Coluna Propaganda&Arte

Métrica de vaidade que nada. Chegou o novo terror do social media.

Quem trabalha com social media, criando conteúdos ou apenas gerenciando equipes de mídias sociais já recebeu questionamentos do alto escalão do tipo: por que não temos mais seguidores? Ou então: por que não estamos tendo likes nas postagens? Ou ainda: cadê o engajamento que costumávamos ter? As métricas de vaidade agora possuem aliados piores, as métricas de inutilidade.

No começo, quando isso tudo era mato, o principal foco das empresas e marcas nas redes sociais era ter muitos seguidores (ainda é realidade para muitas empresas), mas não as culpo. Precisamos sim criar audiência e “mostrar” certo serviço, porém, a maioria dos parâmetros e métricas são definidos pelos altos escalões que, na maioria das vezes, não possuem domínio técnico da ferramenta. Mesmo assim, não acho que seja o fim do mundo atender algumas métricas de vaidade, desde que o objetivo principal seja atendido também.

Estamos olhando para o mesmo lugar?

Qualquer profissional de mídia sabe que quando você inicia uma campanha paga no Instagram, Facebook e afins, temos diversos objetivos iniciais, seja captação de lead, alcance, conversão etc. Cada campanha terá um foco e vai receber uma métrica principal, ela irá definir toda a estratégia dali em diante com a ferramenta. Não adianta colocar um objetivo diferente de aumentar o número de seguidores se o que você busca é aumentar o número de seguidores. Precisamos ser práticos, porém, não cair nos erros comuns.

Imagem: Freepik.com

Se o aumento de seguidores era o terror dos antigos mídias, agora o engajamento está se tornando o novo “ouro”, como se só o engajamento resolvesse tudo.
“Mas Ricardo, eu quero que minha marca seja lembrada, quero gerar engajamento, quero fazer parte da vida das pessoas, para mim isso é mais relevante” – você pode me dizer. E eu novamente vou dizer: Compreendo, mas tem mais coisa aí. Veja que na frase acima já poderíamos traçar ao menos 2 objetivos (lembrança de marca e interações ou engajamento).

A meta de engajamento que agora está em alta faz todo sentido em uma fase final de jornada de compra, quando o seu público já foi atraído pelo seu material ou anúncio, já virou lead, amadureceu e comprou o produto. O engajamento se torna então uma consequência, durante ou no final de todo processo. Isso abre porta para o famoso UGC ou Conteúdo gerado pelo usuário, onde você não precisa gastar um centavo e os clientes se tornam propagadores do produto, influenciadores reais em diversas escalas de alcance.

E as métricas de inutilidade? Onde entram?

Se todo mundo do planejamento e da mídia achava ruim focar em métricas de vaidade como seguidores e likes, agora estão percebendo que focar em métricas de inutilidade é pior ainda. A métrica de vaidade ainda tem uma função muito clara, atender os anseios de algumas pessoas que estão acima de você ou de alguns públicos e que valorizam somente números. (Mas tem que ser grandes números, ok?) Então, focar em outras métricas, que não estão diretamente ligadas com o que você realmente precisa atingir, vai acabar depondo contra o trabalho de qualquer social media ou profissional da área e não vai ajudar em objetivo nenhum (nem de vaidade!).

O que de fato você precisa fazer?

Quais caminhos precisamos tomar? Quais pontos precisamos mensurar para tal objetivo? Como mesurar e baixar o custo da campanha? Como aumentar o número de conversões com a força do público? Estas perguntas irão nos guiar daqui pra frente. Isso pode nos ajudar na escolha dessas métricas, focar na geração de receita, na economia em cada objetivo, criação de um sistema natural e que se retroalimenta, fazendo com que suas ações sejam muito menos sofridas e mais inteligentes.

Foca no ROI e rói menos as unhas.

Quem sabe fazendo uma análise profunda da jornada de compra do seu público, batendo o funil de vendas e o funil de marketing para enxergar pontos de problemas ou oportunidades, você já consiga tirar ideias muito mais eficientes do que olhar para métricas meramente quantitativas ou qualitativas. O ROI vai te mostrar o retorno sobre o investimento em campanhas pagas, mas cada etapa precisa estar bem clara para não ter dúvidas do que realmente ajudou no processo de compra do cliente.

Os números não precisam ser seus inimigos, eles podem ser até muito legais quando você sabe o que eles estão dizendo e contando. Eu acho que saber “o que conta” é o que mais conta nessas horas!

Quais métricas você está de olho hoje?

Adobe é a primeira a oferecer dados analíticos para áudio offline e online

Adobe Analytics Cloud permite que as marcas obtenham mais informações sobre podcasts, streaming de música e livros digitais

 No Adobe Summit, realizado em Las Vegas agora em março, a Adobe revelou seu Analytics para streaming de áudio. Pela primeira vez, as marcas poderão obter informações detalhadas sobre o áudio online e offline. Parceira das dez maiores marcas de mídia e entretenimento, como CBS Interactive, Pandora, Spotify, Time Warner e Viacom, a Adobe Analytics Cloud permite que as marcas entendam como o ouvinte interage com podcasts, streaming de músicas, audiolivros e muito mais, no fim das contas, isso as ajuda a tomar decisões mais bem informadas para oferecer a melhor experiência ao cliente. O Adobe Analytics mede a batida e a monitora em tempo real fornecendo um nível avançado de insights sobre o streaming, o que permite que as marcas obtenham métricas essenciais.

“Com um mercado lotado e a possibilidade de ouvir áudios a qualquer hora e em qualquer lugar, as marcas geralmente ficam no escuro quando se trata de entender como o áudio é consumido. Os profissionais de marketing basicamente chutam o orçamento”, disse Jeff Allen, diretor de marketing de produtos, Adobe Analytics Cloud. “Nenhuma outra solução de dados analíticos permite esse nível de insights para podcasts, streaming de áudio e livros digitais”.

Os novos recursos de áudio na Adobe Analytics Cloud incluem:

Entenda os ouvintes: as marcas podem mensurar se um ouvinte terminou o podcast ou o audiolivro, se um anúncio foi ignorado, quando a entrega ocorreu e como erros (buffering, por exemplo) afetam a experiência, tanto para áudio baixado quanto áudios transmitidos ao vivo. A Adobe também permite que as marcas mensurem o conteúdo de áudio em todos os dispositivos e se um podcast ou audiolivro for ouvido em diferentes dispositivos. Com o Audience Marketplace do Adobe Audience Manager, as marcas podem se conectar a fontes de dados secundárias e de terceiros para entender o comportamento do usuário em marcas parceiras ou para avaliar a localização, a demografia ou a psicografia do público-alvo. Essas informações ajudam os editores de áudio com recomendações, decisões de publicidade e programação, levando a uma melhor experiência do consumidor.

Garanta a melhor experiência de áudio: com tantas opções de conteúdo, os consumidores podem rapidamente mudar de ideia, especialmente se a experiência não atingir o padrão esperado. Por meio do Adobe Sensei, a estrutura de IA ​e de machine learning da empresa, o Adobe Analytics alerta a marca quando uma anomalia está ocorrendo, como buffering muito demorado, e monitora o tempo entre o clique e a inicialização do áudio.

Gere receita na entrega: ao capturar as escolhas de conteúdo e os comportamentos dos ouvintes, as marcas podem segmentar melhor os anúncios para os consumidores e fornecer uma experiência de áudio personalizada para garantir que os ouvintes permaneçam engajados. As marcas podem mensurar os anúncios que os ouvintes iniciaram e concluíram, se houve uma desistência, e quais os pontos ideais para o anúncio no áudio. Com o Adobe Audience Manager, as marcas podem monetizar seus ativos de dados no Audience Marketplace e distribuir seus públicos-alvo em canais de entrega de conteúdo e de entrega de anúncios centrados em dispositivos móveis em todo o ecossistema de publicidade e marketing.

Acelere o carro conectado: para fabricantes de automóveis e desenvolvedores de aplicativos para carros, o Adobe Analytics garante a personalização e recursos de anúncios, propiciando às marcas a capacidade de oferecer experiências únicas no carro. Playlists personalizadas, recomendações de rota e anúncios de áudio podem ser usados para recomendar e exibir diferentes tipos de conteúdo. As marcas também podem ser alertadas instantaneamente se uma interação de voz do carro falhar.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa