Coluna Propaganda&Arte

Oi, sumido! O e-mail marketing ainda é forte?

O e-mail ou correio eletrônico é quase como um avô das comunicações pela internet, porém, ele pode ser aquele avô bem descoladão, sabe? Afinal, temos tecnologia e maior compreensão de comportamento que antes. Vejam algumas estratégias para manter a força do e-mail marketing nos dias de hoje.

Faça e-mails com personalização

Quem não gosta de ser chamado pelo nome, de receber informações e ofertas personalizadas para seus gostos? Isso segue no ambiente do e-mail. Agora o desafio é fazer as automações, que colocam nosso nome em tudo, assim como outras informações preenchendo campos automaticamente, não soarem mecânicas demais. Essa bucha eu deixo para os copy que precisam buscar humanização acima de tudo.

Crie chamadas impactantes (e verdadeiras)

Não crie aqueles títulos de assunto de e-mail forçados só para conseguir clique e abertura de e-mail, fica evidente a sua estratégia e com o tempo cansa o público. Mesmo assim, podemos abordar algum tema de formas diferentes, gerando alguma urgência, por exemplo. Sexy sem sem vulgar!

Faça o uso de textos como principal formato (teste algumas imagens)

Quem faz e-mails todos em formato imagem corre um sério risco de não ser visto, pois em algumas plataformas as imagens podem não abrir automaticamente, deixando toda sua criatividade e inteligência em segundo plano. Quem não abrir ou não liberar a visualização não irá saber da sua oferta incrível. Mescle e teste os elementos, foto, texto, links etc.

Crie um relacionamento e segmentação de perfis

Não dispare e-mails sem direção ou sem uma régua de conteúdo. Algumas ferramentas oferecem automações simples que você poderá criar com uma sequência de interesse e de evolução do relacionamento, ao invés de oferecer um produto genérico para todas as pessoas do mailing. Compreender que cada cliente é único, mas que ele pode estar em fases parecidas é um primeiro passo para segmentações mais inteligentes e para maiores taxas de conversão.

Entregue conteúdo e ofertas de valor

Não adianta encher linguiça. Busque conteúdos, dicas e ofertas que façam a pessoa se sentir atendida, mesmo que ela não queira naquele momento comprar. Ao ter acesso ao seu e-mail, criamos uma lembrança, geramos interesse e abrimos portas para algo realmente relevante.

Isso sim é olhar para o vovô e-mail com carinho, e ainda mais, para seus clientes que podem vir de indicações dele. Esse cara tem história e tem respeito, viu?

Agência tem vaga para profissional de Growth

Vaga para Growth Hacker Pleno aqui na Papaya

O que a agência espera de você:

1. Área e especialização profissional: Marketing, TI e áreas correlatas.
2. Experiência em construção de campanhas e testes A / B de campanhas de Facebook Ads, Google Ads e LinkedIn Ads e análise de dados;
3. Ser fuçado. Entender e aprofundar os aprendizados de cada ferramenta (Gerenciador de Anúncios, Google Ads, Analytics e etc), vivenciando a rotina de growth.
4. Dimensionar e automatizar os processos de crescimento;
5. Gerenciar relacionamentos com desenvolvedores das soluções e equipes de marketing para implementar adequadamente as melhores práticas de SEO em codificação e campanhas;
6. Implementação de tags via Google Tag Manager, configuração de pixel, metas, eventos, públicos no Google Analytics e plataformas de mídia;
7. Criar relatórios e mecanismos para monitorar a performance das diferentes iniciativas, com a documentação e o compartilhamento dos principais aprendizados, resultados e boas práticas para o cliente, o time de Marketing e outras áreas da Papaya;
8. Dominar a configuração, disparo e acompanhamento de campanhas de e-mail marketing.

Envie seu currículo para talentos@papayacomunicacao.com.br com a sua pretensão salarial de MEI e disponibilidade.

Agência quer contratar um Growth Hacker Jr.

Vaga para Growth Hacker Jr.

1. Área e especialização profissional: Marketing, TI e áreas correlatas.
2. Experiência em construção de campanhas e testes A / B de campanhas de Facebook Ads, Google Ads e LinkedIn Ads e análise de dados;
3. Ser fuçado. Entender e aprofundar os aprendizados de cada ferramenta (Gerenciador de Anúncios, Google Ads, Analytics e etc), vivenciando a rotina de growth.
4. Dimensionar e automatizar os processos de crescimento;
5. Dominar técnicas, configuração e aplicação de SEO;
6. Ter conhecimento de ferramentas de acompanhamento de resultados (Analytics, etc.);
7. Criar relatórios e mecanismos para monitorar a performance das diferentes iniciativas, com a documentação e o compartilhamento dos principais aprendizados, resultados e boas práticas para o cliente, o time de Marketing e outras áreas da Papaya;
8. Dominar a configuração, disparo e acompanhamento de campanhas de e-mail marketing;

Envie seu currículo para talentos@papayacomunicacao.com.br com a sua pretensão salarial de MEI e disponibilidade.

Sua empresa sabe nutrir seus leads?

Será que as empresas que fazem marketing digital sabem alimentar seus potenciais clientes com conteúdo suficiente para que eles tomem a decisão de compra?

O seu potencial cliente está lá navegando pela sua rede social numa tarde de domingo pesquisando sobre você. Ele entra no seu site em busca de conteúdo, procura um e-mail de contato, mas não acha. Te procura no Instagram e observa que você não faz posts com frequência, não tem muitos seguidores e muito menos engajamento. Te procura no Facebook e também não acha nada a seu respeito. Então, ele conclui: Essa marca não é suficientemente confiável, e parte para o concorrente, pois em um clique ele já está em outra empresa e você perdeu a venda.

Por tudo isso, a nutrição do seu lead é essencial quando se fala em marketing digital. Mas o que significa exatamente nutrir um lead e, mais importante do que isso, como atrair o lead para a sua empresa?

Vamos lá: O primeiro ponto que você precisa entender é que o processo de atrair um lead é realizado através do marketing de conteúdo pelas redes sociais e ele vem antes da nutrição.

Segundo a consultora em marketing digital, Flávia Valentim, diretora de uma das agências mais bem-conceituadas do Vale do Paraíba no segmento, a Vínculo, as empresas buscam atrair seus leads criando autoridade através da geração de conteúdo pelas redes sociais, por meio de um site robusto, blogs, etc. E do outro lado da tela, os consumidores fazem pesquisa sobre produtos, serviços e marcas na internet, e só se tornam leads após acessar determinado site e preencher um formulário de interesse no conteúdo que a empresa está oferecendo.

“A partir do momento que o cliente deixa os dados dele dentro de um sistema de automação através de um formulário, ele passa a receber e-mails, isso é um fluxo de nutrição”, explica a especialista em Automação de Marketing e Funil de Vendas, Flávia Valentim.

Depois que esse e-mail cai na base do funil, cabe a empresa nutrir esse lead de conteúdos elaborados, que serão enviados a esse potencial cliente através de um fluxo de e-mails até que ele seja convencido a adquirir a compra e se torne um cliente de fato.

Assim, a consultora em marketing digital explica que, nutrir um lead nada mais é do que alimentar o seu potencial cliente, o consumidor e internauta, com informações sobre a empresa com conteúdo elaborado voltado para a persona.

“Nutrir um lead significa manter um relacionamento e ajudar um potencial cliente no processo de decisão de compra, mesmo que ele ainda não esteja pronto. Essa nutrição é feita com o marketing de conteúdo através de e-books, e-mail marketing, tutoriais, podcasts, webinar, etc”, destaca Flávia.

A especialista explica, que todo esse processo de nutrição é desenvolvido dentro de uma estratégia de marketing digital, que visa transformar a empresa numa máquina de vendas, e isso se dá através do trabalho de uma agência especializada em inbound marketing e um software de automação de mkt, onde é possível criar campanhas e fluxos de nutrição visando a automação e o processo recorrente.

“É importante ressaltar, entretanto, que tudo isso não faz sentido sem uma agência especializada por trás operando o sistema, pois os robôs trabalham de forma automática, porém, o software só funciona se existirem profissionais operando o sistema. Assim, os esforços do time de marketing com relação ao tratamento dos leads passam a ser recorrentes, e o resultado em vendas tende a ser crescente”, destaca.

Fonte: Máquina Assessoria de Imprensa – Aline César