Urgência, velocidade e balanço de fim de ano

2017… o ano da urgência

* po Fabrizzio Topper

Acho que todo o ser humano que tem um pouco de meta e objetivo na vida, se sente impelido a realizar um balanço de fim de ano. E como o bom homem de planejamento que sou, não podia agir de forma diferente…

O meu ano foi além de incrível, uma urgência só. Não apenas pelo óbvio, de que fiquei correndo para conseguir direcionar minha multiplicidade nas minhas seis empresas, ou em nossos doze clientes simultâneos ou nos dezoito consultores que gerencio, ou mesmo as dezenas de aulas e palestras que realizei.

Foi urgente porque foi um ano onde tempo foi a máxima absoluta do nosso mercado. 2017 foi o ano em que o mercado acordou para o fato de que tempo é o bem mais precioso da vida moderna…

– Tempo de reposta;

– Tempo de entrega;

– Tempo de montagem;

– Tempo de reação;

– Tempo dedicado;

– Tempo desperdiçado;

– Tempo ganho…

Os clientes e negócios não aceitam mais esperar por nada. Aliás, nós não aceitamos esperar mais nada, nem aguentar a espera para os dois risquinhos ficarem azuis ou aguardar o bendito “digitando…” E nem vem me dizer que demorará mais que sete minutos para chegar ‘pra’ me buscar que procuro outro motorista; ou que em até quatro dias recebo meu pedido.

O paradigma da vida moderna é “não temos tempo a perder…” Temos que ter controle de desperdício de cada minuto perdido. E nesta toada, lá estão os micro momentos de ócio sendo ocupados com redes sociais, notícias, compras, contas a pagar e micro pílulas de conteúdo por todos os lados… Não dá pra desperdiçar nada e, para isso, lá está na palma da mão a telinha pronta a nos amparar com ilusões de controle e uso otimizado do tempo.

2017 foi o ano em que o digital veio salvar tempo…

Tempo de ter de ir até o supermercado, de saber quanto tempo demora pra chegar, de descobrir qual é o melhor horário pra sair, de não ter de gastar tempo na fila ou até mesmo de não ter de esperar muito para receber tudo o que queria “pra ontem”. Nesta toada da correria da vida moderna, a indústria correu para estar com seus e-commerce próprios à disposição da urgência do mercado.

Os varejistas correram para entregar em menos de 24h, as soluções de atendimento passaram a responder de forma automática com inteligência artificial e as vitrines e e-mails passaram a adivinhar o queremos para não gastarmos tempo procurando. O mundo é enorme e a vida passa rápido demais… Quero experimentar, degustar, descobrir e me divertir, tudo ao mesmo tempo e agora…

Os ambientes de venda de produtos tiveram que se tornar pirotécnicos com multimídia e experiências ‘gamificadas’ de alta interação, para responder a ansiedade do consumidor da era do “só se for agora”… Praticidade, agilidade e pertinência ou “não me atrapalhe que não consigo esperar”… lamento. Se conseguir ou me lembrar, volto depois. Ufa… Foi assim… URGENTE. E, como sempre, apaixonante.

Mais um ano memorável onde tivemos que aprender tudo de novo novamente, para podermos estar um passo a frente do relógio acelerado dos negócios digitais, nesta era de transformação quase instantânea do mindset humano, a cada tic tac das descobertas tecnológicas.

E que venha 2018 com o “mundo de um”. Pois, de agora em diante, não basta ser rápido… Tem que ser “feito pra mim”.

*Fabrizzio Topper, sócio fundador da Topper Minds, consultoria premiada de modelagem de negócios digitais.

Coluna Propaganda&Arte

O timing na propaganda, na arte e na sua vida

Se você vive no ambiente do Marketing e Propaganda já deve ter escutado esse termo “timing”. Em uma tradução direta do inglês, seria algo como “cronometragem”. Em uma tradução informal é a capacidade de dar uma resposta em um momento ideal, nem antes e nem depois. Se olharmos especificamente na propaganda, é a capacidade de utilizar algum assunto do momento para divulgar o seu produto, gerando maior proximidade com o público e reforçando a lembrança da marca. Afinal, você está falando de algo que todos estão comentando, mas por ser uma marca, a sua voz tem mais força e acaba ganhando maior destaque (positivo ou negativo).

E, olha, não tem fórmula do sucesso para isso não. Se você acha que basta ficar de olho nos assuntos mais comentados e nos TTs do Twitter, está enganado. É preciso falar algo relevante e que tenha fit com a sua marca, ou seja, que tenha alguma conexão com a voz e os valores da empresa. Senão, fica feio. Dá para perceber quando tentam forçar uma situação, para pegar “carona” em uma nova moda, hit ou meme que “deu onda” na galera.

A gente poderia fazer um paralelo com as nossas amizades. Quem não tem um amigo que faz uma brincadeira com algum assunto e sempre parece fazê-la na hora errada? Ou fala algo que não deveria ser falado, ou no momento mais inapropriado, geralmente envolvendo mortes e afins, como o repórter da Globo que imitou o personagem peludo do Star Wars em um momento de luto pela atriz que fazia a Léia. Simplesmente não. Não “seje” essa pessoa que faz “huuuuh” na hora errada. Daqui algum tempo isso pode até ser mais aceitável, leve e engraçado, porém só depois do luto. Faltou timing do jornalista, percebe?

Agora na arte não é diferente. Você está sempre mudando, estamos sempre atentos a assuntos diferentes: moda, gastronomia, esportes, jogos, filmes… E naquele momento, naquele dia, você assiste a um filme que fala de um assunto relevante para você. Daí você ri, chora, se diverte, muito mais que outras pessoas que não estão nesse timing. Sacou?

Raoul Hausmann, ABCD, Self Portrait, 1921 (Dadaísmo)

Tem períodos da vida que estamos mais surrealistas, non senses, dadaístas, em alguns dias da semana somos muito abstratos, futuristas, em outros não queremos falar de rótulos ou estilos, apenas queremos curtir o momento. Esse é o timing da vida.

Cada um de nós tem uma história, cada um observa um detalhe de toda essa obra de arte chamada vida. Para mim, certo filme foi o melhor do ano, para você, tal ator foi esplêndido naquela série, ou então tal marca criou algo relevante que mudou o jeito de nos relacionar. Pensando nisso, acho que deveria existir um “Oscar do Timing Pessoal” das coisas que mais mexeram com a gente. Claro, são as coisas que vieram na hora exata, falando daquilo precisávamos escutar, ver ou sentir. E cada um deve decidir quem são os indicados e os vencedores desse prêmio tão particular.

*Se esse texto veio na hora certa para você, que bom! Fico feliz que eu tenha acertado o timing desse artigo.