Estágio em marketing

Duas vagas de Estágio em Marketing em Taubaté

Atividades:

– Apoio no desenvolvimento das estratégias de marketing, comunicação e vendas; Análise de métricas e de indicadores de desempenho da área; Acompanhamento e monitoramento de campanhas; Desenvolvimento de relatórios gerenciais; Criação de anúncios para Google Ads e Facebook Ads, dentre outros; Elaboração de artes para redes sociais, site, e-mail marketing, materiais impressos e mídia em geral; Criação de Conteúdo para redes sociais; Monitoramento de mídias sociais e site; Apoio na realização e participação de eventos; Apoio nos processos comerciais; Apoio na realização de Pesquisa de satisfação com clientes; Suporte ao time de vendas.

Pré-requisitos:

– Cursando Marketing, Propaganda e Marketing, Publicidade e Propaganda ou Administração com ênfase em Marketing;
– Necessário conhecimento em Excel, Word e Power Point;
– Necessário conhecimento em Redes Sociais como Facebook e Instagram;
– Necessário disponibilidade para estagiar em período comercial;
– Necessário disponibilidade para contrato de estágio por 1 até 2 anos.

Serão considerados diferenciais:

– Domínio nas ferramentas de criação; Conhecimento em edição de vídeo; Conhecimento em ferramentas de automação de marketing e e-mail marketing como E-Goi, Lahar, Builderall, Get Response, RD Station e LeadLovers, dentre outros.

Interessados entrar em contato por whatsapp: (12) 99114-9106

Estudo mostra crescimento na vendas durante Black Friday

Vendas na Black Friday foram até 5,4 vezes maiores e Cyber Monday não tem crescimento expressivo no Brasil, aponta Criteo

Na noite de quinta-feira houve um aumento considerável nas compras feitas por dispositivos móveis

Durante a última sexta-feira, 23 de novembro, o tráfego de consumidores no e-commerce brasileiro triplicou em relação à média do mês de outubro, o que resultou em um aumento de 5,4 vezes nas vendas. Na noite da quinta-feira, véspera da Black Friday, as vendas pela Internet registraram às 22h00 um crescimento de 4 vezes no desktop e 4,5 vezes no celular quando confrontadas com a quinta-feira anterior. Entre os produtos mais vendidos na data promocional deste ano estiveram smartphones, calçados e TVs. No sábado, o índice de compras realizadas em dispositivos móveis também permaneceu elevado durante todo o dia, confirmando a tendência de crescimento das compras on-line pelo celular.

Estes são alguns dos principais dados de levantamento realizado pela Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), plataforma de anúncios para a Internet aberta, sobre o comportamento do consumidor durante a Black Friday. O período considerado pelo estudo foi de 21 a 24 de novembro (quarta a sábado) e analisou horários de pico, dispositivos utilizados para pesquisar produtos e finalizar as compras, categorias e produtos mais comprados.

“Em comparação aos anos anteriores, quando quase a totalidade das compras foram realizadas durante a Black Friday, nesta edição observamos um grande movimento também nos dias anteriores e posteriores, principalmente em compras fechadas através de dispositivos móveis. A Black Friday continua conquistando cada vez mais espaço no Brasil com vendas chegando a ser 5 vezes maiores. Ainda hoje as compras seguem aquecidas nas lojas físicas e, por isso, é muito importante que tanto as marcas quanto os varejistas alinhem a estratégia online com uma experiência relevante e de qualidade nas lojas”, assinala Alessander Firmino, diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina.

As categorias mais vendidas

As três categorias com melhor desempenho de vendas na Black Friday foram Varejo, Sites de Comparação de Produtos e Vestuário. A categoria que mais cresceu, com 35%, foi a de Viagens.

Vendas por dispositivo

A escolha do dispositivo mudou significativamente dependendo da categoria. Os dispositivos móveis foram usados principalmente para comprar Alimentos e Bebidas (95%) e Anúncios e Classificados (73%), enquanto o desktop foi predominante no Varejo (60%) e em Viagens (69%).

Consumidor omnichannel

Em geral, navegar em dispositivos móveis e comprar em computadores ainda é a norma, embora haja também casos em que os consumidores navegam em desktop e concluem a compra via mobile.

Os produtos mais comprados

Os produtos mais populares entre os consumidores brasileiros durante a Black Friday deste ano foram smartphones, calçados e aparelhos de TV.

Cyber Monday

Durante a Cyber Monday, a segunda-feira de descontos focados em produtos eletrônicos, mas que também oferece promoções de categorias variadas no embalo do período, o crescimento das vendas no Brasil não foi tão expressivo quanto em outros países, segundo a Criteo.

As categorias que mais cresceram no dia seguinte a Black Friday foram Varejo (aumento de 113%), Serviços Financeiros (72%), Telecomunicações (36,71%), Automotivo (36,32%) e Viagens (30%). Os produtos que registraram maiores vendas foram smartphones e calçados.

Acesse aqui mais dados sobre o estudo da Criteo sobre a Black Friday.

Fonte: FirstCom Comunicação – Cíntia Yamashiro

Agência abra vagas para estágio

Vincere quer estagiários

A agência digita situada em Taubaté abre vagas de estágio para diferentes áreas e funções.

Confira:

Vaga para atuar em digital

Empresa contrata

A Consórcio Porto Brasil busca profissional para cuidar de comunicação digital

Descrição:

*Planejamento, criação e gerenciamento de campanhas em Adwords, com possiblidade de uso de scripts em java para otimização de campanha;
* Planejamento, criação e gerenciamento de campanhas para Facebook Ads, Instagram e Linkedin;
* Planejamento e gestão de Instagram, com possiblidade de uso de bots para crescimento rápido;
* Planejamento estratégico de Social Media, estudo de mercado e persona;
* Copywriting e geração/gerenciamento de conteúdo;
* Criação de Squeeze Pages/Sites/Apresentações persuasivas, com foco em otimização de conversão;
* Criação de campanhas de email marketing automatizadas.

Carga Horária: 04 horas diárias, na empresa.

Local: São josé dos Campos

Enviar CV para lucianocarrara@consorcioportobrasil.com.br

Final de ano e o mercado de comunicação

Mercado discute influência do fim de ano no faturamento

Tradicionalmente se anuncia mais nos últimos dois meses do ano em função da chegada do Natal, a maior data promocional do calendário. Por conta disso, essa sempre foi uma época de mais trabalho e mais faturamento para as agências de propaganda/comunicação.

O Publicitando ficou curioso para saber se, com todas as mudanças no cenário e no mercado de comunicação mercadológica e com a ainda persistente crise econômica, o final de ano ainda amplia o volume de serviços e o faturamento das agências do Vale do Paraíba.

A expectativa para o Natal é boa. Pesquisa realizada recentemente pelo  CNDL/SPC Brasil aponta que o Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia brasileira este ano. A mesma pesquisa indica que o consumidor tem intenção de comprar entre quatro e cinco presentes e que ticket médio ficará na casa de R$ 116 por item. Em comparação com o ano passado, 27% planejam gastar mais.

Também temos nos últimos anos o crescimento da Black Friday, data “importada” do mercado americano e que, apesar de alguns tropeços, vem se consolidando como uma importante data promocional. Segundo levantamento do Ebit o comércio eletrônico deve faturar R$2,43 bilhões durante a Black Friday de 2018,com alta de 15% na comparação com o ano passado.

O efeito Black Friday se faz sentir mais fortemente nas agências com foco em digita, como explica Eduardo Costa, da Resultage: “na Resultage, por ser uma agência digital, a demanda é um pouco diferenciada. A partir de setembro já se nota claramente um aumento no número de solicitações e demandas especificamente para campanhas de Black Friday, para varejos online e/ou tradicionais, além de empresas de software SaaS”.

Eduardo Costa, da Resultage

Há uma percepção de que a festas de fim de ano não impactam tanto assim o faturamento da agência, como explica Roberto Rezende, da BR012:

“Em termos de faturamento para a agência não houve aumento. Mas percebemos uma maior demanda por campanhas e jobs de nossos clientes se comparado ao mesmo período do ano anterior. Talvez a desaceleração da economia, tão sentida por nós ao longo do ano, em meio a um cenário de incertezas e que deverá levar as vendas do varejo a crescer menos no Natal de 2018 (+2,3%) do que no de 2017 (+3,9%), esteja “obrigando” as empresas a se planejarem e se preparem ainda mais para a época do ano que – ainda é – considerada a mais importante do varejo brasileiro se quiserem manter o mesmo patamar de vendas de anos anteriores”.

Roberto Rezende, da BR012

Ele também destaca a ação da Black Friday nos investimentos de final de ano: “Outro ponto que sempre é bom salientar, é o fato de muitos consumidores aguardarem as promoções da Black Friday para comprar os presentes de Natal. Esse movimento vem causando uma retração nas vendas de Natal desde que a Black Friday foi introduzida no calendário varejista”.

Já Thiago Monteiro Luz da Árvore Propaganda e Marketing, faz uma reflexão um pouco diferente:

“O fim de ano aumenta o volume de trabalhos não só pelas campanhas natalinas, mas também para concluir os planos estratégicos para o próximo ano. Sem dúvida é uma época em que todos os prazos se apertam”.

Thiago Luz, da Árvore

Esse raciocínio guarda semelhança com outros aspectos levantados também por Eduardo, da Resultage. Ele afirma que o volume de trabalho aumenta também em função de festas de final de ano, notadamente para o varejo,de campanhas de vestibular, pós-graduação, etc, para universidades e entidades de ensino e também de campanhas de férias de verão e réveillon para os diversos clientes de turismo da Resultage, sobretudo resorts e destinos nacionais e internacionais. Ele destaca: “Ou seja, segundo semestre bem forte, crescendo mais a cada ano”.

 

A primeira Black Friday Omnichannel

A primeira Black Friday Omnichannel

*Por Maurício Trezub

A Black Friday no Brasil nasceu no canal e-commerce. Devido ao grande sucesso da data, nos últimos anos notamos também uma alta na adoção por parte das lojas físicas. Ao contrário dos consumidores, que já são digitais, o varejo brasileiro está muito atrasado na agenda da transformação digital e tem baixa maturidade nos processos OmniChannel. Por todos estes fatores, somados a grande demanda gerada pela BF, acredito que esta será a primeira Black Friday verdadeiramente omnichannel do Brasil. E o risco é grande…

Então, como planejar uma Black Friday que não vai decepcionar esses clientes?

Em primeiro lugar sugiro focar em dois processos omniChannel. O primeiro é dar a opção ao cliente comprar no site e retirar na loja física (Buy Online, Pick up in Store). O chamado Click and Collect possibilita que as pessoas economizem no frete que, por vezes, pode ser o grande vilão das vendas online. Dependo do seu valor, o preço final pode perder o desconto dado.

Essa estratégia pode gerar não somente a venda pelo e-commerce, mas ainda, quando retirar o pedido, o cliente pode se interessar por outros produtos da loja. Ou seja, é uma boa oportunidade de cross sell e up sell. O desafio aqui é o volume de pedidos gerados para separação por parte das lojas físicas, que tradicionalmente não sabem executar bem este processo. O ideal é que nesta data exista uma equipe treinada e dedicada a fazer a separação dessas compras em um lugar facilmente acessível e sem filas, afinal ninguém que já escolheu e pagou por um produto no ecommerce espera pegar fila na loja física para retirá-lo.

O segundo processo é o “Buy in Store, Ship to Home”, ou gôndola infinita, que acontece quando a loja física vende um produto que não tem em estoque utilizando o armazém do e-commerce ou de outra loja e entrega na casa do cliente. Como o cliente se deslocou até a loja física para fazer a compra, ele espera que os produtos que foram anunciados estejam disponíveis, mas sabemos que durante a Black Friday é muito comum que as melhores ofertas acabem se esgotando rapidamente. Para evitar frustrar a expectativa destes clientes e não perder a venda, este processo omnichannel é uma grande sacada. Não esqueça de rever os incentivos aos vendedores das lojas físicas neste processo.

No final das contas, o real desafio dessa Black Friday será atender um consumidor multicanal, esperando que o preço anunciado seja honrado em todas as frentes, que os produtos estejam disponíveis em todos os canais e que os processos funcionem. Do lado do lojista existe todo um planejamento de entregar essa experiência, sem que haja insatisfação por parte dos consumidores, em um dia que o movimento é absurdamente maior do que um dia normal. Vale a pena analisar o caminho não convencional desse processo, os fluxos de exceção como rupturas de estoque, produtos danificados, trocas e devoluções intra-canais, etc.

Talvez o fator mais crítico a ser considerado com relação a multicanalidade é a integraçãperfeita entre os sistemas de gestão da companhia. Enquanto o e-commerce vendia apenas os produtos segregados de um armazem central o desafio de concorrência era muito menor. Para conseguir atender grandes demandas de fluxos omni é muito importante que o ERP esteja 100% integrado com os sistemas de loja.

O omnichannel é ainda muito novo no Brasil e as empresas que implementaram processos nos últimos 12 meses ainda não tiveram a chance de estressá-los durante uma Black Friday. Será preciso muito treinamento e planejamento para conseguir atingir as expectativas dos clientes!

*Maurício Trezub é diretor de e-commerce da TOTVS

Fonte: RMA Comunicação – Natália Baggio

Agência digital busca diretor de arte

Resultage abre vaga para diretor de arte

Buscando expandir seu time de criação, a Resultage, agência focada em digital, busca diretor de arte digital.

Requisitos:
– Ser ágil e criativo(a);
– Experiência significativa comprovada em agência digital;
– Domínio dos softwares Adobe: Photoshop, Illustrator e InDesign;
– Conhecimento em formatos de mídia online e redes sociais (Posts, Facebook Ads, Instagram Stories, Google Remarketing, etc.);
– Criação de e-mail marketing (RDStation, MailChimp, e-Goi, Exact Target, etc);
– Bom relacionamento interpessoal;
– Facilidade de comunicação.

Diferenciais:
– Conhecimento em Sketch
– Conhecimento em Motion (After Effects);
– Conhecimento em WordPress.

Envie seu currículo com portfolio para negocios@resultage.com
* Currículos sem portfólio não serão analisados

Perfomance é tema de evento

Marketing de Performance é tema central de conferência em São Paulo

Anunciantes, agências e especialistas discutem conceitos e ferramentas e compartilham conhecimento prático e estratégico para este momento de transformação digital nas empresas e na sociedade

No dia 27 de novembro, São Paulo recebe a Conferência Performance 2018. Promovido pelo Digitalks, o evento traz palestras, cases, workshop e Talk Show liderados por 15 palestrantes e executivos do mercado nacional.

O evento faz parte da São Paulo Tech Week 2018. Chegando a sua 4ª edição, a São Paulo Tech Week é o maior festival de inovação do Brasil e tem como objetivo posicionar São Paulo como maior hub de inovação da América Latina. Desde 2015, a cidade é presenteada com iniciativas e eventos que atraem e conectam milhares de talentos, empreendedores e investidores, promovendo oportunidades de negócios na cidade para empresários e investidores internacionais. Acesse www.saopaulotechweek.com e saiba mais.

De acordo com Gabriela Manzini, Head de Conteúdo do Digitalks, esta edição da Conferência Performance pretende aprofundar os assuntos que ajudam na conversão para as marcas. Serão abordados temas como Data-Science, Marketing Preditivo e o conjunto entre Mídia Programática, Mobile, Social e Vídeo. “A criatividade na hora de repensar campanhas também entra como uma importante tendência de marketing, em paralelo à estratégia data-centric, para não deixarmos de lado em 2019”, completa Gabriela.

Entre os destaques do evento está o Talk Show com o tema Como uma cultura de Ciência de Dados vai aumentar a performance do seu negócio, que acontece às 9h30, e terá a participação de André Martins, da AMARO, e Sérgio Alexandre, da PwC. O objetivo do quadro é mostrar como a cultura de dados e estratégias de data-driven tem aumentado a performance de campanhas e do negócio como um todo.

Para falar sobre O mercado nos dias de hoje: como vender em 2019? será apresentada a pesquisa sobre como o consumidor compra online, quais as principais estratégias utilizadas pelos times de performance, o que precisa ser reciclado e o que surge como oportunidade. A pesquisa é exclusivamente encomendada pelo Digitalks para o mercado e apresentada por Felipe Schepers, da Opinion Box, e o painel tem ainda a participação de Daniel Galvão, da CRP Mango, Ronnie Magalhães, da Wix, Tais Rui, da Infracommerce, e um executivo da Dafiti, a confirmar presença.

O case Marketing Preditivo: o próximo passo do Performance Marketing trará a Rappi com a Jampp mostrando que, em um mundo cada vez mais digital, o branding e a performance precisam andar juntos, especialmente no mobile. O case envolveu pontos como mídia, marca, storytelling e conversão para a marca.

Às 15h, é a vez do workshop Os pilares para estratégias de performance na nova realidade digital, que abordará como compras omnichannels, novas tecnologias e expectativas do consumidor elevadas estão levando profissionais do varejo a capitalizar em temporadas de vendas, como Black Friday, Natal e Dia das Mães, por exemplo. O quadro contará com Simone Sancho, da Sephora, e mais uma executiva dizendo um pouco mais como trabalham suas estratégias de performance dentro da marca.

Por fim, o fast track especial com Rodrigo Onias, da Jequiti e Baú da Felicidade (SBT) abordará o tema Quando sair da caixinha define novas formas da marca performar positivamente com o público-alvo. Podendo ser complementado ainda por mais outras ações de performance que confirmam o tema e inovações do último ano na Jequiti também em outras áreas.

A Conferência Performance 2018 acontece no Developer Hub (sede do Digitalks), que fica na Rua Oscar Freire, 2.379, Pinheiros, das 9h às 18h, reúne palestras e talk shows com mais de 15 palestrantes e Happy Hour de negócios. As vagas são limitadas para o melhor aproveitamento. A inscrição deve ser feita no site da Digitalks, através do link https://digitalks.com.br/eventos/conferencia-performance2018/. Mais informações através do e-mail forum@digitalks.com.br ou do telefone (11) 3159-1458.

Serviço – Conferência Performance 2018

Data: 27 de novembro (terça-feira)

Horário: das 9h às 18h (conteúdo e happy hour de negócios)

Local: Developer Hub (sede do Digitalks) – Rua Oscar Freire, 2.379, Pinheiros

Investimento: R$ 397,00 (lote final)

N˚ vagas: 150 lugares (vagas limitadas para melhor aproveitamento)

Inscrições: https://digitalks.com.br/eventos/conferencia-performance2018/

Informações: forum@digitalks.com.br ou (11) 3159-1458

Vaga de comunicação

Parque tecnológico abre vaga

O Parque Tecnológico de SJCampos (PqTec) abre vaga para comunicação social.

É desejável superior completo em comunicação ou cursando último ano. Veja abaixo detalhes da vaga:

Escolha as melhores hashtags

Como acertar na hora de usar hashtags?

Dicas para escolher uma hashtag estratégica e que traga mais engajamento e seguidores para a sua marca

Por Marina dos Anjos, Gerente de Marketing da Scup

As hashtags não nasceram nessa década, mas nunca foram tão populares quanto hoje em dia. Afinal, quem nunca postou um #tbt na quinta-feira ou um #tb nos outros dias da semana no Instagram? O uso desse símbolo se estendeu às empresas e hoje faz parte da estratégia de marketing das marcas: 88% dos grandes nomes presentes na rede social usa pelo menos uma hashtag em seus posts.

As hashtags funcionam como uma espécie de marcador, indicando sobre o que são as postagens. Elas são tão usadas no Instagram e nas redes sociais no geral porque permitem que algo muito específico seja encontrado pelos usuários e, por outro lado, faz com que tudo possa ser descoberto. Por esse motivo elas engajam e trazem novos seguidores, e por isso as empresas adoram. No Instagram, posts com hashtags têm um engajamento 12,6% maior do que aqueles desacompanhados dos famosos símbolos.

Existem várias maneiras de utilizá-las: postar no final da legenda, escondê-las com pontinhos, postar nos comentários, postar hashtags com emojis e por aí vai. Isso nos leva à pergunta: existe uma ciência para as hashtags? A resposta é: não, não existe, mas algumas performam melhor do que outras.

Não importa se elas estão na legenda ou nos comentários, o importante é que estejam lá. A lógica é bem simples: como elas são símbolos usados para categorizar ou resumir uma postagem de acordo com seu assunto principal, é necessário que façam o mínimo de sentido. Para ajudar na tarefa de escolher a melhor hashtag para o seu post, indico abaixo quatro dicas para considerar na hora de definir a melhor estratégia.

Não aposte em hashtags aleatórias só porque elas têm grande alcance
Uma hashtag boa é aquela relacionada a sua marca. É verdade que praticamente todo mundo pode usar #picoftheday ou #tbt porque são hashtags amplas e englobam a maioria dos assuntos. Se o seu negócio é sobre arte com frutas, porém, é necessário que as hashtags postadas tenham minimamente a ver com o produto. Só assim você irá atrair as pessoas que realmente importam para a sua marca.

Pense em quais categorias você quer que o seu post apareça e escolha uma hashtag que descreva o seu negócio, o propósito do seu perfil, seu público alvo e até mesmo sua localização.

Hashtags boas são relevantes para o público
Uma hashtag que funciona não é só aquela que tem relação com seu produto ou serviço, ela precisa interessar a quem mais importa: os usuários. Ao usar as que são realmente relevantes para o público do seu negócio, as chances de alguém entrar em contato com suas postagens e seguir o seu perfil aumentam, principalmente desde que o Instagram permitiu que os usuários seguissem não somente @, mas também hashtags.

Para descobrir quais são relevantes para o seu negócio, faça uma pesquisa. Veja o que as pessoas influentes do seu ramo, concorrentes e seguidores estão utilizando. Uma boa dica é pesquisar as palavras-chave para sua empresa e ver as hashtags relacionadas que aparecem.

Hashtags boas são específicas
Melhor do que ser vista, é ser vista pelas pessoas certas. Sua empresa precisa não só de seguidores, mas de usuários que sejam possíveis clientes, e as hashtags podem ser uma ótima maneira de chegar até eles. Para isso é necessário usar aquelas mais específicas. Elas trarão usuários que passam tempo curtindo e comentando as fotos que as acompanham.

Se você tem uma cafeteria, por exemplo, é mais interessante usar #pingado do que simplesmente #café. A primeira opção atrairá menos pessoas, é verdade, mas elas serão uma comunidade nichada muito mais engajadas e, afinal, é isso que interessa. Quanto mais específica a hashtag, maior a chance de construir relacionamentos com os usuários.

Um bom caminho é usar hashtags que tem a ver com seu bairro, assim fica fácil para alguém encontrar o seu negócio por meio da localização.

Varie as opções
É possível usar várias hashtags a cada postagem, mas é importante variar as opções. Se você conseguir encontrar 30 escolhas relevantes, vá em frente. A resposta para a pergunta “devo usá-las?” é sempre sim, mas não saia adicionando # se elas não forem úteis para você, ou pior, para os usuários.

Sobre Marina dos Anjos

Marina dos Anjos é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e possui MBA em Marketing e Vendas. Trabalha com comunicação corporativa desde 2009, tendo passado por agências de comunicação e atendido startups e empresas como BIC, boo-box (já vendida) e Scup (antes de passar a integrar a equipe da empresa). Na Scup desde 2014, foi head de conteúdo e atualmente gerencia o marketing da plataforma.

Fonte: Motim.cc – Bruno Lino