Coluna “Discutindo a relação…”

Perdendo ídolos e esquecendo a razão

Eu tentei fugir deste assunto… Tentei encontrar alguma outra coisa sobre a qual escrever esse mês. Mas o coração falou mais alto, embora estivesse encolhido…

O assunto é a saída do Fábio Fernandes da F/Nazca, agência que fundou ao lado de dois outros sócios e que rapidamente se firmou como uma das maiores e mais criativas do mercado brasileiro. O Fabio e a F/Nazca fizeram muita coisa maravilhosa para a Skol (o maravilhoso conceito “Desce redondo” que está aí até hoje), fez o adorável Formigas para a Philco e o Grand Prix de Filme em Cannes 2015 para a Leica, intitulado “100”.

A F/Nazca soma nada mais nada menos do que 70 leões em Cannes desde o seu lançamento.

A notícia caiu como uma bomba e me deixou abalado. Chateado mesmo. Pensei: ah, não, mais um craque se vai… mais um ídolo da minha profissão meio que se despede dos gramados publicitários. E o pior: sai da agência que criou dizendo claramente que não saiu por uma decisão sua!

Foto by Meio&Mensagem

A notícia também me deixou reflexivo.Fiquei a pensar em que caminhos a atividade publicitária está tomando ou irá tomar. Pelo menos nos grandes grupos, nas grandes redes de agências, parece que ou o mais importante é aumentar a rentabilidade e aumentar o valor das ações para os acionistas (não importando muito a qualidade da entrega) ou os chefões acreditam que essa geração não é capaz ou adaptável o suficiente para encarar os novos desafios dos novos cenários que aí estão. Não sei…

Só sei que a emoção acabou vencendo a razão e eu só consegui ficar triste e lembrando todos aqueles que recentemente deixaram de trabalhar com minha querida propaganda: Washington Olivetto, Marcelo Serpa, Alexandre Gama, Celso Loduca…

Muitos dirão que eles já eram, que tudo mudou, que a vida é assim mesmo, que é preciso renovar, que o cenário é outro, que o digital hoje manda, que o data é soberano e etc etc etc.

Não quero saber da razão! Não!

Assisti palestra com esses caras, li muito sobre eles – livros, entrevistas, artigos etc – admirei cada campanha “ducaralho” que fizeram, vibrei com cada leão que conquistaram. Tenho o direito de ficar p da vida, de ficar chateado pra caramba!

Tomara que os novos rumos que a propaganda brasileira escolher trilhar daqui para a frente valham muito a pena! Eu acho que gente como o Fabio Fernandez tem muita lenha – da boa – para queimar ainda.Tomara que eu esteja só triste e não pensando com a cabeça…

Tomara!

Tomara que meus alunos agora no início, meio ou fim da faculdade possam ter ídolos do calibre que eu tive.

Tomara!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *