As carteiras digitais já estão entre nós!

Carteiras digitais: O próximo passo da mobilidade

por Jean Christian Mies, presidente da Adyen para a América Latina

A evolução da tecnologia nos últimos anos vem mudando muita coisa: a forma como trabalhamos, como escutamos música, como nos conectamos a outras pessoas. Não seria diferente com a nossa relação com o dinheiro. Você se lembra da última vez que precisou fazer um saque no caixa eletrônico ou ter o cartão em mãos para fazer uma compra? Não foi só o dinheiro que se digitalizou, mas as nossas carteiras também.

Foto: Pixabay

No último ano, o Brasil passou a receber as chamadas ewallets, ou carteiras digitais, entre elas Google Pay™, Apple Pay e Samsung Pay. Imagine realizar compras nas lojas apenas encostando o smartphone em uma maquininha (POS), ou entrar em um novo site de compras em que todos os dados do seu cartão já estão cadastrados, sem que você tivesse que preencher longos formulários?

As demandas dos consumidores por praticidade e segurança se tornam cada vez mais sofisticadas e a tecnologia necessária para tornar isso realidade já existe. Não estamos falando de uma quebra de paradigmas, mas sim da união do uso inteligente de dados às tecnologias de mobilidade existentes para tornar os pagamentos imperceptíveis no nosso dia a dia.

Como funcionam?

As carteiras digitais são tecnologias desenvolvidas para dispositivos móveis, como smartphones e tablets. São aplicativos baseados em softwares de criptografia que criam uma identidade digital (conhecida como token) com os dados financeiros. A tecnologia pode ser aplicada a qualquer site ou aplicativo de compras, basta clicar uma só vez na tela ou aproximar o aparelho de um terminal POS habilitado nas lojas físicas para que a carteira insira as informações tokenizadas e realize o pagamento.

E nada de senhas. As carteiras digitais foram desenvolvidas para serem muito mais seguras que a navegação online, já que utilizam um código PIN gerado na hora ou o reconhecimento biométrico digital ou facial para identificar e autorizar a transação. Ou seja, os detalhes do cartão se tornam desnecessários, sendo substituídos por um identificador de dados, exclusivo e criptografado. É um diferencial importante, especialmente se considerarmos que apenas 20% dos brasileiros se sentem completamente seguros ao realizar compras online, segundo estudo do SPC Brasil e da CNDL.

Foto: Pixabay

Para assegurar a usabilidade dessas tecnologias por outros aplicativos, sites e estabelecimentos, as carteiras utilizam APIs (Application Programming Interfaces) abertas. As APIs são estruturas de programação que servem como portas: elas permitem o fluxo de informação entre diferentes sistemas. No caso das ewallets, as APIs deixam que os dados bancários criptografados do smartphone sejam acessados pelo aplicativo, site ou POS da outra empresa. Nas lojas físicas, essa comunicação pode ser feita via aproximação NFC (Near Field Communication), bluetooth ou até mesmo via QR code – é só apontar a câmera para o código impresso, como é feito com as bicicletas compartilhadas da Yellow.

Sucesso em outros países

Substituir a carteira pelo smartphone já é uma realidade em muitas partes do mundo. Globalmente, cerca de 60% dos pagamentos processados pela Adyen já ocorrem via smartphones, impulsionados pelo uso das carteiras digitais. Segundo o estudo Global Payment Methods, da Adyen, aproximadamente 70% da população economicamente ativa da China já tem nas carteiras digitais o principal meio de pagamento.

As duas maiores ewallets do país, WeChat e Alipay, movimentaram cerca de 3 trilhões de dólares em transações em 2016. O método de pagamento foi adotado até mesmo por vendedores de barracas de comida de rua e por profissionais que trabalham com serviços e gorjetas, como garçons. Alguns já possuem até um QR Code estampado nos uniformes para essa finalidade. Fora dos negócios, os pais também passaram a dar mesada para os filhos por suas contas digitais. A pesquisa aponta ainda que outros países seguem a mesma tendência: 17% das transações feitas na Austrália e 14% das realizadas na Rússia já são feitas por ewallets.

Já nos Estados Unidos, a carteira digital Apple Pay se tornou um dos principais recursos para pagamentos da rede de farmácias Walgreens. A ewallet é tão popular que foi associada ao programa de fidelidade da marca para aplicar descontos. A Apple estima que até o final de 2018, 60% das lojas americanas estarão integradas com o método de pagamento.

Crescimento no Brasil

Apesar de ainda ser recente no Brasil, o uso do método de pagamentos cresceu 50% na plataforma da Adyen só nos últimos três meses. Estamos diante de uma transformação definitiva no uso de dinheiro físico e de cartões de crédito no país, e as carteiras digitais apareceram para liderar esse movimento.

O crescimento é resultado da conveniência e praticidade que elas fornecem ao consumidor. Do outro lado, o ganho dos varejistas também é maior com um novo canal para se relacionar com o cliente e com a segurança aliada à tecnologia. A combinação da tokenização com a tecnologia de reconhecimento de digital elimina quase que completamente o risco de fraudes e diminui exponencialmente a ocorrência de chargebacks, processo em que o banco cobra da empresa o valor de uma compra não reconhecida pelo titular do cartão, a fim de ressarci-lo.

Os pioneiros a adotar a tecnologia no país incluem empresas como Magazine Luiza, iFood, Dafiti e OLX. A expectativa é que, cada vez mais, outros setores além da mobilidade e do varejo se unam ao movimento. Se essas empresas, referências em inovação, escolheram seguir esse caminho, o que te impede de trilhá-lo também?

Fonte: Smart PR – Rodrigo Sérvulo

Grande parceria

Clientes Smiles agora podem acumular milhas com Uber
Parceria também permitirá o resgate de milhas em créditos para serem usadas no Uber. Acúmulo do benefício será exclusividade da Smiles entre os programas de fidelidade

A partir de 2018, Smiles e Uber, líderes nos seus segmentos de mercado, se unem com o objetivo de proporcionar mais comodidade e economia aos consumidores. Os clientes Smiles poderão acumular milhas para serem usadas no Uber, além de resgatar milhas em créditos para se locomoveram pelas cidades por meio do aplicativo.

Como funciona:
Ao acessar o site da Smiles haverá uma aba chamada “Usar Uber”. Ao clicar, o cliente terá duas opções: a primeira, acumular milhas comprando créditos Uber com seu cartão de crédito e a segunda, resgatar milhas diretamente em créditos Uber.

Esta parceria exclusiva trará vantagens para clientes das duas empresas. Além da possibilidade de acumular mais milhas e adquirir outros produtos e serviços no site da Smiles, essa será uma nova forma de pagamento que se junta às outras onze já oferecidas pela Uber (cartão de crédito, débito, dinheiro, vale-presente, PayPal, cartão Nubank, etc).

“Estamos muito felizes com a parceria, que vai enriquecer ainda mais nosso portfólio de opções e oferecer com exclusividade milhas em todas as viagens de Uber que nossos clientes realizarem”, anuncia Leonel Andrade, CEO da Smiles.

“Há dez meses, a Uber começou a aceitar pagamento em dinheiro e viu o número de viagens aumentar principalmente nas periferias, em um fenômeno que, para mim, prova a capacidade da nossa plataforma de mudar a mobilidade das nossas cidades”, diz Guilherme Telles, diretor-geral da Uber no Brasil. “A nossa expectativa é a de que esse processo continue, agora com meios de pagamento mais modernos e seguros, como a Smiles, tornando a Uber uma opção cada vez melhor para cada vez mais pessoas.”

Sobre a Smiles
A Smiles é um programa de multifidelização com mais de 20 anos de história e 12,8 milhões de membros, que tem a GOL como sua principal parceira comercial. Além da GOL, a empresa tem parceria aérea com a Delta Air Lines, Air France, KLM, Qatar Airways, Aerolíneas Argentinas, Etihad Airways, TAP, Alitalia, Copa Airlines, Korean Air, Air Canada, Aeroméxico e Emirates, que juntas voam para mais de 160 países e 800 destinos. A Smiles tem parceria com os maiores bancos do país, administradoras de cartões de crédito, grandes redes de varejo, hotéis, locadora de carros, postos de combustível, editoras, entre outros, que garantem aos clientes uma variedade cada vez maior de acúmulo e resgate de milhas.

Sobre a Uber
A Uber é uma empresa de tecnologia que tem como missão oferecer uma opção confiável e acessível para as pessoas se movimentarem pelas cidades. A empresa iniciou suas operações em 2010 com o objetivo de resolver um simples problema: como é possível conseguir um carro com o toque de um botão? Mais de 5 bilhões de viagens depois, começamos a olhar para um desafio ainda maior: reduzir congestionamentos e poluição em nossas cidades ao colocar mais pessoas dentro de menos carros.

Fonte: In Press Porter Novelli – Fábio Suzuki

O cliente em primeiro e no centro das estratégias

Dia do Cliente, a celebração do ano que iguala todos

O empresário norte-americano Henry Ford tinha uma frase como máxima: “Não é o empregador quem paga os salários, mas o cliente”. Isso é algo que nenhum empreendedor deve se esquecer. Desde um padeiro com seu pequeno comércio em algum bairro da cidade até empresários do calibre de Ford.

No próximo dia 15 de setembro será comemorado o Dia do cliente, um dos poucos dias no ano em que uma celebração iguala todos. Porque afinal de contas, todos somos clientes.

Atualmente, na era da mobilidade e do mundo virtual, as empresas devem assumir o desafio de oferecer soluções e agregar valor a um cliente exigente e com pouco tempo. A frase “o cliente tem sempre razão” já não é suficiente. Deve-se ir muito além disso.

Para a Nuvem Shop – plataforma de e-commerce que oferece serviços que possibilitam a qualquer pessoa criar e profissionalizar sua própria loja online – o desafio não é simplesmente atender o cliente, mas apoiá-lo no desenvolvimento, crescimento e êxito de seu negócio, e ainda mais, contribuir com sua felicidade. Por isso a empresa conta com a área de Customer Success.

Na opinião dos especialistas, quais são os desafios mais importantes para atender ao cliente hoje?

“O maior desafio é conseguir oferecer uma experiência homogênea em todos os canais, de boa qualidade, e o mais rápido possível”- ressaltou Alejandro Vazquez Co-Founder & Chief Customer Officer da Nuvem Shop.

“Acredito que hoje em dia os clientes gostem que tudo seja resolvido na hora. Então, ter um atendimento em tempo real, com soluções imediatas é imprescindível ”, completou Natalia Lopez, Scalable Channel da empresa.

Nenhuma marca duvidaria do poder que o usuário exerce hoje. Entretanto, as formas de dimensionar e dar lugar a esse cliente dentro da estratégia variam de empresa para empresa. Neste contexto, ao mesmo tempo que cresce o compromisso das companhias para entender e se aproximar dos clientes, a tendência lógica leva a pensar em uma estratégia client first.

Client first: é uma abordagem adequada?

Vazquéz da Nuvem Shop expressa: “Ser cliente-first ou customer-oriented não necessariamente é assumir que o cliente sempre tem razão. Ser uma empresa customer-first implica em escutar seus principais usuários, aqueles de quem a empresa realmente resolve os problemas, e desenvolver um melhor produto e serviço”.

“Realmente a Nuvem se preocupa muito com o feedback e sugestões dos nossos clientes. No entanto, isso não significa que o cliente tem razão sempre, pois muitas vezes, por ter visibilidade de uma parte e não do todo, a solução desejada pode não resolver a questão a longo prazo. Por isso, nos preocupamos em absorver o feedback e processar uma solução que realmente ajude profundamente o cliente”, completou Carol Izidoro também da área de Customer Service da Nuvem Shop.

O cliente entra em contato por todos os canais disponíveis e quer uma resposta rápida porque esse é o seu negócio e a depender da ajuda oferecida pelas áreas de Customer, saberá se pode fazer ou não determinada ação (“tempo real”, “quero agora, de imediato”).

As empresas têm o desafio de responder sem aumentar as equipes de forma desmedida: a chave é a escalabilidade. Que o cliente tenha as respostas ao alcance das mãos, que não tenha nem mesmo que escrever um email, não porque lhe seja incômodo, mas porque diretamente tudo é tão claro que não há necessidade.

Em que medida é possível a atenção personalizada?

“Existe uma tendência de tentar oferecer tudo isso apoiado em inteligência artificial e machine learning. Em muitos cenários será o melhor caminho para o usuário, complementado eventualmente pela ajuda relevante de um profissional, como nossos Assessores Nuvem, que podem gerar muito valor nas interações pessoais, seja por e-mail, chat ou telefone” salientou Vazquez.

“Escalabilidade, para mim, é o objetivo – ou deveria ser – de toda a empresa. Por mais que o cliente goste de conversar e saber que existem pessoas reais conversando com ele, esperar para “dar um passo” em seu próprio negócio, dependendo de outras pessoas, é andar na contra mão”, assentiu Natalia Lopez.

O cliente em primeiro e no centro das estratégias. Tempo real e escalabilidade se apresentam como as palavras chave desta nova era. O desafio é grande, mas, sem dúvidas, as companhias que saibam responder, farão a diferença.

Fonte: Partner Press&RP

Plataforma possibilita insights de dados mobile

In Loco Media e Serasa Experian lançam a primeira plataforma de insights de dados de mobilidade

RWA – Real World Audience permite a compra de mídia programática mais inteligente, por meio do conhecimento do fluxo de consumidores de uma determinada região

A In Loco Media, criadora da plataforma de geolocalização mais precisa do mundo e reconhecida pela Microsoft Research, lança hoje, em parceria com a Serasa Experian, a Real World Audience (RWA), primeira plataforma brasileira baseada em dados de geolocalização e sócio-demográficos que, cruzados, permite entender o comportamento do consumidor dentro e fora dos estabelecimentos dos anunciantes.

“Trabalhamos durante seis meses para desenvolver um sistema que permitisse juntar os dados de mobilidade, tipo de público, classe social, gênero e idade, locais mais frequentados, visitas por horário, tempo de permanência e deslocamento de mais de 55 milhões de consumidores brasileiros e 5 milhões de estabelecimentos à plataforma Mosaic Serasa, que já classificou mais de 2,3 bilhões de consumidores em 29 países”, comenta Fernando Rosolem, da Serasa Experian.

No Brasil, o Mosaic classifica a população brasileira em 11 grupos e 40 segmentos baseados em aspectos financeiros, geográficos, demográficos, de consumo, comportamento e estilo de vida.

“Com a integração das informações é possível saber quais os horários de maior visitação nos pontos de venda, as razões que motivam a visita física às lojas, a média de tempo que o consumidor permanece na loja física e quais são os outros locais que o público frequenta além da loja física“, conta Rodrigo Junco, Head of Business Development e Data Innovation na In Loco Media. “Uma questão importante a colocar é que não temos acesso aos dados pessoais do consumidor e sim ao comportamento daquele determinado dispositivo móvel”, reitera Junco.Dentre as vantagens da RWA para marcas e anunciantes estão o fornecimento de dados de mobilidade, que permite definir estratégias e ações de trade marketing mais assertivas, além de avaliar melhor as ações em andamento. O monitoramento da audiência em diversos pontos de venda, o levantamento de informações precisas sobre o posicionamento dos pontos de venda em relação aos concorrentes fazem com que a RWA seja uma ferramenta precisa o suficiente para reduzir custos e tempo na coleta de dados, sendo uma alternativa para a necessidade de se investir em pesquisas extremamente custosas e demandantes em termos de tempo. Além disso, a partir dos dados coletados pela ferramenta, também é possível reduzir o tempo gasto na formatação de relatórios e apresentações.

Já em uso por marcas como Coca-Cola, Subway, por meio da agência Wieden + Kennedy, a Real World Audience também possibilita compartilhar a audiência dos pontos de interesse, áreas de influência, e acioná-las nas Plataformas Parceiras de AdTech, como Oracle (Bluekai), Facebook, BrightRoll (Yahoo), Clear Channel (Out Of Home) e AOL, entre outras. Desta forma, além do inventário In Loco, com mais de 600 aplicativos parceiros e 11 bilhões de impressões ao mês, a solução permite aos profissionais de marketing agregar dados de comportamento offline para melhorar o desempenho das campanhas on-line através das DSPs e DMPs que já utilizam a compra programática. Essa ferramenta possibilita integrar todos os dados com o ecossistema de digital marketing da agência/empresa.

“Desenvolver a RWA, um produto mundialmente inédito, nos permitiu trazer uma solução inovadora que permitirá ao mercado entender cada vez mais o comportamento do consumidor para oferecer os melhores serviços, no momento certo”, finaliza André Ferraz, CEO da In Loco.

Para mais informações, visite: www.inlocorwa.com.br

Fonte: Yonara Santana

Mais do que nunca colaborar é preciso

Precisamos falar sobre colaboração

Transformação digital e ambiente hiperconectado pedem uma mudança cultural na forma como, hoje, as empresas se organizam para trabalhar. E essa é uma boa notícia

por Rodrigo Coppola

A inércia, lei descrita no século 17 pelo físico Isaac Newton, talvez seja um dos principais freios da inovação tecnológica. A tendência de se manter a trajetória a uma mesma velocidade não é restrita somente a objetos em movimento, mas à organização social como um todo. Trazer inovação passa, portanto, pela transposição de barreiras culturais. E os temas colaboração e transformação digital estão, exatamente, nesse estágio: o de vencer as forças que visam manter o status quo.

Primeiramente, é preciso entender do que se trata, efetivamente, a transformação digital. Essa tendência tem como base a forma como as pessoas interagem com o mundo em todos os aspectos, seja em sua vida profissional, seja na pessoal, graças à capacidade quase irrestrita de conexão, mobilidade, cloud computing e acesso facilitado à informação.

Colaboração, por sua vez, ganha cada vez mais força em um ambiente hiperconectado. O que no passado dependia de reuniões ou encontros presenciais para ser debatido, hoje, ocorre quase que sem barreiras, independentemente de onde as pessoas estejam: conectado à internet, qualquer aparelho pode permitir troca de ideias com ajuda de soluções de áudio, videoconferência e outras tecnologias que permitem a interação entre as pessoas. Mas isso é apenas o começo.

Abraçar a colaboração é muito mais do que implantar uma solução: trata-se de uma nova maneira de estruturar a organização. Isso reflete no ambiente de trabalho – como é o caso dos workspaces do futuro, que explorem os benefícios da comunicação unificada e contenham soluções de conferência, como serviços de reuniões via web e vídeos fáceis de usar, com áudio interativo, e ferramentas que amparam as dinâmicas entre os funcionários – como ocorre com as comunicações unificadas – uma convergência de tecnologias que une todos os meios e dispositivos de comunicação e mídia, sejam eles de voz, texto ou vídeo. Tudo isso para permitir que os colaboradores se comuniquem com mais efetividade e criem uma dinâmica de trabalho mais produtiva.

Mas como mudar o status quo?

Para que a inovação supere a inércia e consiga derrubar as barreiras que impedem o posicionamento digital das organizações, é preciso que sejam vistas vantagens de uma transição. Qualquer adoção de nova tecnologia deve ser feita após uma profunda avaliação do negócio e o entendimento de seus pontos positivos – cenário que é avaliado caso a caso, dependendo da realidade de cada empresa. Mas uma coisa é certa: no médio prazo, a pressão, que já é feita, hoje, pelos clientes, virá de dentro da própria empresa. E com força: a Deloitte estima que até 2020, cerca de 75% da força de trabalho mundial será formada por Millennials.

Esse grupo já está inserido, a partir de suas experiências digitais, no ambiente hiperconectado proporcionado pela transformação digital. A produtividade do negócio dependerá disso. Por isso, antes que seja tarde demais, precisamos falar sobre colaboração.

*Rodrigo Coppola é Gerente de Desenvolvimento de Negócios de Colaboração para América Latina na Orange Business Services.

Fonte: About.com – Danilo Fernandez

Inteligência de vendas em formato app

TOTVS lança a 1ª plataforma de inteligência de vendas em formato app do varejo brasileiro

Solução inovadora consolida mais de 40 indicadores essenciais para o varejo, em tempo real, e com recursos de redes sociais para um maior engajamento da equipe comercial

A TOTVS apresenta ao varejo brasileiro o TOTVS RetailApp, uma plataforma de inteligência de vendas mobile que proporciona uma forma completamente diferente de realizar a gestão dos negócios: de qualquer hora e lugar, diretamente do celular, por mais de 40 indicadores de performance, com usuários ilimitados e todos os números da empresa na palma da mão. A solução é muito simples de se instalar – basta baixar na App Store ou na Play Store, relacionar o número de lojas e usuários e definir a hierarquia de acesso e já está pronta para uso. A iniciativa é resultante da parceria com a RetailApp Inc., companhia americana especialista em tecnologias para o varejo.

A plataforma é integrada aos softwares de gestão da TOTVS e utiliza todos os dados do ERP para gerar informações confiáveis e em tempo real, permitindo tomadas de decisão inteligentes, seja para uma única loja, dez unidades ou uma marca global, presente em diversos países. Com visualização rápida e agradável, os mais de 40 indicadores já configurados no aplicativo permitem compreender os detalhes da operação, como ticket e preço médios, ranking das lojas e dos vendedores, comparativos ante períodos anteriores, acumulado semanal e controle do mix de produtos, por exemplo. Com os dados disponíveis a todo momento e de qualquer lugar, a informação passa a estar sempre consolidada, com agilidade e sem depender de outras pessoas.

Na operação de loja, os gerentes passam a ter visibilidade sobre todas as movimentações da sua unidade de forma dinâmica, online e segura, como a performance de vendas, o ticket médio por vendedor, quantas e quais peças foram vendidas e o ranking da equipe, entre muitas outras. Tudo a um toque no celular, tornando a gestão um processo instantâneo. Ele não precisa abrir o notebook, olhar e-mails e imprimir relatórios.

A agilidade é tanta que o ganho de produtividade chega a 20%, com uma hora a mais todos os dias, que antes era perdida nessas atividades operacionais. Em qualquer momento, é possível fazer uma reunião com o time de vendas, elevando a maturidade, o nível de cobrança e a competitividade dos vendedores.

A velocidade de gestão proporcionada pelo TOTVS RetailApp é palpável, uma vez que todos os números pertinentes ao negócio estão 100% disponíveis para o acompanhamento dos dados e evolução das vendas ao longo do dia. Todos podem visualizar e compartilhar informações, de forma simples e ágil. Essa dinâmica gera um engajamento de comunicação de ponta a ponta, do presidente, passando pelos supervisores e gerentes, até os vendedores nas lojas, que têm acesso às suas metas e conquistas individuais. Assim como nas redes sociais, o aplicativo tem um botão de “curtir” para cada indicador. Ao clicar nele, o gestor demonstra para as equipes que gostou de determinado resultado e, ao mesmo tempo, leva para todos a responsabilidade
de trabalhar números abertos, que não ficam mais escondidos em planilhas.

A solução tem ainda recursos de integração com qualquer outra plataforma social e, através do botão compartilhar, o presidente da empresa (que pode estar na matriz ou em outro estado, por exemplo) consegue enviar, via SMS, e-mail, WhatsApp e etc, comentários aos seus gerentes ou dar uma instrução direta para melhoria de performance ou atenção da equipe.

Tudo com plena segurança digital, utilizando dados criptografados, para transformar a gestão de toda a operação do varejo em ações de real time. Desta forma, o TOTVS RetailApp proporciona um grande salto na qualidade de gestão para o varejista, aumentando a produtividade e, por consequência, os resultados do negócio.

A mobilidade também é levada para o treinamento de uso da solução, que é 100% realizada dentro do aplicativo, por meio de vídeos com instruções passo a passo. Isso reduz qualquer despesa de deslocamento e reuniões para treinar equipes em diferentes localidades.

“Ter a informação certa e no tempo certo é garantia para decisões que mudam o ponteiro do negócio do nosso cliente. A plataforma RetailApp cumpre esse propósito disponibilizando de forma simples os principais indicadores para o monitoramento em tempo real da operação. É 100% mobile, muito intuitiva e foi construída para gerar alto engajamento das equipes de vendas, oferecendo ao empresário a gestão da sua empresa na palma da mão, literalmente”, comenta Ronan Maia, vice-presidente de Distribuição e Varejo da TOTVS.

O vice-presidente de Operações na América Latina da RetailApp Inc., Marcelo Monteiro, afirma que a parceria com a TOTVS abre um importante canal exclusivo da plataforma no país. “O Brasil é um dos maiores mercados do mundo no que se refere ao varejo, com grande crescimento de marcas locais e uma forte presença das internacionais. A parceria com uma empresa com a atuação e capilaridade da TOTVS abre diversas oportunidades para levarmos ao segmento nacional a expertise de uma solução desenvolvida para impulsionar a produtividade dos negócios varejistas”, finaliza o executivo.

Fonte: RMA Comunicação – Marina Zimmaro

Nova identidade visual

Move tem nova identidade

A Move Digital acaba de mudar essa semana sua identidade visual pelas mãos do designer Lucaz Mathias.

Veja o texto elaborado pela Move Digital que explica a mudança:

“Conectividade faz parte da nossa – e da sua, natureza. É a capacidade humana de estarmos juntos, compartilhando, realizando e, sobretudo, interagindo. Mais que sistemas, códigos ou conceitos de interface, conectividade é, simplesmente, a presença, onde quer que ela seja necessária. Nosso foco é na comunicação digital multiplataforma, atendendo a mobilidade e a comunicação nas diferentes telas presentes na nossa vida.

Das mãos do nosso ilustre amigo Lucas Mathias (http://on.fb.me/12k0aHr) nasce a nova identidade visual da Move Digital. Com a identidade estamos lançando também o novo site – www.movedigital.com.br – já com nossos últimos cases, e mais cases ainda estão por vir em breve.”

moved_fb_post