Agência busca coordenador de marketing

A BRZ Content está com vaga aberta para coordenador de marketing

A agência busca uma pessoa para assumir coordenação de marketing com foco em dados.

Veja abaixo os detalhes da vaga.

Molotov tem duas vagas abertas

Molotov Propaganda/Branding contrata: 2 vagas

1-Vaga fixa: Analista de Marketing Digital (gestor de tráfego)

Remuneração: R$ 6.730,00
Regime: CLT
Benefícios: VA+50% plano de saúde Bradesco

Carga horária: 40h semanais home office
Horário das 9 às 18h de segunda a sexta
Contratação imediata
Perfil: Dinâmico , organizado e pró ativo

Experiência mínima comprovada em Marketing Digital: 7 anos.

Responsabilidades: captação da estratégia com o cliente, planejamento de campanhas, de automação, de sites, revisão de textos, performance de anúncios, definição e medição de indicadores, otimização de campanhas, homologação de criações, pesquisa de novas tecnologias, criação de estratégias de SEO. Deve acompanhar o mercado (concorrentes) e referências no mundo digital. Monitoramento de Analytics, acompanhamento de dashboard de indicadores (Google Data Studio e Power BI).

2-Vaga fixa: Assistente de Marketing Digital – Mídia/Tráfego

Remuneração: R$ 3.250,00
Regime: CLT
Benefícios: VA+50% plano de saúde Bradesco

Carga horária: 40h semanais home office
Horário das 9 às 18h de segunda a sexta
Contratação imediata
Perfil: Dinâmico , organizado e pró ativo

Experiência mínima comprovada em Marketing Digital: 3 anos

Responsabilidades: pesquisa de referências, envio e recebimento de demandas, disparo de e-mail, configuração de automação. Publicação de anúncios, geração de relatórios periódicos, revisão de SEO nas publicações e páginas, reuniões com analista e cliente, monitoramento de Analytics, acompanhamento de dashboard de indicadores (Google Data Studio e Power BI).

Interessados enviar CV para:
vagas@molotovpropaganda.com.br

A importância de investir em Influenciadores Digitais

Por Maria Carolina Rossi*

Você já foi influenciado pelo Instagram ou mesmo pesquisou um serviço/produto sugerido na rede social? Se sim, você não está sozinho.

Para se ter uma ideia, essa estratégia influencia a compra de 48% dos jovens entre 18 e 24 anos, de acordo com dados apresentados pela Shareablee. Outro dado relevante é que 71% dos brasileiros que estão online seguem algum influenciador, 55% afirmam que costumam pesquisar a opinião de criadores digitais de conteúdo antes de realizarem uma compra importante, 86% já descobriram um produto via influenciador e 73%, já adquiriram algo por indicação desse profissional da internet, de acordo com dados do estudo “Influenciadores digitais”.

Maria Carolina Rossi

Cada dia mais uma parte essencial da estratégia de marketing comercial e comunicação, são serviços e tecnologias relacionadas ao Marketing de Influência, que auxiliam a potencializar e monetizar a imagem de nanoinfluenciadores até megainfluenciadores.

A relevância desse mercado se torna cada dia mais presente para as marcas. Pensando nisso, os influenciadores ou aspirantes a influenciadores digitais devem dedicar esforços, tanto para a parte de criação de conteúdo, como para a questão comercial do seu negócio.

É importante lembrar que a estratégia de conteúdo dos influenciadores deve caminhar de mãos dadas com o comercial, para que dessa forma o crescimento aconteça de forma orgânica.

Sabemos que quando um influenciador passa a ser notado por marcas que tem a ver com os assuntos que ele domina no seu Instagram, seus nichos, ele está no caminho certo.

Esse mercado tem ganhado cada vez mais espaço no meio do marketing e trazido resultados muito positivos para empreendedores/empresas que apostam na influência dessas pessoas, principalmente pós-pandemia, onde tudo passou a ser feito através do digital.

Os influenciadores digitais vieram para ficar. A profissão impacta na forma como marcas e empresas divulgam seus negócios e no comportamento dos consumidores, e muitas vezes é por ela que se alcança o retorno esperado.

Por isso é importante lembrar que essa é uma profissão do presente e do futuro, e que existe uma solução para ajudar a monetizar o trabalho de todos os tipos de influenciadores.

Além disso, é fundamental enfatizar que conteúdo e comercial caminham juntos no trabalho de marketing de influência.

*Maria Carolina Rossi é jornalista e sócia-fundadora da Comunica PR, agência de Relações Públicas

Marketing programático ao alcance das PMEs: por onde começar

Por Bruno Campos de Oliveira*

Segundo dados do Governo Federal, somente em 2021 foram abertas mais de 3 milhões de micro e pequenas empresas no Brasil. A mudança de cenário dos últimos dois anos acelerou a transformação digital das PMEs e a adoção de novos hábitos pelos consumidores, que, impulsionados pelo isolamento social, adotaram as plataformas online como o principal método para fazer compras. Se antes, ter uma estratégia de marketing digital, parecia algo viável apenas para grandes empresas, os empreendedores e pequenos negócios tiveram que redobrar seus esforços para atender a nova demanda, indo desde venda online e delivery por apps até atendimento via Facebook, Instagram e WhatsApp. Por essas razões, o marketing digital se tornou um aliado poderoso para os pequenos negócios que desejam crescer se beneficiando desses métodos.

Bruno Campos de Oliveira, CMO da ADSPLAY

A principal diferença entre as grandes empresas e as de pequeno e médio porte (PMEs), é a capacidade de investimento. Muitas marcas têm um orçamento limitado e, por conta disso, tem que priorizar as suas ações de marketing. Por isso é preciso estratégia. No marketing programático, uma estratégia é criada para impactar o consumidor certo, no momento mais apropriado para a conversão. Também é possível fazer ações de remarketing, retargeting e recuperar carrinhos abandonados.

Diferentemente do senso comum que parte do princípio que o marketing programático é uma estratégia para quem tem “bala na agulha”, posso dizer que é possível atender empresas com diferentes realidades, só mudando a quantidade de formatos que são recomendados. Para PMEs, por exemplo, recomendamos focar na tecnologia da mídia programática para aumentar seus resultados em banners de sites e mídia dentro de apps. Também, em momentos de maior verba, é possível inovar e testar canais como Spotify e DOOH, o Digital Out Of Home que são telas conectadas como é comum em elevadores, shoppings e até em abrigos de ônibus de grandes centros.

Por onde começar?

Para começar, o ideal para empresas de médio e pequeno porte é terceirizar o serviço de marketing programático a partir de agências ou as chamadas trading desks, que dispõem de profissionais habilitados para operar. As agências especializadas possuem um time de BI e gestores de tráfego além de relacionamentos sólidos, especialmente com fornecedores de inventário, dados e tecnologia. Isso normalmente implica em inventários por preços especiais, ajudando a empresa a fazer mais com menos. E não vamos esquecer que é preciso uma licença própria (SEAT) para operar dados e programática. Por isso não faz tanto sentido operar em casa quando o volume de mídia não é muito grande ou não se tem, no time, tantos profissionais especializados.

Já no caso das grandes empresas, é muito importante ter um percentual da verba já separado para a mídia programática como também, um outro pequeno percentual focado em canais inovadores como mídia programática dentro de jogos, formatos de alto impacto, uso de inteligência artificial, criação de banners com base em algoritmos entre outras novas tecnologias com potencial de aumentar muito os resultados.

Ou seja, no fim do dia toda empresa pode veicular programaticamente o que muda mesmo e a quantidade e diversidade de formatos recomendados para cada realidade de investimento.

*Bruno Campos de Oliveira é CMO da ADSPLAY. É formado em Marketing pela EACH-USP e se especializou em digital através de imersões diretamente no Vale do Silício – EUA. Também concluiu o xBA, Xponential Business Administration, ministrado pela StartSe University (EUA) e Nova SBE (Portugal). É professor e embaixador de digital marketing da Escola Britânica de Artes Criativas e Tecnologia no Brasil e co-autor do livro “Mídia Programática de A a Z”.