Stone e mLabs juntas

Juntando capacidades

No último dia 27/05 tornou-se pública a parceria entre a Stone, empresa de soluções de pagamentos, e mLabs, plataforma de gestão de redes sociais com sede em São José dos Campos.

Caio Rigoldi, CEO da mLabs,  escreveu em uma publicação no LinkedIn:

“A partir de agora a Stone é a única sócia da mLabs. Nós temos o propósito e a cultura muito alinhada e esses foram os fatores principais para decisão de seguir junto com essa gigante do mundo financeiro. Enfrentaremos juntos o que for necessário para trazer o justo e maximizar os resultados para micro e pequenos empresários do país.”

O Publicitando fez três perguntinhas para o Caio sobre a fusão e a temperatura dos negócios em tempos de pandemia. Confira na sequência:

Publicitando: Como surgiu a ideia da parceria? Ela vem sendo preparada há quanto tempo?

Caio Rigoldi: A ideia veio após um encontro entre as duas empresas e o desejo de ambas de entregarem mais valor ao seu cliente final. Nós sempre entendemos que em algum momento teríamos que agregar mais soluções aos nossos clientes do que apenas redes sociais. Temos de fato que cumprir nosso propósito que é ajudar os pequenos negócios a terem resultados. E para ter resultados precisamos falar de vendas, pagamentos, mídia paga. Então nada melhor que uma empresa do mercado financeiro com a expertise da Stone nos ajudando a criar essas soluções.

Caio Rigoldi, CEO da mLabs

Publicitando: Quais os ganhos da parceria para as empresas coligadas e para os clientes?

Caio Rigoldi: Os principais ganhos para ambas as empresas é o agregado de soluções. A Stone passa a ter uma presença muito forte no marketing e nas redes sociais dos seus clientes e a mLabs com soluções financeiras. Na outra ponta estão os maiores beneficiados, os clientes de ambas as companhias que poderão usufruir de soluções integradas para maximizar os seus resultados.

Publicitando: A mLabs teve crescimento inesperado durante a quarentena?

Caio Rigoldi: Durante a pandemia a mLabs teve sim cancelamentos, empresas que infelizmente fecharam as portas ou diminuíram muito os seus negócios. Por outro lado desde que se iniciou a pandemia temos recordes de novos cadastros e clientes na plataforma. De 15/03 até 28/05 estamos com um aumento de 20% a 30% nos novos usuários utilizando a mLabs e nesse período, segundo o Google Trends, houve o pico máximo de buscas para os termos Marketing Digital e para mLabs também. Entendemos que diante do cenário a maioria das empresas entenderam o valor do digital e a importância da presença online. É um caminho que não tem mais volta e estamos muito otimista com o futuro.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

ACIT participa de Hackathon promovido pela FATEC

ACIT é convidada para participar como “desafiadora” do 1º Hackathon promovido pela FATEC

No início do mês de novembro, a Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) participou do 1º Hackathon, promovido pela Faculdade de Tecnologia de Taubaté – Centro Paula Souza (FATEC).

O presidente da ACIT, José Saud, durante evento HACKATHON

O Hackathon – modalidade Ideiathon – é uma maratona de ideias e a cada edição uma empresa ou instituição é convidada para participar apresentando um problema real para que os alunos possam trabalhar em possíveis soluções. Ao final, o “desafiador”, ou seja, a empresa convidada, é quem decide qual é a melhor solução.

Os alunos são divididos em equipes para que possam resolver o desafio de maneira rápida e eficiente, tendo como principal objetivo o aprimoramento dos estudantes nas técnicas de projeto, além de desenvolver a capacidade de trabalho em equipe e também o estímulo ao uso da criatividade e do aperfeiçoamento na habilidade de resolver problemas sob pressão.

HACKATHON de novembro tem apoio da ACIT

Nessa edição participaram 20 alunos, divididos em seis grupos, que foram avaliados por uma banca formada por professores da faculdade e demais avaliadores. A inscrição foi realizada pela internet e aberta ao público de forma gratuita e voluntária. Cada grupo recebeu um certificado de participação.

Fonte: Assessoria de Imprensa ACIT

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

Virar o jogo

Um dos pontos mais comentados em congressos, palestras, artigos, textos, podcasts e etc é a perda de valor das agências de propaganda. Podemos traduzir essa perda de valor por perda de importância e/ou relevância.

Há uns cinco ou seis anos esse tema passou a ser mais frequente e as mudanças recentes que vimos acontecer nas grandes holdings de propaganda parecem corroborar o ponto de vista defendido por muitos: as agências perderam relevância.

Isso se deu muito especificamente na relação com os anunciantes.

Há muitos fatores que são apontados para que esse recuo de importância no cenário de marketing e comunicação acontecesse. Concordo com a maioria deles. Mas vou destacar um que ouvi ou li recentemente e que acredito ser o mais decisivo: as agências não desenvolveram outros músculos além da criatividade ligada à comunicação.

Imagem de Lukas Bieri por Pixabay

Sim! O que é o maior trunfo das agências também pode ser visto como fator limitador. Vejamos: as agências não perceberam que os clientes tinham demandas que estavam além de uma boa ideia e de uma boa campanha traduzida em belas peças publicitárias.

As novas demandas dos clientes passavam e passam pela solução de problemas de negócios. Trata-se do já famoso e repetido “fazer o ponteiro de resultados mover-se para cima”. Trata-se de pensar na experiência total e completa do consumidor, em resolver gargalos e antecipar saídas a partir de novos comportamentos, usos e necessidades do consumidor.

Está bem além de ter ideias de comunicação! É pensar com cabeça de “resolvedor de problemas do cliente”. O que o fará bater as metas? Atingir os resultados? Virar líder do segmento? Ganhar consumidores novos? Ter novos produtos? E novos serviços?

E foi neste ponto crucial que as consultorias acharam a brecha de ouro para fazer sangrar ainda mais o já combalido grau de relevância das agências. Eles discutem isso: soluções voltadas para incrementar o negócio. E agora as consultorias, para o temor geral dos publicitários, investem também em comunicação e criatividade.

Calma lá, entretanto. Não é o fim do mundo das agências. Boa parte delas, principalmente as menores, independentes e ágeis já percebeu o que está rolando. Já sacaram. E estão jogando o jogo dentro do novo esquema tático. Tem mais facilidade porque são rápidas, enxutas e com poucos níveis hierárquicos. Algumas das grandes agências ligadas às grandes holdings também já sacaram. Mas tem mais dificuldades porque são lentas, grandes e com muitos níveis hierárquicos.

Imagem de rawpixel por Pixabay

Eu acho que dá pra igualar e até virar o jogo. As agências ainda voltarão a jogar bonito. E com eficácia! Eu boto fé!

“Afinal de contas, não tem cabimento. Entregar o jogo no primeiro tempo.
Nada de correr da raia, nada de morrer na praia.
Nada, nada, nada de esquecer.
Do balanço de perdas e danos.
Já tivemos muitos desenganos.
Já tivemos muito que chorar.
Mas…”

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

Como manter o relacionamento saudável

No artigo para essa coluna do mês passado escrevi sobre como as agências estão buscando recuperar sua relevância dentro do cenário atual de comunicação e marketing. Neste mês vamos persistir no assunto. Mas desta vez o foco será mais em como manter uma relação duradoura e saudável com os clientes.

Para melhor tratar o assunto quero trazer aqui um pouco das ideias de outros líderes do setor de agências de propaganda. E vou começar com uma declaração de David Laloum, presidente da Y&R. Ele afirma que para construir uma relação perene com os seus clientes as agências devem apostar em três fatores:

1 – construção de uma trajetória de sucesso – essa construção deve ocorrer em conjunto, com extensa participação do cliente para se chegar a bons resultados de negócios. Ou seja, a construção de seguidos “cases” de sucesso em parceria com os clientes;

2 – consistência na entrega – evitar ciclos de altos e baixos, perseguir a entrega com qualidade e excelência em todas as situações, manter um alto nível de entrega;

3 – capacidade de continuar a inspirar – uma agência deve sempre manter-se como fonte inspiradora não só de ideias mas também de inovação e soluções de demandas de negócios.

Quem também recentemente abordou o tema foi Ricardo John, presidente da JWT. Ricardo afirmou que para um relacionamento saudável entre agência e anunciante é preciso tomar cuidado para que a agência não seja vista como uma mera “tarefeira”. Para tanto, o caminho, diz o presidente, é trabalhar a consciência das equipes para que vistam a camisa de sócios dos projetos dos clientes e propor novas alternativas, evitando ser entendida (a agência) como simples fornecedora.

Imagem de rawpixel por Pixabay

É claro que essas ideias impactam e têm relação direta com novos modelos de operação das agências. Fernando Musa, CEO da Ogilvy, diz que as agências devem estar abertas à implementação de diferentes modelos operacionais e que a escolha do melhor modelo será definida pela demanda do cliente. Musa afirma que para manter um relacionamento “quente” é preciso estar aberto a qualquer modelo.

Outro aspecto destacado por várias lideranças é a diversidade. Buscar a montagem de equipes diversas, em vários aspectos, ajuda na entrega de soluções mais eficazes, assertivas e impactantes. Além da diversidade de gênero e classe social também passa a ser fundamental a diversidade de formações profissionais com a absorção de cientistas de dados, analistas de dados, antropólogos-sociólogos-filósofos, programadores e profissionais de inteligência artificial.

Fica óbvio, ao menos para mim, que as agências estão superando aquele momento de descrédito e de perda de relevância e estão trabalhando para virar o jogo e aproximarem-se definitivamente de seus clientes e de suas necessidades de negócios e soluções de problemas.

Vamos seguir observando e comentando!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0