Estudo mostra crescimento na vendas durante Black Friday

Vendas na Black Friday foram até 5,4 vezes maiores e Cyber Monday não tem crescimento expressivo no Brasil, aponta Criteo

Na noite de quinta-feira houve um aumento considerável nas compras feitas por dispositivos móveis

Durante a última sexta-feira, 23 de novembro, o tráfego de consumidores no e-commerce brasileiro triplicou em relação à média do mês de outubro, o que resultou em um aumento de 5,4 vezes nas vendas. Na noite da quinta-feira, véspera da Black Friday, as vendas pela Internet registraram às 22h00 um crescimento de 4 vezes no desktop e 4,5 vezes no celular quando confrontadas com a quinta-feira anterior. Entre os produtos mais vendidos na data promocional deste ano estiveram smartphones, calçados e TVs. No sábado, o índice de compras realizadas em dispositivos móveis também permaneceu elevado durante todo o dia, confirmando a tendência de crescimento das compras on-line pelo celular.

Estes são alguns dos principais dados de levantamento realizado pela Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), plataforma de anúncios para a Internet aberta, sobre o comportamento do consumidor durante a Black Friday. O período considerado pelo estudo foi de 21 a 24 de novembro (quarta a sábado) e analisou horários de pico, dispositivos utilizados para pesquisar produtos e finalizar as compras, categorias e produtos mais comprados.

“Em comparação aos anos anteriores, quando quase a totalidade das compras foram realizadas durante a Black Friday, nesta edição observamos um grande movimento também nos dias anteriores e posteriores, principalmente em compras fechadas através de dispositivos móveis. A Black Friday continua conquistando cada vez mais espaço no Brasil com vendas chegando a ser 5 vezes maiores. Ainda hoje as compras seguem aquecidas nas lojas físicas e, por isso, é muito importante que tanto as marcas quanto os varejistas alinhem a estratégia online com uma experiência relevante e de qualidade nas lojas”, assinala Alessander Firmino, diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina.

As categorias mais vendidas

As três categorias com melhor desempenho de vendas na Black Friday foram Varejo, Sites de Comparação de Produtos e Vestuário. A categoria que mais cresceu, com 35%, foi a de Viagens.

Vendas por dispositivo

A escolha do dispositivo mudou significativamente dependendo da categoria. Os dispositivos móveis foram usados principalmente para comprar Alimentos e Bebidas (95%) e Anúncios e Classificados (73%), enquanto o desktop foi predominante no Varejo (60%) e em Viagens (69%).

Consumidor omnichannel

Em geral, navegar em dispositivos móveis e comprar em computadores ainda é a norma, embora haja também casos em que os consumidores navegam em desktop e concluem a compra via mobile.

Os produtos mais comprados

Os produtos mais populares entre os consumidores brasileiros durante a Black Friday deste ano foram smartphones, calçados e aparelhos de TV.

Cyber Monday

Durante a Cyber Monday, a segunda-feira de descontos focados em produtos eletrônicos, mas que também oferece promoções de categorias variadas no embalo do período, o crescimento das vendas no Brasil não foi tão expressivo quanto em outros países, segundo a Criteo.

As categorias que mais cresceram no dia seguinte a Black Friday foram Varejo (aumento de 113%), Serviços Financeiros (72%), Telecomunicações (36,71%), Automotivo (36,32%) e Viagens (30%). Os produtos que registraram maiores vendas foram smartphones e calçados.

Acesse aqui mais dados sobre o estudo da Criteo sobre a Black Friday.

Fonte: FirstCom Comunicação – Cíntia Yamashiro

Chegou para ficar!

Black Friday veio para ficar. E não deve mudar!

Por Marcos Gouvêa de Souza*

Nesta altura dos acontecimentos, querer mudar o Black Friday no calendário do varejo tem o mesmo significado de querer mudar a data do Natal. A promoção já está integrada na mente do consumidor e muitos se organizam para aproveitá-la da melhor maneira possível, gerando vendas que este ano poderão chegar perto de R$2 bilhões.

A promoção está em permanente evolução e continua crescendo de importância, pois tem se espalhado para outros setores do consumo e canais de compras, expurgando os que criavam falsas ofertas e não se preparavam convenientemente para atender o forte crescimento da demanda.

Para quem opera exclusivamente com o canal digital ou tem forte dependência do mesmo, a data é – de fato – o “Natal” do setor, pois antecipa um movimento que só ocorreria posteriormente, às vésperas da data, criando forte impacto nas operações e na logística com custos muito altos e, às vezes, inviabilizando atender a demanda de última hora.

De fato, se pudesse ter sito planejada de forma ideal, a data da promoção deveria ser antecipada para que não ficasse tão próximo do Natal – o maior período de vendas do varejo. Ou mesmo que fosse no primeiro semestre, criando uma nova data promocional passado o pico do Natal, para ajuste geral de estoques. “Mas tudo não terás”, como diz o dito popular.

Por conta disso, outras datas têm sido propostas, como o Dia do Consumidor, em 15 de março, que já está se transformando na Semana do Consumidor. O varejo ainda depende muito desses estímulos sazonais para alavancar o consumo.

A Black Friday nasceu nos Estados Unidos como uma promoção que antecipava as vendas que se concentravam demais no período de Natal. Aproveitava o período do tradicional feriado do Dia de Ação de Graças, que lá tem grande importância, para ativar as vendas do varejo.

Seu nome vem da ideia de que, a partir daquele momento, as empresas varejistas passavam a ter lucro em suas operações do ano, pois até esse ponto operavam no vermelho.

Na internet as promoções do Black Friday do varejo tradicional foram incorporadas no Cyber Monday, uma ação para marcar um período também promocional específico do e-commerce.

No Brasil, o movimento já nasceu liderado pelo canal e-commerce e só posteriormente foi incorporado pelas lojas tradicionais. Mais recentemente, expandiu para shopping centers, serviços, alimentação e muitos outros setores.

O varejo, de forma geral, sempre foi dependente de promoções para estimular o consumo e as datas promocionais foram criadas ou adaptadas para renovar esse interesse, como o Dia do Solteiro, na China, celebrado em 11 de novembro, que neste ano deverá consolidar vendas de US$ 18 bilhões em apenas um dia.

Com o crescimento do comércio eletrônico, uma nova geração de promoções surgiu, ampliando as alternativas para criar esses estímulos. No mercado norte-americano estima-se que mais de 80% de tudo que é comercializado no varejo por lá é vendido com alguma promoção, desconto, oferta, liquidação ou qualquer outra forma de redução de preços regulares.

A internet só aumentou essa porcentagem pela possibilidade quase infinita de propor algo para cada consumidor, baseado em seu comportamento individual de busca e interesse, criando a customização das promoções a partir do monitoramento de seu perfil, atitude e histórico.

Como resultado, o e-commerce no mundo tem crescido muito mais que o varejo tradicional, sendo previsto que neste ano deverá aumentar em 8,5%. A Goldman-Sachs estima que entre 2016 e 2020, as vendas globais irão mais do que dobrar e sua participação nos mercados mais maduros irá representar mais do que um terço das vendas gerais do varejo.

Hoje, a participação do comércio eletrônico no todo do varejo nos Estados Unidos representa perto de 11%. Na Inglaterra representa 15% e, na Coréia, considerado o maior índice, chega a 18%. No Brasil está num patamar de 4%, porém com crescimento bem maior que o varejo em geral.

Estima-se que o comércio eletrônico atingirá vendas próximas de R$50 bilhões em 2017, com expansão em torno de 12%, enquanto o varejo como um todo deverá crescer entre 1,5 e 2%.

Como também prega o dito popular, “água morro abaixo e fogo morro acima, ninguém segura”, e parece ser essa a figura a ser lembrada na consolidação da Black Friday como uma data promocional irreversível para o varejo – físico e eletrônico – e, avançando para outros setores econômicos, que podem também se beneficiar do espírito que passou a predominar nesse período.

A mensagem é clara: é melhor se organizar e programar, e bem, para aproveitar, pois não deve mudar!

Marcos Gouvêa de Souza é fundador e diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, membro e co-fundador do IDV – Instituto para o Desenvolvimento do Varejo e do IFB – Instituto Foodservice Brasil. Também é presidente do LIDE Comércio e membro do Ebeltoft Group, aliança global de consultorias especializadas em varejo em mais de 25 países.

Fonte: Assessoria de Imprensa Grupo GS& Gouvêa de Souza – Cínthia Ceribelli