Final de ano e o mercado de comunicação

Mercado discute influência do fim de ano no faturamento

Tradicionalmente se anuncia mais nos últimos dois meses do ano em função da chegada do Natal, a maior data promocional do calendário. Por conta disso, essa sempre foi uma época de mais trabalho e mais faturamento para as agências de propaganda/comunicação.

O Publicitando ficou curioso para saber se, com todas as mudanças no cenário e no mercado de comunicação mercadológica e com a ainda persistente crise econômica, o final de ano ainda amplia o volume de serviços e o faturamento das agências do Vale do Paraíba.

A expectativa para o Natal é boa. Pesquisa realizada recentemente pelo  CNDL/SPC Brasil aponta que o Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia brasileira este ano. A mesma pesquisa indica que o consumidor tem intenção de comprar entre quatro e cinco presentes e que ticket médio ficará na casa de R$ 116 por item. Em comparação com o ano passado, 27% planejam gastar mais.

Também temos nos últimos anos o crescimento da Black Friday, data “importada” do mercado americano e que, apesar de alguns tropeços, vem se consolidando como uma importante data promocional. Segundo levantamento do Ebit o comércio eletrônico deve faturar R$2,43 bilhões durante a Black Friday de 2018,com alta de 15% na comparação com o ano passado.

O efeito Black Friday se faz sentir mais fortemente nas agências com foco em digita, como explica Eduardo Costa, da Resultage: “na Resultage, por ser uma agência digital, a demanda é um pouco diferenciada. A partir de setembro já se nota claramente um aumento no número de solicitações e demandas especificamente para campanhas de Black Friday, para varejos online e/ou tradicionais, além de empresas de software SaaS”.

Eduardo Costa, da Resultage

Há uma percepção de que a festas de fim de ano não impactam tanto assim o faturamento da agência, como explica Roberto Rezende, da BR012:

“Em termos de faturamento para a agência não houve aumento. Mas percebemos uma maior demanda por campanhas e jobs de nossos clientes se comparado ao mesmo período do ano anterior. Talvez a desaceleração da economia, tão sentida por nós ao longo do ano, em meio a um cenário de incertezas e que deverá levar as vendas do varejo a crescer menos no Natal de 2018 (+2,3%) do que no de 2017 (+3,9%), esteja “obrigando” as empresas a se planejarem e se preparem ainda mais para a época do ano que – ainda é – considerada a mais importante do varejo brasileiro se quiserem manter o mesmo patamar de vendas de anos anteriores”.

Roberto Rezende, da BR012

Ele também destaca a ação da Black Friday nos investimentos de final de ano: “Outro ponto que sempre é bom salientar, é o fato de muitos consumidores aguardarem as promoções da Black Friday para comprar os presentes de Natal. Esse movimento vem causando uma retração nas vendas de Natal desde que a Black Friday foi introduzida no calendário varejista”.

Já Thiago Monteiro Luz da Árvore Propaganda e Marketing, faz uma reflexão um pouco diferente:

“O fim de ano aumenta o volume de trabalhos não só pelas campanhas natalinas, mas também para concluir os planos estratégicos para o próximo ano. Sem dúvida é uma época em que todos os prazos se apertam”.

Thiago Luz, da Árvore

Esse raciocínio guarda semelhança com outros aspectos levantados também por Eduardo, da Resultage. Ele afirma que o volume de trabalho aumenta também em função de festas de final de ano, notadamente para o varejo,de campanhas de vestibular, pós-graduação, etc, para universidades e entidades de ensino e também de campanhas de férias de verão e réveillon para os diversos clientes de turismo da Resultage, sobretudo resorts e destinos nacionais e internacionais. Ele destaca: “Ou seja, segundo semestre bem forte, crescendo mais a cada ano”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *