Agência está em busca de redator

Arriba! busca redator

A Arriba! está contratando um Assistente de Redação que possua boas referências, com bom domínio de gramática e que tenha repertório publicitário.

Se você já se identificou agora, então confira os requisitos na arte e envie seu CV para criacao@arribamkt.com.br.

Obs: currículos sem portfólio + pretensão não serão avaliados.

Vaga para designer gráfico

Agência quer designer gráfico 

A agência BKW está em busca de um designer gráfico. A vaga é para trabalho temporário.

Confira:

Vaga para Analista de Marketing

Santuário abre vaga para analista de marketing junior

O Santuário Nacional de Aparecida está em busca de um profissional para atuar como analista de marketing.

Veja os detalhes da vaga no layout abaixo e boa sorte!

Pra ficar ligado! Dicas de conteúdo

Quer ficar sintonizado com novas tecnologias, marketing e comunicação? Veja essas dicas de conteúdo

por Josué Brazil

Não são poucas as vezes em que meus alunos e até alguns ex alunos me pedem dicas sobre o que ler, ouvir e assistir para ficar sintonizado com as novidades e tendências do mundo do marketing e da comunicação. Então resolvi dar algumas dicas aqui no blog.

Está cada vez mais evidente que entender de tecnologia fará toda a diferença. Na verdade já está fazendo. Então algumas dicas vão nessa direção também. Vamos lá!

Um bom caminho é assinar algumas newsletters. Recomendo ao menos três que são gratuitas. A primeira é a Think With Google. Normalmente eles enviam um pacote com dois ou três artigos repletos de dados e insights do Google. Ajudam demais a entender cenários e tendências.

A segunda newsletter que recomendo é a Morse, editada pelo pessoal da Hands Mobile. Atualidades do mundo digital e mobile com linguagem leve e textos curtos. Muito bom!

E a terceira newsletter que recomendo é a do Gabriel Ishida. Baita profissional, o Gabriel fala de marketing e publicidade digital, plataformas, últimas notícias etc. Também com texto leve, fácil e pra consumir rapidinho.

Outra formato de conteúdo interessante é o podcast. E aqui vou indicar dois bem interessantes. Primeiro vou repetir a dica em relação a Morse, pois eles também tem um podcast bem bacanudo e que vale a pena ouvir. Notícias e entrevistas com gente fera da área de tecnologia e negócios.O segundo podcast é o Código Aberto, da Brainstorm 9 (ou B9). Eles entrevistam muita gente interessante e importante das áreas de propaganda, marketing, comunicação e tecnologia.

Outra coisa legal é acompanhar bons documentários. Fico caçando bons documentários no Netflix. Algumas indicações:

– Abstract – The art of design – A primeira temporada foi muito boa e eles acabaram de disponibilizar a segunda. Já assisti a dois episódios desta nova temporada e eles mantiveram o ótimo nível da primeira. Caso você curta design e goste de referências de diferentes áreas pra se inspirar essa série documental é obrigatória

– Como o cérebro cria – esse documentário desvenda ( ou tenta desvendar)os mistérios da inventividade e criatividade humanas e para tanto mostra diversas atividades artísticas e a relação do processo criativo com as capacidades de nosso cérebro. Ótimo ritmo e edição. Gostoso de assistir.

– Está tudo nos números – já que só se fala de Big Data, IA, Analytics, algoritmos e dados, nada melhor do que um documentários que mostre o universo dos números. Bem bacana e quase que obrigatório para que o povo de humanas se aproxime e passe a gostar um pouco mais dos números.

Acho que por enquanto tá bom! Tente degustar alguns destes conteúdos. Vai valer a pena!

Festival chega a 29ª edição

Mídia Festival 2019 irá premiar ideias criativas que promovam a pluralidade, união, diversidade e transparência

Com o slogan “O prêmio que tem espaço pra todo mundo, menos pro seu preconceito”, o tradicional evento de premiação publicitária do interior de São Paulo chega a 29° edição

No dia 28 de novembro, o Tênis Clube de Campinas (SP) será palco de mais uma edição do Mídia Festival, evento promovido pela Associação dos Profissionais de Propaganda de Campinas (APP) com o objetivo principal de premiar a criatividade e a qualidade dos trabalhos produzidos pelas agências do interior paulista. Mais do que isso, a ação busca incentivar os profissionais da área de comunicação e, para isso, contará com uma temática especial e um convite à reflexão. Neste ano, o Mídia Festival colocará luz sobre questões como pluralidade, união, diversidade e transparência a partir do slogan “O prêmio que tem espaço pra todo mundo, menos pro seu preconceito”.

“O tema surgiu a partir de uma autoanálise que nos levou à conclusão de que a melhor ideia é não ter preconceito. Por isso, a estratégia desta edição é reunir e premiar um bom conjunto de peças publicitárias que valorizem o ser humano em sua pluralidade e tenham uma conexão direta com esse olhar de inclusão e diversidade”, disse Samuel Leite, Diretor da APP. Segundo ele, este é o momento de refletir sobre o papel e a responsabilidade da indústria de comunicação. “Gosto de uma expressão que diz que, para compartilharmos a carteira do cliente, primeiro precisamos nos conectar ao coração dele… E é exatamente isso o que queremos mostrar”, concluiu.

Vale ressaltar que, com tantas mudanças acontecendo na sociedade, a edição deste ano abrirá um espaço para a discussão prévia. Até o dia do evento, será realizada uma série de painéis e mesas-redondas para discutir os pontos de mudança que precisam acontecer no mercado de comunicação, levando em consideração que há espaço para todo mundo, independente de gênero, orientação sexual, cor de pele, etnia ou nível de experiência. Cada encontro terá um tema diferente e será conduzido por palestrantes relacionados à temática.

Ao todo, o Mídia Festival 2019 contará com dez categorias, nas quais serão premiadas três ideias vencedoras (ouro, prata e bronze). São elas: Vídeo, Rádio/Spot Digital, Impresso, Mídia OOH, Campanha Integrada, Design/Projeto Gráfico, Branding, Marketing de Conteúdo, Mídia Performance Digital e Impacto Positivo. As inscrições serão abertas em breve e divulgadas por meio do site www.midiafestival.com.br

Fonte: Pâmela Santos

Dança das cadeiras

Mais uma? Sim, mais uma!

Outubro pode ser rosa, mas está mais pra vermelho de tanta agitação no mercado de comunicação. Tivemos que soltar mais uma edição. Uma seguida da outra. Que bom!

Pelos lados da TV Câmara de Taubaté a novidade é a chegada do jornalista João Pedro Ribeiro Pena.

E da Vincere Comunicação vem a notícia de que Luiz Guilherme Brito chegou para reforçar o time criativo da agência.

Dança das cadeiras

Outubro começou bem

Comecinho de mês de outubro e o mercado não dá folga. Segue movimentado! Veja na sequência a movimentação de profissionais de comunicação de nossa região.

O ainda estudante de oitavo semestre de publicidade e propaganda da Unitau, Mateus Sales, foi contratado como programador de core loops pela Hibernian Workshop, um estúdio francês que desenvolve jogos eletrônicos para computador e consoles.

A já publicitária formada pela Unitau, Gabriela Nanni, assumiu o posto de Analista de desenvolvimento de embalagens Júnior na Johnson & Johnson em São Paulo.

Pâmella Terra, formada em tecnologia em Gestão de Recursos Humanos pela Anhanguera e com MBA em Marketing e Vendas pela mesma instituição passa a compor o time comercial da Jovem Pan 98,3 – Taubaté.

E Luana Natali Moreira, formada em Design Gráfico pela UNIP, é a nova Designer gráfico júnior no Grupo Oscar.

Dança das cadeiras

Quase no fim, mas agitado!

A primavera já chegou e setembro está quase no fim mas segue agitado no que tange à movimentação de profissionais pelo mercado de comunicação. Confira!

Lerrine Mewes é a nova Head Of Digital da Papaya Comunicação, agência instalada em São José dos Campos.

Já Raissa Marangoni Bueno acaba de assumir o cargo de Coordenadora de Marketing na Agencia D.House. Ela estava atuando como Diretora de Atendimento na Agência BKW Creative Results.

E Giovana Romeiro acaba de ser contratada como Analista de Marketing Digital na lorem’Y.

Estágio em design

Agência quer estagiário em design gráfico

A BRZ Content abre vaga para estagiário em design gráfico para integrar seu time criativo. Veja tudo o que eles querem para o candidato na vaga abaixo:

 

Coluna Propaganda&Arte

Os números da campanha podem enganar você e ninguém fala disso

Sempre que vejo discussões sobre campanhas on-line e off-line, fico de olho. Algumas pessoas defendem 100% as novas mídias e outras ainda confiam muito nas tradicionais (TV, Rádio etc.). No meio dessa bagunça de opiniões/resultados, onde você se enquadra? Talvez os números estejam enganando você e ninguém parece querer tocar nesse ponto.

Falsos indicadores

Há pouco tempo atrás (e para algumas pessoas ainda é uma realidade), o sucesso das redes sociais e campanhas on-line só podia ser medido em números e quantidades. Mais curtidas, milhões de seguidores, centenas de compartilhamentos, recorde de leads, mais impressões e por aí vai.

Essa fissura por números astronômicos tem se mostrado ineficiente em longo prazo e está fazendo as próprias empresas e agências reverem seus indicadores relevantes, os KPIs e metas. Afinal, já perceberam que conseguir mais curtidas no post não vende produto, fazer viralizar algum meme não garante fidelidade de marca ou investir em Google Search não é certeza de ficar em 1º lugar nas buscas.

Além do mal-uso dos dados, problemas técnicos nas plataformas e nos resultados dos dashboards podem levar as agências e clientes a terem uma falsa compreensão da realidade. Muitas vezes, até as agências podem fazer (sem querer ou por má-fé) uma divulgação parcial dos números de uma campanha para se chegar a conclusões precipitadas ou até equivocadas. Isso é compreensível, as regras e algoritmos mudam toda hora! Mas isso não é tudo culpa deles, tem culpa nossa no meio.

Na era da internet, todos querem números e respostas imediatas

Números ok, você consegue. Respostas? Nem tanto. Por não saber exatamente o que se passa na cabeça do consumidor, você apenas sabe que ele curtiu, compartilhou, visualizou, converteu, se interessou (no máximo). Daí o trabalho segue para compreender mais esse cara e seus anseios reais.

Não adianta, por mais que você tenha alguns resultados eles não podem gerar interpretações consequentes apenas no achismo. “Esse post teve mais visualização, por causa disso”. Você só sabe que ele teve mais visualizações que outras peças e só.

Falsos usuários

Para deixar esse cenário digital ainda mais caótico (o que muitas agências preferem dizer que é perfeito), ainda temos milhares de perfis e programas sendo usados para criar perfis falsos, vender likes, criar falsos engajamentos e até falsos influenciadores. Isso mesmo.

Já existem pessoas que criam “falsos influenciadores” para conseguir enganar grandes marcas

O Facebook está tentando ao máximo acabar com os robôs, o Instagram está tentando ganhar mais controle de seus usuários, tirando funções e colocando novas. Outros canais como Youtube têm feito mudanças ainda mais duras, forçando usuários e canais a produzirem como loucos, tudo para entregar algo mais relevante e gerar mais interações na sua plataforma. No final, já não sabemos exatamente para onde correr.

Quem disser que sabe de tudo da internet é desinformado ou mal-intencionado

Nos últimos meses, o Instagram mostrou 15 vezes mais interações que outras redes sociais, mas não basta seguir as tendências. Temos que ver o público do cliente. Se ele não está nessa nova onda, esquece. Você vai falar com pessoas que não são seu público. Não dá para vender aquele pack de plataformas pra todos os clientes. Pode funcionar, mas você não vai nem saber o motivo.

Pare de “andar na moda”, fazer o que todos fazem. Comece a olhar pro seu cliente com carinho

Não quero deixar você com uma impressão negativa do mundo on-line. Acredito que é possível sim criar uma relação de confiança com o cliente, mas é preciso abrir o jogo, mostrar que não existem verdades absolutas, mas sim tendências, experiências e testes. Rever seus objetivos e metas ajuda. Busque ser um consultor do cliente para ele buscar as perguntas certas.

Alguns indicativos relevantes para seu cliente podem ser caminhos para se chegar a algo e não o próprio algo, entende? Senão, você vai alcançar seus objetivos digitais e não vai ajudar o cliente mesmo assim. No final, é vendas, fidelidade e lembrança de marca que vão realmente fazer a diferença nas contas de quem paga a sua conta (agência). Vamos ser profissionais mais sinceros e não nos contentar com os primeiros números e as primeiras respostas? Vamos mergulhar nessa loucura do mundo digital com vontade de aprender e acertar muito além dos números? Posso contar com você?