Coluna {De dentro pra fora}

O futuro da liderança: um assunto que precisamos repensar

Vitor coluna

A liderança, sem dúvida, é um dos públicos mais valorizados pela CI. Por quê? Porque ela é uma aliada na hora de transmitir as mensagens-chave da empresa, porque a equipe reconhece e ouve seus direcionamentos, porque as pessoas se identificam e acreditam nesse discurso. Porque a liderança tem a facilidade de fazer uma comunicação face a face, mais próxima. Certo?

Até o momento, certo.

Porém, ao conferir o último Trust Barometer – um estudo global da Edelman, que mede o nível de confiança das sociedades no Governo, Empresas, ONGs e Mídias -, eu repensei esse poder da liderança. Hoje parece muito fácil: preparamos o líder, direcionamos as mensagens, a comunicação presencial funciona. E amanhã?

O Trust Barometer revelou que a credibilidade no CEO chega a 63% enquanto a credibilidade em “pessoas comuns” (como você, um colega de trabalho) chega a 84%. Esses são os resultados do Brasil, que tem um índice de credibilidade bem acima da média mundial.

Local-Marketing-Consulting

Em quem confiar?

Se o discurso do colega tem mais credibilidade que o líder da empresa, até quando a liderança vai funcionar como um pilar no processo comunicacional? Também não sei responder, mas vale a reflexão. Uma das possíveis respostas é que, cada vez mais, o líder precisará se aproximar da sua equipe. Logo, as empresas deverão preparar melhor a liderança para atuar como gestora de talentos. Pessoas que saibam lidar com pessoas.

Uma outra alternativa é identificar os formadores de opinião e investir em treinamentos para que eles sejam pontos focais de comunicação. Delírio demais? Talvez. A comunicação presencial ainda é a que mais nos garante que o empregado realmente teve contato com a mensagem. Portanto, precisamos pensar no futuro dela o tempo todo. Sem ela, perdemos uma grande força de comunicação.

Como faremos para que a comunicação oficial da empresa tenha mais credibilidade do que o discurso do colega de trabalho? Ou melhor, como vamos alinhar o discurso do empregado ao discurso da empresa? São muitas perguntas. E os desafios são maiores ainda. Mas tudo bem. A gente gosta de desafios. Infelizmente, este texto não traz respostas, apenas perguntas. Se alguém tiver uma luz, pode me iluminar, por favor.

Ficou curioso? Confira o Trust Barometer: http://www.edelman.com.br/propriedades/trust-barometer/
Trust Barometer
www.edelman.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *