APPCast, podcast da APP Brasil, chega à centésima edição

Enciclopédia em áudio dos profissionais de propaganda aborda os principais temas do mercado de Comunicação

O APPCast, podcast da APP Brasil (Associação dos Profissionais de Propaganda) chega à sua centésima edição. Para celebrar, o episódio será realizado em transmissão ao vivo no dia 10 de agosto, às 10 horas, no canal do youtube da APP Brasil.

A edição número 100, com o tema “Propaganda, substantivo feminino” conta com as convidadas Luciana Rodrigues, Presidente da Grey Brasil, Juliana Nascimento, Vice-Presidente do GAN e Managing Director da FCB, Rejane Romano, Diretora de Comunicação da DPZ e Rafaela Queiroz, Vice-Presidente de Mídia e Business Intelligence da DPZ. A apresentação fica por conta dos diretores da APP Brasil, Alexandre Luppi, Adão Casares, Mari Cruz, Marta Gucciardi e do presidente Silvio Soledade.

Há dois anos, o APPCast foi criado e lança um novo episódio a cada semana. O projeto foi idealizado e iniciado por Silvio Soledade, presidente da APP Brasil, Alexandre Luppi e Adão Casares, diretores de Comunicação da APP Brasil, e José Maurício Pires Alves, diretor Cultural da APP Brasil. A ideia nasceu de uma provocação em um Fórum APP, realizado em novembro de 2019, com o tema “Rádio Multiplataforma”. O conteúdo do Fórum foi transformado em um podcast, inspirando a criação do APPCast para 2020.

“O projeto foi super aceito pelo mercado, tanto pela qualidade do conteúdo quanto pelo engajamento e disponibilidade dos convidados. Desde então gravamos semanalmente episódios com temas de interesse do mercado e dos profissionais”, relata Silvio Soledade. Criado para ampliar a comunicação da APP Brasil com o mercado publicitário, o APPCast juntou “a fome com a vontade de comer”. Segundo José Maurício, o podcast “foi o aproveitamento de uma oportunidade para inovarmos na relação com nossos associados e com o mercado como um todo”.

Ponte entre a academia e o mercado publicitário, a APP Brasil promove eventos e compartilha conteúdos importantes para profissionais novos e experientes, com o compromisso de difundir a diversidade e os desafios e oportunidades da publicidade. “O APPCast vem dessa necessidade de aproximarmos do mercado, dando voz para mulheres, ao público LGBTQIAP+ e a diversidade no geral”, explica Alexandre Luppi.

Adão Casares diz que o podcast é como uma enciclopédia ou uma barsa, pois é uma possibilidade de consulta sobre diversos assuntos que rodeiam o mundo da comunicação. “Nossos entrevistados são especialistas, têm conteúdo, experiência e nome. Temos a editoria Carreiras, que é uma benção para os mais jovens”. José Maurício afirma que “o APPCast se tornou o caminho prático e objetivo para debatermos o momento atual e o futuro”.

O APPCast cumpre o papel da APP de conectar, capacitar e desenvolver todos que atuam na indústria publicitária. “O formato áudio é mais um ponto de contato com a nossa audiência e dos profissionais que participam deste mercado. O podcast é um formato que veio para ficar, pela sua facilidade de produção e pela possibilidade de amplificar rapidamente sua penetração no ambiente digital”, completa Silvio Soledade.

Durante os dois anos que esteve no ar, o APPCast abordou temas como etarismo, orgulho LGBTQIAP+, gestão financeira, sustentabilidade, economia, brasilidade e muitos outros. O podcast está disponível no site da APP Brasil .

Fonte: Agência ERA de Comunicação e Conteúdo – Mariana Cruz

Brasil é o 3º pais que mais consome podcast no mundo

País tem mais de 30 milhões de ouvintes e ultrapassa até os Estados Unidos

O podcast é o formato de conteúdo que cada vez mais tem ganhado participação de mercado global. A praticidade e a característica de se poder ouvir em qualquer situação, são vantagens que atrai cada vez mais público.

Os brasileiros também têm aderido cada vez mais o uso do podcast no dia a dia. Atualmente o Brasil é terceiro país que mais consome podcast no mundo. O país só fica atrás da Suécia e Irlanda, primeiro e segundo colocado, respectivamente.

É o que revela um estudo realizado pela plataforma CupomValido.com.br com dados da Statista e IBOPE sobre o consumo de podcast.

No Brasil são mais e 30 milhões de ouvintes, e mais de 40% dos brasileiros escutaram podcast pelo menos uma vez nos últimos 12 meses. Só como comparação, a Suécia (primeiro no ranking), possui uma taxa de de somente 7% acima do Brasil – 47% no total.

Podcast no mundo

No ranking mundial, o Brasil fica na frente de até países como os Estados Unidos e o Reino Unido – com 34% e 31%, respectivamente.

Na América Latina, o México e o Chile são dois países que também se destacam com percentuais entre 30% e 39%.

Na ponta oposta, os países que menos escutam podcasts são: Japão, Taiwan, Malásia e Paquistão – com aproximadamente 5%.

Com relação às plataformas para escutar podcast, o Spotifty segue na liderança com 25% da participação de mercado. O Apple Podcasts fica em segunda posição com 20%. E por fim o Google Podcasts fica em terceira colocação com 16%.

Ao se levar em consideração todos os podcasts a nível mundial, o podcast The Joe Rogan Experience (do apresentador Joe Rogan) fica em primeira posição, seguido pelo Call Her Daddy em segundo colocado, e o Crime Junkie em terceiro.

Os preferidos dos brasileiros

O Horóscopo Hoje, que conta diariamente sobre previsões dos signos, foi podcast mais ouvido do Brasil no último ano. Em segundo lugar ficou o podcast Mano a Mano, um podcast de entrevistas do Mano Brown. Os podcasts: Flow, Primocast e Café da Manhã, ficaram na 3ª, 4ª e 5ª colocação, respectivamente.

A grande maioria dos ouvintes de podcast, consomem o conteúdo em paralelo com outras atividades, como em tarefas domésticas, ao navegar com a internet e enquanto trabalham/estudam.

Com relação ao formato de conteúdo, os brasileiros preferem as entrevistas com convidados, com 55% da preferência. A narrativa de histórias reais e mesa redonda, seguem em segunda e terceira posição.

Fonte: Statista, CupomValido.com.br, IBOPE

Confira o infográfico completo:

Coluna Propaganda&Arte

Quando o shampoo cai no olho (e o boom dos podcasts)

Quantas pessoas hoje escutam podcasts? Considerando que, você que nos lê, tenha entre 25 e 31 anos e que existem hoje mais de 2 mil podcasts em atividade, segundo a AbPod, as expectativas dizem que você deve ter ouvido ao menos um episódio de algum podcast e alguns dos leitores devem acompanhar vários podcasts com regularidade até durante um banho (parece incrível, hein?). Isso só confirma uma grande transformação que estamos passando que não podemos fechar os olhos (ou os ouvidos), mesmo com shampoo nos olhos.

Eu já tive um podcast e foi incrível

Entre os anos de 2006 e 2010, eu fiz estágio na Rádio da Unitau, universidade onde me formei em Publicidade e Propaganda aqui em Taubaté. Para mim, um jovem extremamente aberto a novidades, entrar em uma rádio parecia um retrocesso ainda mais com o boom da internet, a audiência da TV e outras mídias fortes. Eu realmente tinha preconceito com o rádio e sim, eu “errei feio, errei rude”, no meu julgamento. O formato do áudio está mais vivo do que nunca e os podcasts provam isso hoje. Claro, com uma roupagem atual, novas formas de atração e abordagem, mas ainda assim, é um belo programa de rádio de entrevistas, assim como eu tinha há muitos anos atrás.

Como já passei por essa experiência, posso dizer, é o emprego dos sonhos: você conhece várias pessoas legais, cumpre uma função social e se desenvolve como pessoa. Foi exatamente isso que aconteceu comigo e provavelmente é o que acontece com quem faz podcasts hoje. Arrisco dizer que será o próximo emprego dos sonhos para novas gerações, competindo fortemente com o sonho de ser youtuber ou gamer.

O que explica o sucesso dos podcasts?

Eu tenho meus palpites para este barulho todo (desculpe o trocadilho). O formato foi impulsionado principalmente por podcasts como Flow e Podpah, que creio sejam os maiores hoje com canais no Youtube (ainda mais se somar seus canais não oficiais). Posso elencar 4 pontos essenciais que explicam esse sucesso:

1- É de fácil consumo. Eles são essencialmente uma evolução do rádio e podem ser consumidos em qualquer local (no banho, por exemplo, como falei a pouco, mas ainda não vou falar do shampoo no olho, espera um pouco, tá?).

2- Eles contam histórias que nos satisfazem. Assim, podemos conhecer a fundo pessoas incríveis com pontos de vistas diferentes ou escutar temas surpreendentes que nos interessam de forma mais intensa. Rola muita verdade nos papos e nós adoramos ouvir histórias verdadeiras que nos inspiram. Essa é a essência de muitas propagandas, inclusive, já que somos seres ancestralmente ligados a um storytelling.

3- Existem em novos formatos e mídias. Eles não ficam só no produto básico de áudio. Existem derivados dos programas que podem ser consumidos rapidamente. Temos os vídeos das entrevistas, temos apenas os áudios dos podcasts em aplicativos, temos os vídeos em “cortes” que são trechos editados com alguns pontos-chave mais interessantes ou polêmicos e temos formatos em outros distribuidores que não são oficiais: Youtube, Tiktok, WhatsApp etc. São vários produtos que são derivados de apenas um programa (em alguns casos sem autorização), gerando pílulas que são consumidas e podem nos levar para o podcast completo em si ou funciona como uma forma de reforçar a marca e alcançar novos ouvintes. Por isso, a vista grossa de muitos podcasters para esse tipo de “pirataria”.

4- Eles são a onda do momento. Sempre tem uma nova moda. E falo isso de forma não pejorativa. Acho que os podcasts são ótimas formas de divulgar informação, não tenho nada contra, até já disse que adorei no meu estágio entrevistar as bandas da região na Rádio da Unitau, mas o ponto é que tudo que gera buzz tem uma força maior de indicação, endosso, compartilhamento e propagação no começo. E, como toda onda, tende a cair e estabilizar, algo que é natural no mundo digital. Aqui vale uma previsão: só vão sobreviver os podcasts comprometidos, com bons conteúdos e audiência fiel, talvez aqueles mais nichados, mas ainda sim, terá muita força. (Suposição!)

“Ah, Ricardo. Nunca ouvi um podcast, não me identifico com eles.”

Eu entendo. Nem todo formato agrada a todos. Tem gente que não gosta de séries, prefere filmes, pois as histórias têm começo, meio e fim e não se estendem por mil temporadas. Tem gente que não escuta nenhum tipo de rádio, nem no carro, nem na internet. Já conheci pessoas que acessam a internet para conseguir ouvir rádios da Finlândia, Noruega, Japão e entender o que a galera tá escutando por lá, simplesmente para ampliar a “visão” musical.

O que eu quero propor então para você que nunca testou o formato é que escolha um podcast que gere algum tipo de interesse a você, pelo tema, pelo entrevistado, por qualquer detalhe e se dê esse tempo. A melhor forma de experimentar algo novo é se propor ao diferente, ousar, sair da zona de conforto e se colocar no lugar do outro. Já pensou o que viveu aquela personalidade que você tem tanto repulsa? Será que escutar uma entrevista com ela pode fazer você mudar de ideia sobre sua impressão negativa? Será que escutar outras pessoas que você não gosta, como na sua família, ainda mais nesse período de festas natalinas, não seria algo positivo para sua vida? Empatia é o nome perfeito para esse momento. Acho que 2022 precisa ser o ano da empatia. Afinal, não sabemos do futuro e só temos uma certeza. O shampoo caiu e vai cair no olho.

Sim, o shampoo caiu no olho

Eu tenho dois filhos pequenos. O mais velho reclama e chora quando cai shampoo no olho dele. Eu achava sempre que era birra e confesso que às vezes falava para ele parar e que não era pra tanto. Novamente, eu errei feio, errei rude. Estes dias, tomando banho, tive a proeza de derrubar o bendito shampoo no meu olho. Fazia muitos anos que isso não acontecia. Ardeu. Ardeu muito, mas eu mantive a calma, passei pela dor e limpei o olho até passar. Eu tive a calma de limpar os olhos, ao invés de chorar. Se eu fosse criança, sem entender o que acontecia, eu também choraria. A dor é a mesma. O que muda é a nossa reação. O que muda é como você aprendeu a lidar com a dor, é saber que passa no final. Ou seja, eu não deixo de sentir a dor ou sinto menos dor do que meu filho, eu apenas compreendo-a e passo por isso com o máximo de paciência que me foi conquistada com os anos. Eu acho que é assim na vida também quando temos provações, dificuldades e situações muito difíceis.

Se você tem mais experiência, mais força, mais fé, você passa por tudo isso, sem focar na dor. Então se você já conquistou essa independência, tem algo positivo na vida, é um exemplo, distribua isso. Se você tem mais criatividade, mais garra, mais dinheiro que outros, use isso para ajudar aquele que não sabe o que fazer com o problema que tem, aqueles que estão chorando com o shampoo no olho, cegos pelo medo dos tempos difíceis que vivemos.

Termine o ano de alma lavada

Que esse ano a gente possa estar mais unidos, com mais empatia, dando a mão para quem precisa e possa superar qualquer obstáculo que apareça. O que eu desejo para 2022? Que seja um ano de renovação. Que a gente possa estar daqui há 1 ano olhando pra trás e dizendo: eu fiz tudo que pude, deu tudo certo, agora posso seguir feliz e de alma lavada. Até lá, muito shampoo pode cair nos nossos olhos durante um banho, faz parte, inclusive enquanto escutamos um podcast, mas que as histórias sejam inspiradoras e nos lavem os olhos da ignorância e do egoísmo para um final mais do que feliz.

E você? Qual é o seu “shampoo nos olhos” agora?

APP Vale do Paraíba lança o Podbrifar, seu programa de podcast

Novo canal de podcast é voltado para o mercado publicitário regional. Tema de estreia aborda dados e comunicação

A APP Vale do Paraíba, no interior de São Paulo, estreia nesta segunda-feira, dia 25/10, o seu canal de podcast. O conteúdo foi batizado de Podbrifar, nome surgido de um brainstorm entre os membros da diretoria da Associação na região e sugerido pelo diretor Raffael Cavalheiro.

Com a proposta de periodicidade quinzenal, o Podbrifar vai trazer temas que possam contribuir para a formação e atualização dos profissionais da região e, deste modo, impulsionar o mercado publicitário. Também pretende dar espaço aos profissionais que atuam no Vale do Paraíba.

No primeiro episódio, o tema é “DADOS E COMUNICAÇÃO – ESSA MISTURA DÁ CERTO?” com os convidados Natália Karalkovas Simões, analista de dados ou data Science na Nexxys, e Kaique Oliveira, fundador do Digital Data Lab, especialista de marketing na Mobly e membro do Examanas. O episódio será mediado por Josué Brazil e Arison Sonagere, membros da diretoria da APP Vale.

O novo formato de conteúdo se junta às lives mensais que a APP Vale já realiza e amplia o portfólio de conteúdos que a regional vem realizando desde o início do ano. A primeira temporada do Podbrifar conta com a parceria do Laboratório de Áudio do Departamento de Comunicação Social da Unitau. A ideia é que cada temporada seja produzida em parceria com uma instituição de ensino da região.

A identidade visual do podcast foi desenvolvida pela equipe de estagiários da ACOM, Central de Comunicação da Universidade de Taubaté (Unitau). O trabalho foi coordenado por Karina Dias, que dirige a ACOM e é diretora da APP Vale.

O conteúdo estará disponível no Spotify e no Deezer.

Fonte: Assessoria de Imprensa APP Brasil