Facebook tem crescimento no número de usuários

Usuários do Facebook cresceram 23% em 3 anos

Vem pandemia, vai pandemia: mesmo com a normalidade voltando a alcançar o mundo novamente e a população sendo liberada a sair de casa para socializar pessoalmente neste final de 2021, o número de pessoas usando as redes sociais diariamente continua crescendo. Tendo isso em mente, a plataforma de descontos online CUPONATION reuniu alguns dados sobre as performances das plataformas no mundo.

Apesar das mídias sociais crescerem de forma exponencial a cada dia, o Facebook é um gigante que parece não se abalar com nada, e uma nova pesquisa internacional comprovou esse achismo ao revelar que mesmo depois de quase 20 anos no mercado, continua sendo a rede social mais consagrada.

Com a chegada do segundo semestre do ano, a plataforma alcançou seus 2.853 bilhões de usuários ativos mensalmente conectados de todos os cantos do mundo, o que significa um aumento de 2% de pessoas acessando a mídia em um período de 6 meses, conforme um estudo semelhante divulgado no início de 2021 pela mesma companhia.

Ocupando o primeiro lugar no ranking das ferramentas de comunicação há anos, o levantamento mostrou que seu crescimento foi realmente significante para Mark Zuckerberg, que viu sua plataforma subir de 2320 bilhões de conexões para o número atual desde 2019, somando quase 23% de aumento em 3 anos.

Apresentando mais de 15 redes sociais que fazem sucesso ao redor do globo, o Youtube e o WhatsApp estacionaram em segundo e terceiro lugares do ranking e desbancaram o Instagram, somando 2,291 bilhões e 2,000 bilhões de usuários ativos todo mês, nesta sequência. Veja a pesquisa completa no ingráfico interativo do CUPONATION.

O levantamento ainda registrou que os populares Facebook Messenger, Tik Tok , Pinterest e o Twitter também aparecem na lista, com este último ficando em penúltimo lugar e somando 397 milhões de usuários acessando todo dia mensalmente.

Fonte: Fonte: Comuniquese – Giovanna Rebelatto

Cinco tendências em imagem para o e-commerce nessa Black Friday

Veja os formatos mais atrativos de foto e vídeo para fisgar a atenção do consumidor e aumentar a conversão na época mais disputada do ano para o e-commerce.

A menos de dois meses para a Black Friday 2021, chegamos à reta final na preparação das lojas virtuais. É crucial refinar a estratégia de marketing e vendas e acertar os ponteiros da operação online. Se a loja pretende aderir às campanhas promocionais do período, deve acelerar o planejamento e levar em conta a produção de fotos e vídeos, que, ao serem bem executados, podem fazer o produto saltar aos olhos do usuário. Confira agora as principais tendências em imagem para vencer os competidores no mês mais quente do ano para o e-commerce.

Photo by Stefano Intintoli on Unsplash

Foto ambientada

Por muito tempo, se falou apenas da fotografia em still, quando o produto aparece sozinho em um fundo branco ou colorido – o formato mais adotado por e-commerces e marketplaces. Depois, a foto em moda, em que um modelo usa ou demonstra o produto, cresceu no gosto do consumidor com os debates sobre a humanização das comunicações. E, com a expansão das redes sociais, viu-se outro formato ganhar destaque: a foto ambientada.

Com o produto disposto em um cenário que agrega elementos, texturas e cores que reforçam a identidade visual da marca, este tipo de imagem passa sensações que o comprador normalmente só teria ao tocar o item em uma loja física. A foto ambientada gera conexão da marca com o comprador, seu momento de vida, estilo ou mesmo princípios, conquistando o usuário pela emoção.

Foto 360º

A foto 360º, que reúne de 32 a 38 fotos do mesmo produto girando, possibilita uma visão completa do item para o usuário. Esse formato é muito utilizado por lojas de mercadorias que têm auto-sustentação, como bolsas, calçados, cosméticos e perfumaria, por exemplo. Além de ser uma ferramenta que apela para a interação com o consumidor, a foto 360º pode incentivar a decisão de compra, tornando-se uma forte aliada nessa Black Friday.

Segundo Carolina Soares, Co-Fundadora da Fotopontocom, produtora especializada em foto, vídeo e conteúdo para e-commerce: “esse formato não vem como primeira imagem na loja online, mas se o usuário já está navegando na página do produto, pode ajudar a tirar suas dúvidas e levá-lo a fechar o pedido mais rápido”.

Imagem Hero

A imagem hero é bastante usada por supermercados, farmácias e perfumarias, entre outras lojas de produtos com alto consumo e baixo ticket médio. Na imagem, o produto em still aparece em zoom acompanhado da principal informação que o consumidor precisa saber ao comprar. Por exemplo: Amaciante, 2L. Esse formato é uma grande tendência que ajuda na conversão, mas também a diminuir as reclamações ou devoluções da mercadoria por confusão de informações na hora da compra.

Infográfico

Nessa Black Friday, o infográfico pode ser uma opção para a marca se diferenciar. Esta é praticamente uma evolução da fotografia still e da imagem hero, com mais informações e um grande atrativo para a navegação mobile. O objetivo do formato é abastecer o consumidor de detalhes do produto para deixá-lo com mais desejo de comprar e seguro de que esta é a mercadoria correta para a sua necessidade.

Vale destacar em frases curtas, junto à imagem em uma única peça visual, o material, a durabilidade, a versatilidade, a tecnologia envolvida, entre outros benefícios diretos do item. “É muito funcional, principalmente para os dispositivos móveis, facilitando bastante a experiência do usuário. O infográfico tem se popularizado fora do Brasil e vem chegando com tudo no nosso mercado. Na Black Friday, em que a rapidez da escolha é crucial, esse modelo pode ser uma excelente alternativa”, explica a executiva da Fotopontocom.

Vídeo

Sabe quando dizem para sair do lugar comum e fazer algo a mais pelo consumidor? O vídeo é exatamente esse material extra que vem explicar, demonstrar e conquistar o comprador de uma forma dinâmica e atrativa. Praticamente todas as categorias podem se beneficiar desse recurso, que vem sendo bastante explorado por lojistas de produtos automotivos, celulares, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, moda, móveis, entre outros.

Esse formato pode ser utilizado de maneira mais básica (sem áudio ou efeitos visuais) até com edições mais rebuscadas (com animações, trilha sonora e narração). O importante é entender a audiência e se ela valoriza esse tipo de comunicação. Se a resposta for sim, preparar-se para investir em uma produção de qualidade, internamente ou de forma terceirizada.

Cronograma e Estrutura de Produção

Mesmo sabendo de todas as tendências, é importante ter em mente também o cronograma e estrutura de produção. A quantidade de formatos e sua complexidade, junto ao volume de produtos a serem registrados podem exigir mais estrutura, tempo e investimento financeiro do lojista. Outro ponto crítico é a sazonalidade do e-commerce. Períodos como Black Friday, Natal e Dia das Mães, por exemplo, são bastante demandados no mercado, então, quanto antes o lojista se preparar, mais fácil será seu planejamento e a busca por um fornecedor, sejam profissionais, estúdios ou produtoras, caso decida trabalhar com parceiros externos.

Fonte: Salto Comunicação – Tayce Bandeira

Marketing e tecnologia ajudam a melhorar performance de vendas

Martechs fornecem dados para que as empresas possam aperfeiçoar o relacionamento com os consumidores e proporcionar experiências exclusivas

É fato que durante a pandemia de Covid-19 muitas empresas precisaram se adaptar a novas ferramentas para sobreviverem em meio à crise. Isso porque a experiência digital passou a fazer parte da rotina de grande parte da população mundial. No Brasil, segundo o estudo Webshoppers feito pela Ebit|Nielsen, o aumento do número de pessoas que passaram a comprar pela internet foi de 23% só em 2020. Por isso, cada vez mais as organizações buscam melhorar a experiência dos consumidores e a tecnologia tem sido uma importante aliada nesse processo, abrindo espaço para a atuação crescente das martechs.

Imagem por ar130405 do Pixabay

Com o aumento das experiências de compra on-line, os conceitos de marketing e tecnologia estão se tornando uma coisa só. Diante desse cenário, uma martech atua com o objetivo de aprimorar o relacionamento com o potencial cliente e proporcionar experiências exclusivas. “O varejo físico está passando por um momento de transformação digital e ao mesmo tempo consumindo muita tecnologia. As martechs são protagonistas nessa revolução, trazendo dados que ajudam a melhorar o marketing e as vendas dentro do cotidiano das empresas”, afirma Marcio Pacheco, CEO da startup PhoneTrack.

Apesar do crescimento das experiências digitais, as ligações telefônicas ainda são um importante canal de contato entre cliente e empresa. Afinal, quando é importante a agilidade é um dos trunfos do telefone. Nesse sentido, tecnologias como o call tracking e o speech analytics, por exemplo, são capazes de melhorar a performance das vendas com inteligência artificial e automações. Isso acontece porque elas colaboram para a tomada de decisões baseadas em dados reais, resultado da análise de números. Esse é um dos exemplos de martechs, empresas que estão trabalhando com ferramentas que vão além da experiência digital e atuam com o telefone como um canal que ainda é importante no marketing.

Segundo Pacheco, o relacionamento com o cliente é uma das esferas que ganham cada vez mais espaço dentro do mercado de marketing e de vendas. Segundo o Google, em 2019, houve mais de 2,5 bilhões de visitas às páginas de contas pessoais para ajustar preferências de personalização de anúncios. Essa é uma entre tantas provas de que hoje, sem dados, não há campanha de marketing que consiga atingir os objetivos propostos, pelo menos não com o máximo de eficiência. “A digitalização dos dados para melhorar essa relação entre a empresa e o consumidor está sendo protagonizada pelas martechs”, analisa. As martechs já são muito populares entre os profissionais e agências de marketing e a tendência é que as ferramentas de inteligência artificial ganhem ainda mais mercado, já que têm o objetivo de melhorar estratégias de marketing e de vendas com base no comportamento do consumidor.

Sobre a PhoneTrack

Fundada em 2015, a PhoneTrack é uma startup que utiliza a inteligência artificial aplicada à voz para transformar a relação entre consumidor e empresa. Por meio de tecnologias como o call tracking e o speech analytics, a ferramenta fornece dados sobre campanhas on-line e off-line, como a quantidade de chamadas recebidas e perdidas, a média de duração de cada ligação e as principais palavras-chaves usadas durante o contato. Além disso, a PhoneTrack permite a comparação de resultados entre campanhas diferentes, melhorando o padrão do atendimento telefônico.

Fonte: Betini Comunicação

Uso da internet atingiu 81% da população em 2020

Pesquisa mostra que o Brasil tem 152 milhões de usuários; crescimento de uso doméstico requer atenção com segurança digital

A quantidade da população brasileira que utiliza a internet aumentou em 2020, passando de 74% da população em 2019 para 81% no ano passado, o que representa 152 milhões de usuários acima de 10 anos. O crescimento do uso da rede de computadores foi maior nas classes econômicas mais baixas e impulsionado pela pandemia. Os dados são da pesquisa TIC Domicílios, realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, divulgada em agosto deste ano.

Type on the keyboard at home office

O levantamento mostra um aumento da proporção de usuários de internet na comparação com 2019, com mais força entre os moradores das áreas rurais – de 53% em 2019 para 70% em 2020; entre os habitantes com 60 anos ou mais (de 34% para 50%); no meio daqueles com Ensino Fundamental (de 60% para 73%); e entre as mulheres (de 73% para 85%). A pesquisa também revelou que o acesso tecnológico teve aumento, principalmente, nas residências das classes C e D/E. Na classe C, passou de 80% para 91%. E nas classes D/E de 50% para 64%. Porém, as classes mais altas, com maior escolaridade e mais jovens, ainda é a faixa com maior acesso à internet.

Segundo o estudo, houve um crescimento na quantidade de computadores nos domicílios: a porcentagem saltou de 39% em 2019 para 45% da população em 2020. O coordenador de Data Center e Administração de Redes do Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), Elton Vinicius Rauh, comenta que a alta no número de equipamentos é consequência da necessidade de realizar algumas atividades em casa durante o ano de pandemia, em 2020. “Como diversas empresas migraram para o home office, houve uma procura maior por notebooks e computadores. Além disso, as crianças começaram a estudar em casa. Então, muitos pais precisaram se adaptar a essa nova realidade”, explica.

Segundo Elton, com um número maior de usuários e conectividade mais expressiva, é preciso estar atento às questões de segurança digital. “É sempre importante reforçar que é necessário cuidado no momento de acessar informações na internet. Os usuários devem evitar salvar suas senhas no computador. Além disso, a orientação é trocá-las periodicamente”, destaca. Ter atenção aos downloads e aos falsos e-mails e anexos também são recomendações do coordenador. “Verificar se o site é realmente confiável para que seus dados não fiquem desprotegidos. Atualizar o antivírus é um auxílio na segurança do computador também”, garante.

Com o maior acesso à internet entre crianças e adolescentes, recomenda-se que os pais também fiquem atentos ao uso da tecnologia pelos filhos. “Os pais precisam orientá-los sobre os riscos da divulgação de informações pessoais na internet. Também para que tenham cuidado com os sites que podem estar sendo acessados. Depende disso a proteção e segurança do aparelho. E lembrar de dialogar com a criança sobre os conteúdos e sobre com quem estão tendo contato na internet”, comenta.

Sobre o ICI

O ICI – Instituto das Cidades Inteligentes é uma organização criada em 1998, com atuação em todo o território nacional, referência em pesquisa, integração, desenvolvimento e implementação de soluções completas de TIC para a gestão pública. Mais informações: www.ici.curitiba.org.br.

Fonte: Central Press