Vaga aberta para Analista de Comunicação

Poliedro busca um Analista de Comunicação

A vaga é para integrar o time de marketing do Poliedro Educação

Principais responsabilidades dessa função:

Conduzir os processos relacionados à produção de conteúdo para os canais de comunicação interna;
Gerenciar as etapas de produção, aprovação e envio dos boletins internos;
Receber as demandas de comunicação das áreas internas, apurar e propor soluções;
Buscar e apurar possíveis pautas em todas as unidades de negócio;
Garantir a uniformidade de informações e linguagem dos textos;
Propor plano de comunicação de programas e iniciativas internas;
Propor plano para campanhas de endomarketing.

Conhecimentos e experiências:

Ensino superior em Comunicação Social – Jornalismo ou Relações Públicas;
Domínio da língua portuguesa;
Experiência com produção de textos institucionais e jornalísticos;
Experiência em criação de planos de comunicação interna e endomarketing;
Experiência corporativa;
Conhecimento sobre linguagem e produção de conteúdo para web;
Conhecimento básico em Photoshop e publicação de conteúdo pelo WordPress.

Candidate-se por aqui

Cursos gratuitos on line da FIAP

Os cursos são de curta duração e oferecem certificado

A FIAP está disponibilizando 10 cursos gratuitos de curta duração. A carga horária é entre 40 e 100 horas, com certificado.

Imagem de Gerd Altmann do Pixabay

• Blockchain Advanced | 100 horas

• Business Intelligence (BI) | 40 horas

• Customer Experience Management | 40 horas

• Design Thinking | 40 horas

• DevOps & Agile Culture | 60 horas

• Inteligência Artificial e Computacional | 80 horas

• Mobile Marketing | 60 horas

• Python | 80 horas

• Soluções Tecnológicas Emergentes | 40 horas

• User Experience | 60 horas

O link para mais informações é esse

 

Agência busca executivo de contas

Vaga para executivo de Contas

O que a agência espera?
– Formação em Comunicação Social – Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade ou áreas correlatas
– Proativo e organizado – Visão crítica e analítica
– Conhecimento do Pacote Office
– Experiência mínima de 5 anos em agências de Comunicação

Diferenciais:
– Inglês intermediário
– Experiência em Comunicação Interna

Interessados deverão enviar currículo para selecao@superacomunicacao.com.br, até 19/03, com o nome da vaga.

Coluna Branding: a alma da marca

O que você é?

Nessa última semana fui surpreendido com uma pergunta de um aluno que questionava o que eu era além de professor?

Esse questionamento, que soou inicialmente como aquela velha história de desprestígio com a função de professor, me deu a oportunidade de refletir um pouco mais sobre um assunto importante e contemporâneo, então, relutei um pouco mas respondi: “SOU HUMANO!”

Passadas as risadas do grupo que estava ao meu redor, tive a oportunidade de desenvolver mais o assunto com os alunos e gerar um aprendizado muito interessante. O que nos define não poderia ser tão stricto sensu.

Temos como mania, nos definir por nossa profissão. Sou publicitário, design, arquiteto, ou ainda mais stricto, sou diretor de arte, design gráfico ou design de interiores … mas aí a pergunta que fica é …E quando nos falta o emprego o que somos? Perdemos a nossa finalidade e assim a nossa identidade?

No mundo de hoje, quantos de nós se sentem frustrados com o que não conseguem representar profissionalmente? Será que ao colocar tanta importância em uma empregabilidade não estamos fragilizando a nossa natureza?

É interessante também perceber que, se tivesse que me definir mais assertivamente, provavelmente diria que sou algo como ” um cientista social aplicado”, e neste caso é até lógico que como tal, deveria me preocupar com os principais assuntos sociais do mundo e a clara falta de “Humanidade” em que nos deparamos por todos os lados.

É como se de repente nos víssemos todos desempregados dos cargos de “Humanos” e nos definíssemos a partir do nosso bico, que é ter uma profissão.

Não estou me desfazendo da importância da formação profissional, seria até um contra-senso trabalhando como um professor fazê-lo mas, questiono sim, se estamos posicionando acertadamente o valor da empregabilidade nessa relação.

Os jovens, os quais ensino diariamente, deixam claro que não querem estar limitados a um projeto de vida que os fixe a um cargo, setor, empresa, profissão ou país. São claramente sonhadores de espírito livre que precisam de nós apenas para dar-lhes um ancoradouro moral, uma trilha mais justa e sustentável.

No mundo novo, me parece claro que eles irão mais longe tecnicamente que a nossa geração, e com muito menos esforço, pois, estão vivendo uma revolução tecnológica que avança em velocidade maior que a dos séculos anteriores. Este processo garante também um conforto menor ao emprego, o que talvez preocupe demasiadamente a atual geração de adultos de 35 a 50.

Ser hoje, portanto, um ser humano, um cientista social no cargo de professor, me obriga a pensar melhor no que posso contribuir para o futuro desses jovens .

Sendo assim, acho que preciso aprimorar as minhas aulas para que consiga transferir claramente qual é a hierarquia das coisas, pois, se no futuro faltar-lhes o emprego, ainda assim devem estar preparados para serem um analista da vida cotidiana, e se tiverem calada a sua voz social, mesmo assim, NUNCA PODERÃO PERDER A SUA HUMANIDADE!

Para nós professores, #FicaDica!