Novo aplicativo de pesquisas de baixo custo realiza mapeamentos de consumo nas periferias

O Outdoor Social Inteligência® coleta dados para a comunicação com a periferia, potencializando resultados para empresas que buscam alcançar público periférico

Durante muitos anos, as periferias foram negligenciadas nos planejamentos estratégicos e planos de mídia da maioria das empresas. Mas, esse cenário está começando a mudar. Pesquisas têm revelado que essas regiões representam a maior parte da população brasileira e que o potencial de consumo dentro das favelas movimenta bilhões anualmente. Uma das principais dificuldades para atrair os investimentos para esses territórios é a falta de informação sobre esse público, seus desejos de consumo e seus hábitos, pois faltam pesquisas – que são uma forma de potencializar resultados e minimizar riscos.

Segundo Emília Rabello, fundadora do Outdoor Social® – negócio de impacto que atua há 8 anos como mídia OOH para a comunicação nas periferias – a falta de conhecimento sobre as favelas foi o maior desafio da trajetória da empresa no mercado publicitário. Não existiam pesquisas com foco em consumo nessas regiões e, por isso, era difícil mostrar que existiam oportunidades. Outro entrave para a veiculação de uma publicidade efetiva, é a falta de representatividade nas campanhas, que precisam ser pensadas com foco no público-alvo. “A favela tem uma identidade própria. Os anunciantes precisam estar atentos a isso”, comenta Emília.

Dessa necessidade, surgiu o Outdoor Social Inteligência® que, no último ano, vem realizando pesquisas e fornecendo informações confiáveis sobre as regiões periféricas do país e que, agora, lança um aplicativo para facilitar o processo de coleta de dados, agilizar os resultados e minimizar os custos, democratizando o acesso de pequenas e médias empresas às pesquisas de mercado.

O aplicativo já contém o formulário para ser utilizado pela equipe que fará as entrevistas e possibilita todos os formatos de perguntas. Quando a resposta é selecionada, ele leva automaticamente para a pergunta sequencial. Como a internet ainda é um problema em algumas regiões, ele foi criado para ser usado off-line, sem comprometer seu desempenho. Ao finalizar o questionário, a informação é gravada no banco de dados da plataforma, que, automaticamente, faz as análises estatísticas da pesquisa.

A primeira pesquisa realizada pelo novo aplicativo, foi encomendada pelo G10 Favelas – bloco de Líderes e Empreendedores de Impacto Social das Favelas – e contou com 400 questionários, respondidos por moradores de Paraisópolis e Heliópolis, em São Paulo. O objetivo era conhecer as expectativas e prioridades dos entrevistados sobre as eleições para prefeito. Outro foco do projeto, é a formação de pesquisadores dentro das favelas, por isso, a equipe de entrevistadores foi formada por um time misto das duas comunidades.

“Conseguimos rodar uma pesquisa com 400 pessoas em apenas dois dias de campo e, em menos de 24 horas, já tínhamos todos os cruzamentos estatísticos. O aplicativo otimizou o processo e possibilitou termos resultados muito mais rápidos”, conclui Emília.

Fonte: Tide Social – Assessoria de Imprensa do Outdoor Social®

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Artigo trata de análises a partir de BI

Três análises que podem impulsionar os resultados extraídos das ferramentas de BI

* por Rodrigo Segalla Uehara

Para utilizar os dados a favor do negócio é preciso muito mais do que uma ferramenta de Business Intelligence. Atualmente, empresas investem milhões em soluções para coleta de informações valiosas de seu histórico, mas poucas ainda sabem a importância de aliar esse fator com a previsão de eventos futuros, ou o que conhecemos como análise preditiva.

Essa investida tem se mostrado tão relevante ao mercado que, segundo previsão do Gartner, em 2020 a análise preditiva e a prescritiva irão atrair 40% dos investimentos das companhias relacionados a BI e analytics. A partir deste cenário será possível ter controle de eventos nas empresas e do desenvolvimento da habilidade de entregar experiências personalizadas aos clientes.

Esse novo olhar às soluções de BI auxilia equipes de inteligência a tirarem o melhor proveito dessas ferramentas, promovendo uma mudança cultural em toda a organização – afinal, dados isolados não dizem nada! Para tomar decisões assertivas, que ajudem a reduzir perdas, melhorar a eficiência operacional e aumentar a lucratividade, deve-se realizar diversos tipos de análises em relação às informações coletadas.

Pensando nisso, listo abaixo exemplos que são amplamente praticados pelas organizações em prol de resultados favoráveis.

Análise Preditiva

O primeiro é o modelo de análise preditiva que utiliza os dados para fazer previsões sobre o resultado de uma determinada ação. Para entender como funciona, vamos imaginar que sua empresa vai lançar um novo produto no mercado e você precisa entender o que exatamente vai agradar seu público-alvo. Ao realizar a análise preditiva dos dados, é possível identificar tendências, entender e prever o comportamento dos clientes, por exemplo. Tudo isso é fundamental para traçar um plano assertivo.

Análise Descritiva

Análise descritiva costuma ser realizada quando é necessário tomar uma decisão de imediato. Diferente da preditiva, os dados, nesse caso, não serão usados para avaliar uma situação futura. Ela é muito utilizada, por exemplo, pela área financeira para análise de crédito. Ao verificar a situação atual do cliente, a instituição se certifica de que ele terá condições de honrar o compromisso.

Análise Estatística

Por fim temos a análise estatística. Diariamente, as organizações acumulam um grande volume de dados brutos em seus aplicativos operacionais. Eles mostram os produtos que foram comprados, quem os comprou, quando a venda foi realizada, qual a quantidade vendida etc. Essas informações podem ser usadas para realizar uma análise que, quando bem empregada, auxilia, por exemplo, no gerenciamento do estoque de uma loja ou também na identificação de tendências de compra. Isso é possível ao fazer a checagem de uma grande quantidade de dados e chegar a um cenário estatístico fiel ao que se deseja observar.

E você, o que considera ser mais importante para investir em sua empresa hoje?

*Rodrigo Segalla Uehara – graduado em Ciências da Computação, com MBA em Business Intelligence – diretor de Tecnologia e Soluções da IN

Share and Enjoy !

0Shares
0 0