Atleta paralímpico fecha com novo patrocinador

Braskem é o novo patrocinador do atleta André Rocha

Na manhã dessa terça-feira, 10 de outubro, aconteceu no Centro de Treinamento Paralímpico na Rodovia dos Imigrantes, a assinatura do contrato de patrocínio entre o atleta André Rocha, campeão mundial de paratletismo, e a empresa Brasken Petroquímica.

A empresa é patrocinadora da Equipe Brasileira de Paratletismo desde setembro de 2015, e acredita que o apoio ao esporte paralímpico reforça o seu propósito de que a química e o plástico melhoram a vida das pessoas. No paratletismo brasileiro, o plástico tem uma aplicação prática, já que está presente na composição das próteses, tornando-as mais leves e confortáveis às pernas dos atletas.

De olho nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, André Rocha se orgulha da nova parceria: “Quem me acompanha e conhece a minha trajetória sabe o quanto lutei até alcançar o mais alto lugar no pódio. Ter conquistado uma parceria desse nível é motivo de muito orgulho para mim”, declarou o atleta.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Aplicativo para não perder a bagagem

Jovens criam aplicativo que permite rastrear bagagens de avião

Sabemos que a cada ano, o número de passageiros das companhias aéreas vem aumentando e um dos maiores receios deles é em relação ao extravio de suas bagagens, o Back2’U. Pensando nisso, alunas de Engenharia de Produção do Instituto Mauá de Tecnologia desenvolveram um rastreador de bagagens aéreas nacionais, que permita ao usuário ter acesso da localização de seus pertences, por meio de um sistema implementado.

E como ele funciona?

Com a aquisição Back2’U e ao inseri-lo em sua bagagem, o usuário terá acesso a localização de sua mala a partir de um aplicativo instalado no celular. Desta forma, ele terá a possibilidade de monitorar seus pertences e, em caso de extravio, encontrá-los mais rápido.

Diferenciais:

Para o futuro, o grupo estuda disponibilizar o produto por um valor que varia de R$ 50,00 a R$ 100,00, o que é um grande diferencial competitivo, uma vez que aplicações similares disponíveis no mercado costumam chegar a 400 reais, mais a taxa de mensalidade.

O trabalho completo será apresentado na 23ª Edição da Eureka, evento que reúne trabalhos de conclusão de curso altamente inovadores das áreas de Engenharia, Administração e Design.

Alunos: Amanda Carvalho Fernandes, Beatriz Cutlak Schiavi, Clara Santandrea Augusto e Juliane Jampolsky.

Fonte: RMA Comunicação – Assessoria de Imprensa do Instituto Mauá de Tecnologia – Lis Assis/Francine Vechio

Via Vale começa a semana com palestra

Gerenciamento de Redes Sociais para ONGs será o tema apresentado

No mundo atual, as Redes Sociais são uma realidade mercadológica. Cada vez mais as empresas querem ter seus serviços, produtos e projetos sendo visualizados por todos. Mas fazer isso sem nenhum conhecimento é difícil e acaba não trazendo os resultados esperados.

E pensando em todos esses aspectos e na necessidade que as ONGs muitas vezes têm em saber estratégias e domínios das ferramentas certas para gerenciar Redes Sociais, o Via Vale Garden Shopping sediará amanhã (10/10), das 18h às 22h, um curso de Gerenciamento de Redes Sociais para ONGs.

A palestra será comandada por Fabricio Oliveira, CEO da Ative Comunicação Estratégica e terá um custo de R$49,90, abordando temas como “Teoria das Redes Sociais”, “Comunicação Interna”, “Estratégia de Engajamento” e muito mais.

As inscrições podem ser realizadas pelo e-mail contato@portalvitrinesocial.com.br ou pelo telefone (12) 99749-1463.

Serviço:
Gerenciamento de Redes Sociais para ONGs – Via Vale Garden
Data: Terça-feira (10)
Horário: das 18h às 22h
Local: Auditório
Investimento: R$49,90

Agência abre vagas

BZ abre duas vagas

A BZ Propaganda & Marketing, agência situada em SJCampos, abre duas vagas para ampliar sua equipe.

Brasileiro estoura o pacote de dados

Pesquisa da Deloitte detalha uso de smartphones; oito em cada dez brasileiros estouram pacote de dados

· 87% dos participantes do estudo têm smartphones, sete pontos percentuais a mais do que em 2016;
· 45% dos jovens entre 18 e 24 anos checam suas mídias sociais na madrugada;
· Interesse pela compra de tablets recua de 32% para 28%.

Oito em cada dez brasileiros que possuem smartphone acabam estourando seus pacotes de dados antes do final do período programado para utilização. Essa é uma das conclusões da pesquisa Global Mobile Consumer Survey 2017, realizada pela Deloitte com 2.000 entrevistados no Brasil. O estudo destaca as características de uso intenso dos celulares, assim como a costumeira falta de planejamento de gastos dos consumidores.

De acordo com o levantamento, mais da metade (51%) das pessoas consultadas que contratam serviço de dados para acessar a internet possuem pacotes limitados, menores que 3GB de capacidade, enquanto 20% dos participantes não sabem sequer qual é o tamanho do plano contratado com sua operadora.

Diante do uso intenso, três de cada cinco brasileiros que responderam à pesquisa disseram que tentam reduzir ou limitar o uso de seus smartphones. Vinte e nove por cento afirmaram que desligam a conectividade de dados de seus aparelhos para economizar. Outros 28% desativam as notificações de áudio, enquanto que um percentual idêntico simplesmente desliga os aparelhos durante a noite.

“O fenômeno da afinidade e do apego do brasileiro em relação às tecnologias móveis realmente merece estudo. Com os resultados da Global Mobile Consumer Survey 2017, constatamos que nossa sociedade vive mudanças de hábitos e costumes que têm transformado a maneira como as pessoas se comportam, como trabalham, estudam, se divertem e se relacionam. Para além das curiosas conclusões de nosso estudo, traçamos um importante retrato dos tempos atuais, das potencialidades e perspectivas que se abrem para o futuro”, afirma Marcia Ogawa, sócia-líder de Tecnologia, Mídia e Telecomunicação da Deloitte no Brasil.

A atual edição do estudo foi feita concomitantemente pela Deloitte em 22 países, incluindo o Brasil. A consulta foi feita por meio de questionários eletrônicos com mais de 40.000 pessoas, das quais 2.000 brasileiras, sobre seus hábitos de consumo de tecnologias móveis.

Smartphone segue como “sonho de consumo”

Apesar de 87% dos participantes da pesquisa terem revelado já possuir ou ter acesso a um smartphone – parcela sete pontos percentuais maior do que a registrada na edição do ano passado (80%) e dez pontos acima da apurada em 2015 (77%) –, esse tipo de aparelho continua sendo o principal “sonho de consumo” entre os brasileiros, como indicam os resultados do levantamento.

Sessenta e dois por cento dos participantes afirmaram que o smartphone é o equipamento móvel mais citado entre aqueles que as pessoas pretendem adquirir no próximo ano (alta de três pontos percentuais ante os 59% de 2016). O segundo aparelho mais desejado é o notebook (com 31% de citações em 2017, pequeno recuo ante os 32% no ano passado), seguido pelo tablet (cujo interesse foi o que mais se retraiu em 12 meses, chegando a 28%, ante 32% do ano anterior).

Brasileiros conectados em todos os momentos

Mais uma vez, os brasileiros que foram consultados pela Global Mobile Consumer Survey 2017 deram mostras de seus hábitos excessivos na utilização dos smartphones. Quase metade (45%) dos jovens entre 18 e 24 anos disse que checa notificações de mídias sociais no meio da noite. Na média geral, entre os participantes de todas as idades, esse hábito noturno afeta 33% dos participantes.

Fazendo a comparação com outros países, 22% dos jovens britânicos até 24 anos têm o costume de checar suas notificações de mídias sociais no meio da noite. Já na média geral de todos consultados na pesquisa do Reino Unido, esse percentual fica abaixo de um terço (10%) do demonstrado pelos brasileiros. Os jovens canadenses (24%) e os australianos (31%) também ficam atrás dos usuários do Brasil quando o assunto é mexer nos smartphones em plena madrugada.

O uso excessivo dos smartphones é notadamente um fator de atrito entre muitos casais. De acordo com a pesquisa da Deloitte, 56% das pessoas que têm um relacionamento estável consideram que seu parceiro ou parceira utiliza demasiadamente seu celular.

A opinião sobre excessos é ainda mais marcante entre os pais, já que 63% deles avaliam que seus filhos usam muito os smartphones. Porém, quando a questão é autocrítica, um percentual menor reconhece seus próprios excessos: exatamente metade (50%) dos participantes do estudo reconhecem hábitos exagerados no uso de seus aparelhos.

Smartphone no trabalho

Quase dois terços (64%) dos brasileiros participantes reconhecem utilizar com frequência seus aparelhos para uso pessoal em pleno horário de serviço. Apenas 4% afirmam nunca fazer esse uso e 31% o fazem eventualmente.

No Reino Unido, metade (50%) dos britânicos consultados pelo estudo reconhece utilizar com frequência seus aparelhos para uso pessoal em pleno horário de serviço, enquanto que 10% afirmam nunca fazer esse uso e 40% o fazem eventualmente.

Já no Canadá, o percentual daqueles que usam seus smartphones no serviço com finalidades pessoas é ainda mais baixo (46%). Somente 10% dizem nunca fazer esse uso e 44% usam esporadicamente. Também os australianos demonstram respeitar mais o ambiente de trabalho que os brasileiros, já que pouco menos da metade (48%) dos participantes tem esse hábito, 44% fazem uso eventual do celular no trabalho e 8% nunca recorrem a seu aparelho nesse ambiente.

Na ponta oposta dessa equação, 48% dos brasileiros consultados afirmaram utilizar por razões profissionais seus smartphones com alguma frequência fora do horário de trabalho. Trinta e nove por cento agem assim eventualmente e 13% não utilizam essa ferramenta para fins de trabalho durante seus períodos de folga.

Os britânicos evitam “levar trabalho para casa”. Apenas 19% deles disseram que consultam seus smartphones por razões profissionais com frequência fora do horário de trabalho, 34% agem assim eventualmente, enquanto que 47% nunca usam essa ferramenta em suas folgas.

Canadenses (22%) e australianos (26%) também são mais reticentes a tratar sistematicamente de questões profissionais fora do ambiente de serviço. Quarenta por cento dos consultados no Canadá e 42% na Austrália levam eventualmente trabalho para casa com seus smartphones, enquanto que 37% e 32%, respectivamente, nunca fazem isso.

Mensagens instantâneas no topo

Os aplicativos (APPs) de troca de mensagens instantâneas são os mais utilizados pelos participantes da pesquisa da Deloitte, e quase totalidade deles (94%) confirmou usar esse tipo de solução em seus smartphones. O segundo grupo de APPs mais lembrado é o de redes sociais, com 89% de citações. Pouco abaixo, vêm os aplicativos de e-mails (com 82% das referências) e as ligações de voz tradicionais (80%).

Já o avanço no acesso às redes de dados móveis de quarta geração (ou 4G) entre os usuários brasileiros de telefonia móvel foi considerável nos últimos dois anos, partindo de 25% dos participantes da pesquisa de 2015 para 44% no ano passado, e chegando aos 61% em 2017 – ou 36 pontos percentuais a mais em 24 meses.

Mesmo assim, o meio de conectividade com a internet preferido pelos brasileiros consultados segue sendo a conexão Wi-Fi, apontada como a mais utilizada por 84% dos que responderam ao estudo. As redes de dados móveis são apontadas como preferenciais por apenas 16% das pessoas.

Outro fator que demonstra o uso intenso das funcionalidades permitidas pelos smartphones e também pelos aplicativos de troca de mensagens instantâneas é o hábito de compartilhar com frequência fotos ou vídeos. Mais de dois terços dos brasileiros participantes (82%) afirmam compartilhar imagens nesses aplicativos ao menos uma vez por semana e 75% compartilham semanalmente vídeos pelo smartphone.

“Pouco interesse” por APPs

Os brasileiros consultados pela Global Mobile Consumer Survey 2017 parecem não demonstrar grande interesse em acumular uma quantidade grande de aplicativos em seus aparelhos. Quase metade deles (48%) indicou “não ver necessidade de ter mais APPs”. Outro fator que restringe a aquisição de APPs, citado por 39% dos consultados, é a falta de memória para armazenamento. Outros 10% dizem utilizar-se do navegador de internet para ter acesso a facilidades oferecidas por alguns APPs e 5% não querem gastar mais com isso.

Hábitos de compra de aparelhos

Apesar de estar constantemente conectado, o brasileiro ainda prefere adquirir seu smartphone em lojas físicas. De acordo com a Global Mobile Consumer Survey 2017, 42% (mesmo percentual de 2016) dos participantes da pesquisa compraram seu aparelho atual em lojas físicas, contra 33% (35% no ano passado) daqueles que o adquiriram em estabelecimentos online.

Entre os estabelecimentos físicos, a preferência foi por lojas varejistas de produtos eletrônicos (33%), seguidas por lojas de departamentos (24%), vendedores exclusivos de telefonia celular (12%), pontos de vendas dos fabricantes (9%), operadores de telefonia móvel (também 9%) e supermercados (6%). Já os estabelecimentos online preferidos foram: lojas de departamentos (38%); lojas varejistas de produtos eletrônicos (25%); sites de e-commerce (10%); supermercados (8%); lojas dos fabricantes (5%); vendedores exclusivos de telefonia celular (4%); e operadores de telefonia móvel (1%).

Em relação aos hábitos gerais de compras, 56% dos brasileiros consultados afirmaram realizar pesquisas online sobre produtos ou serviços pelo menos uma vez por semana. Já 18% do total de respondentes efetivamente realizam no mínimo uma compra de produto por semana.

Smartphone “financeiro”

O estudo detalha a tendência de crescimento do uso do smartphone para realização de operações bancárias pelos brasileiros, já apurada pela Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2017 – produzida pela Deloitte em parceria com a Federação Brasileira de Bancos –, que concluiu que o mobile banking é atualmente o canal preferido pelo brasileiro para realizar transações, com 34% do total.

De acordo com Global Mobile Consumer Survey 2017, quando as pessoas pretendem fazer transferências de dinheiro, os aplicativos de bancos são os preferidos (com 67% das citações). A seguir, vêm os provedores de transferências online de recursos (28%), aplicativos de outras instituições financeiras (19%) e solução do Facebook (11%).

Quando a questão apresentada aos participantes foi relacionada a seus hábitos de uso de serviços financeiros pelo navegador de internet ou pelos aplicativos de seu smartphone, 46% das pessoas disseram que consultam seu saldo, 31% realizam algum outro tipo de operação, 20% concluem uma transferência de dinheiro para outra pessoa no Brasil e 13% realizam transferências internacionais de recursos ao menos uma vez por semana.

Sobre a pesquisa

Além do Brasil, a Global Mobile Costumer Survey 2017 foi realizada concomitantemente em outros 21 países: Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, China, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, Holanda, Irlanda, Itália, Japão, Luxemburgo, México, Noruega, Reino Unido, Rússia, Suécia e Turquia.

Para apurar os resultados sobre hábitos de consumo de tecnologias móveis, a Deloitte consultou por meio de questionários eletrônicos mais de 40.000 pessoas, de 18 a 55 anos, das quais 2.000 do Brasil

Fonte: Assessoria de Comunicação da Deloitte – In Press Porter Novelli – Carlos Brazil

Vaga em área comercial de veículo

Revista contrata

A Revista By, especializada em arquitetura, decoração, arte e design e editada aqui no Vale do Paraíba, está buscando profissional para sua área comercial para sustentar e ampliar seu crescimento.

cial,

 

Programar também para o mobile é um diferencial

Desenvolvedor web: como migrar para o mobile?

* por Roberto Rodrigues

A demanda por desenvolvedores web ainda é grande, mas como a multidisciplinaridade é uma habilidade requisitada para profissionais de diversas áreas, em TI não poderia ser diferente. Programar também para o mobile é um diferencial, afinal, hoje existem aplicativos disponíveis para as mais diferentes atividades: comunicação, serviços, saúde, finanças, etc. A oferta é grande. Além disso, as empresas também estão interessadas em ter seus próprios apps para melhorar a experiência de seus clientes. Por isso, vale considerar a possibilidade de migrar do desenvolvimento web para o mobile.

Quem se interessa por esta área e já estudou essa alternativa deve ter ouvido falar em apps híbridos, que não são nem móveis nativos e nem puramente web-based, e são criados a partir de frameworks como Ionic ou PhoneGap, por exemplo, que permitem o desenvolvimento multiplataforma. Desta maneira, a partir de um único código-fonte, consegue-se exportar a aplicação para os principais sistemas do mercado. Certamente, este é o caminho mais curto para o profissional interessado em fazer esta transição, mas não é a solução.

Os aplicativos criados com linguagem exclusiva para um sistema operacional, conhecidos como nativos, apresentam mais vantagens para o usuário final. A primeira delas é usabilidade proporcionada pela compatibilidade tecnológica, pois exploram melhor os recursos dos aparelhos, como o envio de SMS, realização de chamadas, acesso à câmera, GPS e notificações push, e desta forma conseguem melhorar a experiência do usuário. Além terem acesso às APIs necessárias para tirar fotos, obter dados de sensores e modificar configurações do sistema.

Outro benefício é o funcionamento off-line, pois estão armazenados no dispositivo. A velocidade também deve ser destacada, pois os apps híbridos dependem da velocidade da internet; e a performance também é aprimorada nos apps nativos – erros e falhas de segurança são menos frequentes. Ou seja, um app nativo é mais rápido e confiável do que os demais.

Certamente, a decisão entre criar um app híbrido ou um nativo depende de diversos fatores, como a necessidade de um processo de criação simplificado, os recursos disponíveis, o tipo de dispositivo utilizado pelo público-alvo ou o tipo de recurso que se pretende implementar.

Contudo, para tomar a decisão é necessário ter habilidade técnica para atuar em ambas as frentes. E desenvolver um app nativo requer conhecimentos específicos, como conhecer programação orientada ao objeto; estudar a linguagem nativa, que pode ser Swift para iOS e Java para Android; conhecer a plataforma de desenvolvimento (IDE, do inglês), para iOS é o xCode e para o Android é o Android Studio, entre outros recursos.

Apenas dominando estas competências o desenvolvedor web consegue ter um bom desempenho na criação de apps e se destacar, estando apto para aproveitar as oportunidades disponíveis no mercado.

*Roberto Rodrigues, CEO da Quaddro – centro de treinamento focado no universo mobile, sendo seus carros-chefe cursos de desenvolvimento de aplicativos em sistemas iOS e Android.

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

Maioria dos consumidores vai às compras no Dia das Crianças

Pesquisa ACI-Unitau mostra otimismo dos consumidores de São José dos Campos com a data; brinquedos são os presentes favoritos

Boa notícia para a criançada: quase 60% dos consumidores de São José dos Campos pretendem comprar presentes neste Dia das Crianças. E a grande maioria pretende comprar brinquedos.

Isso é o que aponta a mais nova pesquisa da Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos, feita em parceria com a Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Informação), da Universidade de Taubaté, para medir a intenção de compras para o Dia das Crianças, festejado em 12 de outubro. O levantamento ouviu 394 consumidores entre os dias 18 e 21 de setembro em quatro pontos da cidade: Rua 15 de Novembro, Calçadão da Rua 7 e nos shoppings CenterVale e Vale Sul. A margem de erro é de 5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

— Os números da pesquisa sobre o Dia das Crianças são uma boa notícia para o comércio de São José dos Campos e mostram que a reação da economia, iniciada no primeiro bimestre de 2017, se manteve e é para valer — disse Humberto Dutra, presidente da ACI.

A pesquisa ACI-Unitau mostra que 59,1% dos consumidores vão comprar presentes neste Dia das Crianças e que os brinquedos são os preferidos pelos consumidores (52,2%), seguidos de roupas (30,8%) e calçados (9,4%). Eletro-eletrônicos são opção para 3,9% dos consumidores. O valor do tíquete médio de compras varia de R$ 50,01 a R$ 100 (32%) a R$ 100,01 a R$ 200 (27,3%). Ainda segundo a pesquisa, a maioria dos consumidores (67,1%) planeja fazer suas compras à vista, pagando em dinheiro ou cartão de débito (54,7%).

O levantamento apontou onde os consumidores vão fazer compras: 53,6% disseram preferir as lojas do centro, 27,5% vão optar pelos shoppings. A pesquisa revelou ainda que a grande maioria dos consumidores (88,4%) ainda prefere comprar em lojas físicas. As lojas virtuais são as preferidas por 11,6%.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Nathália Barcelos

ConectCar terá novo dispositivo

ConectCar cria novo dispositivo unindo tecnologia e qualidade para aprimorar a experiência dos clientes

Empresa com presença em todas as rodovias pedagiadas do Brasil anuncia que adesivos serão vendidos tanto no e-commerce como nos Postos Ipiranga


A ConectCar, que fornece serviço de pagamento automático de pedágios e estacionamentos, anuncia o lançamento do adesivo, que substituirá o tag atual. Os novos adesivos serão vendidos tanto no e-commerce da empresa como nos Postos Ipiranga. Os clientes que já possuem o dispositivo continuarão com o produto funcionando normalmente, sem a necessidade de realizar a troca.

A substituição do tag para o adesivo, mais discreto e na cor preta, está alinhada ao objetivo de ampliar o olhar à experiência dos clientes. A ConectCar se preocupou em desenvolver um produto altamente tecnológico e que valoriza o carro.

“Estamos no caminho para transformar a experiência dos nossos clientes, para que essa seja mais digital, fluída e transparente. O lançamento do adesivo, é parte de uma evolução que estamos fazendo no mercado com o lançamento de soluções para tornar a vida dos nossos clientes ainda mais fácil”, explica Felix Cardamone, CEO da ConectCar.

Uma das primeiras transformações desse novo momento da empresa foi a reformulação da loja virtual. “Fizemos uma primeira renovação do nosso e-commerce, que agora permite a compra do serviço da ConectCar em apenas três passos”, comenta o executivo.

Cardamone reforça que se hoje o produto principal é o dispositivo eletrônico que está no carro dos brasileiros, em breve o portfólio se ampliará para novas facilidades, visando conectar e simplificar os deslocamentos das pessoas.

Fonte: FirstCom Comunicação – Cintia Yamashiro

Vaga para jornalista

Vaga na Metropolitana de Taubaté

A Radio Metropolitana está selecionando jornalistas formados e/ou estagiários para integrar a Equipe de Jornalismo da Emissora.

Currículos para o e-mail jornalismotaubate@redemetropolitana.com.br