Coluna Social Media – Tuani Carvalho

Pelo direito de viver em banda larga

“Na minha época não era assim, a gente conversava!!!”
“Pára de mexer nesse celular e vai viver a vida!!!”
“Uma geração de alienados”
– bradam, raivosos, no Facebook direto de seus smartphones na Starbucks mais próxima de você.

Coluna Social Media

Coluna Social Media

Você já deve ter lido na sua timeline algo do tipo. Gente defendendo “viver a vida de verdade”, compartilhando aquele vídeo “impressionante” de como as redes sociais afetam as nossas vidas (sempre de forma negativa).

Eu acredito que foi-se o tempo em que estar na internet era praticamente hibernar dentro do quarto, sem luz, rodeado de pacotes de salgadinho e dos restos mortais da pizza de 3 dias atrás. Todos já passamos – e sobrevivemos – à época da internet discada em que tínhamos hora marcada para sentar em frente àquele trambolho mágico. O mundo hoje é outro completamente diferente daquela caverna em que vivíamos.

FotoTuani

Sou cria da Geração Y e como a maioria das pessoas que eu conheço, vivi em épocas completamente distintas: brinquei de boneca e de queimada, tive um computador em que só usava o Paint, presenciei o auge dos finados Orkut e MSN e hoje vivo nesse turbilhão de novidades que surgem a todo momento de forma ativa e constante.
E, por isso, não vou jamais endossar o coro daqueles que subestimam a vida em banda larga.

Com o avanço tecnológico que nos atingiu feito uma avalanche nos últimos anos, é possível postar uma foto no Instagram, compartilhá-la simultaneamente no Twitter e no Facebook enquanto faz um check-in no Foursquare e dá uma olhadinha no Tinder pra ver se tem um boy magia por perto.
Estar sempre com o seu smartphone em mãos não quer dizer que você não esteja vivendo a sua vida, curtindo a sua viagem, aproveitando o seu jantar romântico.

her

É claro que existem casos extremos e a influência da internet na vida das pessoas é, sim, algo que deve ser estudado e compreendido.
Mas, será que é realmente – ou exclusivamente – culpa da ferramenta? Será que as respostas para os exageros não estão em quem a maneja?
Quero dizer: entender – do ponto de vista psicológico mesmo – o que leva ao desespero por atenção; à carência; à violência; à reclusão, à depressão?

Resisto em acreditar que uma pessoa equilibrada em suas relações interpessoais e conflitos internos se torne refém de uma telinha brilhante e abra mão de sua “vida real” por causa dessa lavagem cerebral que tentam nos fazer acreditar que sofremos diariamente.

A nossa maneira de se relacionar com o mundo e com quem está por perto se transforma a cada dia e em muitos aspectos a internet aproxima mais do que afasta e desinibe mais do que cala, educa mais do que aliena. Mas essas histórias raramente são contadas. “Lutar contra o sistema” é bem o tipo de coisa que as pessoas tem gostado de fazer ultimamente, mesmo sendo, elas mesmas, partes integrantes e colaboradoras desse modelo de comportamento.

1 pensou em “Coluna Social Media – Tuani Carvalho

  1. De maneira geral, é incrível a quantidade absurda de informação a que estamos expostos. A mídia(ou imprensa, não sei qual o melhor termo) tem um papel importantíssimo quanto a forma que estas informações são apresentadas.
    Mas neste cenário, já vemos mais um benefício da internet e suas redes sociais, que servem de reduto para vários agentes midiáticos independentes.
    Voltando à questão do discernimento quanto ao uso da internet, cabe a nós saber filtrar o que há de melhor no conteúdo que nos é apresentado, para tentar reduzir a síndrome do “ver mas não olhar”.

    Acho que fugi um pouco do seu assunto, mas o texto me fez pensar nisso rs.
    Parabéns pela colune =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *