Coluna Branding – Alma da Marca

Fazer história

Quando assumi essa coluna no blog, logo percebi que haveria um dessas incríveis coincidências do destino e no dia 25 de Dezembro, Natal, deveria publicar um novo texto. Achei incrível essa oportunidade mesmo quando alguns goravam dizendo “ninguém vai ler”, eu pensava: “é uma data pra mudar a história”. Por isso, resolvi escrever algo diferente. Aí vai minha carta a papai Noel:

Querido papai Noel,

Esse ano trabalhei duro, enfrentei crise, criei muita coisa para às pessoas, mudei muita coisa em minha vida e também vi meu trabalho mudar a vida de muita gente.
Sempre penso que preciso dar algo a mais para meus alunos e em meus brandings, que preciso entregar um pouco da paixão, de vontade, algo de valor na comunicação.

letter-700386_640

Não trabalho só por dinheiro, não sou publicitário por status e não penso em criar para ganhar prêmios. Gosto de saber que é possível com meu trabalho fazer história.

Meu caro papai Noel, meu pedido para você é que me ajude a convencer o maior número de pessoas de que a nossa profissão tem um valor maior do que se faz hoje em dia. A glória e fama que os comunicadores conquistaram não foi fruto de um snobismo, de um requinte forjado, de autopromoção ou venda de pura imagem. Era estudo, era arte, era trabalho ….

christmas-993304_640

Eu vi e participei de ações que realmente marcavam histórias, houve momentos onde se ouvia pessoas cantarolando nossos jingles nas ruas, repetindo frases e bordões em seu cotidiano, mas que transcendiam a busca pela venda para serem produtos de um novo vocabulário.

A comunicação deixou de prover essa obras e foi substituído por algo menos nobre e que tem cumprido a função deste comunicador. O publicitário parece estar sentado em seu reinado, apanhando feio e ainda assim se sentindo brilhante como se dissesse: “acabou Jessica, é só isso ?!”

Mas fomos nós que nos desvalorizamos, que nos encantamos pelo sucesso a qualquer preço, ou pior, trocamos o que nos trazia sucesso por preço qualquer, pela baixa qualidade, pela falta de estudo, pela ética elástica, pelo envolvimento siamês com a política que não queremos estampada nas capas da revista.

Queria voltar a ver um jingle do Duda Mendonça que não vendesse um produto corrupto mas que fosse cantado pela Maria Bethânia por tanta beleza e simplicidade…

Enfim papai Noel, queria apenas pedir pra que você nos ajude a mudar de novo a nossa história, assim como mudamos a sua própria história, com um branding para a coca cola que levou sua imagem à cada canto do mundo, gordinho, charmoso e vermelho, em uma época em que a publicidade trabalhava apenas pela arte de comunicar e que você era chamado de Santa Claus.

Feliz Natal à todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.