Você está vivendo Black Mirror? 7 coisas que não parecem mas são reais

Conheça 7 episódios de Black Mirror que provam que já estamos vivendo dentro desse universo

Você assiste a série Black Mirror da Netflix? Se sim, sabe que a obra apresenta muitas criticas a sociedade. Porém, será que além dessas críticas, nós já não estamos vivendo o que se passa na série? Separamos 7 episódios desse fenômeno para te mostrar que as coisas podem ser mais reais do que você imagina, dá uma olhada:

1. Nosedive

Ainda falando em redes sociais, o episódio Nosedive da terceira temporada reflete exatamente o que estamos passando. Julgamos as pessoas pela quantidade de amigos e likes que cada uma possui, damos uma avaliação para tudo, inclusive ao pegar um Uber. Somos números que dependem da aprovação de terceiros. Uma boa crítica também é a superficialidade e falsa imagem que passamos nas redes sociais.

Em Nosedive, a personagem é convidada para o casamento de uma amiga que possui uma pontuação maior que a dela e faz de tudo para que seus pontos também aumentem, sendo um desses caminhos ir ao casamento da suposta amiga. Ao longo do episódio, as situações em que ela se coloca para agradar e ganhar uma grande pontuação são absurdas. Não estamos distantes do ocorrido.

2. Be Right Back

Robôs substituindo pessoas? Sim, isso está começando a acontecer. Recentemente, um robô foi demitido de um supermercado na Escócia, mas ele não é o único empregado ao redor do mundo. Apesar de ainda não existir um robô com as mesmas características humanas, estamos cada vez mais próximos desse momento.

A trama mostra uma esposa que perde o seu marido e após isso começa a conversar por mensagens com uma simulação do parceiro. Isso a incentiva a comprar seu robô, que vive no dia a dia com a mulher como se fosse seu marido.

3.Fifteen Million Merits

Sabe quando você trabalha a sua vida inteira todos os dias para alcançar o sucesso? Você pode estar querendo ser um grande blogueiro, youtuber, empresário, simplesmente famoso. É isso o que as pessoas fazem em Fifteen Million Merits.

No episódio os personagens vão para suas bicicletas diariamente para gerar “pontos”. Com esses pontos eles podem comprar todas as coisas necessárias para sobreviver e chegar ao tão esperado “sonho”. Essa realidade transforma todos em pessoas fanáticas e sem identidade própria. É o que resume o “tudo pela fama”.

4.Arkangel

Pais que controlam todos os passos dos filhos e censuram todas as suas ações, que dificultam seu desenvolvimento. Você conhece algum assim? Aquele que protege demais. Isso pode afetar muito a vida de uma criança ou adolescente e a internet abriu essa possibilidade de bisbilhotar tudo o que acontece.

Quer mais provas de que estamos vivendo em Black Mirror? No episódio Arkangel, uma mãe consegue essa medida preventiva da filha, onde consegue monitorar tudo o que ela faz, com quem conversa, o que ela vê e entre outras coisas. A filha é muito afetada por isso e tem toda a sua maturidade prejudicada.

5.USS Calister

Jogos de realidade virtual estão cada vez mais presentes no nosso dia a dia. As pessoas querem estar dentro dos jogos de uma forma cada vez mais fiel ao que passamos na nossa rotina.

O USS Calister mostra um jogo chamado Infinity, que colocamos na têmpora e podemos sentir tudo o que acontece. As pessoas terão consciência de que estão dentro desse universo. Falta pouco tempo para chegar até esse momento, não acha?

6.White Bear

Já parou para pensar como atualmente muitas pessoas filmam um espancamento, um assalto ou outras atrocidades, mas ninguém ajuda? Todos seguram suas câmeras ao invés de dar atenção e prestar socorro. Já estamos vivendo uma parte do que é passado no episódio White Bear.

Além disso, a trama ainda envolve a questão dos direitos humanos de um criminoso. Até que ponto não estamos nos tornando iguais ao tomar algumas atitudes?

7.The Entire History of You

Que os relacionamentos ficaram mais complicados após as redes sociais virarem parte do dia a dia já sabemos. Mas, o que o episódio The Entire History of You traz é justamente uma reflexão de até que ponto isso está nos afetando. Esse episódio mostra uma crítica sobre a tecnologia está afetando as relações e nos deixando paranoicos.

No episódio, as pessoas possuem um dispositivo que grava todas as memórias. A trama gira em torno de uma família, que é desfeita após descobertas de situações passadas através do dispositivo. Parece que já estamos vivendo esse momento com fotos curtidas, comentários, conversas de WhatsApp e outras redes, não é?

Hoje em dia a tecnologia está cada vez mais ligada à saúde e aos nossos corpos, por exemplo: podemos ser atendidos por um médico sem estarmos em sua presença, recebemos laudos a distância. As evoluções robóticas como as de Black Mirror estão cada vez mais próximas de se tornarem algo real.

Fonte: Link Builder da SEO Marketing e DiagRad– Luana Santos

Artigo trata de omnichannel

A alavanca do omnichannel

por Anselmo Bragantini

Em 2011 criamos, eu e mais dois sócios, uma loja virtual de modelo dailydeal e sonhamos ficar ricos em pouco tempo. Não ficamos, mas felizmente meu objetivo principal de entender o modelo de vendas em plataformas digitais foi cumprido integralmente. Como eu já tinha uma vasta experiência na construção e gestão de canais físicos de vendas, a associação entre on e off passou a fazer parte do meu mindset na modelagem de negócios de qualquer natureza. Na época, o Brasil tinha 23 milhões de e-consumidores e menos de 15% dos celulares era composto por smartphones.

Corta! Estamos em 2018 e nesse soluço de tempo houve “alguma” evolução nas discussões e implementações de projetos de comércio digital. Vimos crescer a combinação dos ambientes on e off buscando transformar a jornada do consumidor numa experiência cada vez mais rica e repleta de significados, além de buscar criar identidade com as marcas e fidelizá-lo aos produtos. A era do marketing de massa foi substituída pelo marketing um-para-um, caminho que cada vez mais empresas de todo e qualquer segmento tentam percorrer, uma vez que nos parece inevitável a personalização da comunicação diante das mudanças no padrão de comportamento das pessoas, apontando a necessidade de se ter formas distintas de se fazer negócios.

É por este motivo que nos projetos que estamos desenvolvendo, e onde a modelagem da solução aponta para o omnichannel, nos questionamos a todo momento: quais são os elementos centrais para tornar esse conceito uma realidade nas operações dessas empresas?

Não existem receitas prontas, mas se considerarmos que o rastro que o consumidor deixa no seu dia-a-dia fornece uma série de informações relevantes para entender muita coisa sobre ele, e que hoje em dia o equipamento que mais pode nos fornecer informações sobre hábitos, comportamentos, características e padrões de deslocamento é o smartphone, existe aqui um ponto de inflexão provável.

Nesse contexto, projetos de transformação digital como implantar um ambiente omnichannel para uma empresa de varejo físico de equipamentos eletrônicos, desintermediar com responsabilidade a distribuição dos produtos de uma fábrica de moda ou colocar um produto congelado de uma das maiores empresas do mundo na mesa do cliente com agilidade e confiança, exige empresas com visão de futuro e internautas munidos de equipamentos cada vez mais sofisticados e com aplicações que permitem a aproximação do cliente à empresas que não se cansam de inovar.

Vamos pinçar alguns números que, avaliados em conjunto, podem nos trazer lucidez em meio a esse grande caldo que a onda da tecnologia nos aplica há algum tempo:

· Em 2016 vendemos R$44.4 bi no e-commerce B2C no Brasil. Para 2021 a projeção é de R$82.9, representando um aumento de 87%.

· No Brasil, neste mesmo ano, 19% das vendas do e-commerce B2C foram realizadas por dispositivos móveis. Em 2017 foram 26%¹.

· Fechamos 2017 com 47 milhões de e-consumidores, que serão 67 milhões em 2021.

· 28% da população mundial tinha um smartphone me 2016, sendo que em 2020 esse percentual será de 37%. Quase 10pp de diferença.

· Quase 60% das vendas feitas no e-commerce global em 2017 foram feitas em smartphones/tablets.

Vejam que sairemos de R$8.4 bi movimentados por dispositivos móveis em 2016 para R$21.5 bi em 2021 no Brasil, e cada vez mais a jornada desses e-consumidores estará no ambiente onmichannel, a medida que as experiências no on e off irão amadurecer suas verdadeiras vocações para entregar o que esse consumidor espera de cada um desses ambientes. Ou seja, sem alavancar a quantidade de dispositivos pessoais móveis que possibilitam saber por onde o consumidor anda, o que ele gosta de fazer, e o que ele está fazendo em determinado momento, o círculo virtuoso que começa no consumidor e termina no ponto de venda, não importa de qual tipo, não cumprirá com a sua missão de criar a conectividade neurológica tão sonhada por todas as marcas que querem entregar o produto onde o cliente preferir, mesmo quando ele próprio não esteja certo sobre o melhor momento e local para receber sua encomenda.

Além disso, é necessário que as empresas estejam preparadas e consigam surfar na onda omnichannel, com interação, usabilidade e interfaces que sejam corretamente entendidas pelo cliente final, uma vez que a transformação digital está acontecendo agora e é necessário correr contra o tempo para entender como cada empresa pode participar desse ambiente.

Anselmo Bragantini é especialista em Omnichannel da TopperMinds

Fonte: Vera Moreira Comunicação – Ana Finatti

Infográfico mostra aspectos da comunicação móvel empresarial

Comunicação móvel empresarial: vantagens e desvantagens

Os dispositivos móveis como smartphones, celulares e tablets estão cada vez mais inseridos no nosso dia a dia. Viver sem esses “gadgets” hoje é quase impossível, então porque não inseri-los no nosso contexto de trabalho, tornando-os uma útil e poderosa ferramenta?

Descubra aqui, as vantagens e desvantagens da comunicação móvel empresarial neste infográfico, preparado pelo site Consultores Vivo.

Fonte: Nayrison da Costa – Assessoria de Imprensa

Aplicativo “Boca a Boca” remunera pessoas por indicação de serviços e produtos que gerem vendas para as empresas

Projeto criado por mineiros já está no ar e garante renda extra para indicações que gerem novos negócios

Ganhar uma renda extra simplesmente por indicar um produto ou serviço! Isto é o que faz o aplicativo “Boca a Boca”, que remunera pessoas que indicam clientes para empresas e esta concretiza a venda por meio da indicação. Foi pensando nisso que o fundador Denis Miranda junto ao seu sócio Filipe Guedes criaram a nova ideia que já está em funcionamento e possui mais de 2 mil clientes cadastrados.

Da esquerda para direita – Filipe Guedes e Denis Miranda – Foto: Divulgação

Disponível nas lojas de aplicativo Google Play e Apple Store de forma gratuita, o Boca a Boca tem navegabilidade simples e é pioneiro ao remunerar em dinheiro quem o utiliza. Para utilizar o app, basta que o usuário baixe o aplicativo no seu celular, faça um cadastro e selecione a empresa que deseja fazer a indicação e informe os dados do indicado. A partir deste momento, o usuário acompanha em tempo real o status da negociação e, caso a venda seja convertida, o valor é depositado direto na conta do indicador, sem descontos e sem burocracia. A bonificação é definida pela empresa recomendada, mas o ticket médio é de R$40 por indicação que concretize em novo negócio.

A ideia de criar a plataforma surgiu em março de 2017, quando o sócio fundador Denis Miranda em busca de uma ferramenta para atrair clientes para seu call center de vendas de TV por assinatura, criou um programa interno de indicações. “Na época, os clientes que recomendassem novos compradores recebiam ate R$30,00 por indicação que concluísse em vendas. O próximo passo foi validar a ideia com outras empresas que prontamente a aderiram. Com mais instituições parceiras, convidei meu sócio Felipe Guedes que desenvolveu o app”, revela.

Com pouco tempo de funcionamento, o aplicativo já possui mais de 2 mil clientes ativos e 70 empresas cadastradas e aptas para serem indicadas. “Atualmente, temos três funcionários e dois sócios full life no projeto. Nosso objetivo é fechar 2018 com mais de 100 mil usuários, 3.000 empresas cadastradas e nos tornar a maior plataforma de marketing de indicação de Minas Gerais. E, no inicio do próximo ano, começaremos o projeto de expansão para todo o país”, conta Denis.

Cadastro de empresas parceiras

A empresa que deseja fazer parte do aplicativo “Boca a Boca” precisa preencher um formulário e pagar uma taxa anual de R$149,90. O valor da bonificação pago ao cliente indicador é definido por cada empreendimento, que faz diretamente o depósito em conta, sem intermediários. “É importante ressaltar que as empresas que comercializam produtos e serviços de valor agregado baixo ou produtos de varejo não têm perfil para utilizar nossa plataforma”, explica o sócio Filipe Guedes.

O app é um meio seguro e confiável de realizar negócios. “Atualmente, 92% da população mundial afirma confiar totalmente em indicações de amigos e familiares. Além disso, 77% dos consumidores se sentem motivados a comprar um novo produto quando este é indicado via ‘boca a boca’”, finaliza Filipe.

Fonte: Doizum Comunicações – Érika Costa

A experiência cria defensores da marca

Valorização da experiência transforma consumidor em defensor da marca

A logística do atendimento nunca foi tão importante para as marcas como agora. Isso porque, com a tecnologia inserida no cotidiano das pessoas, a venda online e offline se completam e, com isso, novos desafios surgem para a era do varejo omnichannel – tendência que converge todos os canais de venda utilizados por uma empresa e faz com que a experiência do cliente seja o ponto-chave.

Na era da experiência, é preciso pensar em cada cliente como uma unidade e não mais como um grande público, afinal, cada um tem necessidades específicas, fator que exige a presença das marcas em todos os pontos de contato. No entanto, isso vai além da simples padronização de apps, sites e lojas, neste processo acompanhar a jornada do cliente é fundamental.

Wilmar Lima, da FH

Um estudo realizado pela SAP Hybris aponta que 49% dos consumidores se sentem confortáveis com o compartilhamento de dados pessoais com as marcas. No entanto, em troca, eles esperam que as interações sejam em tempo real, personalizadas e adaptadas de acordo com as preferências de compra, o histórico de transações e o comportamento do usuário. Isso significa que durante a jornada de compra a expectativa vai além da qualidade de serviço, também envolve a proximidade com a marca e o sentimento de valorização.

A pesquisa ainda revela que 43% das empresas concordam que uma boa experiência com as marcas torna o consumidor um defensor delas, mais do que isso, ainda garante a utilização do serviço mais vezes e indicação para outras pessoas. Outro ponto da pesquisa é que 51% dos consumidores esperam ver as mesmas ofertas de uma loja em múltiplos canais.

O fato é que o potencial dos recursos digitais, que vai desde as redes sociais até a Internet das Coisas, promoveu nos últimos anos uma verdadeira revolução no mercado varejista. Diante disso, a expectativa para as próximas décadas é que, cada vez mais empresas, de diferentes segmentos, apostem na multicanalidade para acompanhar a evolução do comportamento dos consumidores.

Confira algumas tendências omnichannel para o varejo em 2018 e o case de sucesso do primeiro projeto em vendas assistidas omnicanal do Brasil:

• Comando de voz – Os consumidores já utilizam comando de voz para fazer pesquisas, obter previsões meteorológicas, selecionar músicas, entre outras inúmeras tarefas. E, se já estavam habituados a adquirir produtos com um simples clique, por que não utilizar a tecnologia de comando de voz? Certamente, essa é a próxima aposta para aprimorar ainda mais a jornada de compra. Ao utilizar o comando de voz, pessoas com alguma deficiência física ou visual, ou até mesmo idosos, terão mais facilidade para fazer suas compras.

• Vitrines inteligentes – Os conceitos de omnichannel e machine learning possibilitam novas experiências para o varejo. De olho no mundo da moda, a SAP desenvolveu a solução Vitrines Inteligentes, uma tecnologia de recomendação de produtos que transforma as vitrines em auxiliares inteligentes de venda e de administração. A solução oferece agilidade e benefícios para lojistas e consumidores, além de um canal específico e personalizado de relacionamento com o cliente.

• Vendas assistidas – Antes, os clientes chegavam à loja, discutiam com o vendedor o projeto de sua casa, verificavam o preço e a disponibilidade de estoque de determinado produto. Hoje, por meio do multiatendimento, usando o site e o celular, os vendedores podem ofertar mais informações sobre cada item, o que transforma a compra em uma experiência única e diferenciada. O primeiro projeto em vendas assistidas omnicanal do Brasil, com a ferramenta SAP Hybris, foi implementado pela FH na Leroy Merlin, em 2017. O piloto foi realizado na loja de São Bernardo do Campo. Com essa integração entre site e mobile, a Leroy Merlin se tornou a primeira rede no setor de Varejo de Materiais de Construção (multiespecialista do lar, especializada em construção, acabamento, bricolagem, decoração e jardinagem) a atuar 100% no modelo omnichannel.

Wilmar Lima é vice-presidente de Transformação Digital da FH.

Fonte: SmartCom Inteligência em Comunicação – Karen Krinchev

Micro-influenciadores e seu papel no marketing

Especialista explica a importância do marketing com micro-influenciadores

O marketing com micro-influenciadores é uma tendência forte no universo digital e parece que vai se manter em alta por muito tempo. Mesmo empresas que ainda não estão investindo nesta vertente do marketing digital pensam em começar o quanto antes, pois é uma estratégia que tende a gerar bons resultados a baixo custo.

Porém, há quem ainda pense que os micro-influenciadores não são tão importantes, pois são comparados com os números de seguidores de celebridades ou líderes da indústria. Porém, o que deve ser destacado é o envolvimento direto que ele tem com seu público, geralmente muito mais relevante do que seu número de seguidores como um todo.

“O que ocorre é que os micro-influenciadores, apesar de possuírem um público relativamente menor em comparação com celebridades da internet, tendem a ser extremamente ativos e fiéis, gerando uma alta taxa de resposta para praticamente qualquer coisa que publicam”, explica Rodrigo Darzi, CEO e sócio da Agência de Marketing Digital IMMA.

Rodrigo também comenta que os micro-influenciadores dão um ar de autenticidade maior do que celebridades quando comentam algo sobre uma determinada empresa ou produto. “As pessoas sabem que as celebridades são pagas para fazer propaganda, mesmo em suas páginas pessoais. Por outro lado, elas veem os micro-influenciadores como pessoas que estão simplesmente dando uma opinião sincera”.

Como os seguidores de um micro-influencidor costumam confiar em sua opinião, o engajamento acontece de forma natural, rápida e econômica. E empresas de diversos portes tem visto com bons olhos como uma estratégia fundamental no marketing digital, principalmente as menores, que não possuem uma grande verba para gastar com publicidade.

Para ter sucesso com o marketing por micro-influenciadores, conhecer o público da marca é fundamental, pois são as interações e discussões da comunidade que irão indicar as pessoas que se destacam como influenciadores de opinião.

Fonte: Agência de Marketing Digital IMMA

Mercado brasileiro de publicidade on-line recebe produto e tecnologia únicos no mundo

WorldSense, startup brasileira, chega ao mercado com uma proposta diferenciada: ser uma rede de distribuição de conteúdo na qual as marcas podem participar das histórias

A história de dois engenheiros, com grande experiência no mercado de tecnologia, poderia ser bem diferente – aliás, como a da grande maioria de empreendedores no mesmo segmento. Ao abrirem sua própria empresa, o caminho mais lógico seria optarem por um conceito conhecido, como a publicidade on-line. Mas Diego Nogueira e Davi Reis elegeram a inovação e uma nova perspectiva digital como diferenciais de atuação e criaram uma startup a partir de uma ideia inédita: uma rede de publicidade em conteúdo on-line, na qual marcas podem participar de histórias por meio de intervenções em artigos relevantes publicados nos principais portais da internet. Assim nascia a WorldSense, exatamente para suprir uma necessidade que sempre perceberam em meio ao mercado que viviam.

A WorldSense é uma rede de conteúdo on-line complementar aos principais produtos existentes, em sua maioria focados em segmentação por usuários e impacto por meio de formatos muitas vezes invasivos. Por ser a primeira rede de publicidade digital que oferece às marcas acesso direto às matérias dos canais parceiros, se diferencia pela alta contextualização e integração com o conteúdo, valorizando a história publicada pelo veículo e as oportunidades das marcas de interagirem com ela.

Produto e tecnologia desenvolvidos pela empresa são únicos no mundo. Sob a perspectiva do cliente – que são sites, agências e anunciantes -, basta uma simples integração para que as publicações passem a ser acessadas pelas marcas. A partir desse momento, o cliente passa a ver sua marca presente nas histórias da internet automaticamente. Internamente, a WorldSense funciona como uma máquina de busca reversa, na qual, dados os canais parceiros, determina-se quais seriam potenciais consultas de máquina de busca representadas por cada parágrafo publicado. Com base nessas consultas, faz o match com as mensagens das marcas a serem veiculadas.

Esse acesso é feito de forma altamente contextualizada dentro das notícias, ao contrário da maior parte dos produtos de publicidade digital, que se focam no perfil do leitor e não do contexto da matéria. A proposta da WorldSense é de fato única. Algumas soluções permitem que os conteúdos das marcas sejam descobertos a partir da experiência de navegação dos leitores do portal (como nas histórias relacionadas ao fim da página), aproveitando a estratégia de conteúdo existente de cada site parceiro. No entanto, nenhuma solução permite que a marca efetivamente participe das histórias publicadas (das publicações) nos portais em escala. A empresa (e sua rede de veículos parceiros) oferece às marcas acesso às matérias sendo distribuído na mídia que é relevante para estratégia de comunicação e publicidade da marca.

“O mercado de publicidade digital tem crescido muito nos últimos anos e não há evidências de uma desaceleração. No entanto, cada vez menos empreendedores têm se arriscado na área por causa da grande concentração da verba nos produtos do Google e do Facebook. Quando fundamos a WorldSense, com a missão ousada de trazer um novo produto a esse espaço, sabíamos que nosso maior desafio seria nos diferenciarmos das poderosas e bem sucedidas soluções oferecidas por esses gigantes”, analisa Davi Reis.

“Essa decisão, que acreditamos valorizar o conteúdo e preservar a experiência do usuário, resulta em fragmentação do inventário. Já temos naturalmente uma dinâmica de marketplace entre nossos parceiros e as marcas que anunciam conosco, e a liquidez se torna ainda mais difícil de manter na presença dessa decisão. Crescer o marketplace confrontando essa dificuldade é outro grande desafio”, completa Davi.

Segundo os fundadores, não há no mercado uma oferta com os mesmos recursos e resultados. Alguns produtos que estão no mesmo espaço, mas com propostas de valor diferentes, são as redes de pesquisa, como Adwords (Google), redes de conteúdo, como GDN (Google) e Criteo, redes de recomendação de conteúdo, como Taboola e Outbrain, e redes de links afiliados, como Awin e Lomadee. Nenhum deles almeja nível de integração com o contexto similar ao oferecido pela WorldSense.

Seus fundadores são profissionais experientes no mercado de informação e alta tecnologia. Há 15 anos trabalhando na fronteira da academia e da indústria, Davi é autor de artigos científicos e patentes nas áreas de publicidade on-line, extração de dados e recuperação de informação. Diego, por sua vez está construindo sua segunda startup. Ambos estiveram por quase uma década como engenheiros na Google, onde lideraram grandes projetos em publicidade on-line, busca e mapas.

A empresa foi fundada em 2015, mas começou a oferecer o produto ao mercado no início de 2017. “Oferecemos uma maneira mais assertiva de associação à marca, o que permite alcance qualificado a custos mais baixos que esforços de branding tradicionais. Isso faz do Brasil um bom mercado para o produto, uma vez que as verbas de branding possam ser mais restritas”, explica Diego Nogueira.

Conforme os sócios, a experiência extensa trabalhando em entendimento de texto em diversos produtos do Google e na academia, os levou a acreditar que teriam uma perspectiva única de como conectar a informação da internet. Isso fez com que vislumbrassem uma oportunidade de criar um mecanismo de publicidade e comunicação na web que fosse mais respeitoso e integrado à experiência do usuário e capaz de remunerar canais de qualidade e engajantes.

Para ampliar ainda mais essa atuação e fomentar negócios, era necessário um profissional com experiência de atuação junto ao mercado, por isso, juntou-se aos dois Ana Paula Ramos como gerente de Desenvolvimento de Negócios. Formada em Marketing e pós-graduada em Comunicação e Vendas pela Faap, conta com mais de 13 anos de experiência no mercado digital, atuou em empresas como Mercado Livre, Yahoo, Grupo Havas e Apontador. “Acreditei neste projeto desde a minha primeira conversa com o Diego. Para mim, é extremamente gratificante participar de tudo isso em um momento tão importante para o mercado publicitário no que diz a respeito ao ponto de vista comportamental. Sem dúvida, terei a oportunidade de ajudar as marcas e agências a utilizarem de forma estratégica um novo modelo de publicidade.”

Para os sócios, esse tempo de maturação foi necessário para entender melhor como atuar no mercado publicitário. Os sócios têm profundo conhecimento do mercado de publicidade no Brasil e no mundo, mas como o produto é inovador, foi preciso fazer várias especulações acima dos números que esperaríamos de um produto tradicional. Os primeiros clientes foram a Intel (McGarryBowen) e outras marcas menores, a partir de relacionamentos pessoais. O entendimento do valor do produto levou um tempo para ser capturado e ainda hoje é preciso um esforço de educação do cliente por se tratar de algo muito novo.

Para os veículos parceiros, a WorldSense é uma nova fonte de receita para o digital, principalmente no tráfego mobile, sem comprometer a experiência dos leitores e valorizando as publicações. Para as marcas e agências clientes, é um canal de associação de marca baseada em conteúdo e altamente complementar aos canais tradicionais. Atualmente já conta, em sua carteira de clientes nomes fortes no mercado, como TOTVS (Fbiz), IBM (Ogilvy), Deloitte, SONDA e Sistema Positivo de Educação (Predicta) entre as marcas. Dentre os parceiros, já contam com a rede Abril, NZN, IDG e Diários Associados.

Sobre a WorldSense – Startup criada em 2015, a WorldSense é uma content ad network (rede de publicidade on-line para conteúdo) complementar aos principais produtos existentes, em sua maioria focados em segmentação por usuários e impacto por meio de formatos muitas vezes invasivos. Criou a primeira rede de publicidade digital que oferece às marcas acesso direto aos canais, se diferenciando pela alta contextualização e integração com o conteúdo, valorizando a história publicada pelo veículo e as oportunidades das marcas de interagirem com ela. A empresa oferece às marcas acesso às publicações sendo distribuídas na mídia que são relevantes para estratégia de comunicação e publicidade da marca. Para saber mais www.worldsense.com.

Fonte: Galbraith PR – Robert Galbraith – Marco Barone

Empresa lança campanha usando sua própria tecnologia

Adobe lança a primeira campanha publicitária 100% programática da indústria

Campanha – toda estruturada por meio da própria solução da empresa, a Adobe Advertising Cloud –, tem o objetivo de mostrar como tecnologias de inteligência e design são essenciais para a imagem das marcas

A Adobe anunciou o lançamento de sua campanha global “Experience Business”, a maior campanha publicitária cross-mídia a ser implementada unicamente por meio de uma plataforma programática. A campanha ressalta a visão da Adobe de que uma inteligência profunda e um design incrível são fundamentais para criar experiências convincentes que ajudem as marcas a se destacarem. As marcas participantes incluem Caesar’s Entertainment, Carnival Corporation, Franke Group, Holland America Line, Pandora, Princess Cruises, Sydney Opera House, UBS e T-Mobile. O lançamento inicial nos EUA, Reino Unido e Alemanha aconteceu em novembro.

A campanha “Experience Business” da Adobe é comprada de forma 100% programática pela Adobe Advertising Cloud, que integra a plataforma Adobe Experience Cloud, e conta com toda a transparência da plataforma para administração cross-channel de propagandas. A campanha foca em executivos C-level e potencializa formatos de alto impacto de design e mídia em diversos canais. Os métodos de compra incluem lances em tempo real (RTB) e compras diretas não garantidas através do On-Demand, mercado premium da Adobe Advertising Cloud para o divulgador.

Na campanha, a Adobe utiliza seu próprio planejador de múltiplas telas do Advertising Cloud para definir os melhores investimentos em mídia assim como o software DSP da solução. A tecnologia permite realizar as compras de mídia display e vídeo em desktop e mobile, display e vídeo em mídias sociais pagas, Out Of Home (OOH) digital, áudio digital, além de formatos de anúncios para smart TVs.

A campanha criativa, desenvolvida com a equipe criativa interna da Adobe e pela agência parceira Goodby Silverstein & Partners, retrata objetos aparentemente cotidianos com o slogan “Make Experience Your Business”, explicando como as empresas devem pensar além dos produtos que estão vendendo – elas devem fornecer uma experiência verdadeiramente excepcional com relação aos seus produtos para realmente se destacarem. A campanha abrangente conta com uma experiência reinventada da Adobe.com e é a peça central dos eventos da Adobe ao redor do mundo.

“As marcas mais bem-sucedidas hoje em dia concentram sua energia em fornecer uma experiência consistente e unificada em vários canais”, disse Alex Amado, vice-presidente de Marketing de Experiência da Adobe. “Usamos essa abordagem completamente programática, pois assim podemos efetivamente direcionar este público, analisando o comportamento e as pegadas digitais para oferecer uma experiência mais relevante e personalizada em cada ponto de contato”.

A Adobe continua a usar suas soluções de dados para encontrar novas formas de efetivamente alcançar novos públicos e medir o impacto em tempo real. O Projeto Relay, por exemplo, é um modelo doméstico da Adobe para medir a forma como a mídia paga leva os clientes a fazer testes gratuitos e, em seguida, a pagar por conversões. O projeto foi premiado com o ANA Genius Award em outubro por efetivamente usar o analytics para dar sentido ao big data e provar o valor do marketing. Veja mais informações aqui.

Sobre a Adobe Experience Cloud

A Adobe Experience Cloud é um conjunto abrangente de serviços em nuvem, formulados para oferecer às empresas tudo que elas precisam para oferecer experiências excepcionais para os clientes. Incluindo a Adobe Marketing Cloud, a Adobe Advertising Cloud e a Adobe Analytics Cloud, a Experience Cloud foi desenvolvida com base na Adobe Cloud Platform e integrada com a Adobe Creative Cloud e a Document Cloud. Potencializando os recursos de machine learning e inteligência artificial da Adobe Sensei, a Adobe Experience Cloud combina soluções de renome mundial, uma plataforma completa e abrangente, sistemas abrangentes de conteúdo e dados e um ecossistema robusto de parceiros que oferece uma expertise inigualável na entrega de experiências.

Sobre a Adobe Advertising Cloud

A Adobe Advertising Cloud é a primeira plataforma independente de ponta a ponta da indústria para administrar propagandas em formatos tradicionais (TV) e digitais. Ao se concentrar na segurança da marca, melhorar a transparência e potencializar todo o potencial da Adobe Creative Cloud e da Adobe Experience Cloud, nossa plataforma permite que os anunciantes tenham um maior controle dos seus gastos mundiais com propaganda e alcancem seus objetivos de negócios. A plataforma já administra anualmente cerca de US$ 3 bilhões em propagandas, advindos de mais de 1.000 clientes globais, como a Allstate, Ford, Johnson & Johnson, Kraft, Liberty Mutual, L’Oréal, MGM, Nickelodeon e Southwest Airlines. Descubra mais informações sobre a Adobe Advertising Cloud.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Artigo mostra importância do digital commerce

Por que o digital commerce é 5x maior que o e-commerce?

*Por Maurício Trezub

Vivemos a Era da Transformação Digital. Muito se lê e se fala sobre esse movimento e isso faz com que as companhias busquem reformular totalmente a sua estratégia de negócios e posicionamento, se quiserem se manter competitivas no mercado. O problema é que os varejistas estão errando na formulação da estratégia de transformação digital ou estagnados sem saberem em que investir. Não sei dizer qual dos dois é mais perigoso!

Digital First Retail é o termo que temos usado para definir a tendência crescente da jornada de compra do consumidor ser influenciada por canais digitais, não importando onde a transação final acontece. É muito importante que este movimento seja entendido pelos varejistas e que a experiência de compra desta nova jornada seja repensada.

Um estudo recente da Deloitte mapeou que 56% das vendas em lojas físicas envolvem um dispositivo digital, ou seja, o consumidor pode ter pesquisado o produto no Google no trabalho, ter comparado preços num app no celular ou ainda ter visitado o e-commerce de várias marcas antes de ter decido ir à loja física. Nos Estados Unidas, a Forrester estimou que o volume de vendas influenciadas pelo digital é 5x maior que as vendas online. Ou seja, entender a jornada digital é hoje 5x mais importante que ter um e-commerce competente.

Desta forma, podemos afirmar que a maioria das vendas de uma loja hoje começa no online, pois o primeiro instinto do consumidor quando está interessado em um produto é pesquisar informações e comparar os preços na internet. E muitas dessas buscas geram, de fato, vendas nas lojas físicas. Então, como melhorar a minha estratégica e conquistar um consumidor que conhece o produto na internet e depois vem comprar na minha loja?

A resposta está no conceito de micro moments, que, segundo o Google, são minúsculos momentos de intenção de tomada de decisão e formação de preferências que ocorrem durante a jornada do consumidor. Sua empresa precisa estar presente nesses momentos e é aí que entra o investimento na digitalização do negócio. O comportamento de consumo da geração atual mudou, e para sempre. Com o mundo baseado em buscas, as lojas físicas precisam perceber que devem ser encontradas facilmente com apenas um clique. Neste contexto, ter informações como localização das lojas, catálogo, estoque, preços, horas de abertura e fechamento facilmente encontráveis nos canais digitais durante os micro moments é fundamental.

Outra estratégia para atender às demandas e aumentar a satisfação desse público é permitir que a compra seja feita online e o pagamento na loja física, quando houver a retirada do produto – processo conhecido como Click and Collect. Desta forma, o varejista consegue aproveitar a vinda do cliente à loja para oferecer produtos que possam complementar o primeiro pedido dele. Se o cliente comprou um tênis novo, posso oferecer meias para usar com ele, por exemplo.

Muitos varejistas acreditaram que montar uma operação de e-commerce apartada das lojas físicas fosse uma estratégia de sucesso para o futuro. Pode até ter funcionado por um período, mas agora é a hora de repensar drasticamente essa posição. O relacionamento com uma marca não está isolado em um canal e para conseguir fornecer uma experiência de comprar fluida, e sem atritos, os varejistas vão ter que integrar canais digitais e físicos em todos os pontos de contato que fizerem sentido para entregar uma jornada que começa – prioritariamente – no digital.

Comprovadamente, o digital commerce é muito mais relevante que o e-commerce ou qualquer outro canal de vendas isolado. Isso significa que para oferecer produtos e serviços para o consumidor nesta nova era não há mais saída: é preciso aderir ao digital commerce!

*Maurício Trezub é diretor de e-commerce da TOTVS

Fonte: RMA Comunicação – Marina Escarminio

Faça feira via internet

Novo negócio on line

A jovem publicitária Leticia Akahori Toledo teve a ideia de juntar duas de suas expertises: o conhecimento em comunicação/propaganda (é formada em publicidade e propaganda pela Unitau) e a vivência de sua família no comércio de hortaliças, verduras, frutas etc. Dessa junção nasceu o Feirinha Express, um varejo digital para quem não tem tempo ou disposição de ir ao mercado municipal, à quitanda ou mesmo ao supermercado.

A pessoa escolhe o que quer e precisa comprar, coloca em seu carrinho e aguarda a mercadoria ser entregue no endereço combinado. O pagamento é realizado na entrega da mercadoria.

O site é www.feirinhaexpress.com.br e Leticia desenvolveu a identidade visual e todos os layouts, artes e peças de divulgação do novo negócio.