virtual e aumentada.

O crescimento exponencial desse mercado abre oportunidades para a construção de uma comunicação direta e efetiva com os mais diferentes públicos-alvo. Para o marketing e publicidade, o cenário não é diferente. À medida que o metaverso se torna mais significativo, os profissionais da área estão buscando meios e estratégias de crescimento. Sabendo disso, confira a seguir quatro benefícios que Paulo Martins, CEO da Arena.im, destaca sobre a influência desta tecnologia aos mercadólogos:

Aumento do envolvimento com experiências imersivas

O metaverso se concentra na criação de uma experiência digital por meio de áudio, vídeo e realidade aumentada e virtual. Com o tempo, os profissionais de marketing poderão criar experiências desse tipo para as empresas.

O executivo destaca que alguns adotantes iniciais já estão criando esse tipo de prática em conferências e eventos. “Um exemplo a ser mencionado é a convenção da CES (Consumer Eletronics Show) que apresenta experiências de realidade virtual desde 2017. Com isso, marcas e profissionais de marketing são capazes de criar experiências imersivas com sucesso para seus clientes e adquirir o potencial de gerar mais vendas e conversões”, destaca Martins.

Presença em mundos virtuais

O metaverso contará com mundos virtuais onde os usuários podem visitar, passear e construir propriedades, entre outras possibilidades. O Second Life foi um case – lançado em 2003 como um mundo virtual acessível por computador, em 2020, já contava com cerca de 900 mil clientes. No jogo, os usuários podem criar um avatar para interagir com o mundo cibernético e visitar empresas, bibliotecas e experiências educacionais.

“Os mundos virtuais são significativos para profissionais de marketing devido a sua escala. Para criar uma experiência única e imersiva para sua marca será necessário ter um apelo, principalmente se quer ter presença neste ambiente imersivo. Uma boa dica é criar um avatar para interagir com os usuários”, comenta o CEO.

Ganhe receita vendendo colecionáveis

Além de impulsionar o engajamento da marca, as empresas podem gerar receita no metaverso por meio dos tokens não fungíveis (NFTs) – uma espécie de colecionável digital com origem na rede blockchain. O atual boom das NFTs é impulsionado por taxas de juros baixas e uma mentalidade de corrida do ouro. No entanto, é provável que haja uma demanda contínua por colecionáveis digitais.

O potencial do marketing para colecionáveis e NFTs fica mais evidente quando o profissional os combina com outras tendências. Por exemplo: imagine consumidores comprando uma casa virtual, um cartão virtual feito por seu atleta favorito ou uma arte digital? A ideia é criar NFTs para praticamente qualquer coisa: arte (digital e física), fotos, vídeos, mensagens, posts em redes sociais, etc.

Integração do Metaverso e o Marketing Offline

Com a integração do metaverso e o marketing offline, é possível usar a tecnologia para levar os usuários a interagirem com a empresa além do mundo virtual – ou acessar o site, por exemplo. “O profissional pode criar uma presença temporária em um mundo de metaverso para promover sua empresa em um evento. É uma aposta de alavancar a marca de forma tecnológica e criativa”, finaliza.

Fonte: VCRP – Amanda Cássia

Nova economia e experiência do Cliente: como equilibrar essa relação

por Maria Neves, Diretora de Customer Experience da NEO no Rio de Janeiro

O conceito de nova economia representa as novas abordagens de mercado em relação a muitos pontos que serviam como base para as empresas até o final do século 20, como os consumidores passivos ou a centralização do mercado. Em linhas gerais, a expressão propõe uma lógica diferente no mercado, que deixa de se concentrar apenas nos produtos e começa também a priorizar os serviços. A partir das inovações promovidas pela tecnologia e o foco na experiência do Cliente (entre outros pilares), uma nova perspectiva vem guiando as empresas modernas.

Divulgação
Maria Neves, Diretora de Customer Experience da NEO no Rio de Janeiro

Trazendo isso para a perspectiva do Customer Experience, vemos que as marcas que hoje são referência possuem suas culturas centradas nas pessoas, sem deixar de lado a tecnologia e a transformação digital. Os modelos de negócio procuram a flexibilidade ao personalizar suas soluções, sempre em linha com as preferências dos Clientes, focando na experiência do usuário.

Existem três pontos importantes que favorecem as mudanças e regem as tendências da nova economia: o conhecimento, o comportamento do usuário e a tecnologia. O conhecimento faz com que as empresas possam tomar as melhores decisões em suas estratégias, tendo como base informações vindas de fontes confiáveis. O comportamento do usuário é algo crucial, uma vez que na ótica da nova economia ele é o centro de tudo e tem o poder de decisão e a liberdade de escolha. Por fim, mas não menos importante, consideramos a tecnologia, com seu uso ampliado a partir de possibilidades como a análise de dados e a inteligência artificial, que trazem avanços às empresas e enriquecem as soluções disponíveis no mercado.

Quem está a par desta dinâmica age de acordo com um propósito, e entendem o que motiva o seu desenvolvimento, qual a causa que possibilita a sua existência e o que de fato traz resultados. E, quase sempre, o que motiva é o Cliente, que sempre vem em primeiro lugar! Na nova economia, uma empresa de sucesso o conhece bem e cria soluções para ele (muitas vezes, os consumidores não sabem o que querem, mas a organização entende a dor que eles sentem, encantando-os).

Neste cenário, o mercado funciona a partir da percepção de uma necessidade, que sempre é atendida. Só que, para se destacar, é preciso ir além. E ir além significa criar novas demandas a partir do entendimento pleno do Cliente, o que torna possível assumir um diferencial e estar sempre “um passo à frente” dos concorrentes.

Para se manter competitivo, é preciso se reinventar regularmente, uma vez que a tecnologia se desenvolve de maneira muito rápida. No entanto, inovar nem sempre significa inventar uma solução do zero, mas também a aplicação e implantação de melhorias em serviços já existentes. Sendo assim, a flexibilidade precisa dar o tom, pois é com esta qualidade/habilidade que surfamos as transformações digitais, que são cada vez mais velozes. Ser flexível permite adaptações rápidas e nos dá a chance de aproveitar oportunidades e realizar melhorias em processos internos. Vale destacar que existe a possibilidade de falhas, que por sinal são comuns quando há inovações – nestes casos, basta ver o que não saiu conforme o esperado, fazer os ajustes e prosseguir.

Por fim, não devemos nos esquecer que é em meio às crises que insights e oportunidades não exploradas podem surgir. Nenhuma solução é 100% perfeita, e sempre haverá alguma melhoria a ser aplicada. Ou seja, o cenário de incertezas é comum, mas deve ser visto de forma positiva, e sempre considerando as preferências atuais dos Clientes. Afinal, eles são o centro de tudo.