Pesquisa inédita mostra que publicidade em podcast é tendência e funciona

IAB Brasil e Offerwise divulgam estudo ‘A influência da publicidade digital no universo dos podcasts’

São Paulo, 30 de Novembro de 2021 – De comédia, gastronomia, assuntos atuais até palestras motivacionais, existe sempre uma opção de podcast disponível para se adequar ao dia a dia, sejam quais forem os interesses pessoais. Além de atrair novos ouvintes, a plataforma se destaca como excelente opção de exposição para as marcas.

A pesquisa exclusiva ‘A influência da publicidade digital no universo dos podcasts’ – realizada pelo IAB Brasil, associação que representa o mercado de publicidade digital no País, em parceria com a Offerwise, fornecedora global de consumer insights – apresenta dados sobre o comportamento dos internautas brasileiros em relação ao consumo da plataforma de áudio e uma visão inédita sobre como os anúncios são percebidos nestas ocasiões.

O estudo mostra que, em 2021, 76% dos entrevistados criaram hábitos e rotinas para a experiência de consumo de conteúdos em áudio – número que, em 2019, era de 40%, segundo pesquisa do IBOPE Inteligência de mesma metodologia. As estatísticas mostram também que o volume de internautas que ainda não estão imersos na cultura passou de 32% naquele ano para apenas 10% em 2021.

O relatório indica o potencial da plataforma para as marcas que ainda não trabalham com esse formato de publicidade digital. “Aproximadamente 59% dos ouvintes se lembram de anúncios apresentados durante a programação em podcast, inclusive, mais da metade dos entrevistados afirmaram ter realizado alguma ação após serem impactados por anúncios neste meio. Essa é uma das vantagens da mídia em podcasts para os anunciantes: além de sua capacidade de oferecer conteúdo para diversos públicos e interesses, ela é capaz de atrair uma audiência altamente engajada e receptiva à publicidade”, ressalta Cris Camargo, CEO do IAB Brasil.

Dos 56% que disseram efetuar algum tipo de ação a partir de um anúncio em podcast, 37% quis saber mais sobre o produto e procurou na internet, 27% quis saber mais sobre o produto e acessou o site da marca, 18% passou a acompanhar a marca nas redes sociais e 10% efetuou uma compra. Ainda sobre anúncios publicitários, 45% dos entrevistados dizem gostar ou não se incomodar com anúncios em podcasts, enquanto apenas 18% relatam um incômodo ao ponto de atrapalhar suas experiências.

“À medida que os podcasts crescem em popularidade, a abertura para publicidade digital neste meio segue em progresso. 54% dos entrevistados afirmaram que o formato de publicidade mais interessante em um podcast é aquele que se integra ao conteúdo do programa. É uma maneira inovadora e confortável para a audiência de promover o seu negócio”, afirma Julio Calil, Diretor de Contas da Offerwise.

Se destacam também os podcasts produzidos e/ou patrocinados por marcas, que se consolidaram como a preferência de 40% dos ouvintes. Já os anúncios veiculados como pausas durante um podcast caem para 32% na predileção da audiência. Com o mundo cada vez mais ocupado, o formato se torna mais popular também pela facilidade de consumo durante a realização de diversas atividades ao mesmo tempo. Dados da pesquisa mostram ainda que 53% da audiência ouve podcast enquanto realiza tarefas do dia a dia, 48% antes de dormir, 30% enquanto se desloca e 26% ao acordar.

Detalhes técnicos da pesquisa
Metodologia: Pesquisa quantitativa. Questionário estruturado online, de auto aplicação.
Coleta de dados: Respondentes selecionados através de questionário filtro no painel Offerwise, com abrangência nacional.
Público-alvo: Participaram da pesquisa homens e mulheres, com 18 anos de idade ou mais, de todas as classes sociais e de todas as regiões do Brasil.
Amostra: 1.107 internautas brasileiros
Datas do campo: 10/09/2021 a 16/09/2021

Para conferir o estudo completo, acesse o link aqui.

Estudo aponta que brasileiro prefere compra on line na Black Friday

Black Friday: 62,96% dos brasileiros preferem compras online por medo do contágio da COVID-19, revela pesquisa da Conversion

Segundo o estudo, evento deve crescer 14,7% este ano no e mais da metade dos consumidores pretende comprar algum item de proteção ao novo coronavírus nesta edição

Segundo pesquisa da Conversion, agência de Search Engine Optimization (SEO), 62,96% dos consumidores brasileiros vão fazer compras somente pela internet nesta Black Friday pelo por medo do contágio da COVID-19 nos estabelecimentos físicos.

De acordo com o estudo , que entrevistou 400 brasileiros conectados à internet para saber quais são as expectativas do consumidor para a Black Friday 2021, a edição deste ano no Brasil promete ser o maior evento já registrado desde o lançamento da data comemorativa no País, com um crescimento na intenção de compra de 14,7% em relação à 2020.

Imagem de Gerd Altmann do Pixabay

“Estes dados mostram que, apesar da reabertura de algumas cidades já ter sido totalmente concluída, como São Paulo, por exemplo, a maior parte da população ainda possui algum receio com relação à pandemia”, comenta Diego Ivo, CEO da Conversion.

A pesquisa também avaliou o valor médio que os consumidores estão dispostos a gastar com compras na na Balck Friday de 2021. Mais da metade, 55,84% dos entrevistados afirmaram que pretendem adquirir produtos e serviços cujos preços variam entre R$ 500 e R$ 3 mil.

“Ainda que a maior parte deles (29,06%) chegue somente até R$ 1 mil, o valor pode ser considerado alto, um número que expõe uma gradual melhora na situação financeira da população economicamente ativa do País”, aponta Ivo.

Segundo o estudo, as compras para o Natal também lideram as intenções, e 86,04% dos consumidores assumiram usar a Black Friday para garantir os presentes de final de ano, tendo os mais presenteados os familiares próximos, com as maiores intenções de presentes indo para cônjuge (esposo e esposa) e filhos.

Celulares e eletrônicos lideram intenções de compra

Este ano, o item mais desejado pelos consumidores são os telefones celulares, com 66,67% das intenções de compra, seguidos pelos eletroeletrônicos em geral, com 60,68% das preferências, moda e acessórios (47,58%) e calçados (40,46%)

“Embora o ano de 2020 tenha sido um marco no comércio eletrônico, justamente pela crise sanitária e pelo o fechamento do comércio físico em diversas cidades do país, este ano, no entanto, podemos esperar um varejo virtual mais maduro, com as lições aprendidas no último ano. As atenções do consumidor agora se voltam às compras online por escolha própria, por mais segurança no digital e mais comodidade”, explica o CEO da Conversion.

Segundo o executivo, o medo de fraudes nesta Black Friday diminui em relação ao ano passado, mas a segurança ainda é fator determinante. “Quando perguntados sobre o medo de fraudes, 80,63% dos consumidores afirmaram possuir algum”, revela.

Estudo completo sobre a Black Friday 2021 aqui

Fonte: TOTUM Comunicação – Thiago Nassa

Pesquisa aponta que o comércio vai contratar para o Natal

Comércio vai abrir vagas temporárias para o Natal

Nova pesquisa da ACI revela que 67% dos lojistas de São José dos Campos planejam abrir vagas temporárias; expectativa de vendas é positiva

Boa notícia para quem procurar emprego neste final do ano: a maioria dos lojistas de São José dos Campos planeja contratar temporários para reforçar suas equipes neste Natal.

Isso é que aponta a nova rodada de pesquisas feitas pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos, em parceria com a Universidade Taubaté, por intermédio do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais). O levantamento foi feito entre os dias 20 e 21 de outubro e ouviu 87 lojistas sobre as vendas do setor no Dia das Crianças e as expectativas do comércio para o Natal. A pesquisa foi feita em locais de grande concentração de lojas: nos arredores da praça Afonso Pena, no Calçadão da Rua 7 e nos shoppings CenterVale, Centro, Colinas, Jardim Oriente e Val Sul.

A pesquisa revela que 67% dos lojistas planejam abrir vagas temporárias para o Natal. Então, se você está em busca de emprego, prepare seu currículo.

Desse total, o volume de vagas temporárias promete ser significativo: 79% dos lojistas estimam contratar de até 3 funcionários extras para reforçar suas equipes para o Natal e 8% acreditam que vão contratar 4 pessoas ou mais. A maior citação na pesquisa é na faixa de 3 temporários (25,9%). Isso reforça a previsão inicial da ACI de geração de até 3.500 vagas temporárias neste período em São José dos campos, feita no final de agosto.

“O comércio está bastante otimista e esta é uma boa hora de conseguir uma vaga de emprego”, disse a presidente da ACI, Eliane Maia.

Em relação às vendas, 63,2% dos entrevistados disseram esperar um volume de vendas melhor que no Natal de 2020, durante a pandemia, quando o comércio funcionou com restrições, e 17,2% esperam um desempenho muito melhor do que no ano passado. A soma dos índices otimistas 2021/2020 bate a casa dos 80%. Frente a 2019, 40,2% dos entrevistados esperam vendas melhores este ano e 13,8%, muito melhores. Um índice de otimismo de 54%, comparando 2021 e 2019, frente a 12,6% que esperam um volume de vendas igual a 2019 e 11% que acreditam em um desempenho pior ou muito pior.

O tíquete-médio previsto está na faixa de até R$ 150, segundo 44,7% dos lojistas ouvidos na pesquisa. Mais: 17,3% esperam um tíquete-médio entre R$ 201 e R$ 250 e 13,8% acreditam em um patamar acima de R$ 400.

Estoques

Frente a esse otimismo, a nova pesquisa ACI/Unitau mostra que os lojistas estão reforçando também seus estoques. No total, 38% dos entrevistados disseram que terão este ano um estoque maior que em 2020, com 7% afirmando que o volume de estoque está muito maior (um índice somado de 45%). Outros 34,5% declaram que o estoque está igual e apenas 4,5% afirmaram que terão este ano um estoque menor do que no ano passado.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Gabriel Camacho

Investimentos em publicidade digital

Investimentos em publicidade digital movimentaram R$ 36,9 bilhões no Brasil, em 18 meses

Dados exclusivos do Digital AdSpend retratam o ano de 2020 e o primeiro semestre de 2021. Estudo com metodologia inédita também revela que o período de pandemia da Covid-19 impactou no aumento da familiaridade dos consumidores com as tecnologias e uso das plataformas digitais.

O IAB Brasil, associação que representa o mercado de publicidade digital no País, em parceria com a Kantar IBOPE Media, lança o estudo Digital AdSpend. A nova versão traz como destaque o fortalecimento da publicidade no digital, que teve um investimento acumulado de R$ 36,9 bilhões, considerando o ano de 2020 (R$ 23,7 Bi) e os seis primeiros meses de 2021 (R$ 13,2 Bi).

O Digital AdSpend conta com uma metodologia inédita, com captura mais abrangente, e que traz maior granularidade ao dado com análises do comportamento de setores e categorias no mesmo padrão de mercado dos demais meios. Com isso, a pesquisa traz uma visão estratégica dos investimentos em mídia digital no país, considerando visões setoriais e expectativas para os próximos meses.

“A partir deste ano, o IAB Brasil conta com a Kantar IBOPE Media como parceira na elaboração do Digital AdSpend para levar uma visão ainda mais ampla dos cenários de setores e categorias que fazem parte da publicidade digital”, explica Melissa Vogel, CEO da Kantar IBOPE Media no Brasil. “O estudo tem como objetivo disponibilizar informações para que o setor tome as decisões de maneira estratégica, compreendendo as atividades publicitárias com os mesmos critérios em todos os pontos de contato utilizados pelo consumidor”, complementa.

Dados 2021

Na análise comparativa de janeiro a junho de 2021 com o mesmo período de 2020, o Digital AdSpend indica que os investimentos em publicidade digital tiveram um crescimento de 25% no primeiro semestre deste ano.

Em relação à distribuição por tipo de dispositivo, mobile e desktop, os números ficaram bem próximos ao mesmo período de 2020, onde os anúncios publicados em mobile representaram 73% do share total.

Expectativa de crescimento para 2021

O IAB Brasil perguntou também para os seus associados sobre a previsão para o investimento em publicidade digital neste ano comparando a 2020 e identificaram que 79% das empresas associadas pretendem aumentar seus investimentos, outros 16% pretendem manter e apenas 5% diminuir.

Entre as empresas que pretendem aumentar, 34% aumentarão de 11% a 20% os seus investimentos e outras 32% declararam que irão potencializar o investimento entre 21% e 30%.

Dados 2020

O levantamento também revela que as compras dos anúncios em digital no ano passado foram 48% a mais em relação ao último relatório publicado pelo IAB Brasil, em 2019, com base de 2018.

Segundo o levantamento, cerca de 90% das transações de mídia digital em 2020 foram feitas de maneira automatizada, sendo 83% em plataformas self service, 4% em Programmatic Direct e 3% em Programmatic RTB (lances em tempo real). Completaram o share de modelos transacionais, as compras diretas (não automatizadas), representando 6% das transações e Adnetworks com 4%.

Outro destaque do estudo está na relação de direcionamento dos anúncios em Digital no ano de 2020, pois 73% dos investimentos foram endereçados para dispositivos móveis, sendo que as redes sociais tiveram 46% do total dos anúncios veiculados.

Os dados exclusivos também apontam que em 2020 o vídeo foi o formato líder nas redes sociais e representou mais de 80% do total da verba investida na publicidade digital, em comparação aos demais formatos de anúncios que foram 17%.

Os índices são reflexos, principalmente, do período de pandemia da Covid-19 que acelerou a adoção dos consumidores às tecnologias e plataformas digitais. De acordo com o estudo, 56% das pessoas entrevistadas afirmaram que a crise do Coronavírus fez com que elas incorporassem a tecnologia no seu dia a dia.

Setores que mais se destacaram

O Digital Adspend também analisou os números dos top 15 setores que investiram em publicidade no Digital. Em 2020 esses setores corresponderam a 94,4% da verba destinada às mídias digitais e os três anunciantes com maior participação na publicidade digital foram Serviços ao Consumidor (21,9%), Comércio (14,8%) e Financeiro e Securitário (12,2%).

Já em 2021, os 15 Top setores correspondem a 93% do investimento digital e alguns segmentos mudaram de posição no ranking por aumentar os investimentos, como Telecomunicações, Cultura, Imobiliário, Automotivo e Farmacêutico.

E o comparativo entre os primeiros semestres de 2021 e de 2020 revela um aumento no volume de anunciantes em canais digitais de 57% e comprova a curva de crescimento. Os setores com mais crescimento em novos anunciantes foram: Imobiliário (+142%), Eletros (+117%) e Serviços (+111).

“Pesquisas como estas são importantes tanto para quem compra quanto para quem vende espaços e soluções para publicidade. Nossa missão ao divulgar uma pesquisa como esta vai muito além de entregar um número frio. Queremos dar mais possibilidades de cruzamentos de dados, mais abertura para conversas, questionamentos e criação de hipóteses em uma época em que todos estão fechando seus planejamentos para o próximo ano”, comenta Cris Camargo, CEO do IAB Brasil.

Para conferir o estudo completo do Digital AdSpend, acesse o link aqui.

Fonte: XCOM – Agência de Comunicação do IAB Brasil