A sustentabilidade e a economia colaborativa já geram impactos no consumo

Consumo consciente é uma tendência que cresce em todas as idades e públicos. A economia colaborativa está ajudando esse movimento

O consumo consciente deixou de ser apenas discurso para estar cada vez mais presente no dia a dia das pessoas no mundo e, claro, no Brasil. Esse movimento, que envolve consciência sobre o bem coletivo passa a ganhar maiores proporções com o avanço da economia colaborativa, impactando significativamente a forma de consumir produtos e serviços. Essas conclusões são oriundas da pesquisa A Economia Colaborativa e os Impactos no Consumo, desenvolvida pela Officina Sophia Retail, empresa pertencente à holding HSR Specialist Researchers.

O estudo detectou que 56% das pessoas, com prevalência na Classe A, já ouviram falar de economia colaborativa e consumo consciente, bem como conhecem diversos aplicativos que promovem o consumo colaborativo. Um reflexo disso é que, para 63% dos respondentes, as empresas baseadas na economia colaborativa são mais inovadoras que as demais.

Outro ponto destacado no estudo é a relação das pessoas com as mais diferentes atividades da economia colaborativa para buscar alternativas mais sustentáveis, econômicas ou conscientes de consumo. Algumas opções são mais conhecidas e utilizadas como os aplicativos de transporte (97% dos entrevistados usa ou conhece); serviços de aluguel de casas por temporada (92%); aluguel de bicicletas (89%); compra e venda de produtos em sites (88%); e aplicativos de carona (87%).

O estudo mostrou também como as pessoas se comportam diante dessa nova realidade. De modo geral, elas não estão alheias às mudanças e fazem questão de participar de tudo com relação ao consumo consciente. Foram detectados três perfis: “O Consciente” (48% do total), para quem a economia colaborativa constrói comunidades fortes; “O Prático” (31%), que enxergam na economia colaborativa uma forma de vida mais econômica; e “O Distante” (21%), que entende o cenário como algo muito novo, sem consistência e ainda distante da sua realidade, mas precisa de mais informações. Nesse sentido, as mulheres se entendem mais “práticas”, enquanto homes se veem mais “distantes”. Quando o corte foi por classe social, percebeu-se a Classe A mais “consciente”.

O que fazem em relação ao consumo excessivo? Trocas. Nesse ponto, a economia colaborativa é uma grande aliada. Troca-se, por exemplo, o carro próprio por transportes públicos e/ou serviços coletivos como UBER. “A troca do material pela vivência é crescente. Pensar nesse consumo de forma consciente é um dos nossos novos desafios. Cabe às empresas entender e atender esse novo consumidor”, explica Valéria Rodrigues, diretora da Officina Sophia Retail, responsável pela pesquisa.

“Mais do que consumir menos, é saber consumir. Se preocupar com todas as etapas do consumo – antes, durante e depois. O processo de busca por informações é trabalhoso, pois as pessoas acham que apenas comprar um produto escrito ‘orgânico’ na embalagem já é suficiente, por exemplo. Quando, na verdade, o consumo consciente seria buscar a origem do produto, como a embalagem foi produzida, como são feitos os descartes etc.”, destaca Valéria.

Para alguns, ainda existe a percepção de que essa tendência faz parte de um modismo, no qual se acredita que muitas pessoas praticam no discurso, mas falham nas escolhas. Porém, isso não tira a grandeza do movimento que vem em uma crescente.

“Um dos pontos que ressalto a partir do estudo é que as pessoas estão aprendendo a consumir e usar melhor os recursos e facilidades que têm à sua disposição. É normal buscar a otimização dentro de casa ou no trabalho, para que o descarte seja menor. Além disso, passam a querer saber a origem dos alimentos que consomem (com bom destaque para a alimentação orgânica e vegana) e se preocupam a respeito de como, onde e de qual maneira deve ser feito o descarte. Isso está acontecendo, pois estamos sob o forte impacto da tendência de ‘consciência coletiva’, pela qual o indivíduo começa assumir o peso das responsabilidades sociais e ambientais”, conclui.

Metodologia – Para chegar aos resultados, foram entrevistadas on-line 1.670 pessoas, sendo 53% mulheres e 47% homens, em todo o Brasil, com idade entre 18 e 64 anos, das classes A, B e C. Separaram-se, na amostra, os jovens entre 18 e 26 anos, para compor a comunidade dos trend setters (pessoas que começam, marcam ou criam tendências e podem determinar quais são as tendências mais populares). Além disso, três entrevistados foram ouvidos com mais profundidade e compuseram os opinion leaders: Rodrigo dos Reis, CEO da Zeitgeist e especialista em Tendências; Ricardo Pastore, professor da ESPM e especialista em Varejo; e Ana Lavaquial, consultora de Economia Colaborativa e Inovação.

Fonte: LF Comunicação Corporativa – Marco Barone

Movimento Greenk

Movimento Greenk reúne nova geração de apaixonados por tecnologia e sustentabilidade

O Movimento Greenk foi criado com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do descarte correto do lixo eletrônico (e-lixo). Greenk é a junção das palavras “geek” (aficcionados por tecnologia e pela cultura pop) e “green”. Idealizado por um grupo de empresários da área de comunicação, o movimento já conta com parceiros como a Fundação SOS Mata Atlântica, Instituto GEA, ABINEE (Associacão Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), ABRIN (Associação Brasileira de Reciclagem e Inovação), Synctronics e Virada Sustentável, entre outros.

“O Brasil é o maior produtor de e-lixo da América Latina, com cerca de 1,2 milhão de toneladas ao ano”, afirma Fernando Perfeito, executivo com mais de 15 anos de atuação no mercado de tecnologia. Segundo ele, apenas 2% desse montante é descartado de forma correta. “Isso significa que a quase totalidade do e-lixo que geramos é desprezada sem nenhum tratamento, condenando terrenos e lençóis freáticos e representando riscos à saúde humana. Precisamos reverter essa realidade”, explica.

Fernando Perfeito é gerente geral do Greenk Tech Show, maior evento de tecnologia e sustentabilidade do Brasil, que vai acontecer no mês de junho, na Bienal do Ibirapuera. Com diversas atrações, como as Arenas Games, Youtubers e do Conhecimento – que receberá convidados em apresentações especiais –, o Greenk Tech Show vai convocar os apaixonados por tecnologia para um grande movimento em torno do descarte correto. Todo visitante que levar seu e-lixo para descarte no evento terá direito à meia entrada.

E mais: todo o e-lixo recolhido durante os três dias de evento será reencaminhado para seu desmonte correto e a quase totalidade retornará para a indústria, como peças para novos equipamentos ou como matéria-prima, seguindo as práticas da Economia Circular.

Fonte: GEP Comunicação – Carlos Moura – Glaucia Palota

Turismo terá evento no Senac

Senac promove evento dedicado ao turismo
Atividades gratuitas e abertas ao público acontecem na unidade Guaratinguetá

unnamed-1

O Senac Guaratinguetá realiza, nos dias 4 e 5 de outubro, a Semana Senac de Turismo e Hospitalidade. Por meio de palestra e mesa-redonda, o evento deste ano aborda o tema Reinventando caminhos, redescobrindo o mercado. A ação é gratuita e apresenta ao público temáticas do turismo e da hospitalidade por meio de uma discussão sobre a instabilidade econômica e novos paradigmas tecnológicos que acarretam mudanças de comportamento e consumo na área.

O evento propõe um olhar diferente para o setor, sugerindo novos segmentos e formatos de negócio. O cenário é desafiador, porém gera inúmeras possibilidades para os envolvidos na cadeia produtiva do turismo.

Confira a programação

4/10 – Terça-feira
Palestra: Sustentabilidade
Das 19 às 21 horas
A palestra traz uma reflexão sobre todas as dimensões da sustentabilidade frente a nova realidade que se estabelece, e maneiras de trabalhar as dimensões ecológicas, econômicas e sociais visando a perenidade de destinos e empreendimento.

5/10 – Quarta-feira
Mesa-redonda: Turismo Acessível e Inclusivo
Das 19 às 21 horas
Convidados relatam suas vivências em viagens e respondem às perguntas abertas dos participantes.
O IBGE estima que 45 milhões de pessoas possuam algum tipo de deficiência no Brasil. Por isso, é preciso preparar o atendimento, os equipamentos, as edificações e os serviços turísticos com autonomia e segurança. Promover a inclusão social, acesso de pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida à atividade turística é um direito constitucional, além de ser um fator competitivo no mercado.

Para mais informações e inscrições, entre em contato com a unidade pelo telefone (12) 2131-6300, pessoalmente ou acesse o Portal Senac (www.sp.senac.br/guaratingueta).

Serviço
Semana Senac de Turismo e Hospitalidade
Local: Senac Guaratinguetá
Endereço: Avenida Dr. João Baptista Rangel de Camargo, 50 – Centro
Data: 4 e 5/10
Horário: das 19 às 21 horas
Informações: (12) 2131-6300 | www.sp.senac.br/guaratingueta

Fonte: KMS Comunicação – Thaís Mazini

Rio Vivo faz aniversário

Projeto Rio Vivo comemora 13 anos
O objetivo do projeto é celebrar a natureza e o respeito ao meio ambiente

unnamed

O Rio Vivo, projeto de iniciativa do Grupo Band Vale, vem, desde 2003, despertando na região o amor e respeito ao meio ambiente. O nome expressa o foco das ações: o desejo de proteger e preservar o Rio Paraíba do Sul, esse gigante, capaz de abastecer parte de 3 estados do Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais; e garante o sustento de milhões de pessoas.

O projeto incentiva as crianças a cuidarem do ambiente em que elas vivem, proporcionando experiências no contato direto com a natureza nas trilhinhas ecológicas e garantindo a consciência ambiental com criatividade, nos concursos de desenhos!

Além disso, alerta os adultos sobre a mudança de hábitos, mostrando que com simples atitudes diárias podemos melhorar a qualidade de vida e garantir existência às próximas gerações. Enfatizando sempre que trabalhando em equipe somos muito melhores!

O Rio Vivo mostra, através do Programa Vale Ecologia, o valor das regiões do Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e Litoral Norte, ricas em história e beleza natural. Valorizando assim o trabalho do produtor rural, do artesão, do artista que encontra na natureza a inspiração e a razão de existir, por meio de reportagens especiais no Momento Rio Vivo – quadro especial do Band Cidade. Mas, que também denuncia crimes ambientais e o desrespeito com o bem mais importante da vida: a água.

Em setembro de 2016, o projeto Rio Vivo completa 13 anos, com a certeza de que vale a pena disseminar o amor pelo meio ambiente nas pessoas. Com a renovação da parceria com a Fibria, de Jacareí, o projeto dá continuidade às ações este ano, com trilhas ecológicas, concurso de desenhos, programa Vale Ecologia e muitas novidades para 2017.

Fonte: KMS Comunicação – Renata Jordão