Startup valeparaibana que fornece solução de e-mail marketing tem grande crescimento

Startup Emanda cresce 200% em 2022 com solução que moderniza a gestão de relacionamento com cliente

Plataforma usa automação robótica para criar campanhas de e-mail marketing e enviá-las automaticamente para o público certo, poupando tempo e gerando vendas

Conquistar e fidelizar clientes é o grande desafio das lojas virtuais. Mas com a ajuda da tecnologia, um grupo que aumenta a cada dia, atualmente em 260 empresas, está conseguindo passar sua mensagem de forma rápida e certeira.

A responsável pela proeza é a plataforma desenvolvida pela startup Emanda, de São José dos Campos (SP), que facilita o CRM (Customer Relationship Management) e o engajamento dos clientes.

Iuri Moura, CEO da Emanda

“Em menos de 10 minutos, o lojista conecta seu e-commerce à Emanda e se torna especialista em CRM. É uma das soluções mais baratas de e-mail marketing do país”, explica o CEO/CTO da Emanda, Iuri Moura.

Programador autodidata e com bagagem de dez anos no varejo – atuando como gerente de e-commerce, de marketing e de CRM –, o empreendedor comanda uma startup em franco crescimento, que tinha três clientes em 2018 e hoje conta com essa carteira de 260 parceiros, responsáveis pelo envio de mais de 2 milhões de e-mails por mês.

Mas se engana quem pensa que são 2 milhões de mensagens aleatórias, que enchem as caixas de entrada dos e-mails – são campanhas personalizadas, que chegam para o público ideal, no tempo ideal.

Como funciona a Emanda

Em três passos simples, o usuário da Emanda já começa a aproveitar as vantagens da plataforma. Ao fazer o cadastro, a integração com a base de clientes da loja é automática.

Em seguida, ele escolha o tipo de campanha, que é criada imediatamente pela Emanda – com texto, layout e segmentação de clientes –, mas também pode ser personalizada pelo cliente.

Com um investimento acessível, a partir de R$ 59,99, podem ser enviados de 2.000 a 200.000 e-mails por mês, dependendo da base de clientes e da estratégia da empresa – a maioria dos clientes conta com uma base de pelo menos 30 mil leads.

Campanhas de produtos (com promoções, newsletters automáticas e manuais), de recuperação de vendas (com lembretes de carrinhos abandonados, lembrete de PIX não efetuado, aviso de vencimento de boleto) e de relacionamento (cupom de desconto de boas-vindas, de aniversário e para clientes inativos) possibilitam um relacionamento ativo.

A partir daí, os relatórios mostram em tempo real métricas como taxa de abertura e conversão. Clientes como a Inndax (moda feminina), conseguem um ROI (Retorno Sobre Investimento) médio de 120, muito acima da média.

A startup disponibiliza um período de 15 dias de teste grátis, no qual podem ser enviados até 2.000 e-mails.

“Outro ponto importante para nós é o atendimento. Estamos sempre abertos a sugestões e disponíveis para solucionar dúvidas. Esse contato com os clientes nos permite aprimorar a plataforma e pensar em novas soluções”, diz o CEO.

Crescimento e perspectivas

Fruto de uma trajetória de muita pesquisa, desenvolvimento e experimentação, a Emanda foi graduada pelo Nexus – Hub de Inovação, do Parque Tecnológico de São José dos Campos, onde permaneceu incubada por dois anos, e pelo programa Startup São Paulo, do Sebrae.

Neste ano, a Emanda foi selecionada como a primeira plataforma de e-mail marketing autorizada pelo Mercado Shops. O faturamento quadruplicou e, após crescer 200% de 2021 para 2022, a expectativa é de um aumento de 60% na carteira até o fim do ano.

A estratégia para crescer envolve a contratação de uma empresa de escalabilidade para startups, criação de conteúdo de marketing digital, investimento em mídia, parceria com canais de cursos de lojas virtuais e participação em eventos do nicho.

Fonte: CABANA – Suzane Rodrigues

Vendas online crescem 28% no Brasil

Vendas online crescem 28% no Brasil, e possuem expectativa de dobrar, chegando até R$465 bilhões

Com um crescimento médio nas vendas online de 20% ao ano, Brasil lidera o ranking mundial

Os números de vendas online no Brasil, não param de surpreender positivamente.

Em 2020, as vendas online cresceram 34,76% no Brasil. Em 2021, o crescimento ainda foi forte, em 28,45%. A expectativa é que em 2022 e nos próximos anos, o crescimento fique em 20% ao ano, e que em 2025 o volume de vendas já chegue em até impressionantes R$465 bilhões de reais.

 

É o que revela um estudo divulgado pela plataforma de descontos CupomValido.com.br, com dados da Statista sobre as vendas no e-commerce no Brasil.

A taxa de crescimento anual de 20%, é a maior dentre todos os países, e quase duas vezes maior que a média mundial (11,3%).

O crescimento de compras online no Brasil é alto, pois o índice de penetração (porcentagem das pessoas que realizam compras online cotidianamente) ainda é baixo. No Brasil, apenas 49% das pessoas realizaram uma compra online nos últimos 12 meses. Apenas como comparação, no Reino Unido (país líder neste fator), o índice de penetração é de 84%.

Com relação aos compradores online, em 2021 o número era de 114 milhões. Em 2022 a projeção é de 123 milhões. E em 2025, o número é de 138 milhões – um crescimento de mais de 12%.

Preferência entre os brasileiros

Os vestuários são os produtos mais comprados online pelos brasileiros. Em segundo lugar ficam os eletrônicos, como TVs, smartphones e notebooks. Os calçados ficam na terceira posição. Em seguida, entre os mais vendidos, ficam os acessórios, produtos de farmácia e comida.

A maneira preferida dos brasileiros realizarem as compras online, é via Smartphone, seguido pelo Notebook e Computador (PC). O Tablet e Smart TV, ficam quarta e quinta posição, respectivamente.

Segundo a pesquisa, os 3 principais fatores que os brasileiros consideram como vantagens da comprar online, são: a entrega diretamente na residência, promoções com preços menores que as lojas físicas, e a grande variedade de produtos ofertados.

Em contrapartida, os 3 principais fatores negativos, são: a dificuldade em realizar troca, a demora no tempo de envio e não ter a possiblidade de contato prévio com o produto.

Brasil é 1º no ranking mundial de crescimento das compras online

Com uma taxa de crescimento de 20,73% ao ano, país possui um crescimento quase 2x maior que a média mundial

Com a pandemia e as lojas físicas fechadas, as vendas online cresceram significativamente em todos os países do mundo.

A grande surpresa, é que especialmente no Brasil, o aumento foi ainda mais significativo. O país que lidera o ranking de crescimento das vendas online, com 22,2% no ano de 2022, e um crescimento estimado de 20,73% ao ano, entre 2022 e 2025.

É o que revela um estudo divulgado pela CupomValido.com.br, plataforma de cupons de descontos online, com dados da Statista sobre as vendas no e-commerce.

De acordo com o estudo, o Brasil possui uma expectativa de crescimento quase duas vezes maior que a média mundial (11,35%), e acima até de países como o Japão (14,7%), o Estados Unidos (14,55%) e a França (11,68%).

Por que o e-commerce no Brasil cresce tanto?

Dois fatores foram cruciais para influenciar o forte crescimento das vendas online no Brasil.

A pandemia é um dos primeiros fatores, pois com as lojas físicas fechadas, fez com que diversos brasileiros passassem a realizar sua primeira compra online. Ao encontrar facilidade na compra, métodos de pagamento instantâneos (como o PIX), e entregas rápidas (diversas lojas com entregas em 1 dia útil), muitos deles se tornaram consumidores recorrentes.

Um segundo fator, é que o índice de penetração de compras online, ainda é relativamente baixo no Brasil.

Segundo a pesquisa, no Reino Unido, 84% das pessoas realizaram pelo menos uma compra nos últimos 12 meses. Nos Estados Unidos e no Japão, em ambos os países a taxa foi de 77%. E na Alemanha, foi de 74%.

Como boa parte da população, principalmente destes países desenvolvidos, já realiza frequentemente compras online, a taxa de crescimento em potencial tende a ser menor nos próximos anos.

Em contrapartida, no caso do Brasil, apenas 49% da população realizou ao menos uma compra online no último ano. Isto explica o potencial significativo de crescimento que o Brasil ainda possui, ao comparar com os outros países.

Fonte: Statista, CupomValido.com.br

Mercado global de automação de marketing deve crescer 14,2% em 2022

Estudo revela que, em média, 56% das empresas estão usando automação de marketing, enquanto 40% das companhias B2B planejam adotar a tecnologia

Após o acelerado crescimento, sobretudo dos últimos quatro anos, o mercado global de automação de marketing segue em expansão. Segundo dados do “Marketing Automation Global Market Report 2022”, a expectativa é uma taxa de crescimento de 14,2%, o que corresponde a US$ 5,84 bilhões, neste ano. Especialistas envolvidos no assunto estimam que até 2026 o mercado global de automação de marketing chegue aos US$ 9,36 bilhões.

Atualmente cerca de 56% das empresas em todo o mundo estão usando a tecnologia em suas comunicações, de acordo com um estudo realizado pela consultoria Emailmonday. No universo das marcas B2B, 40% das companhias planejam adotar a automação de marketing.

Segundo Marcelo Caruana, Head de Marketing da E-goi – plataforma de automação de marketing – o crescimento e a intensificação desse uso são reflexos dos benefícios que as empresas obtêm ao automatizar a comunicação com seus atuais e potenciais clientes. “A automação pode economizar muito tempo dos profissionais de marketing, principalmente ao acompanhar as leads pelo funil de vendas até a conversão. A automação, associada à análise de dados, permite ainda obter insights completos sobre os clientes, para enviar a oferta certa no momento certo e nutrir seus consumidores”, explica.

De acordo com o Head de Marketing, a automação pode ser aplicada a diversos canais de comunicação entre marca e cliente. “O email marketing é o canal mais comum na automação de marketing, mas outras ferramentas como webpush, SMS, e redes sociais podem fazer parte desse fluxo. É possível ainda integrar a plataforma de automação com outros softwares, para oferecer uma experiência ainda mais completa, como um Customer Relationship Management (CRM) e um Customer Data Platform (CDP)”, conclui.

Fonte: E-goi – Caroline Deina