Museu do Videogame no Taubaté Shopping

Inédito no Vale do Paraíba, Museu do Videogame vai reunir mais de 350 consoles das últimas cinco décadas no Taubaté Shopping

Evento itinerante terá espaços de exposição, videogames para interação dos visitantes e campeonatos diários de games clássicos e atuais, além das competições de Cosplay e Just Dance

Em abril, o Taubaté Shopping vai se tornar um verdadeiro palco dos amantes dos videogames – uma diversão que atravessa gerações, e que em 2022 completa 50 anos desde a primeira criação. Com a chegada do Museu do Videogame, que ficará no centro de compras e lazer de 16 a 30 de abril, crianças, jovens e adultos terão a oportunidade de ver de perto consoles lançados nos últimos 50 anos, como o primeiro fabricado no mundo (Magnavox Odyssey – 1972), passando pelos clássicos (Atari, Nintendinho, Master System, Mega Drive e Super Nintendo) até os modelos mais atuais: Playstation 4, Xbox 360, Nintendo Wii U e PS Vita, entre outros. A entrada é gratuita.

O evento reúne setores de exposição e também espaços interativos para quem quiser matar a saudade ou somente se divertir jogando dos games clássicos aos atuais e revolucionários em gráficos e tecnologia, incluindo simuladores de corridas, controles gigantes e realidade virtual. No espaço instalado na Praça de Eventos, os visitantes terão acesso a uma verdadeira linha do tempo da história e evolução do videogame, incluindo o primeiro fabricado no Brasil, o Telejogo Philco Ford. Todos os itens em exposição são acompanhados de uma breve história, com ano de fabricação, detalhes técnicos e telas de jogos, e alguns modelos de maior destaque serão acompanhados também de telas de TV mostrando clássicos de sua época.

De acordo com o curador do Museu do Videogame, Cleidson Lima, entre as relíquias estão o primeiro console fabricado no mundo, o Magnavox Odyssey, de 1972; o Atari Pong (primeiro console doméstico da Atari), de 1976; Fairchild Channel F, de 1976 (primeiro console a usar cartuchos de jogos); o Telejogo Philco Ford, de 1977 (o primeiro videogamefabricado no Brasil); o Nintendo Virtual Boy, de 1995 (primeiro a rodar jogos 3D); o Vectrex, de 1982 (console com jogos vetoriais que já vinha com monitor); o Microvision (primeiro portátil a usar cartucho), de 1979 e o R.O.B (robozinho lançado juntamente com o Nintendo 8 bits, em 1985).

Mais atrações

O Museu do Videogame tem ainda em sua programação diária competições de tirar o fôlego (confira a programação completa abaixo), além de campeonatos de Cosplay e Just Dance (este com seletivas de 18 a 29 de abril). Ao longo de todos os dias, as pessoas podem se inscrever para participar das competições e no dia 30 de abril acontece a grande final de Just Dance e a competição de Cosplay. As duas competições terão como premiação: 1º colocado – um (1) óculo de sol ou uma (1) armação de grau com lentes visão simples de até 2 graus; 2º colocado – um (1) óculos de sol ou uma (1) armação de grau de até R$ 349,00; 3º colocado – um (1) óculos de sol ou uma (1) armação de grau de até R$ 299,00 (os prêmios são das Lojas Chilli Beans).

Cronograma de torneios:

18 a 29 de abril: seletivas Just Dance 2022, sendo das 15h às 21h (de segunda a sábado) e das 14h às 20h (aos domingos)
18 de abril, às 18h: Smash Bros (Nintendo Switch)
19 de abril, às 18h: Mortal Kombat 11 (PS4)
20 de abril, às 18h: Dragon Ball Fighter Z (PS4)
21 de abril, às 18h: Street Fighter V (PS4)
22 de abril, às 18h: Mario Kart 8 Deluxe (Nintendo Switch)
23 de abril, às 16h: FIFA 22 (PS4)
24 de abril, às 15h: eFOOTBALL 2022 (PS4)
25 de abril, às 18h: Naruto Ninja Storm Revolution (PS4)
26 de abril, às 18h: Tekken 7 (Xbox One)
27 de abril, às 18h: Street Fighter II Turbo (Super Nintendo)
28 de abril, às 18h: Ultimate Mortal Kombat 3 (Super Nintendo)
29 de abril, às 18h: Torneio de Superstar Soccer Deluxe (Super Nintendo)
30 de abril, às 14h: Final Concurso Just Dance 2022
30 de abril, às 17h: concurso de Cosplay

Sobre o Museu do Videogame

O Museu do Videogame Itinerante, que recebe cerca de 5 milhões de visitantes ao ano e já passou por 18 estados brasileiros, é o primeiro do gênero do país registrado pelo Ibram – Instituto Brasileiro de Museus. Em 2014, recebeu o prêmio do Ministério da Cultura como o museu mais criativo do país. Em 2016, foi um dos museus brasileiros escolhidos para representar o país no maior encontro de museus do mundo, em Paris. Em 2019, foi uma das atrações da London Games Festival, o maior evento de games da Inglaterra.

Fonte: Communicare – Camila Dezze

O impacto das ‘big techs’ na publicidade digital em 2022

Por Leila Borges Guimarães*

Com o advento e a ascensão da tecnologia no mundo, as mudanças estão cada vez mais acentuadas e, assim, o mercado da publicidade está se diversificando e, consequentemente, se atualizando constantemente. Por isso, as perspectivas de negócio no meio digital para este ano certamente virão das mais variadas plataformas, indo desde os games até os podcasts.

Leila Borges Guimarães é Country Manager da Adsmovil Brasil

Segundo o relatório “Ad Spend Forecasts”, publicado pela agência Dentsu em janeiro, é previsto que o investimento global com publicidade digital seja de US$ 745 bilhões — cerca de US$ 117,2 bilhões acima do nível pré-pandemia de 2019 —, com um crescimento de 9,2% neste ano. Já no Brasil, o incremento deverá ser de 5%, com montante que deve totalizar US$ 8,7 bilhões, um valor bastante considerável. Porém, quais devem ser os principais fatores desse crescimento num cenário que ainda se recupera da crise econômica impulsionada pela pandemia?

O ecossistema digital está em constante movimentação, exemplo significativo disso foi a aquisição realizada pela Microsoft de uma das maiores produtoras de games do mundo, a Activision Blizzard, que contém aproximadamente 400 milhões de jogadores, em jogos como Call of Duty e Candy Crush.

Observamos que essa questão movimentou o mercado e deverá impactar não somente a tecnologia em si, mas também as estratégias de publicidade, com o intuito de criar mais alternativas de espaços publicitários em busca de investimentos mais volumosos.

Outro acontecimento que deve aumentar o investimento na publicidade digital neste ano é a Copa do Mundo, que ocorrerá em novembro no Catar. Trata-se de um evento que movimenta bilhões de fãs no mundo inteiro e não à toa deve se refletir não só em ações publicitárias nas redes sociais e nos veículos de conteúdo jornalístico, como também em jogos online e álbuns de figurinha, com o intuito de expandir a experiência dos consumidores com o evento. Assim, os espaços de publicidade digital serão expandidos e trarão para o mercado uma extensa gama de consumidores fiéis e sedentos por novidades.

Com isso, a tendência é de que grandes marcas devam expandir os seus negócios para aproveitar o momento. O metaverso — ambiente de realidade aumentada e virtual — é a novidade que deve revolucionar o mercado de publicidade nos próximos anos, por exemplo, com a criação de lojas virtuais que possam mostrar produtos diferenciados e estratégicos, que posteriormente poderão ser comprados de forma exclusiva ou limitada.

Essa novidade promete ser uma tendência, já que o consumo digital vem crescendo. Para se ter uma ideia, apenas o e-commerce brasileiro registrou um faturamento de R$ 161 bilhões no ano passado, o que representa crescimento de 26,9% em relação a 2020, segundo levantamento realizado pela Neotrust. Outra ação é de as empresas investirem em ativos digitais, como criptomoedas e NFTs.

Outra frente que deve ser bastante explorada pelas marcas é a publicidade no formato de áudio, principalmente, por meio dos podcasts que já vêm sendo um sucesso de audiência com conteúdos de diferentes editorias nas mais diversas plataformas. Isso é reforçado pelo levantamento “A influência da publicidade digital no universo dos podcasts”, realizada pela associação IAB Brasil, mostrando que 59% dos ouvintes de podcasts recordam os anúncios e 37% realizam uma pesquisa na internet sobre o produto ou serviço após ouvir a mensagem da empresa anunciante.

Portanto, as perspectivas para a publicidade digital neste ano prometem não ficar limitadas apenas aos formatos tradicionais. Além das possibilidades mencionadas e que já estão disponíveis, ainda podem surgir novidades, já que a tecnologia não para e com a chegada do 5G o ambiente se tornará ainda mais propício para o surgimento de alternativas criativas para serem usadas na publicidade digital.

Por fim, vamos precisar ficar atentos aos possíveis movimentos de outras big techs, como o realizado pela Microsoft, pois é inegável que aquisições como essa trazem mudanças rápidas e consideráveis nos mercados e com o segmento de publicidade digital não será diferente.

*Leila Borges Guimarães é Country Manager da Adsmovil Brasil

Games e propaganda foi tema de live

Live da APP Vale tratou do universo gamer

Ontem, quarta feira, dia 19/10, a APP Vale do Paraíba realizou a quinta live deste ano. Desta vez o tema foi Games e Propaganda.

Para debater o assunto, bastante relevante e presente no cenário atual de propaganda, a associação contou com dois especialistas: Carolina Caravana, vice-presidente da ABRAGAMES; e Willian Pesenti, diretor do SBT Games.

A live discutiu temas como quais os pontos que uma marca e/ou agência deve ter em mente para buscar aderência do público e retorno de suas ações publicitárias associadas aos games.

Também foi discutido o fato de ser extremamente necessário criar campanhas e ações publicitárias não invasivas, que possam ser naturais e orgânicas, de modo a não atrapalhar o momento de entretenimento do público usuário de games. Neste tópico foram tratados temas como advergames e in game advertising.

A alta penetração e receptividade dos e-sports também foi tema da conversa. Carolina e Will apresentaram ideias para que as marcas trabalhem bem dentro deste contexto específico. Na sequência a dupla de convidados falou sobre storytelling, gamificação e games e sua profunda relação com a propaganda.

Por último, o mediador, Josué Brazil, pediu para que os convidados falassem sobre o futuro e ambos destacaram o metaverso eo VR como realidades já presentes e que devem afetar o universo gamer e a ação das marcas associadas a ele. Foram unânimes em apostar no crescimento da aplicação de verbas publicitárias no segmento e muito confiantes no crescimento do segmento no Brasil

A Associação de Profissionais de Propaganda regional Vale do Paraíba já prepara a live do próximo mês, buscando tema e profissionais que possam colaborar para a formação e o desenvolvimento do mercado valeparaibano de comunicação, propaganda e marketing.

Games estão no seu plano de mídia?

por Bruno Campos de Oliveira*

Você acredita que os primeiros videogames foram criados há 50 anos? Uma coisa é certa: sua evolução nos últimos anos foi incrível. Os jogos de Arcade e os primeiros consoles agora são parte de uma realidade distante, já que as tecnologias atuais colocam os jogadores em ambientes realistas, envolventes e impactantes. Os próprios dispositivos de jogos sofreram mutação: agora você pode jogar videogames em seu smartphone, em um console de alta tecnologia, computador e até mesmo por meio de realidade virtual.

Na verdade, a tendência dos games é tão poderosa que tem um grande impacto sobre os consumidores. Basta ver como, no final de 2020, o PS5 esgotou em pouquíssimo tempo, ou como os esportes eletrônicos desempenham um papel importante na cultura atual.

Bruno Campos de Oliveira

Além disso, o apelo aos videogames também foi acentuado pela pandemia Covid-19. Um estudo mundial realizado em 2020 pela Global Web Index, mostrou como a quarentena aumentou o consumo de mídia doméstica e, especificamente, os jogos para celular e PC, especialmente nas gerações mais jovens. Por exemplo, mais de 40% da Geração Z e Millennials aumentaram seu tempo em jogos para celular durante este tempo turbulento.

Na verdade, os videogames agora se tornaram uma forma de reunir pessoas e uma grande oportunidade para as marcas aumentarem sua notoriedade de forma inovadora e impactante. A chave para isso? Publicidade em jogos – ou mídia programática digital em videogames.

Por que investir em games?

É um fato: a mídia programática no jogo tem muito a oferecer à estratégia de marketing, diferenciando uma marca da concorrência e atingindo um público-alvo muito específico. Além disso, é possível otimizar anúncios em tempo real. Os recursos de personalização disponíveis são ótimas oportunidades se o objetivo for criar uma mensagem publicitária personalizada.

Para completar, a publicidade em games pode ser uma ótima maneira de coletar dados muito precisos e aumentar o conhecimento do cliente. Você pode saber qual é o perfil típico de um jogador, o tempo que seu público passa jogando e, assim, melhorar as mensagens principais dia após dia.

Mas qual o público-alvo dos games?

Um estudo realizado pela NewZoo prevê que até 2023 serão mais de 3 bilhões de gamers pelo mundo. Ainda assim, a percepção comum do gamer típico é a seguinte: um jovem adolescente, trancado em seu quarto, com muito pouco poder de decisão e compra. Mas os números provam que esses clichês estão errados.

No Brasil, por exemplo, segundo a Pesquisa Game Brasil 2020 (PGB), realizada pelo Sioux Group, Go Gamers, Blend New Research e ESPM, mais de 61% dos casual gamers (que jogam de vez em quando e geralmente pelo celular) são mulheres, enquanto mais de 61% dos homens representam o hardcore gamers, que dedicam mais parte do seu tempo e dinheiro a esse tipo de lazer.

Imagem de 政 徳 吉田do Pixabay

A pesquisa ainda revelou quais são as “Marcas do Coração”, mais conhecidas ou consumidas neste segmento, dentre as quais estavam Mastercard, Coca-Cola, Red Bull, O Boticário, iFood, Fiat, Samsung, Uber, Adidas e Vivo – esta última, não por acaso, patrocina o time gamer brasileiro Vivo Keyd. Por isso, não se deixe enganar: os games são realmente espaços sociais, onde os usuários gostam de se encontrar e compartilhar experiências.

Como funcionam os anúncios?

Grandes oportunidades estão em jogos de console, como Xbox One ou Playstation. Em 2020, o estudo da NewZoo mostrou que os jogos de console representam 28% da participação de mercado – e jogadores do gênero masculino são mais propensos a jogar neste tipo de dispositivo.

Por outro lado, os jogos para celular estão cada vez mais atraentes para as marcas. Você pode implantar seus anúncios por meio de jogos no aplicativo (anúncios que são integrados diretamente no aplicativo de jogos para dispositivos móveis). Observe que 27% dos jogadores mobile passam de 6 a 10 horas jogando jogos por semana e que mesmo as gerações mais velhas usam esse dispositivo.

Existem desde formatos que estão relacionados, tipo rewarded video, em que o jogador precisa, por exemplo, assistir a um vídeo para ganhar uma recompensa até formatos personalizados. Recentemente, a NFL personalizou os famosos passarinhos do Angry Birds em bolas de futebol americano durante o campeonato.

E por que não pensar em investir em campanhas publicitárias em plataformas de streaming, como Twitch, Facebook Gaming ou YouTube Gaming? Os videogames são centrais nessas plataformas e sua popularidade continua crescendo com o tempo.

Olhando para a indústria de games em geral, muitas empresas já entenderam o seu potencial, tanto que marcas licenciadas estão anunciando dentro de jogos. A Acer, uma das gigantes do mercado de games que tem como um dos principais players a marca Predator, está, por exemplo, patrocinando times de esportes, campeonatos e feiras do setor.

A indústria da publicidade precisa entender o mercado gamer como entende Hollywood – para efeito de comparação, o mercado de games já fatura 2 vezes a indústria cinematográfica (US$ 43 bilhões) a de música (US$ 19 bi) juntas e estima-se que mais de 500 milhões de pessoas assistirão transmissões de jogos eletrônicos em 2021 – uma vez que seu público é extremamente amplo, e faz sentido para muitas marcas estarem ali.

*Bruno Campos de Oliveira é CEO da CTRL 365, agência de inovação criativa através de dados, especialista em mídia programática e marketing digital. É formado em Marketing pela USP e há mais de dez anos trabalha com planejamento estratégico baseado em dados e algoritmos, campanhas de marketing digital, mídia de performance, e-commerce, aplicativos, além de atuar na criação de novos produtos e tecnologias para empresas do Brasil e do exterior. Empreendedor e palestrante, também é CMO da AdsPlay Mídia Programática e embaixador da EBAC, Escola Britânica de Artes Criativas e Tecnologia.