Inbound Marketing ou Outbound Marketing, entenda a diferença e como mesclá-los

A especialista em marketing digital Ana Paula pontua os conceitos de ambas estratégias e ensina a usá-las juntas

Segundo análise feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) junto com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mais de 90% dos usuários brasileiros pesquisam os produtos ou serviços em sites de e-commerce, antes de realizar a compra. Com isso, é perceptível que as lojas online tiveram que se adaptar à realidade, pois viram uma oportunidade de serem vistos pelos possíveis compradores.

Imagem by Pixabay

A maneira atual que o e-commerce encontrou para chamar atenção dos clientes na internet se dá por meio de estratégias de comunicação de marketing. As mais usadas são o Inbound e o Outbound, ambas são ótimas formas de gerar leads, mas enquanto uma tem uma prospecção passiva, a outra realiza o trabalho de maneira mais ativa.

Para falar um pouco mais sobre ambos os métodos, convidamos a especialista em marketing digital Ana Paula Araújo, da empresa Connect Soluções Digitais. Ela começa explicando o conceito de ambas.

“No inbound marketing cria-se estratégias para poder atrair o cliente e ele se tornar um possível consumidor. Então se desenvolve meios para que o usuário se sinta atraído pelo seu produto na internet, visa trabalhar na percepção e aqui é o cliente que procura a empresa. Já no outbound marketing, é o contrário, pois nessa estratégia são as companhias que buscam as pessoas por meio de propagandas tradicionais, mais diretas, àquelas vistas no YouTube e na TV, por exemplo. Geralmente, são pagos”, disse a especialista.

A primeira diferença que Ana Paula pondera está na maneira com que o inbound capta seus clientes. Como bem explicado pela especialista, é o lead que vai até a empresa, ou seja, é quando o usuário pesquisa sobre um determinado produto ou serviço na internet. Com base nisso, é preciso trabalhar bem as técnicas Search Engine Optimization (SEO) da marca.

“Os clientes, geralmente, vão olhar os três primeiros, porque eles estão bem posicionados em relação à relevância. Então, se uma empresa conseguir fazer com que seu produto apareça entre os primeiros nas plataformas de buscas, por exemplo, seja ela em primeiro, segundo ou terceiro lugar, significa que ela tem relevância já que aparece em uma posição de destaque”, explicou a especialista.

Ana Paula / créditos: Arquivo Pessoal

Por sua vez, no Outbound é a marca que dá o primeiro passo nas buscas de leads, mas como isso se dá ? Por meio de propagandas diretas. “É feito por meio das mídias convencionais, o custo de uma mídia hoje tradicional, mesmo sendo elas canais digitais, como o YouTube, são mais dispendiosas. Antigamente, era usado outdoor, panfletos. É uma propaganda bem direta em que o público compra através delas”, ponderou.

Para finalizar, a especialista em marketing digital acrescentou que ambas são pagas, mas possuem investimentos diferentes. “No inbound marketing, primeiro o investidor tem que captar o lead, e para isso tem que usar tráfego pago. Depois, ele tem que fazer com que esse lead se torne cliente, então precisa de uma boa equipe que entenda de landing page e copywriter para fazer com que o visitante se sinta atraído pelo produto”, disse ela que também acrescenta.

“No outbound marketing o investimento vai depender do tipo de veículo que a marca quer transmitir o produto. Se for em TV, o horário que será exibido, o tempo de exibição e o tamanho da emissora, tem que ser levado em consideração. A mesma coisa acontece no meio digital, pois se preferir inserir a propaganda em um canal extremamente visitado, com milhões de acessos mensais, o custo do anúncio é maior, mas a cobrança varia de acordo com a popularidade do canal”, acrescentou.

Mas é possível trabalhar com ambas?

A resposta para essa pergunta é sim, é possível trabalhar com ambas. O investidor não precisa lançar mão de uma, pois uma não anula a outra, pelo contrário, ambas se conectam.

“Nada impede de trabalhar os dois juntos, pois é comum vermos e-commerce trabalhando com outbound, por meio de anúncios diretos voltados para o seu público, ao mesmo tempo usar o inbound para os seus infoprodutos nas redes, como por exemplo academias, consultórios odontológicos. Mas, geralmente, o inbound é usado para infoproduto e o outbound é usado por e-commerces grandes e para produtos físicos.”, finalizou.

Sobre Ana Paula

Ana Paula Araújo é sócia-fundadora e co-produtora da Connect Soluções Digitais, voltada para o segmento do marketing digital, fundada em Belo Horizonte e com atuação em todo o Brasil. É formada em Publicidade e Propaganda pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e pós-graduada/MBA em Marketing pela Fundação João Pinheiro/ Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Fonte: MF Press Global – Jennifer de Paula

Marketing de experiência é diferencial para conquistar e fidelizar clientes

Com amplo poder de escolha que a internet proporciona, estratégia é ideal para encantar e manter laço mais próximo com o público-alvo em meio a tantos concorrentes

Conhecido por estimular e fidelizar o relacionamento com o cliente, o marketing de experiência cria estratégias para encantar os consumidores por meio dos sentidos e das emoções, e tem sido aplicado em áreas como varejo, branding e marketing de eventos e turismo. Hoje, segundo a empresa Salesforce, 89% dos clientes dizem que a experiência vivenciada com as marcas é tão importante quanto os produtos e serviços e 94% gostam de ser tratados como pessoas, e não números.

No Brasil, ainda vemos muitas dessas ações associadas a grandes empresas, sendo que uma experiência não precisa necessariamente ser grandiosa para tocar as pessoas e emocionar. Isso ocorre porque muitas empresas ainda desconhecem as aplicações do marketing de experiência, e tendem a manter o tradicional ao invés de surpreender, mesmo que com pequenas e significativas ações.

Imagem de Gerd Altmann do Pixabay

Segundo Manuela Schmidt fundadora da Happy Help – plataforma que nasceu com o objetivo de facilitar a criação de redes de colaboração- as empresas poderiam ter um melhor aproveitamento do marketing de experiência para se destacarem em um mundo onde há cada vez mais concorrência, e onde os consumidores estão mais exigentes e buscando por diferenciais no momento de comprar ou consumir determinado produto ou serviço.“ As ações de marketing estão cada vez mais abundantes e as pessoas estão buscando valorizar seu tempo e dinheiro com experiências que façam sentido e que caibam em suas vidas e em seus valores”, explica.

Além do mais, o marketing de experiência é considerado um diferencial competitivo por fidelizar clientes a partir das emoções. “Ao usar as emoções e os sentidos para se conectar com as pessoas, as marcas criam uma relação além do consumo fazendo com que os clientes consigam ver e sentir a presença delas em suas vidas”, aponta Manuela. “Cada estratégia constrói um pequeno laço com o cliente. Daí a importância da oferta contínua de experiências memoráveis, de todas as formas possíveis”, completa.

A maneira mais simples e utilizada de aplicação de marketing de experiência é a partir do estímulo dos cinco sentidos. “Associar sons, perfumes, imagens e texturas a cada contato do cliente com a marca pode ser caracterizado como marketing de experiência, quando feito com propósito”, explica Manuela. Há também aquelas formas de fazer o cliente se sentir especial, extrapolando a relação para além do básico. “Um bom atendimento, um pós venda atencioso, um presente em uma data importante, uma surpresa – cada detalhe conta para emocionar os clientes”, conclui.

O valor do marketing de experiência para a comunidade

Quando uma pessoa vivencia uma boa experiência em um negócio local, tende a falar disso. Caso contrário, deixa de consumir a marca. Segundo pesquisa “2021 Global Marketing Trends”, dos quase 2.500 entrevistados, uma a cada quatro pessoas declarou que se afastou de marcas que mostraram agir apenas por interesse próprio.

Considerando que atualmente a maioria dos negócios possui alguma presença digital – e muitos migraram para plataformas digitais por causa da pandemia – o alcance desses depoimentos se expandem consideravelmente, assim como a atenção (positiva ou negativa) sobre empresas e profissionais. Isso, somado à mudança do perfil dos consumidores que estão mais exigentes e mais conscientes do poder de sua opinião, mostra a importância de uma boa impressão a cada contato.

Um exemplo de como proporcionar uma boa experiência é a ferramenta que a Happy Help está lançando em breve, os Happy Places & Partners – uma forma inovadora de conectar empresas que querem impactar positivamente as pessoas e comunidades, com atuais e futuros clientes que estão abertos e interessados em vivenciar novas maneiras de se relacionar com produtos e serviços. “Nossos usuários são estimulados a falar sempre a verdade das marcas e estabelecimentos e compartilhar organicamente em suas redes sociais sobre o relacionamento e a experiência que tiveram no local. Dessa forma, outros usuários poderão escolher ir ou não nesses locais”, explica a fundadora.

De acordo com Manuela, uma boa impressão é o cartão de visita que fala por si só, assim como o boca a boca – o marketing mais antigo e que gera uma credibilidade quase inquestionável. “As pessoas estão retomando o valor das comunidades locais e querem consumir de empresas que valorizem a vizinhança, respeitem e criem laços com as pessoas. Os negócios acabam virando um bem comum, que serve e cuida da comunidade”, explica.

Sobre Manuela Schmidt

*Manuela Schmidt, Fundadora da Happy Help. Com mais de 17 anos de carreira, é formada em Publicidade pela Unisul, com mestrado em Direção Criativa pelo Istituto Europeo di Design de Roma, e certificada em Empreendedorismo pela Harvard BSO. Após uma experiência pessoal desafiadora, viveu a necessidade de uma rede de apoio ativa e assim criou a Happy Help.

Sobre a Happy Help

A Happy Help é uma plataforma que nasceu com o objetivo de facilitar a criação de redes de colaboração. Disponível na web e aplicativo (IOS e Android), permite o compartilhamento de talentos, conhecimentos e habilidades entre os usuários. Conta com uma moeda interna para mediar trocas indiretas de ajuda, como terapias, ensino de idiomas, consultorias para pequenos empreendedores e diversas outras formas de apoio ao próximo.

Fonte: Motim.cc – Assessoria de Imprensa

Ranking de agências e anunciantes

Meio&Mensagem divulga rankings

A Meio&Mensagem acabou de publicar os rankings dos maiores anunciantes e das maiores agências de propaganda do país. A publicação elabora os rankings em parceria com a Kantar Ibope Media.

Veja um trecho da matéria publicada hoje:

“O mercado brasileiro de publicidade deu um importante passo no quesito transparência com a divulgação, em abril, pelo Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp) do inédito ranking de agências do Cenp-Meios. Pela primeira vez, há uma lista com dados baseados nas autorizações de veiculação em mídia emitidas pelas agências, as chamadas PIs. O avanço será ainda maior quando o ranking incluir os valores totais movimentados por cada agência e vencer obstáculos institucionais, técnicos e burocráticos, como o de algumas agências não autorizarem sua identificação (o que deixa algumas posições em branco) e o de outras, mesmo certificadas pelo Cenp, ainda não estarem integradas ao banco de dados do Cenp-Meios, casos mais emblemáticos de Suno United Creators e Gut – duas jovens agências que estão entre as que mais crescem atualmente.”

Você pode lera matéria completa da revista aqui

Confira os gráficos:

As 10 maiores agências

Os 10 maiores anunciantes

Agência busca executivo de contas

Vaga para executivo de Contas

O que a agência espera?
– Formação em Comunicação Social – Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade ou áreas correlatas
– Proativo e organizado – Visão crítica e analítica
– Conhecimento do Pacote Office
– Experiência mínima de 5 anos em agências de Comunicação

Diferenciais:
– Inglês intermediário
– Experiência em Comunicação Interna

Interessados deverão enviar currículo para selecao@superacomunicacao.com.br, até 19/03, com o nome da vaga.