Coluna “Discutindo a relação…”

Empreender é preciso

josue-coluna-correto

Amanhã participarei de um dos painéis da SGE – Semana Global de Empreendedorismo de Taubaté, mais especificamente da mesa redonda sobre Desenvolvimento da Cultura Empreendedora nas Cidades ao lado de Carlos Santis, Rubinho Fernandes e Felipe Pinheiro. O convite foi feito pelo Lucas Resende e eu prontamente aceitei. Vou tentar falar um pouco sobre o quanto a educação superior pode contribuir para a criação de uma cultura empreendedora.

Melhorar o ambiente para abertura de empresas e negócios em todo o país é fundamental. Criar uma cultura empreendedora é altamente saudável para o país.Eventos como estes são, portanto, urgentes e determinantes.

Já empreendi. Tive duas agências de propaganda. Comecei ambas só por que queria muito ser publicitário. Não fui treinado ou formado para ser empreendedor. Não aprendi na escola. E nem havia muito apoio para quem quisesse empreender naqueles tempos, já que abri minha primeira agência em 1984 e a segunda em 1989. E confesso que volta e meia sinto muita vontade de voltar a empreender na área de comunicação.

capadefacebook-crop_1773x655_01-resize_1440x532

Atualmente, na universidade e no curso em que leciono, temos a disciplina Empreendedorismo. Ela é apoiada por disciplinas como Administração em Propaganda, Economia e Pesquisa de Mercado. E procuramos incentivar nossos alunos a ter uma visão empreendedora. E vem dando certo. É claro que temos uma geração que pensa mais em construir seu próprio emprego do que em procurar um. Há também a forte presença e atuação de órgãos de apoio ao empreendedorismo. A informação para empreender está mais acessível.E isso é ótimo!

Vários de meus ex alunos criaram negócios de comunicação nos últimos 10 anos. O surgimento da comunicação digital e a criação das MEI – Micro Empresas Individuais – impulsionou a criação de empresas de comunicação. O interessante e revelador é que o formato tradicional de AGÊNCIAS DE PROPAGANDA vem perdendo espaço para outros formatos de negócios. Grossa parte dos TGs – trabalhos de graduação, o trabalho final do curso – nos últimos anos gira em torno da criação de um negócio.

As cidades também precisam aproveitar este momento de ampliação da cultura empreendedora e procurar meios para criar um cenário mais favorável. Agilizar processos, facilitar o trânsito de documentação. Desburocratizar, enfim. As cidades têm que se tornar atrativas para investidores e empreendedores.

A Revista Exame de 26/10 traz uma extensa matéria sobre o ranking das melhores cidades do Brasil para fazer negócio. Nesta matéria a pesquisa realizada pela consultoria Urban Systems aponta as 100 melhores cidades do Brasil quando o assunto é ambiente de negócios/empreendedorismo.

img_20161111_122235269

As três primeiras colocadas são Barueri, São Caetano do Sul e São Paulo. Foram analisados 28 indicadores para se fechar o ranking. Indicadores como nível de formação de mão de obra, PIB per capta, renda média dos trabalhadores, infraestrutura, excelência nos serviços públicos são determinantes. Entre as cidades de nossa região a melhor colocada, em 24°lugar, é São José dos Campos. Depois vem Jacareí, em 44°, e Taubaté, em 54°. O estudo mostra que as cidades da Região Metropolitana do Vale do Paraíba podem e devem evoluir.

Eventos como a SGE são ótimos espaços para troca de conhecimentos, discussão de ideias e promoção da cultura empreendedora e podem colaborar muito para que as nossas cidades atinjam posições melhores em rankings como o da Revista Exame.

Simbora empreender!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.