Coluna {De dentro pra fora}

Sabe o que a gente tem? Medo.

Vitor 2016

 

Com raras exceções, ok, mas somos medrosos. Optamos por caminhos sem grandes riscos e, consequentemente, sem grandes resultados. Temos medo do que o consumidor vai achar, subestimamos a interpretação dele e acabamos evitando as discussões entre a equipe.

Pode confessar: você nunca teve uma ideia e não a levou pra frente porque saberia que teria que comprar uma briga com a equipe toda? Chegou a hora de comprar essa briga.
E tem mais. Nossos clientes também têm medo! E a gente entra num clico de medos sem fim.

Estava numa viagem recentemente e me deparei com o seguinte anúncio:

12968660_10209238649822609_80835268_n

 

Instantaneamente pensei em várias coisas.
• Quantas brigas rolaram pra esse anúncio ir para a rua?
• O redator sofreu muito para levar adiante uma negação?
• No processo, alguém subestimou a inteligência do público?
• No Brasil, a gente aprovaria isso?

“Essa negativa aí: não pode ser afirmativa?”
Juro que eu ouvi isso dentro da minha cabeça. Pense nesse anúncio na afirmativa. Perderia totalmente a graça. Essa soma da linguagem textual com a visual deixa a mensagem muito clara. Não há o que temer. A gente precisa ser menos chato. E também mais provocativo, sem dúvidas.

Vitor, sua coluna não é de Comunicação Interna? Sim! É que a campanha tinha uma sequência sarcástica que me fez pensar muito em nosso comportamento (como profissionais de comunicação) e nossos medos. Isso também se aplica ao público interno. Os medos são ainda maiores!

Um exemplo em CI:

Um vídeo de treinamento totalmente fora da casinha. É disso que a gente precisa!

O que esses dois exemplos têm em comum?
Uma linguagem sem medos. Mais provocativa, mais a linguagem que a gente usa apenas entre os amigos. Todo mundo sabe, a audiência de qualquer mídia anda altíssima. Logo, mais que se diferenciar por formatos, a gente precisa se diferenciar na linguagem.

Vamos repensar tudo o que fazemos, como fazemos e por que fazemos?
Deixa o medo pra lá. Uma provocaçãozinha de vez em quando faz bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.