Para pensar bem

Evento sobre storytelling no SENAC convida a refletir

por Josué Brazil

Sábado último estive, pela manhã, no Senac SJCampos para acompanhar a palestra de Patricia Weiss (divulgamos aqui) sob o tema “O novo significado do Marketing e o futuro do Branded Content”. Tudo rolou muito bem e gostei bastante do conteúdo, embora tenha que ter saído um pouco antes do final.

O storytelling é, basicamente, conteúdo criado pela e para marca e no formato de narrativa. Ou seja, contar uma boa história que gere envolvimento, participação, engajamento e busque elementos emocionais e valores intangíveis para uma marca. Digo em minhas aulas que toda ação de storytelling e de transmedia storytelling e, antes de tudo, uma ação de branded content. Ele tem sido bastante utilizado porque é cada vez mais claro que os recursos’ações e peças convencionais obtém cada vez menos suceso. são cada vez menos eficazes.

storytelling-596x300

Patricia desenhou cenários e apresentou linhas teóricas que explicam as mudanças de tecnologia que potencializaram certos comportamentos das pessoas e fizeram com que tudo mudasse no cenário da comunicação mercadológica.

Uma das coisas que sempre procuro discutir nas minhas aulas é o quanto a publicidade brasileira se agarra aos métodos e procedimentos tradicionais e dá de ombros ao fato de o consumidor ter mudado. Dá de ombros também ao fato de o consumo das mídias e a relação das pessoas com elas também terem se alterado radicalmente.

1532060_10152250166289374_1327725779_n

Auditório cheio para a palestra de Patricia Weiis no Senac SJCampos – Foto de Carlos Santis

Uma das situações que mais me chamam a atenção e que sempre tento discutir é o da unanimidade da TV aberta no Brasil. É quase inexplicável que agências e anunciantes aceitem pagar cada vez mais caro por menos audiência. Seguindo a linha de comparar comunicação com comida usada pela Patricia Weiss ao longo de sua palestra, é algo como pagar cada vez mais caro num prato que vem com cada vez menos comida.

O mais absurdo sob meu ponto de vista não é nem topar pagar mais por menos audiência. O maior absurdo é ainda comprar mídia com base em audiência. É ultrapassado e totalmente irreal hoje pagar por audiência. O mais importante é a ATENÇÃO. Ou seja, as pessoas podem até estar sintonizadas em determinado canal num determinado horário, mas é fato que a atenção dada ao intervalo comercial hoje é muito, muito menor do que vinte anos atrás. Um comercial de 30″para ser eficaz tem que ser muito mais atraente, divertido, criativo e calcado num bom – e verdadeiro – posicionamento. Está muito mais difícil.

Por outro lado, ações que gerem engajamento, conversa, diálogo e consigam gerar links emotivos fortes entre marca e consumidor têm muito mais chances de alcançar eficácia. É lógico que com menos alcance que a TV aberta. Indiscutível. Mas isso também está se alterando. Cada vez mais pessoas têm acesso a internet e à dispositivos móveis. Temos uma geração totalmente digital chegando com tudo ao mercado consumidor.

Sempre creditei boa parte do sucesso comercial da tv aberta no Brasil na contra mão do declínio das audiências ao modelo de comissionamento das agências de propaganda e à prática desenfreada do BV (bonificação por volume). Uma prática questionável em sua essência.

Está na hora de realmente pensar bem e começar a pensar em mudar o modelo! Boa semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *